Crítica | The Early Adventures 3X02: The Fifth Traveller

The Early Adventures 3X02 The Fifth Traveller plano critico big finish

Equipe: 1º Doutor, Vicki, Ian, Barbara, Jospa
Espaço: Planeta dos Arunde
Tempo: Indeterminado

Quando eu comecei a ouvir esse áudio e o nome de Jospa apareceu como se ele estivesse já há muito tempo viajando com o Doutor, eu dei um salto de insatisfação. Meu pensamento imediato foi que a Big Finish estava assumindo um caminho irresponsável ao colocar um companheiro assim, do nada. Mas persisti na audição e… bem… é aquela coisa do “contexto é tudo“. A presença do jovem companion é devidamente explicada nessa mesma história, a linha do tempo do 1º Doutor está “salva” e tudo voltou à normalidade. Ou quase tudo.

Localizado entre o tenebroso The Web PlanetThe Crusade, este episódio da série The Early Adventures traz uma experiência traumática para o Doutor e seus companheiros recorrentes, numa história onde precisam lidar com seres semelhantes a macacos, mas com uma estrutura física consideravelmente diferente. A abertura da história nos pega de surpresa, mostrando-nos uma fuga e também alguns diálogos para os quais não temos muita explicação, o que foi uma boa sacada do roteirista Philip Lawrence (de Little Doctors) para colocar um personagem desconhecido com a “desculpa” de que ele está vindo de uma saga que não conhecemos. Tudo bem que o primeiro impacto é sentido, mas quando o choque passa, a razão entende bem o por quê dessa escolha do autor.

As perturbações iniciais, no entanto, só encontram uma breve pausa no roteiro. Eu acho um pouco entediante os textos colocarem de novo e + outra vez a dificuldade de o Doutor controlar a TARDIS. Aqui não é diferente. Em compensação, nossa curiosidade sobre Jospa está em alta, de modo que focamos nos diálogos e esperamos maiores explicações sobre suas viagens com o Doutor, à medida que o enredo vai fazendo um bom contexto para a equipe de viajantes, especialmente no caso de Vicki, que está mergulhada em uma melancolia mal disfarçada, elemento que também vemos na série, mas rapidamente encoberto por correrias e gritos de desespero diante de um vilão ou outro. Na presente saga, a relação fraternal que ela tem com Jospa e a saudade por antecipação que tem de Ian e Barbara (a todo tempo falando em voltar para casa) tornam sua presença aqui muito interessante, tornando-a a melhor personagem desse episódio.

Na linha dos arcos desse momento da Série Clássica, temos aqui a divisão por episódios temáticos, a saber, HuntedEnemy in the DarkThe Hidden SoldierThe Boy. Embora todos eles sejam consistentes, o momento em que o texto passa a explorar os habitantes tipo-símios do planeta Arunde — com sua telepatia e problemas tribais — a trama deixa de ser realmente interessante. O tempo inteiro eu queria que voltasse para o Doutor ou para algum dos companions, já que o interesse para os macacos não era lá essas coisas. Quando Jospa começa a ter sua identidade revelada e as cosas ligadas a ele são explicadas, a história volta a ter brilho, mas demora consideravelmente para sair do lugar. Eu culpo o modelo de seguir o padrão de “divisão por episódios” daquela época da Série. Tudo bem, isso demonstra respeito e cuidado da BF com o legado do show, mas nessa situação, por exemplo, existe uma notável encheção de linguiça para que em cada episódio um “tema isolado” seja tratado.

Claro que no final tudo funciona muito bem, mas esses impasses ao longo do desenvolvimento mancham The Fifth Traveller. O interessante dessa aventura é que a lembrança traumática que ela deixou ficaria ainda por um tempo com os tripulantes da TARDIS, até se perder nas brumas do tempo. O clima de estranheza e incômodo emocional é bastante forte no final. Dá até dó deles, especialmente do Doutor.

The Early Adventures 3X02: The Fifth Traveller (Reino Unido, 13 de outubro de 2016)
Direção: Lisa Bowerman
Roteiro: Philip Lawrence
Elenco: William Russell, Maureen O’Brien, Jemma Powell, James Joyce, Kate Byers, Elliot Cowan, Orlando James
Duração: 150 min.

LUIZ SANTIAGO (OFCS) . . . . Após recusar o ingresso em Hogwarts e ser portador do Incal, fui abduzido pela Presença. Fugi com a ajuda de Hari Seldon e me escondi primeiro em Twin Peaks, depois em Astro City. Acordei muitas manhãs com Dylan Dog e Druuna, almocei com Tom Strong e tive alguns jantares com Júlia Kendall. Em Edena, assisti aulas de Poirot e Holmes sobre técnicas de investigação. Conheci Constantine e Diana no mesmo período, e nos esbaldamos em Asgard. Trabalhei com o Dr. Manhattan e vi, no futuro, os horrores de Cthulhu. Hoje, costumo andar disfarçado de Mestre Jedi e traduzo línguas alienígenas para Torchwood e também para a Liga Extraordinária. Paralelamente, atuo como Sandman e, em anos bissextos, trabalho para a Agência Alfa. Nas horas vagas, espero a Enterprise abordar minha TARDIS, então poderei revelar a verdade a todos e fazer com que os humanos passem para o Arquivo da Felicidade, numa biblioteca de Westworld.