Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | Uma Loura por um Milhão

Crítica | Uma Loura por um Milhão

por Luiz Santiago
169 views (a partir de agosto de 2020)

Último filme que Billy Wilder dirigiu na década de 1960, Uma Loura por um Milhão reúne pela primeira vez uma adorável dupla de atores cômicos de Hollywood, Jack Lemmon e Walter Matthau; este último, escalado por insistência de seu amigo Jack Lemmon, que insistiu com a produção para que o papel de Willie Gingrich fosse entre a Matthau, embora os planos iniciais de escalação fossem para Frank Sinatra ou Jackie Gleason. O projeto deu tão certo que os dois amigos fariam mais sete filmes juntos, em papéis de destaque, e no caso de Uma Loura por um Milhão, acabou dando o Oscar de Melhor Ator Coadjuvante para Matthau.

O roteiro de Billy Wilder e I.A.L. Diamond divide a narrativa em pequenos capítulos, começando num jogo de futebol americano, onde Harry Hinkle, o câmera de TV vivido por Lemmon, é acidentalmente atingido por Luther “Boom Boom” Jackson (Ron Rich), do Cleveland Browns. Nessa primeira parte da narrativa há pouca coisa que verdadeiramente nos chama a atenção, já que o roteiro toma o seu tempo para encontrar o tom da comédia. Isso só ocorre depois de um estabelecimento segmentado dos personagens, tornando os primeiros capítulos do filme uma charmosa, mas não necessariamente engraçada jornada de apresentações.

Lançadas essas principais sementes do enredo, Willie Gingrich (Matthau), o cunhado de Harry Hinkle, mostra as asinhas e passa a representar o advogado inescrupuloso. Ele solicita a Harry que finja ter complicações sérias derivadas do acidente no campo. Com isso, pretende conseguir um bom dinheiro da companhia de seguros e dividir com o cunhado a volumosa indenização. Desse ponto em diante é que o texto mostra os primeiros resultados cômicos, com Harry entre a recusa de representar o doente e a tentação de seguir com esse papel, só que no caso dele, por motivos que não têm a ver com o dinheiro. Como é constante nos filmes de Wilder, o “bandido” tem a sua própria moral, traça algumas linhas de coisas que não faz e sempre está aliado a alguém que questiona demais ou pode colocar tudo a perder.

Há uma discussão social aqui bastante interessante, dentro e fora do filme, e ela tem a ver com o jogador Boom Boom, um homem negro que pode uma crise de consciência, acaba se dedicando até demais à vida de Harry. Já vi algumas pessoas questionando esse papel e entendo que em determinado momento o roteiro não consegue tornar apenas circunstancial ou cômica essa dedicação toda. No final do filme, porém, essa impressão se desfaz de forma bastante política e crítica, chegando a inverter os papéis de ajuda, agora com Harry tentando salvar Boom Boom da depressão e do momento de baixa auto-estima.

Judi West, que vive a esposa de Harry (Sandy Hinkle), parece bastante deslocada aqui, e demora muito para fazer valer a sua presença em cena. Ela está a maior parte do tempo falando amenidades e claramente voltou para Harry por estar interessada no dinheiro. Mas nada disso ganha um real peso no decorrer do filme, de forma que a revelação de seus interesses, num momento de reviravoltas, onde diversas máscaras caem por terra, acaba não tendo impacto e a personagem confirma a sua quase inutilidade na obra.

Ao misturar elementos metalinguísticos a uma comédia baseada no fingimento de um personagem, Wilder consegue também prender a nossa atenção pela tensão de uma possível descoberta do esquema. O filme demora para engatar, mas seu desenvolvimento traz a boa marca do diretor nesse gênero, apesar da personagem feminina de destaque não acrescentar muita coisa à trama como um todo. Uma Loura por um Milhão nos presenteia com a louvável química entre Jack Lemmon e Walter Matthau, sendo que este último rouba o show toda vez que aparece. A despeito de sua reta final afastar-se da abordagem cômica que realmente funcionou no miolo da obra, o filme não deixa de se fazer notar, garantindo um bom entretenimento e reafirmando aquilo que um famoso ditado popular já nos ensinava: mentira tem perna curta.

Uma Loura por um Milhão (The Fortune Cookie) – EUA, 1966
Direção: Billy Wilder
Roteiro: Billy Wilder, I.A.L. Diamond
Elenco: Jack Lemmon, Walter Matthau, Ron Rich, Judi West, Cliff Osmond, Lurene Tuttle, Harry Holcombe, Les Tremayne, Lauren Gilbert, Marge Redmond, Noam Pitlik, Harry Davis, Ann Shoemaker, Maryesther Denver, Ned Glass, Sig Ruman, Archie Moore, Howard McNear
Duração: 125 min.

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais