Home TVEpisódio Crítica | The Walking Dead – 8X08: How It’s Gotta Be

Crítica | The Walking Dead – 8X08: How It’s Gotta Be

por Gabriel Carvalho
198 views (a partir de agosto de 2020)

  • Observação: Há spoilers do episódio e da série. Leiam, aqui, as críticas de todas as demais temporadas, dos games e das HQs. E, aqui, da série spin-off, Fear the Walking Dead.

Sim, eu sei o que aconteceu nessa mid-season finale. Mas, como de praxe, deixaremos o melhor para o final, e começaremos analisando o que de substancial deu errado em How It’s Gotta Be. Tenso, o episódio dirigido por Michael Satrazemis abusa inicialmente dos enfadonhos close-ups em câmera lenta, os quais já me peguei criticando anteriormente na mesma temporada. Por mais, o desencaixe de dois momentos do episódio com o restante da desarticulação do plano do Rick e volta por cima de Negan certamente quebraram um pouco a coesão narrativa do todo. O pontapé da saga de Aaron e Enid a Oceanside foi realmente bem-vinda, instigado pelo fato da garota logo matar a matriarca da comunidade. Mas, sem nem mesmo ser retomado durante esse episódio estendido, poderia ter sido facilmente empurrado para outro lugar. Aqui, soou, embora nem um pouco desnecessário ou mal feito, fortemente desconexo.

Outrossim, Eugene e sua missão também é mal pontuada, embora determine os caminhos que o personagem irá trilhar, bem desenvolvidos pela temporada. Certamente o local para esse desenrolar era em Time for After, onde, com ajustes em outros pontos da narrativa, concluiria perfeitamente o capítulo. Já em How It’s Gotta Be, tira o foco dos muito mais interessantes conflitos no Reino e em Alexandria, além da emboscada ao pessoal de Hilltop. De antemão, o acidente de carro no qual estava Rick, Jerry e Carol é muito mal resolvido, com os personagens retornando para cenas como bem se entendeu o roteiro de David Leslie Johnson e Angela Kang, que não se preocupou em dar explicações meramente plausíveis.

Mesmo assim, da mesma forma que a invasão à Alexandria é poderosa, a emboscada ao comboio de Maggie e cia apavora, relembrando acontecimentos de Last Day on Earth. O que chateia, porém, é o desperdício de uma cena tão boa com a consequente morte de um personagem tão irrelevante que nem me recordo o nome. Esse era um bom momento para Jerry morrer, por exemplo. Todavia, a posterior justiça de Maggie diante da perda é sentida. Nem Jesus a condena, deixando a mulher ser a juíza e executora de sua própria pena. No mesmo caminho, a invasão ao Reino funciona da forma como prenuncia, mas a aparição de Carol poderia muito bem ter se aliado à morte da personagem. De qualquer forma, é bom ver o povo do Rei sendo protegido pela Sua Majestade, a qual encontrará, talvez, caminhos mais sofríveis que a morte.

Sendo assim, sem mais delongas…

Carl morreu. Quer dizer, definitivamente morrerá, visto que, apesar da mordida em seu corpo ter sido revelada nos derradeiros momentos do episódio, o personagem ainda não foi poupado do sofrimento como se costuma fazer. Ainda. Mas se bem que, depois daquele vexame que foi o que aconteceu com Glenn em temporadas atrás, nada pode se confirmar acerca do futuro do jovem. Será que Carlinhos se revelará como sendo imune à mordida de zumbi, com anticorpos poderosíssimos capazes de destroçar aquela infecção? Será?

Brincadeiras a parte, fato é que The Walking Dead levou ao espectador um impacto que há muito não se sentia. Carl ainda está vivo nos quadrinhos, e era a base de toda essa série, a qual já se esticou muito, e promete se esticar ainda mais. O inesperado, no entanto, não é fruto da coragem dos seus realizadores, que na verdade foram possivelmente forçados por Chandler Riggs a matar seu próprio personagem; o garoto estava cansado do show. De qualquer forma, certamente esta é a morte mais expressiva do seriado até então.

O ator indubitavelmente não era um dos melhores do elenco da série, mas seu papel figurava, atrás do de Rick, como o mais relevante. Similar à ausência de arcos envolventes nas últimas temporadas, esta também não contou com nada extremamente desenvolvido para o filho do xerife. Duramente fraquejada pela péssima organização dos episódios em suas ordens de exibição, a história de Carl residiu em sua relação com Siddiq, e nos diálogos com seu pai, que movido pelo acontecimento, será impulsionado a mudar sua mentalidade acerca do futuro desse mundo. Certo é, contudo, que o personagem não teve a morte mais digna do mundo, salvando tudo ou todos. Mas ele não precisaria. The Walking Dead apresenta uma morte mais fria, seca, que emociona pela reação de Rick e Michonne, e não pelo extasiamento de uma manipulação que leve o público a chorar ou a se chocar.

A morte de Carl funciona pelo futuro que poderá propiciar a The Walking Dead, série que está tomando rédeas completamente diferente das dos quadrinhos. E também funciona sob um olhar retroativo dos acontecimentos prévios do próprio episódio. Toda a jornada do garoto pela fumaça e fogo que destrói Alexandria, tornando casas ruínas de uma sociedade que está longe de encontrar sua verdadeira paz, denota um senso suicida, que brinca com o valor de sua própria vida – já predestinada a um fim. O discurso para Negan é otimamente lapido sobre pedras de um destino que o aguardaria. Carl foi mordido antes do episódio (talvez, durante o team-up com Siddiq em The King, The Widow and Rick), e a série – felizmente – resistiu em mostrar esse fato de forma expositiva, como muito bem poderia ter feito. Surge uma sensação, mesmo que ilusória, de que ninguém mais está a salvo. Evidentemente que a morte de Carl não foi um pensamento super elaborado dos roteiristas, e sim uma fatalidade ordinária; uma ocasionalidade da vida comum – o desejo de Riggs de sair da série – e da fictícia – uma mordida fatal. Sem ornamentações, perfeitamente cabível dentro do cenário apocalíptico. O que resta saber é como Scott M. Gimple irá lidar narrativamente com essa tragédia. Que a morte do menino Carlos não seja em vão.

  • The Walking Dead entrará em hiato, voltando em 25 de fevereiro de 2018.

The Walking Dead – 8X08: How It’s Gotta Be — EUA, 10 de dezembro de 2017
Showrunner: 
Scott M. Gimple
Direção: Michael Satrazemis
Roteiro:
David Leslie Johnson e Angela Kang
Elenco: Andrew Lincoln, Norman Reedus, Lauren Cohan, Chandler Riggs, Danai Gurira, Melissa McBride, Lennie James, Josh McDermitt, Christian Serratos, Alanna Masterson, Seth Gilliam, Ross Marquand, Katelyn Nacon, Kenric Green, Jason Douglas, Tom Payne, Xander Berkeley, R. Keith Harris, Khary Payton, Cooper Andrews, Austin Amelio, Steven Ogg, Debora May, Sydney Park, Mimi Kirkland, Briana Venskus, Nicole Barré, Pollyanna McIntosh, Kerry Cahill, Traci Dinwiddie, Charles Halford, Jayson Warner Smith, James Chen, Nadine Marissa, Avi Nash, Jeffrey Dean Morgan
Duração: 
 44 min.

Você Também pode curtir

51 comentários

Rodrigo Torrezani 22 de janeiro de 2018 - 22:10

O pior do episódio foi o acidente de carro com Rick, Carol e o doido do machado. O cara do machado foi capturado mas o rick e carol sairam ilesos e cada um apareceu em lugares diferentes, tudo sem nexo. O aqueles doidões que ficam no lixo? Aparições desnecessárias.. TWD no quadrinho me emociona, é boa. O seriado assisto por desencargo de consciência, mas ele é ruim, um desperdício completo..
Ah, e lembrando aqui, os salvadores cercados, “sem água nem comida”, com os zumbis dentro da fabrica, cercados por atiradores snipers e eis que de repente, por mágica o Negan está as portas de alexandria, outro grupo no reino e outro grupo em hilltop, tudo milagrosamente coordenado, INCRÍVEL! E ai do nada aparece aquele sniper negão que foi o único sobrevivente.. Tudo mal explicado, cenas que poderiam ser boas desperdiçadas! Ao invés de perder tempo mostrando Rick ridicularmente preso pelos lixeiros, poderiam ter mostrado essas cenas dos salvadores. E o RIck motherfuker só de cuecas segurando um pau com um zumbi vence 2 caras e depois de 2 minutos lutando a mulher resolve sacar a arma e ai ele vai e com as mãos amarradas da um golpe de jiu jitsu, fala meia dúzia de palavras e os lixeiros viram seus capachos.. Puta que Pariu, é demais……. Esse seriado é só crítica, não tem nada de bom, assisto só pq gosto muito dos quadrinhos…. Queria desve-los.

Responder
Rodrigo Torrezani 22 de janeiro de 2018 - 22:10

O pior do episódio foi o acidente de carro com Rick, Carol e o doido do machado. O cara do machado foi capturado mas o rick e carol sairam ilesos e cada um apareceu em lugares diferentes, tudo sem nexo. O aqueles doidões que ficam no lixo? Aparições desnecessárias.. TWD no quadrinho me emociona, é boa. O seriado assisto por desencargo de consciência, mas ele é ruim, um desperdício completo..
Ah, e lembrando aqui, os salvadores cercados, “sem água nem comida”, com os zumbis dentro da fabrica, cercados por atiradores snipers e eis que de repente, por mágica o Negan está as portas de alexandria, outro grupo no reino e outro grupo em hilltop, tudo milagrosamente coordenado, INCRÍVEL! E ai do nada aparece aquele sniper negão que foi o único sobrevivente.. Tudo mal explicado, cenas que poderiam ser boas desperdiçadas! Ao invés de perder tempo mostrando Rick ridicularmente preso pelos lixeiros, poderiam ter mostrado essas cenas dos salvadores. E o RIck motherfuker só de cuecas segurando um pau com um zumbi vence 2 caras e depois de 2 minutos lutando a mulher resolve sacar a arma e ai ele vai e com as mãos amarradas da um golpe de jiu jitsu, fala meia dúzia de palavras e os lixeiros viram seus capachos.. Puta que Pariu, é demais……. Esse seriado é só crítica, não tem nada de bom, assisto só pq gosto muito dos quadrinhos…. Queria desve-los.

Responder
Cavaleiro Templário 30 de dezembro de 2017 - 00:35

Eu revi a cena onde ocorreu a luta do Carl contra os zumbis e deu para ver VÁRIOS indícios de que aquele zumbi que veio se esqueirando pela direita do Carl foi o que deu a mordida mortal. (https://youtu.be/XZgGUiCFxrQ). Eles usam os cortes de cenas para que não ficasse óbvio que ele havia sido mordido, mas existem varios outros indícios, como o silêncio dele de pé cabisbaixo após balear os mortos e ficar de pé, das duas vezes que ele olha em silêncio para a direção de suas costelas, do sangue do cervo encobrindo toda aquela área, além do principal, cada vez que um cervo aparece, mais cedo ou mais tarde alguém morre… #GoteamNegam

Responder
Lucas Quaresma 17 de dezembro de 2017 - 16:17

Amém que cone do Carl morreu, ele era inútil. (Torcer para um personagem morrer: olha que os retoristas porcos estão fazendo). Realmente, ver a reação do Rick And Michonne foi de doer. Achei um episodio razoável. Desnecessário aquelas cenas focando no rosto. O episodio que mai gostei foi o penúltimo.

Responder
Inominável Ser 14 de dezembro de 2017 - 13:21

O Chandler Riggs foi muito diminuído nas últimas temporadas para que personagens menores fossem apresentados e desenvolvidos. O ator é bom, sim, mas se lhe foi dado pouca chance de mostrar sua atuação, a culpa não é dele, nascendo uma frustração bastante natural. Uma morte fria a do Carl, sem impacto profundo e nem o sentimentalismo explosivo de mortes escandalosamente expostas.

Responder
Rodrigo Ferreira 14 de dezembro de 2017 - 11:28

Será que tudo não passa de um plano do Carl, será que o mesmo foi mordido por um zumbi mesmo? Quem sabe não foi uma mordida amiga, talvez do Siddiq, pra simular que o mesmo já está morto, vai saber… depois do que fizeram com o Glan…

Responder
Rodrigo Ferreira 14 de dezembro de 2017 - 11:28

Será que tudo não passa de um plano do Carl, será que o mesmo foi mordido por um zumbi mesmo? Quem sabe não foi uma mordida amiga, talvez do Siddiq, pra simular que o mesmo já está morto, vai saber… depois do que fizeram com o Glan…

Responder
Paulo Roberto 12 de dezembro de 2017 - 21:56

Quando você precisa daqueles zumbis pentelhos, eles somem. Com tanto barulho de tiros, explosões, gritos, era para aparecer pelo menos uns quinhentos pra “dar uma ajudinha”, mas que nada, apareceu só uns gatos pingados. Quando não precisa, qualquer barulhinho atrai a atenção deles.

Responder
Júlio Oliveiraq 12 de dezembro de 2017 - 16:17

Entendo que a série foi muito boa até a terceira temporada, onde até as partes alongadas ajudavam no desenvolvimento dos personagens. A partir da quarta foi caindo sem volta. Mais reviravoltas chocantes e menos sentido nas ações dos personagens, que foram perdendo substância emocional. Depois da quinta parei de assistir e, pelas resenhas que de vez em quando leio, acho que se a série reencontrasse o caminho original, os fãs atuais não gostariam mais dela.

Responder
Gabriel Carvalho 13 de dezembro de 2017 - 15:12

@jliooliveiraq:disqus, discordo que a série estava muito boa até a terceira temporada. No máximo, razoável para boa. Scott M. Gimple trouxe muito mais carga emocional bem construída, e personagens bem desenvolvidos, na quarta temporada. Pena que ele parece ter perdido a mão, desde que veio com a sétima temporada.

Abraços.

Responder
Gabriel Carvalho 13 de dezembro de 2017 - 15:12

@jliooliveiraq:disqus, discordo que a série estava muito boa até a terceira temporada. No máximo, razoável para boa. Scott M. Gimple trouxe muito mais carga emocional bem construída, e personagens bem desenvolvidos, na quarta temporada. Pena que ele parece ter perdido a mão, desde que veio com a sétima temporada.

Abraços.

Responder
Jose Claudio Gomes Souza 12 de dezembro de 2017 - 00:48

Depois de ler a crítica, fui rever o episódio citado no qual “poderia” ter acontecido a mordida no Carl. Mas, sinceramente, acho meio forçado aceitar que tenha acontecido na cena em que ele e o Siddiq lutam contra os zumbis. Pode ter acontecido ali? Pode! Mas uma pessoa levar uma mordida de um zumbi e não dar nenhum tipo de demonstração de que isso aconteceu, nem mesmo uma esgar momentâneo de dor, acho que é forçação de barra demais. Quanto ao acidente de carro, realmente ficou estranho não ser dada nenhuma explicação. O certo é que é mostrado que eram três carros, pois aparecem o Jerry, a Carol e o Rick cada um atrás de um volante. Ou seja, cada um dirigindo um carro.

Responder
Gabriel Carvalho 12 de dezembro de 2017 - 01:47

@joseclaudiogomessouza:disqus, carros diferentes? Mas o Rick entrou no carro que a Carol estava. Quando ocorre a batida dá para perceber que os três estão juntos. Acho que não ein. Sobre a mordida, acho completamente viável. Na cena, o Carl tava lutando para sobreviver. Durante todo aquele fuzuê acho possível ter acontecido isso sim.

Abraços.

Responder
yuri ramon 12 de dezembro de 2017 - 12:52

Eles estavam em carros diferentes sim, no minuto 2:33 a Carol sugere que eles vão se separar para avisar a todos da fuga do Negan. A batida foi no carro que estava somente o Jerry no minuto 15:46 e dá pra ver que cada um está com um volante, quer dizer que eles já tinha se separado.

Responder
Gabriel Carvalho 13 de dezembro de 2017 - 15:02

@disqus_a5Bk0Lo2bt:disqus , @disqus_rV4IwJlzOT:disqus , @disqus_AHwBpdr530:disqus , @danielmaiarn:disqus e @joseclaudiogomessouza:disqus , opa, percebi errado então. Achei confusa de qualquer jeito essa separação dos três em três carros diferentes. Só serviu para eles não serem pegos todos juntos, e poder posicionar cada um no lugar que Scott M. Gimple bem entendeu. Ah, essas coisas acontecem. Falha minha.

Abraços a todos, obrigado pela informação, valeu!

Responder
Felipe Ferreira 14 de dezembro de 2017 - 09:42

Estamos aí pra isso! De repente, o carro era tipo os veículos dos Power Rangers ou o Fantasticarro e a gente não sabia hahahahaha

Felipe Ferreira 14 de dezembro de 2017 - 09:42

Estamos aí pra isso! De repente, o carro era tipo os veículos dos Power Rangers ou o Fantasticarro e a gente não sabia hahahahaha

Young Wolf 12 de dezembro de 2017 - 15:30

Depois que Carol salva o Rick dá a entender que eles vão se separar, eles até comentam de carros que estão ali, cada um indo avisar aos seus determinados grupos que Negan tinha escapado, obviamente não mostrou os três se separando, ficou confuso, mas o cara lá tava sozinho no carro.

Responder
Jose Claudio Gomes Souza 12 de dezembro de 2017 - 21:08

Reveja o episódio: aos 15m34s mostra o Rick ao volante de um carro; aos 15m39s mostra a Carol ao volante de um carro e aos 15m43s mostra o Jerry também ao volante de um carro! Só se o carro em que eles estão tem 3 volantes!

Responder
Daniel Maia 13 de dezembro de 2017 - 10:15

Revi a cena e o Rick entrou mesmo no carro em que a Carol e o Jerry estavam, para escapar. Em cenas depois, sem nenhuma explicação, eles já estão em carros diferentes e, aparentemente, o do Jerry é atingido por alguma coisa (imagino que um carro dos Salvadores).

Responder
Felipe Ferreira 13 de dezembro de 2017 - 10:28

Eram 3 carros sim! No entanto a Carol apareceu no Reino sem nenhum arranhão. O que eu entendi era que todos eles se separaram após o resgate do Rick. E o Eugene virou agora o Mestre dos Planos Infalíveis? Chupa Cebolinha! hahahahahahaha

Responder
Gabriel Carvalho 12 de dezembro de 2017 - 01:47

@joseclaudiogomessouza:disqus, carros diferentes? Mas o Rick entrou no carro que a Carol estava. Quando ocorre a batida dá para perceber que os três estão juntos. Acho que não ein. Sobre a mordida, acho completamente viável. Na cena, o Carl tava lutando para sobreviver. Durante todo aquele fuzuê acho possível ter acontecido isso sim.

Abraços.

Responder
Pablo Gonçalves 11 de dezembro de 2017 - 21:28

Só que o episódio foi dirigido pelo Satrazemis!! 🙂

Responder
Gabriel Carvalho 12 de dezembro de 2017 - 01:45

@pablogonalves:disqus, opa, erros assim acontecem. Corrigido e abraços.

Responder
Gabriel Pereira 11 de dezembro de 2017 - 19:08

O que não assombra é a morte da série.

Responder
Gabriel Carvalho 12 de dezembro de 2017 - 01:48

@disqus_7JTpvCcjpL:disqus, não diga isso que eu perco o meu trabalho. Hahahahahahhaha. De fato, The Walking Dead já deveria ter acabado, mas como a série não foi planejada de forma redondinha, deu no que deu. Que o arraste ao menos seja conduzido com qualidade.

Abraços.

Responder
Rômulo Fernandez 11 de dezembro de 2017 - 14:21

Ótimo episódio! Fiquei chocado com o fim do Carl,apesar de já suspeitar! E que venha finalmente um Rick implacável pra colocar as série nos trilhos

Responder
Rômulo Fernandez 11 de dezembro de 2017 - 14:21

Ótimo episódio! Fiquei chocado com o fim do Carl,apesar de já suspeitar! E que venha finalmente um Rick implacável pra colocar as série nos trilhos

Responder
Gabriel Carvalho 11 de dezembro de 2017 - 20:18

@rmulofernandez:disqus, assim esperemos!

Responder
Gabriel Carvalho 11 de dezembro de 2017 - 20:18

@rmulofernandez:disqus, assim esperemos!

Responder
Al_gostino 11 de dezembro de 2017 - 13:54

Um bom episódio que destoa totalmente da péssima metade de temporada de TWD…aliás, o próprio episódio de ontem teve passagens desnecessárias como 2 VEZES mais uma vez focar o rosto dos personagens com música bonitinha de fundo (querendo passar uma emoção para o telespectador que não teve durante a temporada inteira; Personagens extremamente chatos, com diálogos terríveis como Ezekiel e Eugene (dá ânsia quando este aparece em cena). Aliás, analisando friamente, o que realmente valeu no episódio de ontem, foi ver a reação e expressão do Rick ao ver o Carl mordido…., o olhar dele matou a pau ao ver que irá perder o seu filho

Responder
Al_gostino 11 de dezembro de 2017 - 13:54

Um bom episódio que destoa totalmente da péssima metade de temporada de TWD…aliás, o próprio episódio de ontem teve passagens desnecessárias como 2 VEZES mais uma vez focar o rosto dos personagens com música bonitinha de fundo (querendo passar uma emoção para o telespectador que não teve durante a temporada inteira; Personagens extremamente chatos, com diálogos terríveis como Ezekiel e Eugene (dá ânsia quando este aparece em cena). Aliás, analisando friamente, o que realmente valeu no episódio de ontem, foi ver a reação e expressão do Rick ao ver o Carl mordido…., o olhar dele matou a pau ao ver que irá perder o seu filho

Responder
Gabriel Carvalho 11 de dezembro de 2017 - 20:19

@disqus_RYJJohc0X7:disqus, eu acho essas passagens tão enfadonhas, uma péssima manipulação que não serve a propósito nenhum para a narrativa. Eu gosto do Eugene, mas tudo sobre ele poderia ter sido resolvido episódio passado. Ele é o personagem com o melhor arco da temporada.

Abraços.

Responder
Al_gostino 12 de dezembro de 2017 - 11:11

Sim, foi o que teve maior aprofundamento, mesmo eu não gostando do personagem…abs

Responder
Gabriel Carvalho 13 de dezembro de 2017 - 15:03

@disqus_RYJJohc0X7:disqus, faz parte da experiência ter personagens que não gostamos e personagens que gostamos.

Responder
Gabriel Carvalho 13 de dezembro de 2017 - 15:03

@disqus_RYJJohc0X7:disqus, faz parte da experiência ter personagens que não gostamos e personagens que gostamos.

Responder
Pedro 11 de dezembro de 2017 - 13:18

Não gostei nada do episódio. Primeiro que é preciso um óculos de visão noturna para assistir, de tão escuro. Segundo que a trama, no geral, simplesmente andou em círculos. Vimos maiiiiiis uma vez o grupo de Rick se fuder e a turma se reunir moribunda em algum refúgio. O diferencial foi o Carl, e gostei das atitudes do personagem nesse episódio. Já ciente do seu destino, foi corajoso e inteligente. De resto, nada mais se salvou. E nem comento as mil chances que os personagens tiveram de se matar e não o fazerem, como a luta ridícula entre Rick e Negan e a cena com a Maggie. E agora, o que virá? O Rick tá puto, agora vai pirar e botar pra fuder. Pô, o Rick já tá puto faz muito tempo. Maluco ficou zoado com a morte da mulher, matou nego sem piedade, arrancou o pescoço de um cara na quinta temporada. As promessas de que ele vai surtar não fazem mais sentido. E pro final, deixo a cômica cena do pessoal do lixão fugindo e deixando o imbecil na mão. Valeu aquele esforço todo no lixão? Roteiro medíocre.

Responder
Gabriel Carvalho 11 de dezembro de 2017 - 20:17

@disqus_hSaG8FIHO6:disqus, esquece o Lixão. Grupo mais nada a ver da história da série, mas que não conseguiu estragar o episódio visto que a única coisa que aconteceu nele foi a sua debandada. De fato estava escuro mesmo, porém muito provavelmente isso se deu para maquiar qualquer defeito visual que viesse com a destruição de Alexandria. Sobre Rick e Negan, acredito que o segundo não estava querendo matar o primeiro. Rick teria matado, e tentou, mas Negan queria levá-lo para executá-lo de maneira pública.

Abraços.

Responder
Pedro 12 de dezembro de 2017 - 13:22

Sim, a escuridão como make-up foi logo no que pensei. O que dizer? Só mais um ponto lamentável. Sobre o lixão, não tem como esquecer. Foram dois episódios de tormenta e enrolação com esses embustes para no fim dar no pessoal correndo após os primeiros tiros. Cômico. Eu vou seguir descendo o pau enquanto não melhorar. Forte abraço.

Responder
Gabriel Carvalho 13 de dezembro de 2017 - 15:06

@disqus_hSaG8FIHO6:disqus, o povo do lixão é a pior coisa de The Walking Dead no momento. Nada a ver com nada. Parece piada mesmo.

Abraços!

Responder
Gabriel Carvalho 13 de dezembro de 2017 - 15:06

@disqus_hSaG8FIHO6:disqus, o povo do lixão é a pior coisa de The Walking Dead no momento. Nada a ver com nada. Parece piada mesmo.

Abraços!

Responder
Pedro 12 de dezembro de 2017 - 13:22

Sim, a escuridão como make-up foi logo no que pensei. O que dizer? Só mais um ponto lamentável. Sobre o lixão, não tem como esquecer. Foram dois episódios de tormenta e enrolação com esses embustes para no fim dar no pessoal correndo após os primeiros tiros. Cômico. Eu vou seguir descendo o pau enquanto não melhorar. Forte abraço.

Responder
Pedro 12 de dezembro de 2017 - 13:26

E ainda cito mais um ponto. No episódio anterior o Rick deu um pau em 3 pessoas, AMARRADO. O cara parecia um praticante de artes marciais. Algo meio Jackie Chan com Steven Seagal. Na luta contra o Negan, toma um cacete, e quando tem o taco na mão, não consegue causar dano efetivo. Não teria sido melhor ele descer a marretada? E não optar bater no seu pior inimigo com o lado onde se segura o taco? Esse tipo de disparidades que me frustra. Enfim…

Responder
Gabriel Carvalho 13 de dezembro de 2017 - 15:06

@disqus_hSaG8FIHO6:disqus, mas nesse ponto quem está errado é o episódio passado, naquela luta besta, sem sentido algum. Mas se bem que no episódio de agora, ele já tinha levado uma porrada do Negan. Estava meio zonzo. Consegui perdoar.

Responder
Rômulo Fernandez 11 de dezembro de 2017 - 20:50

Até pq faria muito sentido vermos luz em um cenário apocalíptico rs ,no maximo velas e lanternas e olhe lá

Responder
Rômulo Fernandez 11 de dezembro de 2017 - 20:50

Até pq faria muito sentido vermos luz em um cenário apocalíptico rs ,no maximo velas e lanternas e olhe lá

Responder
Huckleberry Hound 11 de dezembro de 2017 - 13:13

E naquela luta entre Rick e Negan por que será que ele bateu nele com o outro lado do taco?Não entendi!

Responder
Gabriel Carvalho 11 de dezembro de 2017 - 20:09

@disqus_6l28o55IZI:disqus, certamente Negan não queria matar o cara. Não instantaneamente. O “vilão” é um showman, ele mata as pessoas para causar alguma coisa nos outros que estão assistindo. Poupando Maggie (um indicativo de que ele não é nenhum louco de matar uma mulher grávida), ele provavelmente iria fazer um espetáculo com a morte de Rick e do Rei. Resta esperar para ver o futuro desse conflito.

Abraços.

Responder
Huckleberry Hound 12 de dezembro de 2017 - 11:53

E Rick bateu nele com a ponta do taco não entendi isso também!

Responder
Wagner Farias 12 de dezembro de 2017 - 16:15

mas ele ta falando do Rick no Negan. ele consegue derrubar o Negan, pega a lucille e em inves de dar uma botada com os pregos, vira e bate com o cabo. Também não entendi isso. óbvio q foi pra ele não matar o Negan, mas ficou muito artificial isso.

Responder
Gabriel Carvalho 13 de dezembro de 2017 - 15:10

@disqus_BT7Uhza3Tr:disqus, sem querer defendendo esse roteiristas de The Walking Dead, eu acho que não ficou tão na cara essa falta de credibilidade que tantos estão apontando para a luta. Sim, ele poderia ter batido com a outra parte do taco, mas ele estava no meio de um confronto, o se… é só uma possibilidade dentre tantas. Ele depois tentou pegar a arma e deu um tiro. Comparando este com aquela luta contra a galera do lixão no episódio passado, temos um duelo muito mais palpável.

Abraços!!

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais