Crítica | Um Amor Para Recordar

É difícil avaliar um clichê romântico Hollywoodiano se todos do gênero parecem o mesmo. No entanto, alguns se destacam por serem exatamente o que a maioria dos adolescentes querem ver: um romance dramático, que se assemelha a uma fanfic. Aqui, os roteiristas realmente parecem ter se rendido aos anseios dos fãs. Na história, Jamie (Mandy Moore) é uma garota devota e ridicularizada que conquista o coração do rebelde Landon (Shane West), que, com a influência da garota, passa a ser um bom homem.

Não há nada de inovador na sinopse. E ao assistir a um clichê, é claro que não esperamos algo novo. Então, o que faz Um Amor Para Recordar ser acima da média? O fator mais importante está no ponto de que alguns elementos que aparecem  no filme, como a exacerbada devoção da protagonista, que não é retratada com espetáculo ao longo do filme. Normalmente nos clichês, esses artifícios costumam basear a exploração dos arcos. Entretanto, se tornam narrativas facilmente entediantes para o público-alvo, que querem ver um romance brega e não um problema familiar ou social.

A sorte do filme é estar atrás da cortina do clichê. Assim, algumas ações, como Landon mudando de personalidade de uma cena para outra ou personagens estereotipados ao extremo, são perdoados pelo gênero da obra. Em outros gêneros, esses elementos seriam algo duramente criticados, porém, aqui, são aceitáveis.

SPOILERS!

O primeiro e o segundo ato seguem essa tradicionalidade do clichê. Entretanto, de uma hora para a outra, expõem que a protagonista tem câncer, então começa uma grande dramaticidade inesperada na fita. Seria preferível que o filme mantivesse a linha que estava seguindo. Isso porque como a doença só é citada no meio do terceiro ato e a dramaticidade é muito arrastada, de modo que não dá nem tempo de sentirmos qualquer empatia pela doença de Jamie. Se fosse algo citado desde o início, seria mais apreciável para espectador.

Um Amor Para Recordar se mantém acima da média da maioria dos clichês. Apesar de ser um bom passatempo, o terceiro ato é arrastado e desnecessário. No entanto, ainda não é suficiente para tirar totalmente o brilho do filme.

Um Amor Para Recordar (A Walk To Remember) – EUA, 2002
Direção: 
Adam Shankman
Roteiro: Nicholas Sparks, Karen Janszen
Elenco: Shane West, Mandy Moore, Peter Coyote, Daryl Hannah, Lauren German, Clayne Crawford, Al Thompson, Paz de la Huerta, Jonathan Parks Jordan, Matt Lutz, David Andrews, David Lee Smith, Xavier Hernandez, Marisa Miller, Paula Jones
Duração: 100 minutos.

FERNANDO ANNUNZIATA . . . Por meio de um sonho, fui convocado pessoalmente pela Marilyn Monroe a participar do mundo das críticas cinematográficas. Sem saber o que esse mundo me reservava, cavalguei com a Lady Godiva em busca do Lendário Livro de Verdades. Atravessamos Gotham, Hogwarts e Twin Peaks atrás do nosso objetivo. Com a revelação dentro de um baú feito de mármore a dois metros dos nossos olhos, nos deparamos com o melhor final possível: o Livro era um espelho. Agora sou o dono de todas as verdades e faço parte de um culto de bruxos chamado Plano Crítico. A única resposta que não tenho é se prefiro minha antiga vida, quando eu era um mortal estudante de Comunicação Social de 18 anos, ou a vida atual, na qual eu descobri a verdade sobre Bohemian Rhapsody.