Home TVEpisódio Crítica | The Night Of 1X03: A Dark Crate

Crítica | The Night Of 1X03: A Dark Crate

por Luiz Santiago
107 views (a partir de agosto de 2020)

the-night-of-plano-critico

estrelas 4,5

spoilers! Confira as críticas para os outros episódios da série aqui.

A única coisa fora de tom em A Dark Crate (que título perfeito para a temática desse episódio, não é mesmo?) é a forma pouco realista, ou, em outra visão, “livre demais”, com que o roteiro de Richard Price e a direção de Steven Zaillian representam a prisão onde Naz está, até o seu julgamento.

Não que essa forma irrealista torne todo o conceito da prisão “menor” ou “menos impactante” ou a história ruim pela caricatura da maldade com que representa a população carcerária notadamente negra (e o tratamento dado a esses personagens me incomoda um pouco, como já havia sinalizado em Subtle Beast). Esse ponto se destaca mais pela excelência e realismo-dramático — percebam que eu não usei o hífen à toa, pois a série não traz um realismo cru, documental, mas sim dramatizado — utilizados na representação de todas as outras partes, tanto institucionais quanto puramente civis.

Se no episódio anterior vimos os primeiros momentos de Naz nesse mundo de punição para condenados ou para pessoas em julgamento, em A Dark Crate, vemos uma parte de sua estadia no local. E neste ponto, a representação deixa de ser predominantemente caricatural. Os arranjos da hierarquia na prisão, os acordos criminosos entre presos e policiais, as chantagens e a prova de que corrupção e “jeitinho para regras” pode-se ver em qualquer cultura são destacados com bastante competência pelo diretor. Mesmo irreal em um primeiro aspecto, o sistema carcerário que vemos aqui é um reflexo do sistema americano, e sua configuração não é nada desconhecida para nós brasileiros. Em meio a tantos acertos ilegais em um espaço onde se deveria punir, afastar da sociedade ou possivelmente recuperar pessoas que cometeram crimes, é extremamente irônico que as coisas funcionem, em parte, na mais perfeita ilegalidade. The Night Of está sinalizando algo muito importante aqui.

Nesse ambiente de regras próprias e que faz do protagonista um homem vivendo com medo — vejam que parte da tensão e expectativa de que algo ruim iria acontecer, explorada em The Beach, volta nesse episódio –, temos o ponto de partida para o avanço das forças de defesa e acusação.

Como tem um elenco excelente para trabalhar, Zaillian foca mais na narrativa e seus inúmeros detalhes, aqui, novamente marcada pela força da trilha sonora densa, que incita o suspense — em certas cenas, quase o terror, assim como a fotografia escura, seu lance com espelhos e eficiente jogo de campo/contracampo — e nos deixa esperando por alguma reviravolta que acaba vindo, de fato, mas não da maneira que esperávamos.

A mudança de advogado e a visível falta de referências e “norte” da família de Naz são motivos de grande preocupação para o espectador e indicam a adição de um outro problema e/ou mistério a ser trabalhado nos episódios seguintes. O melhor de tudo é que a construção dessa situação se dá de maneira simples e rápida. O foco principal desse Universo já é conhecido do público, então não há perca de tempo com reintroduções ou justificativas para isso ou aquilo. Muita coisa acontece, em ritmo de “crônica de mistério”, alguns personagens são colocados nesse meio para tornar mais intrigante do destino de Naz, enquanto outros são sutilmente conduzidos por um caminho que não conseguimos divisar muito bem. Richard Price beira à perfeição nessa expansão de possibilidades. Ele não deixa de contar coisas relevantes, não deixa de fazer avançar os blocos já existentes na trama, mas também não para por aí. Novas facetas, tão interessante quanto as que tínhamos, são adicionadas.

Perseguido e aparentemente forçado a fazer uma aliança que não deve acabar bem, Naz está em um conflito muito grande de desejos e não consegue processar a quantidade de sentimentos que tem. Silencioso, desconfiado e fisicamente abatido, ele vê sua vida afundar um pouco mais. A discussão do processo de organização da justiça, a crítica ao sistema prisional, a exposição dos “advogados abutres” e dramas familiares de peso, como a questão do Táxi do pai de Naz, coroam a A Dark Crate, que nos faz ver The Night of manter o seu excelente nível. Uma coisa vale dizer: fiquem de olho naquele gato. Ele provavelmente trará alguma pista sobre o caso.

The Night Of  1X03: A Dark Crate (EUA, 24 de Julho de 2016)
Direção: Steven Zaillian
Roteiro: Richard Price
Elenco: Riz Ahmed, John Turturro, Bill Camp, Peyman Moaadi, Poorna Jagannathan, Jeannie Berlin, Sofia Black-D’Elia, Paul Sparks, Michael K. Williams, Glenne Headly, Amara Karan
Duração: 60 min.

Você Também pode curtir

77 comentários

Rafha 31 de julho de 2016 - 05:24

O gato ja se mostrou uma peça chave obvia, pela porta dos fundos.
Eu gosto de pensar que foi o vizinho que poderia ser apaixonado por ela sei la, que entrou e matou violentamente, e viu naquela noite oportunidade p culpar um trouxa.

Responder
Luiz Santiago 31 de julho de 2016 - 19:06

Essa é uma possibilidade. Aquela porta facilmente aberta deixou quase todo mundo de orelha em pé. Tem coisa aí.

Responder
Luiz Santiago 31 de julho de 2016 - 19:06

Essa é uma possibilidade. Aquela porta facilmente aberta deixou quase todo mundo de orelha em pé. Tem coisa aí.

Responder
Alex Alves 28 de julho de 2016 - 10:53

Ótimo episódio, o detetive esta louco para encerar o caso, Omar Little mostrando quem mando no presídio e sinceramente não acho que a advogada faça parte de nenhum complô só acho que queira mídia para fortalecer sua carreira. Acredito seriamente que não saberemos quem foi o assassino ao fim da série.

Responder
Luiz Santiago 28 de julho de 2016 - 14:58

Eu já tinha levantado essa hipótese de que o assassino não será revelado. O que também é uma opção ótima, já que abre espaço para inúmeras possibilidades, um daqueles crimes insolúveis…

Responder
Luiz Santiago 28 de julho de 2016 - 14:58

Eu já tinha levantado essa hipótese de que o assassino não será revelado. O que também é uma opção ótima, já que abre espaço para inúmeras possibilidades, um daqueles crimes insolúveis…

Responder
bre.ribeiro 27 de julho de 2016 - 22:45

Tive a mesma sensação em relação ao gato! rs

Responder
Luiz Santiago 28 de julho de 2016 - 02:07

Ele está sendo um tipo de pista Illuminati para os fãs da série. hahahaha

Responder
Luiz Santiago 28 de julho de 2016 - 02:07

Ele está sendo um tipo de pista Illuminati para os fãs da série. hahahaha

Responder
bre.ribeiro 27 de julho de 2016 - 22:45

Tive a mesma sensação em relação ao gato! rs

Responder
Bruno 27 de julho de 2016 - 15:13

Porra, mais um episódio tenso! Não inteiramente, mas com duas cenas que pelo amor de deus! Agora temo uma nova advogada, será que ela só quer os holofotes? Mas John segue na trama, o que é ótimo, pois é um personagem bem intrigante, talvez o mais intrigante da série. Aquelas fotos do pai do Nazir, será a imprensa?

Responder
Bruno 27 de julho de 2016 - 15:13

Porra, mais um episódio tenso! Não inteiramente, mas com duas cenas que pelo amor de deus! Agora temo uma nova advogada, será que ela só quer os holofotes? Mas John segue na trama, o que é ótimo, pois é um personagem bem intrigante, talvez o mais intrigante da série. Aquelas fotos do pai do Nazir, será a imprensa?

Responder
Luiz Santiago 27 de julho de 2016 - 15:49

Aquela advogada com certeza gosta de show. E até o momento ela não me pareceu ligada a nenhum grupo específico de maldade. MAS, como não existe almoço grátis, estou só esperando ela colocar as garrinhas de fora. #MEDO

As fotos do pai do Naz me parece mais algo do Detetive Box. Não sei, não simpatizei muito com esse cara. Acho que ele mandou investigar a família do Naz.

Responder
Luiz Santiago 27 de julho de 2016 - 15:49

Aquela advogada com certeza gosta de show. E até o momento ela não me pareceu ligada a nenhum grupo específico de maldade. MAS, como não existe almoço grátis, estou só esperando ela colocar as garrinhas de fora. #MEDO

As fotos do pai do Naz me parece mais algo do Detetive Box. Não sei, não simpatizei muito com esse cara. Acho que ele mandou investigar a família do Naz.

Responder
Bruno 27 de julho de 2016 - 21:20

Pode ser, pode ser… Mas eu não vi nada demais no detetive não.

Responder
Bruno 27 de julho de 2016 - 21:20

Pode ser, pode ser… Mas eu não vi nada demais no detetive não.

Responder
Luiz Santiago 28 de julho de 2016 - 01:55

Não sei… ele me parece “certo demais”, sabe? E está “comprometido demais” com a condenação. Vamos ver se é só birra minha com o personagem (não do jeito negativo) ou se tem mesmo algo aí.

Responder
Luiz Santiago 28 de julho de 2016 - 01:55

Não sei… ele me parece “certo demais”, sabe? E está “comprometido demais” com a condenação. Vamos ver se é só birra minha com o personagem (não do jeito negativo) ou se tem mesmo algo aí.

Responder
Clayton Lucena 26 de julho de 2016 - 21:17

Excelente crítica Luiz, mais um episódio muito bom. Continua tenso e muito bem trabalhado nos diálogos, e esse jogo de câmeras na prisão deixa o expectador sempre esperando o pior, na parte do banho já estava esperando pegarem o Naz e nas cenas seguintes senti o mesmo sentimento (como vc colocou quase um terror).
Esse gato eu já tinha falado na primeira crítica em!!! e que atuação do gato em, pediu a comida na hora certa.
Luiz você fez a crítica primeiro que a de Preacher procede?

Abraços Man

Responder
Clayton Lucena 26 de julho de 2016 - 21:17

Excelente crítica Luiz, mais um episódio muito bom. Continua tenso e muito bem trabalhado nos diálogos, e esse jogo de câmeras na prisão deixa o expectador sempre esperando o pior, na parte do banho já estava esperando pegarem o Naz e nas cenas seguintes senti o mesmo sentimento (como vc colocou quase um terror).
Esse gato eu já tinha falado na primeira crítica em!!! e que atuação do gato em, pediu a comida na hora certa.
Luiz você fez a crítica primeiro que a de Preacher procede?

Abraços Man

Responder
Luiz Santiago 26 de julho de 2016 - 21:36

E aí, man! Aquela cena do banho foi tensa. E quando ele acordou à noite também, eu fiquei esperando alguma coisa aparecer ali no espelho. A tensão é realmente gigantesca. Puta dó do Naz, viu.

Sim, sim a de Preacher sai sempre às quartas-feiras.

Responder
Luiz Santiago 26 de julho de 2016 - 21:36

E aí, man! Aquela cena do banho foi tensa. E quando ele acordou à noite também, eu fiquei esperando alguma coisa aparecer ali no espelho. A tensão é realmente gigantesca. Puta dó do Naz, viu.

Sim, sim a de Preacher sai sempre às quartas-feiras.

Responder
Clayton Lucena 27 de julho de 2016 - 11:12

A do espelho foi foda demais, Só esperando a faca chegar e matar o coitado…

Responder
Clayton Lucena 27 de julho de 2016 - 11:12

A do espelho foi foda demais, Só esperando a faca chegar e matar o coitado…

Responder
Luiz Santiago 27 de julho de 2016 - 16:05

E eu achei tão bacana o caminho que o roteiro seguiu… primeiro aquela coisa do sapato para “tração”. Eu fiquei primeiro esperando alguém querer dar uma rasteira no Naz ou sei lá… ele escorregar pra pegar o sabonete. hahahaha

Que tenso, velho!

Responder
Clayton Lucena 27 de julho de 2016 - 17:06

Sim foi foda. A gente estava tão imerso na narrativa que só estava pensando no pior, coitado do Naz nos próximo episódios se continuar assim kkkkkkk. Esta muito bom que esta passando tão rápido que quando vai ver o episódio já acabou.

Abraços man.

Clayton Lucena 27 de julho de 2016 - 17:06

Sim foi foda. A gente estava tão imerso na narrativa que só estava pensando no pior, coitado do Naz nos próximo episódios se continuar assim kkkkkkk. Esta muito bom que esta passando tão rápido que quando vai ver o episódio já acabou.

Abraços man.

Luiz Santiago 27 de julho de 2016 - 17:37

E olha que são episódios de 1h de duração! Só um puta roteiro consegue isso. E para um drama “lento”. Simplesmente foda!

Clayton Lucena 27 de julho de 2016 - 18:28

Sim bem lembrado, tem série com 25min de duração por episódio que não consegue isso! quero ver onde isso vai dar, O Naz, o advogado, agora a advogada, o maluco que quer ajudar ele na prisão, o detetive, os pais do Naz, os sócios do pai do Naz , o fotografo, a testemunha, o motorista q estava no posto e o Wolverinus Fellinus (mais conhecido como o psicoPATA) tem muita coisa para rolar. tantas teorias!!!!!!

Abraços Man.

Luiz Santiago 27 de julho de 2016 - 18:39

Aaaaaaaaaaaaaaaaa esse psicoPATA hahahahahhaha, certeza que ele tem alguma coisa a ver com a trama toda — ou ele ou alguma pista dada por ele, como o caso do portão, como um dos colegas comentou aqui.

Luiz Santiago 27 de julho de 2016 - 18:39

Aaaaaaaaaaaaaaaaa esse psicoPATA hahahahahhaha, certeza que ele tem alguma coisa a ver com a trama toda — ou ele ou alguma pista dada por ele, como o caso do portão, como um dos colegas comentou aqui.

Clayton Lucena 27 de julho de 2016 - 22:32

No primeiro episódio quando ela coloca o gato para fora será que ela não deixou esse portão aberto????? será será será???? a gente especulando e no final pode ser o Naz ! todas as teorias mirabolantes vão por água a baixo! Snif Snif kkkkk

Luiz Santiago 28 de julho de 2016 - 01:57

HAHAHHA, eu não queria que fosse ele, porque gostei muito do personagem! Queria que ele fosse inocente! hahaahaha

Luiz Santiago 28 de julho de 2016 - 01:57

HAHAHHA, eu não queria que fosse ele, porque gostei muito do personagem! Queria que ele fosse inocente! hahaahaha

Clayton Lucena 28 de julho de 2016 - 11:07

Tbm estou contigo nessa, não pode ser ele! se drogou e bebeu pela primeira vez deve ter apagado mesmo!

Clayton Lucena 28 de julho de 2016 - 11:07

Tbm estou contigo nessa, não pode ser ele! se drogou e bebeu pela primeira vez deve ter apagado mesmo!

Clayton Lucena 27 de julho de 2016 - 22:32

No primeiro episódio quando ela coloca o gato para fora será que ela não deixou esse portão aberto????? será será será???? a gente especulando e no final pode ser o Naz ! todas as teorias mirabolantes vão por água a baixo! Snif Snif kkkkk

Clayton Lucena 27 de julho de 2016 - 18:28

Sim bem lembrado, tem série com 25min de duração por episódio que não consegue isso! quero ver onde isso vai dar, O Naz, o advogado, agora a advogada, o maluco que quer ajudar ele na prisão, o detetive, os pais do Naz, os sócios do pai do Naz , o fotografo, a testemunha, o motorista q estava no posto e o Wolverinus Fellinus (mais conhecido como o psicoPATA) tem muita coisa para rolar. tantas teorias!!!!!!

Abraços Man.

Luiz Santiago 27 de julho de 2016 - 17:37

E olha que são episódios de 1h de duração! Só um puta roteiro consegue isso. E para um drama “lento”. Simplesmente foda!

Luiz Santiago 27 de julho de 2016 - 16:05

E eu achei tão bacana o caminho que o roteiro seguiu… primeiro aquela coisa do sapato para “tração”. Eu fiquei primeiro esperando alguém querer dar uma rasteira no Naz ou sei lá… ele escorregar pra pegar o sabonete. hahahaha

Que tenso, velho!

Responder
Raoni De Lucia 26 de julho de 2016 - 19:52

E lá vamos nós pra mais um ótimo episódio, eu acho que a inserção do gato de novo foi pra mostrar que aquele portão é uma entrada fácil demais pra casa, mas ele também pode ter sido o culpado do assassinato rsrsrs e aquela cabeça de alce em close na parede de novo? Achei uma ótima inserção o outro time de advogados, pois mostra que aproveitadores estão aí só esperando pra aparecer falando bonito e convencendo que são pessoas boas, e será que o advogado dele se sentiu mal mesmo por ter perdido o cliente e a chance de ganhar uma grana (a cena que ele fala os valores pros pais foi ótima), ou por não provar a inocência do Naz? A cara que ele ficou quando o Naz conta pra ele, foi meio devastador pra ele, como se dissesse “minha carreira já era”, mostrar os problemas que ele tem, o grupo de apoio nos faz sentir mais próximo do personagem. As cenas na prisão foram muito boas também, a do chuveiro eu já pensei, agora já era, foi-se, veremos qual será o segundo círculo do inferno pois o primeiro já foi tenso. Agora um ponto que eu notei, quem estava tirando fotos do pai do Naz? Ótima crítica!

Responder
Raoni De Lucia 26 de julho de 2016 - 19:52

E lá vamos nós pra mais um ótimo episódio, eu acho que a inserção do gato de novo foi pra mostrar que aquele portão é uma entrada fácil demais pra casa, mas ele também pode ter sido o culpado do assassinato rsrsrs e aquela cabeça de alce em close na parede de novo? Achei uma ótima inserção o outro time de advogados, pois mostra que aproveitadores estão aí só esperando pra aparecer falando bonito e convencendo que são pessoas boas, e será que o advogado dele se sentiu mal mesmo por ter perdido o cliente e a chance de ganhar uma grana (a cena que ele fala os valores pros pais foi ótima), ou por não provar a inocência do Naz? A cara que ele ficou quando o Naz conta pra ele, foi meio devastador pra ele, como se dissesse “minha carreira já era”, mostrar os problemas que ele tem, o grupo de apoio nos faz sentir mais próximo do personagem. As cenas na prisão foram muito boas também, a do chuveiro eu já pensei, agora já era, foi-se, veremos qual será o segundo círculo do inferno pois o primeiro já foi tenso. Agora um ponto que eu notei, quem estava tirando fotos do pai do Naz? Ótima crítica!

Responder
Luiz Santiago 26 de julho de 2016 - 21:12

Esse advogado que o Turturro interpreta é um puta de um personagem. Profundo, cheio de coisas que a gente não sabe ou suspeita, normalmente coisas boas… Eu gosto muito dele. E o ator é muito bom também.

Agora… você levantou um ponto realmente importante e que também me deixou “meio assim”: quem estava tirando fotos dele? Seria a mando do detetive Box?

Responder
Luiz Santiago 26 de julho de 2016 - 21:12

Esse advogado que o Turturro interpreta é um puta de um personagem. Profundo, cheio de coisas que a gente não sabe ou suspeita, normalmente coisas boas… Eu gosto muito dele. E o ator é muito bom também.

Agora… você levantou um ponto realmente importante e que também me deixou “meio assim”: quem estava tirando fotos dele? Seria a mando do detetive Box?

Responder
Raoni De Lucia 27 de julho de 2016 - 12:20

O Turturro é um ótimo ator mesmo, e eu não faço ideia de quem possa ser o fotógrafo naquela hora, será alguém da acusação? Tentando buscar alguma ligação com grupos terroristas? Muito estranho.

Responder
Raoni De Lucia 27 de julho de 2016 - 12:20

O Turturro é um ótimo ator mesmo, e eu não faço ideia de quem possa ser o fotógrafo naquela hora, será alguém da acusação? Tentando buscar alguma ligação com grupos terroristas? Muito estranho.

Responder
Luiz Santiago 27 de julho de 2016 - 16:14

Tá bem difícil encontrar um caminho para o que podem ser as pistas que temos até agora:

1 – O padrasto da Andrea
2 – O gato
3 – O cervo (será que tem algo aí ou é só noia minha?)
4 – Os caras tirando foto do pai do Naz
5 – A nova advogada
6 – O Detetive Boss (não sei… esse cara…)
7 – A dupla que o Naz encontra na noite antes

Responder
Luiz Santiago 27 de julho de 2016 - 16:14

Tá bem difícil encontrar um caminho para o que podem ser as pistas que temos até agora:

1 – O padrasto da Andrea
2 – O gato
3 – O cervo (será que tem algo aí ou é só noia minha?)
4 – Os caras tirando foto do pai do Naz
5 – A nova advogada
6 – O Detetive Boss (não sei… esse cara…)
7 – A dupla que o Naz encontra na noite antes

Responder
Raoni De Lucia 27 de julho de 2016 - 17:35

Eu também acho que em algum momento eles vão achar alguma coisa naquela cabeça de cervo, e essa nova advogada me pareceu muito boa moça demais, são muitas idéias entre um episódio e outro, tinha que ser que nem Netflix, todos os episódios disponíveis logo rsrs

Luiz Santiago 27 de julho de 2016 - 18:34

Nem me fala! Esperar uma semana para ver o desenrolar de toda essa trama é de matar, viu!

Clayton Lucena 28 de julho de 2016 - 11:06

Não gosto do formato do netflix de liberar tudo de uma vez!

O bacana e rolar essas teorias e debates durante a semana com a galera! no netflix a pessoa faz maratona e no mês seguinte a série já foi esquecida…..enquanto isso aqui rola o debate a cada semana em Preacher e The Night Of.

Luiz Santiago 28 de julho de 2016 - 15:02

Acho que o hype se segura mais tempo ativo no formato semanal, mas por exemplo, quem se esquece de House of Cards, Demolidor e Stranger Things? Eu gosto do formato Netiflix, mas pensando nessa extensão de conversas ao longo das semanas, acaba fazendo mesmo diferença, mas não no sentido de “esquecimento”, mas diminuição e citações mesmo.

Luiz Santiago 28 de julho de 2016 - 15:02

Acho que o hype se segura mais tempo ativo no formato semanal, mas por exemplo, quem se esquece de House of Cards, Demolidor e Stranger Things? Eu gosto do formato Netiflix, mas pensando nessa extensão de conversas ao longo das semanas, acaba fazendo mesmo diferença, mas não no sentido de “esquecimento”, mas diminuição e citações mesmo.

Clayton Lucena 28 de julho de 2016 - 15:11

Lá na gringa a galera só fala de Mr. Robot nessas últimas semanas e para a popularidade da série isso é demais!!! Pelo menos eu gosto de conversar com os amigos sobre todas essas teorias durante a semana, já quando vi demolidor e stranger things não rolou esse papo, só rolou basicamente um curtiu ou não e já era voltamos para debater os episódios que rolaram na semana em outras séries! Mas tudo tem seus prós e contras né e para suprir essa espera de um episódio e outro vou vendo outras séries kkkkk

Abraços man.

Clayton Lucena 28 de julho de 2016 - 15:11

Lá na gringa a galera só fala de Mr. Robot nessas últimas semanas e para a popularidade da série isso é demais!!! Pelo menos eu gosto de conversar com os amigos sobre todas essas teorias durante a semana, já quando vi demolidor e stranger things não rolou esse papo, só rolou basicamente um curtiu ou não e já era voltamos para debater os episódios que rolaram na semana em outras séries! Mas tudo tem seus prós e contras né e para suprir essa espera de um episódio e outro vou vendo outras séries kkkkk

Abraços man.

Luiz Santiago 28 de julho de 2016 - 18:14

É verdade, essa conversa mais compassada sobre os episódios se perdem, normalmente a gente fala das séries do Netflix como um todo, né? São formas diferentes de abordagem e do público se relacionar também.

Luiz Santiago 28 de julho de 2016 - 18:14

É verdade, essa conversa mais compassada sobre os episódios se perdem, normalmente a gente fala das séries do Netflix como um todo, né? São formas diferentes de abordagem e do público se relacionar também.

Clayton Lucena 28 de julho de 2016 - 19:16

É bem por ai mesmo, pq tudo isso que estamos supondo com relação a quem matou, se vc já viu tudo nunca vai ter isso, vc vai falar somente sobre o final ou como se revelou quem matou ou se a série é bom ou não! são formas diferente mas se a série for boa os dois formatos estão bons e já era!HAHAHA
Abraços Man.

Luiz Santiago 28 de julho de 2016 - 20:27

Também penso assim. Se for bem trabalho, acho que os dois conceitos podem funcionar e continuar garantindo um bom entretenimento.

Luiz Santiago 28 de julho de 2016 - 20:27

Também penso assim. Se for bem trabalho, acho que os dois conceitos podem funcionar e continuar garantindo um bom entretenimento.

Clayton Lucena 28 de julho de 2016 - 22:53

ah e a crítica de 12 Monkeys vai sair quando Luiz…..quero debater teorias!!!! kkkkkkkkk

Clayton Lucena 28 de julho de 2016 - 22:53

ah e a crítica de 12 Monkeys vai sair quando Luiz…..quero debater teorias!!!! kkkkkkkkk

Luiz Santiago 29 de julho de 2016 - 05:25

Eu to meio enrolado essa semana. Estou no episódio 10. Tô quase. hahahah

Luiz Santiago 29 de julho de 2016 - 05:25

Eu to meio enrolado essa semana. Estou no episódio 10. Tô quase. hahahah

Clayton Lucena 29 de julho de 2016 - 11:18

De boa man! jaja vc termina!!

Clayton Lucena 29 de julho de 2016 - 11:18

De boa man! jaja vc termina!!

Clayton Lucena 28 de julho de 2016 - 19:16

É bem por ai mesmo, pq tudo isso que estamos supondo com relação a quem matou, se vc já viu tudo nunca vai ter isso, vc vai falar somente sobre o final ou como se revelou quem matou ou se a série é bom ou não! são formas diferente mas se a série for boa os dois formatos estão bons e já era!HAHAHA
Abraços Man.

Luiz Santiago 27 de julho de 2016 - 18:34

Nem me fala! Esperar uma semana para ver o desenrolar de toda essa trama é de matar, viu!

Raoni De Lucia 27 de julho de 2016 - 17:35

Eu também acho que em algum momento eles vão achar alguma coisa naquela cabeça de cervo, e essa nova advogada me pareceu muito boa moça demais, são muitas idéias entre um episódio e outro, tinha que ser que nem Netflix, todos os episódios disponíveis logo rsrs

AugustoCG 26 de julho de 2016 - 19:04

Também fiquei estranhando o gato, no momento que o Jack o vê pela segunda vez eu já estava ficando triste, achando que o gato mostraria alguma entrada secreta pra casa ou algo assim, o que teria sido uma solução muito fácil na situação. Excelente episódio e excelente crítica, parabéns.

Responder
Luiz Santiago 26 de julho de 2016 - 19:37

Valeu, @augusto_cezar_gerber:disqus! Quando o gato apareceu de novo e de novo eu já fiquei tipo… hummmmm tem coisa aí.

Responder
Luiz Santiago 26 de julho de 2016 - 19:37

Valeu, @augusto_cezar_gerber:disqus! Quando o gato apareceu de novo e de novo eu já fiquei tipo… hummmmm tem coisa aí.

Responder
AugustoCG 26 de julho de 2016 - 22:02

Pensando um pouco agora sobre o gato, talvez não seja um ponto fácil de entrar na casa, mas sim por onde ela alimentava o gato, por onde ele entrava. Talvez ela o tenha feito durante a noite (sim, estranho, mas o Turturro estava lá durante a noite e viu o gato no portão) e quando abriu o portão, foi assassinada.

Só mais uma pras teorias que nós fãs tanto gostamos. Apesar disso eu acho que eu ainda ficaria com a versão onde ele é o assassino mas não se lembra. Mas o que me deixaria mais feliz ainda é se não revelassem quem foi de fato o assassino, pois como o próprio Jack fala, não importa a verdade, e sim a história que você conta pro júri, e não precisamos saber quem foi o assassino, afinal este não parece ser o foco da série.

Responder
Luiz Santiago 26 de julho de 2016 - 22:18

Eu confesso que estou MUITO ansioso e esperançoso que a série faça um bom trabalho nessa revelação (ou não) do verdadeiro assassino. Isso tem pano pra manga e a gente já consegue antever vários cenários. Vai ser MUITO BOM ver como chegaremos à verdade. Ou próximo à ela. Ou ao Veredito do Júri.

Responder
Luiz Santiago 26 de julho de 2016 - 22:18

Eu confesso que estou MUITO ansioso e esperançoso que a série faça um bom trabalho nessa revelação (ou não) do verdadeiro assassino. Isso tem pano pra manga e a gente já consegue antever vários cenários. Vai ser MUITO BOM ver como chegaremos à verdade. Ou próximo à ela. Ou ao Veredito do Júri.

Responder
AugustoCG 26 de julho de 2016 - 22:02

Pensando um pouco agora sobre o gato, talvez não seja um ponto fácil de entrar na casa, mas sim por onde ela alimentava o gato, por onde ele entrava. Talvez ela o tenha feito durante a noite (sim, estranho, mas o Turturro estava lá durante a noite e viu o gato no portão) e quando abriu o portão, foi assassinada.

Só mais uma pras teorias que nós fãs tanto gostamos. Apesar disso eu acho que eu ainda ficaria com a versão onde ele é o assassino mas não se lembra. Mas o que me deixaria mais feliz ainda é se não revelassem quem foi de fato o assassino, pois como o próprio Jack fala, não importa a verdade, e sim a história que você conta pro júri, e não precisamos saber quem foi o assassino, afinal este não parece ser o foco da série.

Responder
AugustoCG 26 de julho de 2016 - 19:04

Também fiquei estranhando o gato, no momento que o Jack o vê pela segunda vez eu já estava ficando triste, achando que o gato mostraria alguma entrada secreta pra casa ou algo assim, o que teria sido uma solução muito fácil na situação. Excelente episódio e excelente crítica, parabéns.

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais