Home FilmesCríticas Crítica | Vingadores: Ultimato (Sem Spoilers)

Crítica | Vingadores: Ultimato (Sem Spoilers)

por Ritter Fan
348 views (a partir de agosto de 2020)

Avengers-Endgame-Banner-ultimato vingadores

O filme como filme

O filme como celebração

  • Leiam, aqui, nossa crítica com spoilers.

Antes de ser o efetivo encerramento de um memorável ciclo de 11 anos e 22 filmes, algo que não tem precedentes na História do Cinema, Vingadores: Ultimato é, de um lado, uma celebração dessa gigantesca conquista e, de outro, um enorme “muito obrigado” a todos os espectadores e fãs que acompanharam avidamente a formação do Universo Cinematográfico Marvel desde que o Homem de Ferro explodiu nas telas em 2008. É a culminação de uma azeitada máquina produtora de filmes que tomou de assalto o gosto popular, para o mal ou para o bem, que também consegue, por incrível que pareça, ser uma ótima obra de um subgênero tão populoso.

Para alcançar esse feito, Christopher Markus e Stephen McFeely escreveram um filme que, em termos narrativos, ancora-se em modelos batidos, mas sempre divertidos da ficção-científica fantástica e, principalmente, mais do que talvez em todos os filmes do UCM reunidos, em autorreferências. Se Vingadores: Guerra Infinita ainda funcionava como filme a partir de limitado conhecimento do que veio antes, Ultimato não tem vergonha alguma de mergulhar profundamente na mitologia cinematográfica da mega-franquia e, quem não acompanhou razoavelmente de perto tudo – deixe-me, aqui, reiterar o TUDO – perderá boa parte da estrutura narrativa e, consequentemente, da graça da coisa toda.

E faz absoluto sentido o que os roteiristas fizeram. Afinal, como realmente agradecer aos espectadores na lógica inaugurada pelos estúdios Marvel sem ser autorreferencial ao extremo, sem literalmente “auto-homenagear-se”, “auto-celebrar-se”? É por essa mesma razão, aliás, que escrever uma crítica sobre Ultimato sem levar em conta esses aspectos é um exercício em futilidade, é como falar da peça final de um quebra-cabeças sem levar em consideração o que ela traz à tona.

E eu sei que sou o primeiro a defender que filmes, mesmo continuações, devem ser auto-contidos e viver sozinhos. Mas essa é a regra geral que já foi quebrada com sucesso outras vezes como na Trilogia O Senhor dos Anéis e na Trilogia Original de Star Wars. O fim do UCM como o conhecemos é o ponto alto dessas exceções, já que ele é único no que faz ao efetivamente ser um epílogo, uma volta ao começo, uma transformação e um reinício, tudo empacotado em três horas que, para quem viveu de 2008 até agora esperando por isso, passarão como três minutos.

Àqueles que esperam que eu aborde a história do filme, saibam que não farei isso, por não ser absolutamente necessário. O que escrevi no parágrafo anterior sobre o que é a obra dos Irmãos Russo é tudo que é necessário saber em uma crítica sem spoilers.

O máximo que eu posso dizer é que o roteiro não foge em momento algum das consequências dantescas do estalo da Manopla do Infinito de Thanos em Guerra Infinita e, apesar de brincar com Deus Ex Machina, não é escravo desse muitas vezes frustrante dispositivo narrativo. Os Vingadores sobreviventes, muito ao revés, são destruídos antes de serem reconstruídos e, mesmo quando isso ocorre (e afirmar isso simplesmente não é spoiler sob qualquer ângulo que se enfoque), sentimos e, em alguns casos vemos, as transformações e os fardos que eles carregam.

Há um tom inegavelmente melancólico que perpassa toda a narrativa e ele é bem-vindo diante da situação inacreditável que o Universo se encontra no começo da projeção. Da mesma maneira, há mais violência aqui, mesmo que sangue continue tão raro quanto alguém chamar Rocket de guaxinim. Essa combinação empresta mais gravidade e solenidade às situações e faz algo que eu realmente não esperava nesse filme, ou seja, foca no desenvolvimento de personagens abrindo espaços para excelentes atuações com Robert Downey Jr. mais uma vez mostrando o porquê de o cachê dele ser o que é. O ator entrega-se na fita e veste completamente o manto de seu inesquecível Tony Stark.

Mas o chapéu precisa ser tirado também para o restante do elenco principal, com Chris Evans, Scarlett Johansson, Mark Ruffalo, Jeremy Renner, Chris Hemsworth, Bradley Cooper, Paul Rudd, Karen Gillan (sim!) e Josh Brolin inacreditavelmente ganhando generosos minutos de tela de maneira que tudo caminhe para um final explosivo e, usarei o termo novamente, que celebra cada pedaço desse rico Universo. Com isso, um filme que tinha tudo para ser apenas fogos de artifício bonitos, mas vazios, ganha outra roupagem e outro enfoque, o que mostra que a equipe de produção se recusou a seguir o caminho mais fácil.

Mas isso não quer dizer que a obra seja isenta de erros, pois ela não é. Como filme, em termos relativos, Guerra Infinita é superior por saber manter a condução da narrativa de maneira equilibrada ao longo de toda sua já avantajada duração. Ultimato tem a desvantagem, por assim dizer, de ter que fechar uma história e começar outra e, para isso, de certa forma precisa seguir o caminho da reapresentação de seus personagens, o que faz com que o terço inicial seja irregular, especialmente no quesito comicidade, elemento que o roteiro trabalha bem na maior parte do tempo, mas que, nessa parte inicial, tropeça na tonalidade e, por vezes, parece deslocada.

Quando o grande plano entra em movimento, a máquina autorreferencial começa a girar a todo vapor estabelecendo narrativas paralelas que são adoráveis na proposta, mas com algumas menos eficientes que outras. E, com isso, chegarmos à obrigatória batalha final lá pela hora derradeira que os Russo sabiamente coreografam criando “bolhas” estanques de histórias, cada uma com grandes momentos perfeitamente capazes de trazer aplausos do público. Com isso, o inchaço da pancadaria não é sentido e tudo ganha um bom grau de fluidez, algo que também foi uma boa surpresa, especialmente porque as “auto-homenagens” não só não param, como se tornam consideravelmente mais orgânicas. Os Russo talvez tenham errado a mão na duração dos epílogos, mas eles em si eram necessários, essenciais mesmo, ainda que acabem sacrificando o quesito ritmo.

Vingadores: Ultimato sem dúvida é o filme que o UCM e seus espectadores mereciam. É uma obra que se desmancha em agradecimentos efusivos a tudo o que foi criado ao longo de 11 anos e a todo o carinho demonstrado pelos fãs de todas as idades que foram sendo amealhados por 22 filmes de variados tons e qualidades. É o melhor filme da franquia até agora? Pelo que ele celebra, sem dúvida que sim, mas, se retirarmos esse fator – que nem sei se deveria ser retirado para ser sincero – ele é “apenas” muito, muito bom. O que me deixa curioso e, ao mesmo tempo, receoso, é imaginar como os estúdios Marvel conseguirão manter essa sua imbatível linha de produção funcionando no mesmo nível de qualidade pela próxima década.

Obs: Não há cenas pós-créditos, mas há um som estranho (e para mim ainda indecifrável) quando o logo da Marvel aparece lá no final de tudo.

Vingadores: Ultimato (Avengers: Endgame) — EUA, 2019
Direção: Anthony Russo, Joe Russo (Irmãos Russo)
Roteiro: Christopher Markus, Stephen McFeely
Elenco: Robert Downey Jr., Chris Evans, Mark Ruffalo, Chris Hemsworth, Scarlett Johansson, Jeremy Renner, Don Cheadle, Paul Rudd, Brie Larson, Karen Gillan, Bradley Cooper, Josh Brolin, Gwyneth Paltrow, Danai Gurira, Tessa Thompson, Benedict Wong, Jon Favreau, Benedict Cumberbatch, Tom Holland, Chris Pratt, Zoe Saldana, Dave Bautista, Pom Klementieff, Vin Diesel, Elizabeth Olsen, Evangeline Lilly, Chadwick Boseman, Anthony Mackie, Sebastian Stan, Tom Hiddleston, Taika Waititi, Hayley Atwell, Rene Russo, Tilda Swinton, Frank Grillo, John Slattery, Robert Redford, Michael Douglas, Samuel L. Jackson
Duração: 181 min.

Você Também pode curtir

202 comentários

Beatriz Lynch 9 de maio de 2020 - 14:23

Bem, só digo uma coisa, Stan Lee deve estar orgulhoso, onde quer que ele esteja.

Responder
planocritico 9 de maio de 2020 - 15:08

Sem dúvida! Ele está no Paraíso X com um sorrisão no rosto!

Abs,
Ritter.

Responder
AleCassia Aguiar 17 de maio de 2019 - 15:35

Bem colocado:

“Como filme, em termos relativos, Guerra Infinita é superior por saber manter a condução da narrativa de maneira equilibrada ao longo de toda sua já avantajada duração. Ultimato tem a desvantagem, por assim dizer, de ter que fechar uma história e começar outra e, para isso, de certa forma precisa seguir o caminho da reapresentação de seus personagens, o que faz com que o terço inicial seja irregular, especialmente no quesito comicidade, elemento que o roteiro trabalha bem na maior parte do tempo, mas que, nessa parte inicial, tropeça na tonalidade e, por vezes, parece deslocada.”

Responder
planocritico 17 de maio de 2019 - 16:21

Valeu!

Abs,
Ritter.

Responder
Anônimo 14 de abril de 2020 - 09:55
Responder
Gabriel 6 de maio de 2019 - 01:07

Sensacional, impressionante e épico. Essas são algumas das principais palavras que descrevo esse filme. Guerra Infinita era pra mim o melhor filme de super heróis, mas não é mais! O que eles fizeram ao criar o MCU foi incrível, se tornando um fenômeno muito gigante da cultura pop. A Marvel Studios foi a primeira a criar um universo de super heróis que deu tanto certo. “E que tal aproveitar que já temos algo gigante na mão e fazer um filme que reúne e presenteia em cheio os fãs que acompanham essa mega franquia de 22 filmes?” – Assim pensaram os produtores e nos deram uma grande obra prima que será lembrada pra sempre e nunca será esquecida na história do cinema: Vingadores: Ultimato. Nenhum outro filme conseguiu me surpreender, me emocionar e me empolgar tanto quanto esse filme. Eu simplesmente fiquei com o coração batendo a cada minuto que passava, com o roteiro excelente, com o desenvolvimento de personagens perfeito, com a história andando perfeitamente com um ritmo muito bem executado, com personagens que já conhecemos e que temos grande prazer de ver em tela e fazer suas missões para salvar o universo. Espetacular o filme, muitos não gostaram pela pouca ação no início e no meio, mas achei que isso foi feito de forma excelente, porque a história me prendeu do início até o final. Os fan services são muito bons e são partes de um enorme presente que é Endgame. A batalha final é, na minha opinião, a melhor da história do cinema, um enorme momento que nunca vou esquecer e irei recordar pra sempre. Obrigado Marvel Studios, Kevin Feige, Irmãos Russo e todos que estiveram envolvidos nessa obra prima. Perfeito não é, mas é perto de ser. Até um filme de super herói superar esse, vai demorar muitos anos na minha opinião. Dou 5 estrelas por enquanto.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 18:43

Que paixão, hein?

Muito legal você ter gostado tanto!

Abs,
Ritter.

Responder
Leonardo Sette Pinheiro 30 de abril de 2019 - 10:23

Ritter, isso que é uma série de 22 episódios bem feita!!!

e pensar em todas as teorias que fizemos ao longo desses anos… foi digno. Merece até erger o Mjølnir!

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 18:43

Bem pensando, @leonardosettepinheiro:disqus ! Bem isso mesmo!

Abs,
Ritter.

Responder
Fórmula Finesse 29 de abril de 2019 - 17:16

Naturalmente que são produções e estilos totalmente diferentes, mas são filmes sobre heróis dos quadrinhos:
– Qual o melhor? Cavaleiro das Trevas ou Ultimato? Apenas o filme em si, sem precedentes, como obra fechada.
Não é #treta, mas mera curiosidade mesmo…será que Superman de 1978 (seminal) não poderia estar nesse hipotético pódio?
Eu só vou poder responder daqui há algumas semanas…rsrsrsr
https://uploads.disquscdn.com/images/e1c1a4a36796315e04235a9ccf106da182459b5c6bfdca26be5ff2f8f6b44690.jpg

Responder
planocritico 29 de abril de 2019 - 17:30

Não tenho a MENOR dúvida em responder que é Cavaleiro das Trevas. E Superman de 78 também é melhor que Ultimato nas circunstâncias que você delimitou (obra fechada).

E olha que eu sou Marvete, hein?

Abs,
Ritter.

Responder
Fórmula Finesse 29 de abril de 2019 - 17:37

ahahah, eu imaginei isso! Sou “criado” em Batman desde tenra idade (vi no cinema o primeiro Batman de 1989) por conta de Frank Miller e outros mestres.
Nunca gostei muito dos personagens da Marvel com exceção do Demolidor (culpa de Frank de novo); mas devo admitir que o trabalho feito nesse universo nos últimos onze anos é nada menos do que épico. Guerra Infinita é um trabalho muito especial e espero simplesmente o melhor em Ultimato.
E depois gafanhotos…ah, e depois? Coringa vêm ali; sem efeitos, sem pirotecnia, sem conflitos siderais…apenas o pior abismo que podemos defrontar: a loucura dos desesperados!
rsrsrsrs

Responder
planocritico 29 de abril de 2019 - 17:44

Caaara, vou de mente aberta, mas eu acho que filme que vem para contar “sob story” de vilão para justificar sua vilania um prato feito para eu ir com um pé atrás por melhor que seja a atuação do Phoenix…

Abs,
Ritter.

Responder
Fórmula Finesse 30 de abril de 2019 - 09:27

rsrsrs, é…o desafio é grande. Mas encaro esse filme como um exemplar único, sem cronologia canônica, uma graphic novel em forma de filme. Uma leitura diferente de um vilão icônico. Claro que sendo sucesso ou não, vai bagunçar bastante a nova fase da DC Comics quando iniciarem novamente a saga do Batman. Mas como a Liga praticamente morreu, parece que a onda por lá é fugir da fórmula Marvel e customizar quase tudo (rsrsrsr, que encrenca meu amigo!).

planocritico 30 de abril de 2019 - 12:12

Sim, eu vejo esse filme potencialmente como uma GN audiovisual. O problema é mais o conteúdo. Se fosse algo na linha da GN Coringa do Brian Azzarello, eu estaria feliz. Meu problema é que o filme parece ser uma história de origem e eu tenho muito receio de histórias de origem que tragam “justificativas” para vilões serem vilões.

Abs,
Ritter.

Fórmula Finesse 30 de abril de 2019 - 12:12

Sim, está corretíssimo – O agente do caos* não precisaria de uma justificação, por quê diabos a gente tenta entender a loucura se ela mesmo não o faz, aí não seria loucura. Piada Mortal é um grande sucesso, como a história é por demais conhecida, os produtores não quiseram ser tão óbvios.rs
Contudo, nada, mas NADA pode ser pior que Coringa matando os pais de Bruce lá em 1989 ahahahaha
*Apesar de ser um cachorro que corria atrás de um carro, O Coringa de 2008 elaborou um plano de fuga e de deturpação dos habitantes de Gotham de forma muito meticulosa.
abraço!

planocritico 2 de maio de 2019 - 17:49

Também sempre tive problemas com o plot do Coringa ser o assassino dos pais de Bruce no filme do Burton… Mas, como adoro o Jack Nicholson, sempre deixei passar…

Abs,
Ritter.

Fórmula Finesse 3 de maio de 2019 - 08:05

Vai acontecer o mesmo nesse filme, a atuação do Joaquim vai ser tão boa que…

planocritico 3 de maio de 2019 - 18:48

Tomara!

Abs,
Ritter.

Anônimo 14 de abril de 2020 - 09:49
planocritico 14 de abril de 2020 - 13:19

Eu acho conveniente e “bonitinho” demais.

Abs,
Ritter.

Anônimo 14 de abril de 2020 - 09:53
Responder
Anônimo 14 de abril de 2020 - 09:52
Responder
planocritico 14 de abril de 2020 - 13:19

Sim!

Abs,
Ritter.

Responder
Fórmula Finesse 29 de abril de 2019 - 17:16

Carambolas, uma mulher aqui do lado já soltou um SPOLIER grande do filme…me obrigo a ver no cinema mesmo (curto em DVD) assim que passar um pouco o frenesi das filas.

Responder
planocritico 29 de abril de 2019 - 17:44

Cara, corre para os cinemas!!!

Abs,
Ritter.

Responder
Erick Blanco 🌈 28 de abril de 2019 - 22:37

Não há como descrever minhas emoções para Ultimato. Eu fiquei totalmente sem palavras. Eu não ria (nem chorava) nos filmes da Marvel quanto o fiz neste filme. Saí da sala de projeção totalmente imerso na minha emoção. Havia muitas lágrimas de alegria e perda. História incrível, atuação excelente, ação épica, CGI em altíssimo nível… a melhor história contada em um filme de super-herói. Eu amo mais de 3000 vezes!

Felicidade, tristeza, alegria pura, excitação … Eu vou sentir falta desses momentos em toda a minha vida porque vamos encarar isso – faz algum tempo que os filmes não nos trazem um grande entusiasmo como Ultimato nos proporcionou.

É uma experiência dessas que você vai lembrar para sempre. As pessoas batendo palmas, rindo, chorando, cheias de um estado real de emoção. 3 horas de duração, mas passarram como um estalar de dedos do Thanos (melhor, do Homem de Ferro, convenhamos), e agora estou pensando que eu realmente estava no Reino Quântico, porque pareceu meros 5 segundos. Mesmo que você saiba aonde a história pode te levar, porque ainda é um “filme de super-herói”, Ultimato não é simplesmente um filme de super-herói como tantos por aí, ele é muito mais do que isso. É uma verdadeira e genuína celebração aos fãs.

Responder
planocritico 29 de abril de 2019 - 16:07

@disqus_RlguelTyAs:disqus , que bacana seu depoimento! Essa é a magia do cinema. E Ultimato é uma grande celebração mesmo, um presente enorme da Marvel para seus fãs. Sem dúvida uma experiência cinematográfica rara!

Abs,
Ritter.

Responder
André 28 de abril de 2019 - 20:24

Amei esse filme, vou reassistir, sabe me dizer se vale a pena assistir em 3D ?

Responder
planocritico 30 de abril de 2019 - 18:51

Não vale.

Abs,
Ritter.

Responder
Leandro Souto Maior 28 de abril de 2019 - 17:24

Kd o seu entenda melhor?

Responder
planocritico 28 de abril de 2019 - 17:43

Calma. A bagunça temporal foi tão grande que resolvemos fazer antes um artigo dedicado só a isso!

Abs,
Ritter.

Responder
ABC 27 de abril de 2019 - 13:04

Ainda não assisti ao filme por falta de tempo, e pelo visto não assistirei no fim de semana para evitar salas lotadas, mas não duvido da qualidade do filme, e mesmo que não seja bom ele sofre o efeito “a ameaça fantasma”.

Entretanto, o que mais me preocupa é a ocupação de 80% das salas nacionais com apenas 1 filme. Vai ter um plano polêmico sobre isso?

Saudações.

Responder
planocritico 27 de abril de 2019 - 19:30

Não vejo a ocupação momentânea de 80% das salas com apenas um filme um problema sério. É mercado e o mercado estabelece as regras normalmente de maneira mais eficiente que qualquer legislação que já estão por aí clamando para o Congresso colocar em pauta.

Quer resolver ou minimizar isso de maneira muito mais perene? Que então o Congresso solte legislação INCENTIVANDO a construção de mais salas de cinema.

Abs,
Ritter.

Responder
ABC 27 de abril de 2019 - 21:18

Mas incentivar a construção de mais cinemas onde não há mercado consumidor é desperdício de verba pública, e provavelmente spo vai aumentar o número de salas exibindo blockbusters; ainda vejo nos vale-cultura a forma mais eficaz de popularizar teatro e cinema.

A ideia de limitar a exibição em número tão desproporcional de salas seria justamente para o mercado exibidor planejar melhor as suas salas. O problema é que as grandes redes só querem construir salas para as massas, com mais de 100 lugares (de preferência com 3D), não interessa mais construir salas com 35-50 lugares. Se o problema é a alocação de público construam salas para 500 pessoas para esses filmes-evento. O que não pode é enfiar no cinema várias salas para 1 filme e na outra sala que resta ficar revezando outros 10.

Saudações.

Responder
planocritico 27 de abril de 2019 - 21:33

Estabeleça essa limitação e veja o que vai acontecer: super-população das salas com os filmes mais desejados e as outras ficarão às moscas. Já é assim. Só ficaria pior. Além disso, qual é a proporção “certa”? E que filmes “teriam o direito” de ocupar essas telas? Afinal, De Pernas para o Ar 3 é tão relevante artisticamente quanto Vingadores, não é mesmo, só que tem apenas 1/50 de pessoas que querem assisti-lo.

Novamente, o mercado manda e não tem nenhum tipo de reserva de mercado (essa expressão me dá até medo de tão inútil e falha que é historicamente) que resolverá isso.

Mais salas aumentaria a disponibilidade de outros filmes. Temos 4 mil telas no Brasil, um número ridículo para o tamanho de nosso país. Se tivéssemos 8 mil, os 20% sem Vingadores seria bem maior…

Abs,
Ritter.

Responder
ABC 28 de abril de 2019 - 09:52

Por isso que eu acho as salas mal dimensionadas, o número de lugares deveria ser melhor equilibrado.

Já existia uma cota de tela para filmes nacionais, eu acho que deveria continuar, e se os vale-cultura fossem limitados a produções nacionais poderia tornar menos trágica a bilheteria desses filmes.

Concordo que mais salas aumentaria a disponibilidade de outros filmes, mas a não limitação da exibição desestimula a abertura de novas salas. Ao invés de inaugurarem novos cinemas vão preferir diminuir a quantidade de filmes exibidos que têm baixa bilheteria, até que a “profecia Netflix” se concretize e tenhamos apenas blockbusters sendo exibidos na grande tela. Talvez seja o destino do cinema, mas ele não me agrada.

Saudações.

planocritico 29 de abril de 2019 - 16:14

A cota de tela para filmes nacionais continua existindo. O resultado disso é que somente os filmes nacionais de apelo popular ficam no cinema por mais tempo, como basicamente as comédias globais. Os filmes de valor mesmo não tinham e não têm espaço.

Sobre as salas, eu não saberia dizer o tamanho ideal. Acho que cento e poucos lugares é a regra. Não sei se salas de 35 a 50 lugares são economicamente viáveis da mesma maneira que não sei se salas enormes são.

Sobre a “profecia Netflix”, eu também desejo que ela nunca se concretize, e eu vejo espaço para “cineplexes” especializados. Lá perto de casa, por exemplo, tenho a sorte de ter um desses. São seis telas que, hoje, tem uma dedicada a Vingadores e as outras cinco a filmes variados e bem desconhecidos do público em geral. E o lugar costuma ficar razoavelmente cheio mesmo para os filmes mais desconhecidos.

O problema é quando vamos para cidades muito pequenas, às vezes com um cinema apenas. Que filme vai passar? Vingadores, claro, pois é ele que pagará as contas no final do dia e não o filme iraniano em preto-e-branco. É um negócio difícil de equacionar…

Abs,
Ritter.

ABC 10 de maio de 2019 - 13:47

A cota de filme nacional voltou essa semana justamente por causa da polêmica Ultimato, pois o decreto não havia sido renovado.

Fiquei surpreso ao ver que o EUA adota cota de ocupação de 15% do circuito nacional por um único filme, e aqui o STF barrou a cota de 30%.

Sobre tamanho dos cinemas fiquei pensando na possibilidade de cinemas modulares (vou até pesquisar se isso já foi patenteado).

Eu entendo o lado do exibidor, especialmente os pequenos (até o Grupo Estação se rendeu aos Vingadores), mas o filme chegou não aos 80% inicialmente debatidos, mas a 92% das salas, aí já acho bem absurdo.

Saudações.

planocritico 10 de maio de 2019 - 15:51

Sim, eu vi que voltou. Mas o problema é que essa cota nunca resolveu o problema. É apenas mais uma interferência do estado no mercado, aquele paternalismo clássico que nós brasileiros adoramos.

Sobre cinemas modulares, interessante. Nunca ouvi falar, mas corre para patentear!!!

Sobre os 92% (não sabia que chegou a esse ponto e é assustador mesmo), cara, a questão é que isso é só por uma, no máximo duas semanas. Depois a coisa volta a níveis normais. Não acho o fim do mundo nessas circunstâncias. O negócio é a produção nacional se programar e segurar lançamentos de forma a driblar mega-blockbusters como esse. Se a concorrência faz isso nos EUA (ninguém estreou junto com Ultimato), ela pode fazer aqui também. O que não pode é culpar a própria burrice usando o argumento do coitadismo.

Abs,
Ritter.

JC 26 de abril de 2019 - 19:14

Escrevi no meu FB um textão!

Naquele longínquo ano…talvez entre 1995….um adolescente que lia HQ´s aos montes…pegava um exemplar que aparecia um tal de Thanos….foram 3 calhamaços gigantescos (Até para os dias de hoje!). Explicando quem era Thanos.
Depois viria a Trilogia do Infinito.
Que coisa para um adolescente ler.
Impossível de ser filmado naquela época.
O primeiro choque absoluto nos cinemas foi com o primeiro Homem aranha. Meu herói predileto. (E tenho medo de aranhas!)

Depois X-MEN 1 escancarou os nerds para o mundo.

Batman de Cristian Bale então…O Filme.

Mas nada…nada se compara ao que a MARVEL fez ao longo de 22 filmes.

Devagarinho…uns filmes ruins no caminho..outros mé…e os espetaculosos de me fazer gritar no cinema, coisa que nunca faço.

E finalmente a bomba….GUERRA INFINITA nos Cinemas.

O primeiro…fácil predileto de sempre.

O de hoje….foi aquele adolescente lá deitado na cama, lendo sem dor nas costas de qualquer jeito, durante 3 horas.

Chorando nas cenas de ação, vendo aqueles personagens..lá de 1995.

Um filme, uma vida, várias histórias.

Obrigado MARVEL!

É apenas um filme, mas eu gosto!

🥰🥰

Responder
planocritico 26 de abril de 2019 - 23:37

Estou com você!!!

Abs,
Ritter.

Responder
Anônimo 27 de abril de 2019 - 01:27
Responder
planocritico 27 de abril de 2019 - 19:30

Obrigado, @disqus_NYCJakr1LC:disqus !

A Marvel tinha um plano que colocou em andamento de maneira impressionante. A DC não só começou tardiamente (o universo compartilhado), como tentou fazer a versão resumida do plano da Marvel e se ferrou toda e até agora não se achou. Tomara que eles se acertem, porém!

Abs,
Ritter.

Responder
Fabio Gomes 26 de abril de 2019 - 13:24

Inaugurada a era do ‘som pós-créditos’

Responder
planocritico 26 de abril de 2019 - 13:25

HAHAHAHAHAHAHAHAAHAHA

Pior que é isso mesmo…

Abs,
Ritter.

Responder
Mateus Woszak 26 de abril de 2019 - 11:17

O filme é tão bom, mas tão bom, que até desanima, kkkkk! Você não esperava mais nada dos próximos filmes do UCM e pensa “ah, não vão conseguir nos surpreender mais!”

Como dito por aí já mil milhões de vezes: É uma carta de amor a todos que acompanharam esses onze anos!

Se formos dar um Conselho a qualquer um que ainda está em dúvida sobre assisti-lo, eu diria “Assistam! É INEVITÁVEL!”

Responder
planocritico 26 de abril de 2019 - 12:56

@mateuswoszak:disqus , eu também tenho receio pelo futuro, mas, como a Marvel não para de surpreender, não tenho razão para duvidar de nada!

Abs,
Ritter.

Responder
Matheus Jornalista 26 de abril de 2019 - 10:38

SPOILER

SPOILER

SPOILER

SPOILER

SPOILER

Não gostei muito do filme, achei que ele não tem a menor coerência narrativa. Mais uma vez desperdiçaram o Thor num papel cômico ridículo, não gostei da trama envolvendo a Viúva Negra. O filme funciona muito bem até o começo do segundo ato, depois vira uma espécie de celebração dos melhores momentos com direito a repetecos e uma lógica científica totalmente sem nexo. Na critica com spoilers eu vou falar mais, mas achei o filme decepcionante infelizmente. Eu estava com muito hype, fiquei triste como fã.

Responder
planocritico 26 de abril de 2019 - 12:45

SPOILER

SPOILER

SPOILER

SPOILER

SPOILER

SPOILER

Cara, marquei seu comentário com aviso de spoiler só porque estou sendo triplamente cuidadoso.

Veja, entendo seus pontos, mas acho que você está confundindo comicidade como antítese de drama. O papel do Thor é cômico só na camada mais exterior, pois, na verdade, é um papel pesado e BAITA trágico. Ele foi o que mais perdeu e, agora, não se importa nem consigo mesmo. A comicidade vem naturalmente do desleixo dele, mas ele tem tragédia e drama escrito nele todo.

Sobre a Viúva Negra, você não gostou do que, exatamente?

Outra coisa: lógica científica? Mas você procura isso em filme fantasioso? O que é importante é que o filme tenha lógica interna e isso ele tem.

Ah, a crítica com spoilers acabou de ir para o ar.

Abs,
Ritter.

Responder
Matheus Jornalista 26 de abril de 2019 - 12:56

Sem problema sobre o aviso, vou expressar o que eu pensei lá na crítica com spoilers.

Responder
Rene Had 26 de abril de 2019 - 20:28

Nossa vc foi a unica que eu vejo dizer que o filme nao é bom. Vc tem algum problema mental. Só pode. É o filme desse seculo. Sensacional. Vai tonar gardenal pqp

Responder
David RoPin 27 de abril de 2019 - 01:54

A lógica científica não se aplica, a unica lógica que se aplica é a já pré estabelecida no roteiro.
Exemplo se eu faço um filme onde as pessoas podem voar, e um personagem cai de um penhasco e morre isso é um furo de roteiro.
Não interessa se ninguém possa voar no mundo real, o que interessa é que se já está pre estabelecido que na história aqueles personagens voam, então não pode haver uma queda mortal sem uma justificativa, sem um porque de ele não poder voar naquela circunstancia específica (uma pancada na cabeça por exemplo). Entende?

Responder
márcio xavier 26 de abril de 2019 - 10:29

Cheguei na sala meio tenso de tanto hype. Sentei cedo, esperei os 27 trailers e comerciais e quando começou eu pensei “ah, aquela cena”. 10 segundos depois: “pqp, por essa eu não esperava”. Foi assim o filme todo, exceto na cena
SPOILER
SPOILER
SPOILER
do capitão indo pro passado. Quando eu vi a cara do bucky e a insistência do Steve em ir sozinho, já comecei a entender onde ia dar. O que não dá pra saber é se a Marvel vai aproveitar essa volta ao passado pra filmes com Steve e Peggy ou vai ficar apenas em nossas memórias mesmo.

Enfim, saí do filme e fiquei absorvendo tudo por horas, revivendo os momentos, entendendo as consequências. Ah, e a batalha foi a primeira que eu vi a superar aquela de “as duas torres” de LoR. Simplesmente f@#$#@$ o filme!

Responder
planocritico 26 de abril de 2019 - 12:56

SPOILER

SPOILER

SPOILER

SPOILER

SPOILER

Cara, tomara que não abordem esse passado do Capitão e que deixem ele em paz. Foi um final perfeito para o arco dramático dele!

Abs,
Ritter.

Responder
Madex 8 de maio de 2019 - 20:19

SPOILER

Eu penso que não faria sentido um filme ou série sobre as aventuras de Steve e Peggy, pois, como ele disse no fim, ele voltou pra se “assocegar”, pra reencontrar seu par de meia velha e viver uma vida não-heróica, como o Tony com a Pepper. Voltou para “seguir em frente”.

Responder
planocritico 9 de maio de 2019 - 14:51

SPOILER

Apesar de adorar o Capitão América, acho melhor esse eventual passado dele com a Peggy ficar só no passado mesmo. Não vejo necessidade de série ou filme sobre isso.

Abs,
Ritter.

Responder
Bruno Cavalcanti 26 de abril de 2019 - 09:31

Google lançou um easter egg tão legal do filme que eu não pude deixar de compartilhar.

1. Digite Thanos na busca.
2. Clique na manopla dourada a direita.

PS: Não é spoiler ou trolagem. Podem fazer sem medo.

Responder
planocritico 26 de abril de 2019 - 09:31

Eu tinha visto. Sensacional!

Isso dá uma medida do fenômeno que é o UCM…

Abs,
Ritter.

Responder
Cassiano Juliani 26 de abril de 2019 - 09:23

Parabéns pela Crítica, sou um fã da sua escrita, assisti ao filme ontem e estou impactado. Na verdade, estou olhando a agenda para ver quando poderei retornar ao cinema, esse não merece ser visto apenas uma única vez

Responder
planocritico 26 de abril de 2019 - 09:31

Obrigado pelo prestígio!

E sem dúvida que esse filme merece o repeteco. Eu já vi duas vezes e estou pensando em voltar!

Abs,
Ritter.

Responder
JC 26 de abril de 2019 - 19:14

Quase brigo com a namorada…ahahahaah
Comprei ingresso há semanas pro sábado…e descubro que sexta estava de folga.

Você tem dúvida que fui hoje?

AMANHÃ VOU COM ELA DE NOVO AHAHAHAHAHAHA

Responder
Paulo Victor 26 de abril de 2019 - 09:06

O filme como encerramento desse ciclo do universo Marvel foi épico: finais dignos para os heróis, a batalha final com todos juntos, o fan service, etc. Porém, analisando apenas como um filme, achei bem razoável: soluções clichês elevadas a décima potência, Deus Ex Machina para todo lado goela abaixo (mais do que o normal), esperava coisas mais inventivas nesse aspecto.

SPOILER?

SPOILER?

SPOILER?

PS: Na cena do velório, quem é o menino que aparece avulso lá no fundo? Não me recordo dele nos filmes.

Responder
planocritico 26 de abril de 2019 - 09:14

Apesar de haver sim soluções fáceis, não vi deus ex machina, apenas brincadeiras com o artifício.

Sobre sua pergunta:

SPOILER

SPOILER

SPOILER

SPOILER

SPOILER

SPOILER

SPOILER

É o garoto de Homem de Ferro 3!

Abs,
Ritter.

Responder
Cassiano Juliani 26 de abril de 2019 - 09:14

Caraaaaaaaaaaca por essa eu não esperava, imaginei “três mil” outras coisas.

Responder
planocritico 26 de abril de 2019 - 09:31

Pois é. Nem eu. Quem matou a charada foi nosso Gabriel, que está terminando a crítica com spoilers!

Abs,
Ritter.

Responder
Paulo Victor 26 de abril de 2019 - 09:23

Ahh sim, agora lembrei dele 😅

Não sei se vocês já fizeram algo do tipo, mas gostaria muito de um artigo sobre as possíveis tramas centrais do novo ciclo Marvel, com base nas pistas no que já foi feito nos quadrinhos. Obrigado, parabéns pelo conteúdo!

Responder
planocritico 26 de abril de 2019 - 09:31

É uma boa ideia. Vamos pensar. Mas, no momento, estamos concentrados na crítica com spoilers e no Entenda Melhor de referências!

Abs,
Ritter.

Responder
Flavio Batista Dos Santos 26 de abril de 2019 - 08:49

Espetacular. N existe outra palavra pra descrever a experiência q tive ontem a noite.
Marvel eu te amo. OBRIGADO POR TUDO

Responder
planocritico 26 de abril de 2019 - 08:59

11 anos em três horas! Realmente um negócio de outro mundo!

Abs,
Ritter.

Responder
Benedict Benedito 26 de abril de 2019 - 05:32

Aquela crítica top!!
Eu não quero um Blu-Ray, eu quero um HD externo de Vingadores Ultimato dona Marvel.
Estou tentando digerir ainda o filme.

Responder
planocritico 26 de abril de 2019 - 06:12

Obrigado!

Eu quero uma joia do Infinito com todos os 22 filmes dentro!!!

Abs,
Ritter.

Responder
Matheus Popst 26 de abril de 2019 - 03:39

Um dos mais importantes filmes já feitos.

Responder
planocritico 26 de abril de 2019 - 06:12

Eita!

Abs,
Ritter.

Responder
Filipe Isaías 26 de abril de 2019 - 02:08

Eu sai do cinema conflitado em relação à Endgame. Acho Guerra Infinita um filme muito redondo, quase sem falhas. Não posso dizer o mesmo desse último capítulo da saga Vingadores. Os seus dois primeiros atos possuem algumas inconsistências de tom e de montagem, e os arcos do Thor e da Viúva Negra não me agradam tanto.

No entanto, por mais que eu me concentrasse nas falhas, algo me tirava o foco delas. Não me refiro só ao que o filme faz de incrível: os brilhantes arcos do Capitao e do Homem de Ferro, o terceiro ato apoteótico, a câmera mais cadenciada do primeiro ato, que captura uma emoção mais bruta dos atores. Não. Uma grande sensação de familiaridade ainda desconhecida me agradava. Então eu lembrei da matéria prima desse filme: os quadrinhos. Há mais de um ano, eu pedi a você algumas dicas de leitura pra me preparar pra Guerra Infinita. Daí eu li Vingadores vs Thanos, Desafio Infinito, Guerra Infinita, Cruzada Infinita, Infinito Infinito, A Infinidade Infinita do Infinitivo e por aí vai. Muitas boas, outras nem tanto. Mas sempre divertidas, e com um caráter épico. Foi daí que eu cheguei a uma conclusão.

Vingadores: Ultimato é a adaptação PERFEITA de uma mega saga da Marvel. E por adaptação perfeita, eu quero dizer que ela encapsula perfeitamente o melhor e o pior desses quadrinhos. Assim como eles, a trama tem vários núcleos que nem sempre fazem sentido narrativo, e os personagens são tantos que os recem chgeados podem até se perder. No entanto, quando chega aquela última edição, e você vê aquela pagina dupla do George Perez, ou do Jim Starlin que tem todo mundo lutando junto, não tem como não ficar extasiado, vasculhando cada centímetro quadrado de página em busca de referências. Ultimato é isso, perfeito até em suas falhas, é uma homenagem a sua mídia base, e mostra que toda jornada, de fato, tem um fim, mas esse fim não será nada menos do que épico!

Abs.

Responder
planocritico 26 de abril de 2019 - 06:19

Belas impressões e análise. Eu já vejo GI como a adaptação perfeita de uma GN. Mas a verdade é que os dois juntos formam uma GN maior e com mais problemas, daquelas que são amadas muito mais pelo pioneirismo do que pela qualidade inerente.

Abs,
Ritter.

Responder
Edson Souza 25 de abril de 2019 - 23:19

Gostei mas acho que o filme tinha muita história pra 3 horas de filme!
Tive a sensação que a batalha final (que foi épica) poderia ter uma duração maior!
E assisti em 3D e achei o filme escuro tbm!

Responder
planocritico 26 de abril de 2019 - 06:12

Existe um limite para se ficar confortavelmente no cinema por melhor que seja o filme. Acho três horas o ponto de equilíbrio e confesso que o roteiro conseguiu lidar com quase tudo muito bem nesse tempo.

Abs,
Ritter.

Responder
Ferreira Roberto 25 de abril de 2019 - 21:42

Ah tá…o pessoal q deu 4 estrelas pra Capitã Marvel… é óbvio q iriam achar esse “apenas’ um filme “muito bom”… “oh, sem dúvida q sim” …”receoso”… blá blá (eu já sabia).

Responder
planocritico 26 de abril de 2019 - 05:57

Do que você está falando? Eu dei 3,5 para CM.

Abs,
Ritter.

Responder
David RoPin 27 de abril de 2019 - 01:54

Kkkkk

Responder
Rilson Joás 25 de abril de 2019 - 21:36

Fica no coração. Filme imperfeito, mas que toca as notas certas. Parabéns a todos que fizeram este universo possível!

Responder
planocritico 26 de abril de 2019 - 06:12

Fica mesmo, meu caro!

Abs,
Ritter.

Responder
raidentimbeta 25 de abril de 2019 - 21:36

CONCORDO com a crítica e REALMENTE esse filme não merece 5 estrelas..

“o povo ficou tão encantado que tá se esquecendo de criticar”

Responder
planocritico 26 de abril de 2019 - 06:12

Mas como é o ponto final apoteótico de uma era, acho natural até o coração falar mais alto! Mas em uma crítica ele tem que ser deixado em xeque.

Abs,
Ritter.

Responder
raidentimbeta 27 de abril de 2019 - 00:30

Excelente!!

Responder
Fernando Cruz 25 de abril de 2019 - 20:44

Como sempre, o alto nível da critica valeu a leitura.
vingadores Ultimato é um misto de sensações, uma experiência unica.
O filme consegue te deixar trêmulo, nervoso, ansioso, feliz e com um gota de lagrima por tudo absorvido na tela.
Isso tudo, claro, quando há uma entrega por parte do telespectador, visual e emocional.

Responder
planocritico 26 de abril de 2019 - 06:12

Obrigado!

Esse filme é um filme que parte da premissa que a entrega acontecerá. Ele faz de tudo para “facilitar” isso.

Abs,
Ritter.

Responder
Wagner 25 de abril de 2019 - 20:30

Curti bastante. Creio que é um dos que mais gostei do UCM (um TOP 3, creio eu). Ainda gosto mais de Soldado Invernal e o primeiro Vings.

Achei o primeiro terço do filme muito prolongado. O segundo de boas e a última hora bem frenética que passa rapidamente
Sobre a premissa do segundo ato, os Russo optaram pelo simples e executaram muito bem ao meu ver (apesar de umas decisões questionáveis). Mas relevo porque é uma conclusão e a última coisa a se pensar é algo complexo e todo detalhado e explicado. Fizeram e pronto, sem ligar tanto assim para consequências
De pontos negativos para os personagens, só o Thor e o Hulk. A participação de alguns heróis também seria muito bem vinda. Sei que vai ter gente pensando “Mas é um filme dos seis originais”, mas teve gente que voltou do estalar e teve uma participação justa, enquanto outros não. Porém fica melhor considerando os dois filmes como Parte 1 e Parte 2, o que dividiria melhor o tempo de tela.

Apesar de alguns momentos bem sentimentais, eu sequer dei uma fungadinha no nariz. Desculpa, eu sou muito insensível kkk. Como eu não sou um fã assíduo e nunca tive empatia por certos personagens, foi de boas para suportar rsrs

Mas foi uma experiência muito boa. Ainda mais numa sessão sem muita gente (adoro os horários da tarde). Assistiria amanhã, mas quando se tem um patrão mega fã do UCM, não devemos recusar o convite hahaha. Talvez assista amanhã novamente.

PS.: A Rene Russo é talentosa demais!!!

Responder
planocritico 27 de abril de 2019 - 19:37

Adorei o que fizeram com o Thor e Hulk!

Abs,
Ritter.

Responder
Paco Miguel 25 de abril de 2019 - 20:14

O filme como celebração merece sim as 5 estrelas. Como filme,creio que as 4,e no limite. Não vou me adentrar no conteúdo do filme para não atrpalhar a diversão e expectativa da galera (vou esperar a crítica com spoilers pra soltar a mão),mas sai do cinema com gosto de quero mais na boca. Guerra Infinita é mais completo e mais audaz, imprevisível a meu ver,mas também compreendo que Ultimato tenha ficado um pouco descalibrado,pois tanta complexidade e diferenças com certeza exigiria muito mais que 3 horas. Mesmo assim,um bom filme,que não caiu na maldição alardeada pela Fênix no patético Apocalypse.

Responder
Edson Souza 25 de abril de 2019 - 23:19

Eu tbm fiquei com gosto de quero mais!

Responder
planocritico 26 de abril de 2019 - 06:19

Eu tive minha sede saciada na medida! Mais um pouco e eu teria me afogado…

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 26 de abril de 2019 - 06:19

Concordo que GI é mais completo e ousado. Um filme que coloca o vilão no centro das atenções e ainda consegue relativizar as atrocidades dele merece todo o mérito. Mas Ultimato, apesar de ser tecnicamente mais convencional, digamos assim, lida muito, muito bem com as consequências e entrega um baita resultado satisfatório.

Abs,
Ritter.

Responder
David RoPin 25 de abril de 2019 - 20:14

Achei um filme extremamente satisfatório.
Apesar de ser bem (bem mesmo) longo, ele captura a gente pelo carinho que desenvolvemos por todos os personagens.
Tem furos de roteiro? Tem. Mas nunca existiu ou existirá um filme, livro, ou história que não tenha.
E eu não sou daqueles que acha que porque eu não gostei de algo na história, isso é um furo no roteiro. Não.
Tem coisas que eu não gostei mas fazem sentido no contexto, e tem coisas que não fazem sentido (dentro do próprio contexto) mas surpreendentemente eu gostei. Foi um final épico, digno de toda a trajetória até aqui.
Tanto que eu vou usar esse filme como minha porta de saída para os filmes baseados em HQ’s de Super Heróis.
Da mesma forma que a anos atras em uma época muito distante, eu dropei das HQ’s de heróis justamente pela sensação de que já tinha visto de tudo, agora eu me despeço dos filmes também desse gênero.
E que baita filme nota 10.

Responder
planocritico 26 de abril de 2019 - 06:19

Muito sóbria e interessante sua decisão no final. Deixa o que pensar diante do que vejo como uma exaustão de um subgênero por mais que os filmes continuem fazendo sucesso…

Abs,
Ritter.

Responder
Stella 25 de abril de 2019 - 19:00

Crítica excelente. Como filme merecia 5 estrelas. Nossa como estou abalada, chorei muito. Sem palavras para esse filme.

Responder
planocritico 25 de abril de 2019 - 19:15

Que bom que gostou Stella!

É um filmaço, um grande encerramento de mega-arco narrativo e, mais do que tudo, uma espetacular experiência cinematográfica!

Abs,
Ritter.

Responder
Stella 25 de abril de 2019 - 19:22

Gostar é pouco, eu adorei, amei, uma experiencia inesquecível sem duvidas.

Responder
planocritico 25 de abril de 2019 - 19:29

Saí do cinema nas DUAS vezes que assisti em menos de 24 horas com olhos marejados. E olha que sou burro velho que dificilmente fica assim abobado com filmes…

Abs,
Ritter.

Responder
Ítalo Gabriel 25 de abril de 2019 - 17:30

Gostei bastante da critica (como sempre), mas não concordo com tudo, principalmente no quesito dos epílogos.

Ultimato pra mim foi tudo que Guerra Infinita tentou ser e não conseguiu. Eu gostei do Guerra Infinita, mas não coloquei no pedestal como todo mundo, e nesse daqui eu posso dizer que sim… É o meu favorito do MCU junto com Pantera, Guerra Cívil e Soldado Invernal.

SPOILERS ABAIXO
🚫
🚫
🚫
🚫
🚫
🚫

Momentos em que eu chorei:
Morte do Homem de Ferro
Scott e a filha dele se reencontrando
A dança do capitão e da Peggy (diga-se de passagem, melhor final impossível)
Quando todo mundo volta no terceiro ato e vários outros momentos avulsos nesse ato.

Momento que eu chorei pra CARALHOO no filme: o sacrifício da Viúva Negra (essa foi pra fud*, eu não esperava que ELA fosse morrer 🙁

PS: assisti hj e vou voltar no cinema segunda pra assistir de novo.

Abraços Ritter… 😉

Responder
planocritico 25 de abril de 2019 - 19:22

Obrigado!

Olha, considero GI mais “redondo” como filme, além da coragem de colocar um vilão como protagonista. Mas Ultimato é um filmaço de todo o jeito é um espetacular encerramento de um projeto de longo prazo sem
precedentes no cinema!

SPOILER

SPOILER

SPOILER

SPOILER

SPOILER

Meu problema com os epílogos foi a duração deles e, no caso do epílogo do Thor, a completa desnecessidade da pegada cômica diante do que aconteceu com Stark.

Abs,
Ritter

Ps: Feliz repeteco das choradeiras na próxima sessão!

Responder
Cartman Raccon 25 de abril de 2019 - 17:13

Muito bom o filme. Tem defeitos mas no sentido massaveio esse se destaca. Não achei o melhor da Marvel mas é certeza o mais foda, se é que isso faz sentido kkk

O maior defeito é as cenas escuras que com os óculos 3D ficam um breu.
E não gostei da última cena, ela encerra bem um personagem mas não o todo.

Responder
planocritico 25 de abril de 2019 - 19:22

Faz TODO sentido meu caro! Reflete bem
os sentimentos que tive nas duas sessões que assisti!

Sobre o 3D, ainda bem que eu vi sem isso!

E o final eu acho que tudo já havia sido encerrado, então ficou lindo demais…

Abs,
Ritter.

Responder
Kurth 25 de abril de 2019 - 16:56

Espero que não tenha muita gritaria quando for assistir no sabado, rsssss. Boa Critica!! Abs

Responder
planocritico 25 de abril de 2019 - 17:06

Sugiro preparar o espírito!

E obrigado!

Abs,
Ritter.

Responder
serge 25 de abril de 2019 - 16:48

M.bom filme,mas a demasiadas criticas que li elevaram demasiado o hype para este filme,é um bom filme concordo 4 estrelas sim ,um dos melhores filmes da marvel,algumas cenas vistas no filme pareciam até então impossíveis de realizar,é o melhor final e melhor filme possível pelas pessoas que o fizeram,mas não é perfeito.
É triste ver muitos críticos em fez de analisar o filme como críticos o fazem como fãs. Não estou falando desta criticas ,mas em muitas que li,críticos não distanciam o lado” fanboy” do profissional.

Mas em geral ,a nível de direcção tem planos belíssimos ,irmãos russo fazem um bom trabalho,o argumento também é bom,algumas piadas não funcionam tão bem ,mas nem todas as piadas tem de ter muito graça.Mas muitas funcionam tão bem.
É um filme com uma trajetória do inicio ao fim com uma incrível delicadeza ,sem pressa de acelerar as coisas,as coisas acontecem com tempo ,como têm de acontecer.

Este filme tem muita carga dramática(igual á guerra infinita), para quem viu todos os filmes da marvel antes de ver este ,acredito que terá uma experiência melhor.
A nível de banda sonora também muito bom,é um filme com poucas ou até sem nenhuma falha notável.

SPOILER

SPOILER

SPOILER

Cheguei ao cinema preparado para chorar e para adorar o filme ,mas talvez eu tenha tido expectativas elevadas,quase que verti uma lágrima numa das cena finais, quando a pequena olha para a mensagem gravado do pai (não considero isto um spoiler). A pessoa que tinha tudo a perder no futuro perdeu seu futuro.

FIM DO SPOILER

FIM DO SPOILER

FIM DO SPOILER

Sou fã da marvel e da dc ,mas não sou fanboy ,para mim é impossível bater palmas,gritar durante o filme ,acho que estraga a sensação de como um filme deve ser assistido.Bater palmas no final concordo mas este filme não deixou em mim um wow.

O filme não é uma obra prima ,nem é perfeito como muitas pessoas o querem fazer ver,mas é o melhor final possível de uma saga de 22 filmes.
Crianças e adultos cresceram com estes 11 anos o que é muito legal de se ver.
E filme como celebração também dava 5 estrelas ou 4.5.
É um filme que vai ficar na história como conclusão da saga vingadores e espero que se torne a maior bilheteira de sempre.
E bela crítica também,parabéns.

Responder
planocritico 27 de abril de 2019 - 19:37

Concordo com sua conclusão sobre o filme! É mesmo o melhor final possível de uma saga de 22 filmes!

E obrigado pelo elogio!

Abs,
Ritter.

Responder
Gustavo Rodrigues 25 de abril de 2019 - 16:14

o filme como filme: 10/10
o filme como celebração: mil milhões/10

Responder
planocritico 25 de abril de 2019 - 16:24

HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA

Eu te entendo!

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 25 de abril de 2019 - 16:15

HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA

Eu te entendo!

Abs,
Ritter.

Responder
Anônimo 25 de abril de 2019 - 15:19
Responder
planocritico 25 de abril de 2019 - 15:29

Não acabou. Disso você pode ter certeza.

Abs,
Ritter.

Responder
márcio xavier 26 de abril de 2019 - 10:30

mal começou. amém!

Responder
Bela 25 de abril de 2019 - 13:39

Eu sai rouca do cinema, jamais imaginei que acabaria rouca assistindo um filme, MEU DEUS, QUE FILME, QUE CELEBRAÇÃO, ovacionei taaaanto, bati tantas palmas, me emocionei, chorei, ri pra caralho, esse filme é realmente muito mais que um filme, e concordo plenamente com a nota e a explicação dela.
Vou aguardar a critica com spoilers pra poder surtar, porque está muito difícil guardar tudo o que aconteceu hahahahaha

Responder
planocritico 25 de abril de 2019 - 15:28

Isso já não é você surtando? HAHAHAHAHAAHAHAHA

Abs,
Ritter.

Responder
Bela 25 de abril de 2019 - 15:37

Não, isso é apenas minha animação hahahaahahahahahhaahah

Responder
planocritico 25 de abril de 2019 - 15:56

Tá certo!

– Ritter.

Responder
ઽαIƬαʍα đ૯ ૨'ℓY૯ђ 25 de abril de 2019 - 12:40

Que bom que Ultimato não causou uma acefalia intelectual em todo mundo. Finalmente uma crítica sensata. Equilibrou lado fã com lado cético. Parabéns.

Responder
planocritico 25 de abril de 2019 - 15:28

Obrigado!

Adorei o seu “acefalia intelectual”! Kkkkkkk

Abs,
Ritter.

Responder
Dude Love 25 de abril de 2019 - 12:32

Que filme, meu deus. Que filme.
Saí do cinema tendo certeza que vi história acontecendo no meio audiovisual. O desfecho de um plano gigante e ambicioso, sendo concluído dessa maneira tão fechadinha. O cinema inteiro vibrava e chorava, e interagia com o filme, beeeem diferente de todo aquele texto besta de que no filme se deveria fazer total silêncio para “respeitar o fim do legado”. Tinha um garoto em especial que chorava tanto que parecia que ele tava no enterro da mãe.
Incrível, e sei lá, não me imagino vendo algo dessa magnitude no cinema, e nem preciso ver. Foi um bom caminho até aí. Nem sempre o cinema precisa ter essa dimensão e essa ambição. Tô satisfeito.

Responder
planocritico 25 de abril de 2019 - 15:29

Esse nível de ambição é muito, mas muito raro de ser visto no cinema! Apesar de não estarmos falando de obras-primas de Sétima Arte, toda essa celebração não tem paralelo.

Abs,
Ritter.

Responder
Camilo Mateus 25 de abril de 2019 - 12:32

um momento catártico preparado ao longo de onze anos e entregue para suprir e superar todas as expectativas.

Responder
planocritico 25 de abril de 2019 - 15:29

Exatamente!

Abs,
Ritter.

Responder
Rafael Henrique 26 de abril de 2019 - 20:04

Minha opinião sincera COM SPOILERS KKK

Eu curti o filme, achei ele muito bom. Como dizer, foi uma carta para os fãs.
Mas senti que faltou algo no filme e que houve algo a mais kkkk

A cena final, pqp, que luta do caralho… muito top
As cenas mostrando o passado dos herois, o sacrificio da nat, do iron man, o steve no final, gavigod ownando no final.
O thanos, puta vilão do caralho (embora aqui em certas cenas ele me pareceu mais um louco selvagem do que o “salvador” de guerra infinita, mas da pra relevar)

As cenas da capitã, me desculpem os fãs, mas são RIDICULAS
As caras e bocas são muito feias, ela nao tem carisma nenhum e pra mim a melhor cena dela no filme foi quando ela toma aquele socão

E antes que venham falar que é preconceito, a cena da feiticeira escarlate ownando o Thanos, eu vibrei DEMAIS
Mas quando a capitã parece em cena… pqp, me da vontade de ir embora.

Eu sinto que se ficarem focando nela, nessa proposta dela, a marvel vai cometer um tiro no pé VIOLENTO. Mas… isso é MINHA OPINIÃO….

Responder
Doctor 25 de abril de 2019 - 08:25

Aaaaaaaaa
Que filme.
Tenho que dizer que eu partilho totalmente da sua opinião, ritter. Não é perfeito, mas ainda assim… É um filme simplemente mágico, do começo ao fim tem aquela sensação de despedida e é um verdadeiro presente pros fãs. Acho que aplaudiram o filme umas 6 vezes durante a projeção e se alguém pudesse ver a minha cara durante o filme… eu me senti uma criançinha de novo, vibrando com cada momento e me emocionando com cada momento de despedida. Os atores e atrizes deram um show, principalmente o Robert Downey Jr e chris evans. E como eu amei a participação do capitão. Eu sei que você, ritter, assim como eu, é meio fanboy do cap, e esse filme foi um tributo tão lindo ao personagem. Aquele final foi perfeito.
São tantas referências que eu ja to esperando o artigo do plano crítico sobre elas. Tenho que dizer que eu não gostei tanto do thanos nesse filme, ele meio que deixou boa parte da complexidade de lado mas ainda foi bom pra cacete ver ele morrer 2 vezes.
Bem, é isso por enquanto, na crítica com spoilers vai dá pra falar mais.

Responder
planocritico 25 de abril de 2019 - 09:11

Já vi duas sessões e as reações foram rigorosamente as mesmas: aplausos, gritos, aquelas reações de surpresa e choro, muito choro.

Realmente uma experiência MUITO BACANA, que não tem preço!

Abs,
Ritter.

Responder
Isaac 25 de abril de 2019 - 04:56

Olá Ritter.
Acabo de sair do cinema e minha opinião se encaixa exatamente na sua.
Que filme incrivel.
Não digo o melhor filme, mas foi o encerramento perfeito.
Estou em êxtase!
Tenho uma curiosidade sobre algo, que gostaria de ti perguntar, mas como nesse pergunta, haveria spoillers, vou guardar pra quando sair a critica com spoillers.
E então, vc acha que os novos vingadores vem ai?
Hehehehe

Um abs!
Isaac.

Responder
planocritico 25 de abril de 2019 - 05:22

Que bom que gostou!

Pode mandar a pergunta! Só coloca um aviso grande de SPOILER no começo!

Abs,
Ritter.

Responder
Isaac 25 de abril de 2019 - 10:21

ALERTA DE SPOILLERS:

O que você achou sobre a morte da viuva Negra???? Tipo, sendo que ela tem um filme confirmado.
Eu esperava que todo mundo ia morrer menos ela, ainda não aprendi a lidar com isso. Kskskskskksk
Você achou um decisão corajosa do roteiro???

Responder
Isaac 25 de abril de 2019 - 10:51

ALERTA DE SPOILERS:
………….

SPOILER

SPOILER

SPOILER

SPOILER

SPOILER

SPOILER
.
.
.
.
.
.
Ritter o que você achou da morte da Viuva Negra?
Porque tipo, ela está com um filme confirmado (eu sei que pode ser antes desses eventos).
Mas, você esperava? Achou uma boa decisão?
Eu ainda to no chão hahahaha
Esperava que todo mundo ia morrer, menos ela.

Responder
planocritico 25 de abril de 2019 - 19:59

SPOILER

SPOILER

SPOILER

SPOILER

SPOILER

SPOILER

SPOILER

Quando eu sentei na cadeira do cinema, eu não esperava a morte dela. Mas, quando ela e o Gavião foram para o planeta do Caveira Dementador eu tive certeza de que ela morreria, levando em consideração o que é necessário para se obter a joia da alma e toda a forma como a relação dela com o Clint foi construída nesse filme, com a solidão dela contrastando com o lado família dele.

Mas a forma como a coisa aconteceu foi absolutamente espetacular. Os dois lutando pelo “direito” de se sacrificar e salvar o outro foi, talvez, o momento mais memorável do filme todo.

Sobre o filme dela, de fato ele pode se passar no passado, mas tenho receio que essa morte (se não for revertida) faça com que o público em geral tenha menos interesse por ele…

Abs,
Ritter.

Responder
Star_Killer 25 de abril de 2019 - 04:29

Acabei de voltar da pre estreia, minha cabeça ta explodindo de tanta coisa que o filme tem, e que filme meus amigos!!! Apesar desse filme nao se chamar Guerra Infinita parte 2 e ser bem diferente do GI ainda acho que os dois são como um filme só, mas separados. Esperando a critica com spoilers pra discutir melhor. Ah e minha nota é 11/10 pra Ultimato.

Responder
planocritico 25 de abril de 2019 - 06:30

Confesso que, lá no fundo, eu preferiria que a Marvel tivesse chamado os filmes de GI Partes Um e Dois. Sei lá, isso parece emprestar um caráter ainda mais épico…

Mas, no final das contas, tanto faz…

Abs,
Ritter.

Responder
Linti Faiad 25 de abril de 2019 - 04:21

Podem liberar logo a crítica com spoiler para eu tirar minhas dúvidas?
hahahahaha
Parabéns pela crítica. Concordo plenamente com as duas notas.
Como celebração realmente os gritos na sala evidenciam a nota 5 mais do que merecido. Como em poucos casos vi no cinema em geral.
Como filme, os furos que eu vi no roteiro e as saídas fáceis (pode ter sido que só eu tenha visto por implicância haha) prejudicam um pouco a nota mesmo.
Abs

Responder
planocritico 25 de abril de 2019 - 06:40

Obrigado!

A crítica com spoilers do nosso Gabriel já está sendo fabricada e sai na sexta.

Abs,
Ritter.

Responder
Daniel Marques 25 de abril de 2019 - 03:52

Que filme! Excelente! Calar-me-ei para evitar spoilers, mas quem for fazer o “entenda melhor” terá que assistir ao filme umas 4 vezes, pra não deixar passar nada. Muitas referências, citacoes e até diálogos completos de filmes anteriores.

E que final…

Responder
planocritico 25 de abril de 2019 - 06:39

Estou tendo sérias dificuldades até para montar o “esqueleto” do Entenda Melhor…

Esse vai ser o mais longo e complicado de todos…

Abs,
Ritter.

Responder
Nightmare 24 de abril de 2019 - 19:20

Tem chance de quem não gostou dos outros filmes da Marvel gostar desse novo Vingadores? Meus amigos sempre falam para mim assistir de novo aos filmes e ver se mudo de opinião, mas acabo sempre não gostando muito. Nos últimos anos o que eu mais gostei foi Logan, que não faz parte do universo cinematográfico da Marvel.

Responder
planocritico 24 de abril de 2019 - 20:40

Se você não gostou de nenhum filme do UCM, diria que suas chances de gostar desse são pequenas.

Abs,
Ritter.

Responder
Nightmare 3 de maio de 2019 - 18:48

Acabei de assistir, achei ele bom, mas nada de obra prima como muitos estão dizendo, não sei se estou ficando um velho chato, mas não consegui ver nada de mais no filme, apenas um filme comum com a mesma fórmula usada desde 2008.

Responder
planocritico 3 de maio de 2019 - 18:48

Se tem uma coisa que esse filme não é é ser comum. Não tem nada da tal “fórmula Marvel” nele. É um filme-homenagem que passeia por toda a filmografia do UCM.

Mas, como eu já havia previsto, se você não gostou de nenhum outro, dificilmente gostaria dese.

Abs,
Ritter.

Responder
Lucas Casagrande 26 de abril de 2019 - 05:38

Se tu nao gosta do UCM nem perde tempo

Responder
John Locke 24 de abril de 2019 - 17:02

Saudações Ritter!
Assim fica complicado hein cara hehe
Novamente, um excelente texto.
Só irei conseguir prestigiar na terça-feira :-/
Terei que ativar as habilidade do Neo e desviar dos spoilers soltos nas redes sociais.

Responder
planocritico 24 de abril de 2019 - 20:40

Vai mesmo! Boa sorte aí!

E obrigado!

Abs,
Ritter.

Responder
Crys 24 de abril de 2019 - 16:32

Amados do Plano Crítico, satisfaçam a minha curiosidade: existe homenagem à Stan Lee? (sem spoilers)

Responder
planocritico 24 de abril de 2019 - 20:40

Há a tradicional ponta dele e só.

Abs,
Ritter.

Responder
Linti Faiad 25 de abril de 2019 - 04:21

E o que ele fala? Não consegui pegar na hora hahaha

Responder
planocritico 25 de abril de 2019 - 06:40

SPOILER

SPOILER

SPOILER

SPOILER

Ele diz o famoso slogan”faça amor, não faça guerra”.

Abs,
Ritter.

Responder
Níquel Náusea 24 de abril de 2019 - 13:35

Sua sessão foi para imprensa? Se foi, geralmente, não tem cenas pós créditos nessas sessões, não?

Responder
planocritico 24 de abril de 2019 - 13:46

Não foi de imprensa não. Eu não vou a cabines.

Abs,
Ritter.

Responder
bre.ribeiro 24 de abril de 2019 - 13:16

TUDO mesmo? Inclusive as séries?

Responder
planocritico 24 de abril de 2019 - 15:19

Não direi que sim nem que não, muito pelo contrário…

Abs,
Ritter.

Responder
Carlos Souza 24 de abril de 2019 - 12:57

Ta dificil conter a empolgação…

Responder
planocritico 24 de abril de 2019 - 12:57

Conter para que???

Abs,
Ritter.

Responder
Lord Galahad 24 de abril de 2019 - 12:18

Mano, você esqueceu de creditar o Hulk!

Responder
planocritico 24 de abril de 2019 - 12:35

Foi o sono!!!

Abs,
Ritter.

Responder
Lord Galahad 24 de abril de 2019 - 12:18

Certamente que esse som indecifrável deve ser alguma pista do que está por vir. Fiquei curioso pra saber do que se trata.

Responder
planocritico 24 de abril de 2019 - 12:35

É curioso e desapontador ao mesmo tempo…

Abs,
Ritter.

Responder
Glaydson Melo 24 de abril de 2019 - 18:40

Será a onda de Aniquilação?

Responder
Anônimo 24 de abril de 2019 - 10:25

Uma opinião que confio fazendo crítica, ainda bem que é positiva, pq já tava meio descrente dps daquele arremedo que li na Folha

Responder
planocritico 24 de abril de 2019 - 12:18

Cara, muito sinceramente, opinião é opinião, mas a má vontade ali na Folha imperou. Eu nem acreditei quando li aquilo…

Se você encarar Ultimato pelo ângulo que o filme pede para ser encarado, ele é sensacional. Espero que goste!

Abs,
Ritter.

Responder
Anônimo 24 de abril de 2019 - 13:16
Responder
planocritico 24 de abril de 2019 - 13:46

Esse é o outro lado da moeda. Tão nocivo quanto o crítico dito “sério” não levar em consideração contexto e objetivo.

Abs,
Ritter.

Responder
Leonardo Lima 24 de abril de 2019 - 14:09

Exato! É um blockbuster, famoso “filme-pipoca”. Ir assistir o filme tendo as mesmas expectativas de um filme iraniano é pedir pra passar raiva. Sem contar o fato de que o “””crítico””” da Foice de São Paulo estava claramente com má vontade ali.

Responder
planocritico 24 de abril de 2019 - 15:19

Há só que haver cuidado para que o “ser blockbuster” não se iguale a uma licença para fazer qualquer porcaria. Afinal, há bockbusters na categoria Caçadores da Arca Perdida e outros na categoria Transformers.

Abs,
Ritter.

Responder
Leonardo Lima 24 de abril de 2019 - 15:28

Ah, sim. Há casos e casos. Blockbuster ou não, qualidade ainda é fundamental.

cleber Crow 24 de abril de 2019 - 16:32

Pode ir na paz cara, esse “critico” da Folha estava mais preocupado em reparar nas pessoas na sala de exibição do que no filme, o cara está defenestrado até pelos seus pares, pra tu ter um ideia. Foi uma das piores “criticas” que eu li em muito tempo…cheia de erros, spoilers, raiva, inveja e ignorância.

Responder
planocritico 24 de abril de 2019 - 20:40

Confesso que não consigo entender gente assim…

Abs,
Ritter.

Responder
Anônimo 24 de abril de 2019 - 10:06
Responder
planocritico 24 de abril de 2019 - 12:26

Estou até agora matutando isso, mas desconfio que não tem muito o que matutar…

Abs,
Ritter.

Responder
Leonardo Lima 24 de abril de 2019 - 10:05

Opa! A crítica saiu antes. o/
Ansioso aqui pra chegar sexta-feira…

Responder
planocritico 24 de abril de 2019 - 12:26

Fuja dos spoilers e divirta-se!

Abs,
Ritter.

Responder
El Imparcial ~ Jaktal 24 de abril de 2019 - 10:05

“Não há cenas pós-créditos, mas há um som estranho (e para mim ainda indecifrável) quando o logo da Marvel aparece lá no final de tudo.”

Aguardando as inúmeras teorias.

Responder
planocritico 24 de abril de 2019 - 12:26

Elas virão, não tenha dúvidas!

Abs,
Ritter.

Responder
Dever 24 de abril de 2019 - 12:35

POSSÍVEL LEVE SPOILER
.
.
.
.
.
.
.
.
.

Estão comentando que pode ser o Homem de Ferro trabalhando na sua primeira armadura….

Responder
planocritico 24 de abril de 2019 - 12:57

Sim, é possível que o som seja isso mesmo…

Abs,
Ritter.

Responder
Linti Faiad 25 de abril de 2019 - 04:29

SPOILER

SPOILER

SPOILER

SPOILER

SPOILER

SPOILER

SPOILER

.
.
.

Poderia ser algo como surgindo o “novo homem de ferro” como inteligência artificial?
Mesmo se fosse, achei bem broxante…

planocritico 25 de abril de 2019 - 06:40

Cada vez que penso nisso, mais eu acho que foi apenas um tipo discreto de homenagem ao passado apenas.

Abs,
Ritter.

Law 24 de abril de 2019 - 09:39

Eu não tô acreditando cara, consegui ingressos pra hoje a noite
Vou morrer

Responder
planocritico 24 de abril de 2019 - 12:27

Morre não! Espera para ver o filme antes pelo menos!!!

HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA

Divirta-se!

Abs,
Ritter.

Responder
Elessar 24 de abril de 2019 - 09:39

Caro Ritter, dados numerosos fatores que o antecediam, imaginei que dificilmente esse filme me desapontaria, mas, considerando o que li ate agora e, principalmente, sua crítica, que sempre prezei muito, tenho certeza ele tem tudo para me agradar ao extremo!
Foram pontuadas tantas coisas que acontecem nesse filme que só de imaginar vislumbrar na telona um sentimento de felicidade me consome, pois, são personagens que me acompanharam desde minha formação como criança, adolescência e início da fase adulta, quando diversas responsabilidades me tomaram o tempo que usufruia para acompanhar avidamente as sagas que os mesmos “viviam” nas hqs e que ganharam “vida” e forma nesses 11 anos de MCU, e isso é tão legal, comovente e divertido, que nem sei se essas são as melhores palavras para conceituar!
Enfim, obrigado pela crítica e parabéns! Não vejo a hora de contemplar essa belezura no cinema e também de ler o entenda melhor que, sai quando, por sinal?
Abraços

Responder
planocritico 24 de abril de 2019 - 12:27

Elessar, muito legal seu comentário! A sensação é bem essa mesmo. E reflete muito o que eu senti mesmo sendo burro velho!

Abs,
Ritter.

Responder
Wagner 24 de abril de 2019 - 09:30

Krysten Ritter, na boa, adoro suas críticas. E essas duas notas me fazem gostar mais ainda.
Por justamente esperar uma homenagem a tudo que construíram durante esses anos, também já esperava alguns leves deslizes quanto a narrativa (coisa que vi em outras críticas). Mas para um evento desse porte esse é o menor dos problemas hahaha.
Pretendo ver sexta e volto aqui (ou na com spoilers) para dar minha opinião completa

Responder
planocritico 24 de abril de 2019 - 12:35

Valeu!

Aguardo suas impressões sobre o filme!

Abs,
Ritter.

Responder
Bruno Cavalcanti 24 de abril de 2019 - 09:01

Seja um paradoxo ou um milagre da boa escrita, dou 5 estrelas para o mestre Ritter, por conseguir escrever um texto que consegue ao mesmo tempo ser sóbrio e me deixar hypado, sem revelar nada.

Responder
planocritico 24 de abril de 2019 - 12:27

Obrigado, Bruno!

Abs,
Ritter.

Responder
Éder 24 de abril de 2019 - 08:36

Ansioso pra ver!

Responder
planocritico 24 de abril de 2019 - 12:27

Depois venha aqui dizer o que achou!

Abs,
Ritter.

Responder
Daniel Marques 24 de abril de 2019 - 08:36

E aí, Ritter? Chorou muito?

Responder
planocritico 24 de abril de 2019 - 12:27

Há momentos bem emocionantes, só vou dizer isso…

Abs,
Ritter.

Responder
márcio xavier 24 de abril de 2019 - 07:56

todas as críticas que li refletem a sua, mas o crítico da Folha chama de “arrastado e piegas”. Ou é um hater, um fanboy chato da DC (como tem os da Marvel) ou só quer aparecer mesmo.

Vou ver amanhã às 13h e quero a crítica com spoilers na minha mesa quando eu sair do cinema, Ritter!!

Responder
planocritico 24 de abril de 2019 - 12:27

Se o cara nunca tiver visto um filme do UCM ou for daqueles que automaticamente detesta filmes de super-heróis, eu até consigo, com esforço, entender esse comentário dele…

Mas esquece isso e divirta-se!!!

Abs,
Ritter.

Responder
márcio xavier 25 de abril de 2019 - 10:30

Se ele é desses, nem deveria ser escalado pra fazer essa crítica. Então é sem perdão mesmo. Vim ler os comentários, mas fiquei com medo de spoilers e tô fugindo. Volto a tarde pra contar o que achei do filme.

Responder
planocritico 25 de abril de 2019 - 15:29

Fuja dos spoilers!!!

Mas aqui na seção de comentários estou sendo triplamente cuidadoso com eles antes de aprová-los.

Abs,
Ritter.

Responder
Atlanna: Queen of Atlantis 24 de abril de 2019 - 06:19

Ritter, não te incomodou o desfecho dos personagens principais? Fiquei desapontado especialmente pelo Thor. Mas concordo que é um mega evento. A luta final é épica. O problema é que eu sinto que o filme, tirando a vibração do cinema e o lado fã, não seja tão extraordinário.

Responder
planocritico 24 de abril de 2019 - 12:27

Adorei o que fizeram com o Thor!

Abs,
Ritter.

Responder
Pedro Enzo 26 de abril de 2019 - 00:18

Uma das poucas coisas que não gostei do filme foi o arco do Thor, acho que poderia ter alguma carga dramática a mais, não que o filme precisava ser super sério e denso, mas do jeito que foi pareceu que o Thor era só uma piada no filme.

Responder
Breno Ribeiro 24 de abril de 2019 - 05:28

Quem diria. Homem de Ferro, de Jon Fraveau e Robert Downey Jr., nos traria até esse momento. A ficha ainda não caiu.

Responder
planocritico 24 de abril de 2019 - 12:27

Exato!

Abs,
Ritter.

Responder
Ítalo Gabriel 24 de abril de 2019 - 01:09

Meu Deus do céu… Alguém me segura…

Responder
planocritico 24 de abril de 2019 - 12:27

Calma, respira fundo e vá conferir o filme!

Abs,
Ritter.

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais