Crítica | The Twilight Zone – 1X08: Point of Origin

plano critico Point of Origin twilight zone

  • Confira os outros episódios do revival aqui e os episódios da série clássica aqui.

Pela forma que esta série tem ligado os pontos narrativos de cada episódio, tentando diferenciá-los por tema, mas criando um tipo de linha temporal que o público pode usar como base para suas teorias, é admirável a intenção de Point Of Origin, mas a execução não ajuda. Na tentativa de outro comentário pertinente sobre a América de hoje, o episódio não parece saber o que fazer com o que tem em mãos.

Eve Martin (Ginnifer Goodwin) tem uma vida perfeita com seu marido e duas filhas. Por estar sempre bem vestida e comportada, mas ela não consegue esconder sua arrogância ao lidar com funcionários no mercado ou deixar o egoísmo de lado tomando duas vagas no estacionamento. Um dia, sua empregada é detida, o que incomoda Eve, mas a preocupa de verdade quando ela também é abordada por agentes do governo para longas sessões de interrogatório. Algumas revelações mudarão a maneira de Eve ver o mundo e seu próprio comportamento.

Já ficou claro até aqui que a sutileza não será um dos fortes dessa série, que desta vez decidiu conversar sobre imigração de uma maneira alternativa (o trocadilho foi intencional, mas só vai entender quem assistiu). Dependendo de como o episódio desenvolva seus personagens e a trama, não me importo com as ocasionais marteladas na cabeça com a mensagem, como aconteceu com os ótimos Not All Men e Replay (ambos tiveram o benefício de um drama bem estabelecido e direção competente, o que criou uma experiência melhor, seja pelos visuais ou a introdução de suspense e tensão). O que tem sido um incômodo, na verdade, é o desperdício de ótimas premissas, que acabam perdendo seu brilho por ter a obrigação de servirem ao tema, sem tempo para explorar seus personagens de maneira mais íntima. Este revival está mais interessado em ser honesto com seus debates, o que é uma coisa boa, mas deixa de lado a atenção ao enredo, que provavelmente seria melhor desenvolvido em séries como Doctor Who ou até Black Mirror, que mesmo tendo a tecnologia como um elemento importante, compreende quando deixá-la em segundo plano.

Eu admito ter olhado para o relógio uma ou duas vezes durante a exibição do episódio, o que fica pior considerando sua duração média de quarenta minutos, uma das menores da temporada. Mas olhando pelo lado positivo, o elenco fez um ótimo trabalho, se esforçando para carregar um roteiro fraco nas costas. Ginnifer Goodwin vai do luxo e conforto direto para a total rejeição por – aparentemente – todos. Vale mencionar mais uma vez o bom trabalho da equipe de direção de arte, comandada pelo próprio diretor do episódio, Mathias Herndl. Além de Ginnifer, Zabryna Guevara tem um papel importante como Anna Fuentes, a empregada da família Martin; e estou feliz por ver James Frain recebendo mais papéis de destaque depois de seu Sarek, em Star Trek: Discovery. Aqui ele interpreta o agente do governo responsável por interrogar Eve. Sei que Jordan Peele é o apresentador e não faz parte da trama em si, mas toda semana tem sido bem divertido ver a maneira como ele é revelado nas introduções e conclusões, seja exibindo uma pedra ou, como acontece esta semana, segurando uma casquinha de sorvete. É engraçado e brega, mas funciona.

Em questão de referência, não sei nem se vale mais a pena continuar contando, já que a série parece focar na mesma sequência de episódios clássicos ou em easter eggs que o próprio revival insere para dar a sensação de um “universo compartilhado”. Mais uma vez, temos o gremlin de Nightmare At 30,000 Feet, ou a boneca Talky Tina, de Living Doll. Desta vez pode ser avistada uma referência direta ao episódio To Serve Man, no caso apenas o título, representado em uma caixa de cereais. O número 1015 retorna como a combinação de uma porta e a gigante Whipple, que está de olho em todos.

Point Of Origin não sabe bem o que fazer com tudo que tem e conclui sua história de maneira abrupta, mas pelo menos se esforça o suficiente para tentar algo novo. Não merece muitos elogios, mas foge da surra que outros episódios sofreram.

Além da Imaginação (The Twilight Zone) – 1X08: Point Of Origin (EUA, 16 de Maio de 2019)
Direção: Mathias Herndl
Roteiro: John Griffin
Elenco: Ginnifer Goodwin, Zabryna Guevara, James Frain, Simon Chin, Karin Konoval, Jordan Peele
Duração: 43 min.

ROBERTO HONORATO . . . Criado pela TV, minha família era o programa dos Muppets e minha segunda casa era a locadora (era fácil de chegar, só precisava atravessar a rua). Não me incomodava rebobinar todas as fitas, e nem podia, já que assistia o mesmo filme várias vezes. E quando não é cinema, o cheiro de quadrinhos me chama de longe e preciso gastar dinheiro que não tenho. E nunca esqueça: #sixseasonsandamovie