Home QuadrinhosArco Crítica | Valérian e Laureline: Os Maus Sonhos

Crítica | Valérian e Laureline: Os Maus Sonhos

por Luiz Santiago
90 views (a partir de agosto de 2020)

Publicada originalmente na Pilotemagazine que reunia talentos da nona arte franco-belga, a saga de Valérian e Laureline veio ao mundo em 9 de novembro de 1967, na edição #420 da revista. A aventura de estreia, intitulada Os Maus Sonhos, seguiria até a edição #437 (15 de fevereiro de 1968) e não demorou muito tempo para que o público se encantasse pela jornada de ficção científica que os amigos de infância Pierre Christin e Jean-Claude Mézières traziam em sua série.

Na década de 60, os quadrinhos não tinham uma grande abertura para personagens femininas relevantes fora do ramo super-heroico (e mesmo assim, haviam barreiras e reveses) e tampouco apostava em histórias que colocassem a ficção científica como gênero principal. A FC sempre era dissolvida em outro gênero, pois era arriscado demais publicar uma trama com problemas e temáticas destacadamente futuristas, ainda mais envolvendo viagens no tempo, leis de não-alteração da História, materialização de naves espaciais e uma sociedade estruturada num misto de utopia e distopia. Curiosamente, tudo isto já estava na primeira aventura de Valérian e Laureline. Não é de se espantar que desde o começo já tenha chamado tanta atenção.

O ano é 2720. A cidade é Galaxity, capital da Terra e do Império Galático Terrestre. Já na primeira narração de cenário de Os Maus Sonhos é possível perceber a influência de alguns grandes autores de ficção científica na prosa de Christin, especialmente de Isaac Asimov, com destaque para a sua Trilogia Fundação. Ao poucos, conhecemos a realidade da Terra neste momento da História e a coisa não é exatamente como esperávamos. Quando citei o entrelaçamento de utopia e distopia na trama, foi justamente por este fator de presença da humanidade no século XXVIII que trouxe a comparação à tona. As pessoas simplesmente não vivem mais. Não do jeito convencional de se viver. Elas passam todo o tempo em sonhos… sonhos agradáveis que o vilão da história, Xombul, quer acabar. Ao menos neste ponto, o leitor dá razão ao personagem. De que adianta uma civilização perfeita em arquitetura, preservação da natureza, altíssima tecnologia e benesses dos mais variados se apenas Tecnocratas (os burocratas sempre persistem!) e Agentes Temporais (uma espécie de polícia/detetives espaciais, cuja missão é manter a paz galática e evitar pirataria espaço-temporal) estão acordados?

plano critico xombul valerian laureline os maus sonhos

Xombul e suas criaturas são emboscados na floresta.

Embora esta crítica à situação da humanidade seja propositalmente sugerida no roteiro, ela não é levada adiante e isso tem muito a ver com a impressão que Christin nos quis passar desta sociedade. O próprio protagonista, Valérian, foi educado para acreditar na galáxia (como vocês percebem, há muita similaridade de conceitos de Star Wars com esta série, e isso é ainda mais evidente na parte artística, algo que Mézières sempre destacou em entrevistas) e age de maneira bastante fiel aos preceitos que seu cargo defende. Ele, por exemplo, não acha nada estranho que a humanidade esteja mergulhada em sonhos (me lembrou muito a dinâmica do episódio A Gaiola, de Star Trek) e Laureline não tem tempo de formar uma opinião a respeito, porque chega em um momento de batalha e transformação de Galaxity em uma cidade-pesadelo, por um insano Xombul, que pretendia a tudo dominar.

A primeira parte da saga é simplesmente deliciosa e tudo ganha uma impressão ainda mais simpática através da arte de Mézières, com seus desenhos suavemente caricatos para os personagens masculinos e seu aplaudível detalhamento dos cenários, igualmente ressaltados pelas cores de sua irmã Évelyne Tranlé. Quando Valérian chega à Idade Média — o ano 1000 é onde a caçada acontece, no castelo de Alberico, o Velho –, o enrendo recua um pouco em sua força e algumas ações do protagonista acabam se parecendo demais com estratégias de resolução forçada das aventuras heroicas na Era de Prata, o que não é exatamente algo negativo, mas que contrasta bastante com a linha mais madura e inteligente da primeira parte, quando Valérian é recrutado para deter Xombul.

Os Maus Sonhos é um arco de estreia muito divertido de se ler; cheio de situações cativantes (os autores criaram uma forma bárbara de representar encantamentos, além de trabalharem muito bem a dupla central — reparem que Laureline só entra na página 11 e, mesmo assim, tem o devido peso no texto) e com personagens, uma sociedade e um caminhão de possibilidades que prendem rapidamente o público. A trama é encerrada de uma forma tão orgânica, sugerindo uma continuidade não só de viagens pelo Universo mas de amostras desta Terra e seu Império no século 28, que queremos ver mais imediatamente. Este é um exemplo de série que já nasceu com as sementes de um clássico.

Valérian e Laureline: Os Maus Sonhos (Valérian et Laureline: Les Mauvais Rêves) — França, 1967 – 1968
No Brasil: Valérian Integral N°1 (Edição Especial – Sesi-SP Editora, 2017)
Roteiro: Pierre Christin
Arte: Jean-Claude Mézières
Cores: Évelyne Tranlé
31 páginas

Você Também pode curtir

2 comentários

planocritico 19 de julho de 2017 - 14:59

Mais uma inaceitável usurpação de publicação alheia. Mas, claro, tudo está sendo anotado em meu Death Note para providências futuras.

Abs,
Ritter Kira.

Responder
Luiz Santiago 19 de julho de 2017 - 15:45

Foi namorar… perdeu o lugar.
Favor deixar possíveis reclamações com minha secretária, D. Jodolvira Fan.

https://uploads.disquscdn.com/images/826df7665719f72d84646229cf781b096820c6c2ad6f2a7d9bf5df9c9d224381.jpg

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais