Crítica | The Big Bang Theory – 12X20: The Decision Reverberation

Contém spoilers.

Os últimos episódios de The Big Bang Theory já vinham apresentando determinadas mudanças comportamentais em Sheldon (Jim Parsons), ao menos uma vontade do personagem em ser melhor. The Decision Reverberation, no caso, opta por trabalhar o relacionamento entre os dois co-protagonistas da série: Sheldon, sempre arrogante e egocêntrico, e Leonard (Johnny Galecki), costumeiramente conhecido por curvar a sua cabeça frente a um impasse, ao invés de se impor.

Quando Penny (Kaley Cuoco) percebe essa característica de seu marido, o convence a tomar partido de suas sinceras vontades uma vez ou outra, margeando a premissa do episódio – e permitindo Galecki ter mais uma amostra da sua competência como ator de comédia. Enquanto o capítulo possui sua profundidade e consegue ir além de um pretexto cômico, The Decision Reverberation, no entanto, não consegue traçar tanta criatividade para andar com a sua narrativa.

O caso é até simples e já aconteceu outras vezes no decorrer da temporada, mesmo que pouco tenha, nessas demais oportunidades, impactado o resultado do conjunto. The Big Bang Theory recorrentemente apresenta múltiplos arcos em um só episódio – na maior parte das vezes, são dois núcleos explorados. Um, entretanto, é central, mais importante, enquanto o outro possui o seu ideal cômico – e poderia sustentar-se por si só mesmo -, mas costuma quebrar com uma unidade.

É complicado manter um ritmo com narrativas que destoam até mesmo no humor, em como a comédia é explorada em cada uma das tramas. Enquanto o núcleo de Sheldon e Leonard brinca com essa situação de empoderamento, ao mesmo tempo que parte de um viés dramático-narrativo mais complexo, o de Raj (Kunal Nayyar) é simples e bastante inofensivo, envolvendo piadas com extraterrestres. O episódio até mesmo coloca Anu (Rati Gupta) em uma ponta genérica e gratuita.

The Decision Reveberation é um passo interessante para o seriado, por aprofundar um pouco mais o Sheldon de Jim Parsons, que possui uma conversa conclusiva com Amy (Mayim Bialik) certeira para esse estudo de personagem que vem sendo conduzido com o físico. Amy, por sinal, é um apoio cômico que funciona consideravelmente nesse episódio, possuindo interações boas com Leonard e com o seu marido. Ambas questionam as suas personalidades e seus comportamentos.

Mas, ao passo que provoca esses questionamentos interessantes aos seus protagonistas, que inclusive geram consequências reais, o capítulo termina estagnando-se ao explorar o seu outro núcleo, menos imaginativo. Tal trama é basicamente uma piada de uma nota só e que, em um sentido verdadeiramente racional, nos questiona o porquê dos amigos de Raj estarem atacando a sua moral em meio a tal cena científica.  O arco de Sheldon, no entanto, vale a pena ser apreciado.

The Big Bang Theory – 12X20: The Decision Reverberation – EUA, 25 de abril de 2019
Criação: Chuck Lorre e Bill Prady
Direção: Mark Cendrowski
Roteiro: Steven Molaro, Steve Holland, Tara Hernandez
Elenco: Johnny Galecki, Jim Parsons, Kaley Cuoco, Simon Helberg, Kunal Nayyar, Mayim Bialik, Melissa Rauch, Rati Gupta
Duração: 20 min.

GABRIEL CARVALHO . . . Sem saber se essa é a vida real ou é uma fantasia, desafiei as leis da gravidade, movido por uma pequena loucura chamada amor. Os anos de carinho e lealdade nada foram além de fingimento. Já paguei as minhas contas e entre guerras de mundos e invasões de Marte, decidi que quero tudo. Agora está um lindo dia e eu tive um sonho. Um sonho de uma doce ilusão. Nunca soube o que era bom ou o que era ruim, mas eu conhecia a vida já antes de sair da enfermaria. É estranho, mas é verdade. Eu me libertei das mentiras e tenho de aproveitar qualquer coisa que esse mundo possa me dar. Apesar de ter estado sobre pressão em momentos de grande desgraça, o resto da minha vida tem sido um show. E o show deve continuar.