Crítica | The Big Bang Theory – 12X21: The Plagiarism Schism

Contém spoilers.

Sheldon (Jim Parsons), anteriormente, dificilmente pensaria e repensaria as implicações morais existentes em uma possível ação sua. Hoje, no entanto, o personagem está mais predisposto a rever o seu comportamento, coisa que a primeira cena de The Plagiarism Chism apresenta bem. O episódio começa muitíssimo engraçado, enquanto Amy (Mayim Bialik) e o seu marido tentam, após causarem um vexame no passado, uma reconciliação com a dupla de cientistas que provou a tese deles acidentalmente. Mas Sean Astin e Kal Penn vivem fraudes e esse é um ponto que o capítulo reitera com competência dentro do humor, visando chegar na premissa. O caso é que o personagem de Sean Astin possivelmente plagiou a sua tese acadêmica, o que prontamente o desqualificaria para vencer um Nobel, caso provado. O que os protagonistas irão fazer com isso?

“O fim justifica os meios”, diriam alguns. Pois os amigos de Sheldon e Amy realmente acreditam que a dupla mereça, a qualquer custo, vencer o Nobel de Física. Tanto acham isso que sugerem serem os responsáveis pelo vazamento da informação sobre o plágio, para que os demais não sujassem as suas mãos. Porém, tudo dá errado, e o roteiro do episódio guarda bons momentos para repensar os impasses morais em questão. Enquanto Leonard (Johnny Galecki) e Penny (Kaley Cuoco) desventuram-se pelo perigo, Howard (Simon Helberg) e Bernadette (Melissa Rauch) adentram uma trama completamente diferente. O único ponto de coesão entre tais frentes, e que é usado bem para catapultar o núcleo desses dois, parte do pretexto em que pessoas realizam atos reprováveis, mas pensando em causas boas. Mas a trama não é tão boa.

Mais uma vez, The Big Bang Theory cria um rompimento em seu episódio ao tentar ajustar duas frentes que não se comunicam bem. Por um lado, o núcleo de Sheldon e Amy é importantíssimo para a narrativa da temporada. Por outro, Howard envolve-se em um arco um tanto piegas – embora com certo ar cômico menor – de reavaliar o seu amor por Bernadette, após a mulher apontar que, nos dias de ouro, conhecia uma garçonete que tinha uma queda por ele. Já Raj (Kunal Nayyar) permanece, em vista dos episódios anteriores, sendo uma espécie de muleta cômica, sem mais ser encarado como um personagem por si só. The Plagiarism Chism serve mesmo como uma porta de entrada dos espectadores para a resolução da série. Os caminhos podem ser os mais esperados pelo público, porém, isso não significa que não iremos rir até lá.

The Big Bang Theory – 12X20: The Plagiarism Schism – EUA, 2 de maio de 2019
Criação: Chuck Lorre e Bill Prady
Direção: Nikki Lorre
Roteiro: Eric Kaplan, Maria Ferrari, Adam Faberman
Elenco: Johnny Galecki, Jim Parsons, Kaley Cuoco, Simon Helberg, Kunal Nayyar, Mayim Bialik, Melissa Rauch, Kal Penn, Sean Astin
Duração: 20 min.

GABRIEL CARVALHO . . . Sem saber se essa é a vida real ou é uma fantasia, desafiei as leis da gravidade, movido por uma pequena loucura chamada amor. Os anos de carinho e lealdade nada foram além de fingimento. Já paguei as minhas contas e entre guerras de mundos e invasões de Marte, decidi que quero tudo. Agora está um lindo dia e eu tive um sonho. Um sonho de uma doce ilusão. Nunca soube o que era bom ou o que era ruim, mas eu conhecia a vida já antes de sair da enfermaria. É estranho, mas é verdade. Eu me libertei das mentiras e tenho de aproveitar qualquer coisa que esse mundo possa me dar. Apesar de ter estado sobre pressão em momentos de grande desgraça, o resto da minha vida tem sido um show. E o show deve continuar.