Home TVEpisódio Crítica | Westworld – 2X01: Journey Into Night

Crítica | Westworld – 2X01: Journey Into Night

por Luiz Santiago
106 views (a partir de agosto de 2020)

Plano Critico Westworld – 2X01 Journey Into Night Plano Crítico Análise

  • Há SPOILERS do episódio e da série. Leia, aquias críticas dos outros episódios.

Cair atirando“. Este foi basicamente o pensamento do Dr. Robert Ford (Anthony Hopkins) quando fez o seu discurso de despedida e encerrou uma narrativa antiga do Parque, apresentando uma nova história e abrindo as portas do Inferno para o corpo diretor e para os acionistas presentes ou ausentes na ocasião. Durante toda a 1ª Temporada da série nós tivemos momentos simples e totalmente enigmáticos do que poderia ser esta nova narrativa, mas era algo que o co-criador de Westworld queria muito e que investiu tempo, trabalho e a própria vida para dar o projeto finalizado, pronto para inauguração. Isso tudo no Finale da temporada de estreia da série. O nome desta medonha nova narrativa é Journey Into Night. E ela começa com um tom bastante diferente do que foi a série em 2016.

Enquanto a temática da 1ª Temporada podia ser definida como “estabelecimento e problemas de controle“, esta Segunda Temporada tem como pontapé duas palavrinhas interessante para uma série desse porte: “novidade e caos“. Fora as semelhanças com a revolução já conhecida da fonte da série, em Onde Ninguém Tem AlmaJourney Into Night faz de maneira muito mais eficiente que no ano anterior a entrega do material-base para a nova saga, agora não tão focado em mistérios paralelos, sustentados por personagens que não conhecemos, por temporalidades influenciadas por esses personagens à distância e por relações de poder e produção artística dentro do próprio Parque, apimentando as relações entre os controladores. O foco aqui pode ir bem mais além, basta pensarmos um só momento nos segredos que Charlotte (Tessa Thompson) está escondendo…

Mas vejam bem, eu não estou dizendo que elementos narrativos do passado não estarão presentes aqui (é bem provável que estejam), mas a introdução do drama é imediatamente focado em consequências, em ações muito importantes para a série, colocando um novo tempo para Dolores (Evan Rachel Wood, em uma excelente atuação) e Bernard (Jeffrey Wright), assumindo, juntamente com Maeve, uma “linha de libertação” dos anfitriões. Com um preciso roteiro e a direção ágil de Richard J. Lewis — emprestando ingredientes visuais/dramáticos de filmes de ação, ficção científica e dramas de espionagem — o espectador fica inteiramente bem colocado na nova situação, levando em consideração coisas do tipo: até quando, na temporada, os enredos levarão esta “rebelião” adiante? Uma Nova Ordem deverá surgir daí, tendo os anfitriões com livre-arbítrio em jogo? A narrativa do tipo “Cavalo de Troia” deixada por Ford irá abarcar outros espaços temáticos (já tivemos a sugestão de um mundo japonês, ligado aos Samurais…) ou a trilha será como a da temporada passada, com um problema central se ramificando em questionamentos psicológicos dos personagens?

As perguntas são instigantes e não exigem respostas imediate. Este é o lado bom dos bons roteiros. O espectador aproveita o que tem na tela, entende como alguns paradigmas comportamentais foram alterados e acompanha a construção desta nova realidade, que já mostra seus próprios grandes problemas para resolver, algo bem mais difícil de se esgotar — convenhamos que o miolo da temporada passada padeceu com esse problema — e que aponta para um número grande de boas possibilidades. Impossível não ficar animado.

Exceto pelo pequeno problema de ritmo que o capítulo tem nos primeiros dez minutos, até estabelecer suas frentes narrativas, e pela ligação da sequência de Maeve (Thandie Newton) em sua nova busca, o episódio funciona de maneira elogiável. Com uma macabra e brilhante direção de arte, excelente uso de figurinos e fotografia medida adequadamente para criar “mundos de luz e cores” em cada sequência, marcada por mortos por todos os lados, Journey Into Night nos coloca em uma vereda de segredos e buscas. Seja em humanos originais ou sintéticos, essas duas coisas insistem em existir, fazendo seu impacto ser sentido logo de cara.

Westworld – 2X01: Journey Into Night (EUA, 22 de abril de 2018)
Direção: Richard J. Lewis
Roteiro: Lisa Joy, Roberto Patino, Jonathan Nolan
Elenco: Tessa Thompson, Evan Rachel Wood, Luke Hemsworth, Steven Ogg, Thandie Newton, Talulah RileyJames Marsden, Angela Sarafyan, Ben Barnes, Jimmi Simpson, Kiki Sukezane, Gustaf Skarsgård, Ed Harris, Shannon Woodward, Ingrid Bolsø Berdal, Rodrigo Santoro
Duração: 71 min.

Você Também pode curtir

74 comentários

Willian Balduino 29 de abril de 2018 - 16:32

Quando abriram a cabeça do Índio pra ver os dados, os dados estavam mergulhados num líquido, o Bernard bateu a cabeça e perdeu líquido pela orelha, acho que foi esse líquido que ele tirou do anfitrião que estava na mesa e inseriu nele.

Responder
Luiz Santiago 29 de abril de 2018 - 17:01

Isso mesmo.

Responder
Luiz Santiago 29 de abril de 2018 - 17:01

Isso mesmo.

Responder
Willian Balduino 29 de abril de 2018 - 16:32

Quando abriram a cabeça do Índio pra ver os dados, os dados estavam mergulhados num líquido, o Bernard bateu a cabeça e perdeu líquido pela orelha, acho que foi esse líquido que ele tirou do anfitrião que estava na mesa e inseriu nele.

Responder
Cesar 27 de abril de 2018 - 20:47

Senhor Luiz Santiago com as duas séries mais cultuadas da atualidade, (Westworld e The Handmaid’s Tale) e na mesma season, e com reviews episódicas! Estamos bem servidos ou não?!

Rapaz, eu nao consigo simpatizar com o ator que faz o Bernard. E é um dos personagens mais complexos da trama, pra mim ele fica devendo um pouco.

Responder
Luiz Santiago 27 de abril de 2018 - 21:10

OS HUMILHADOS SERÃO EXALTADOS!!! Depois de anos vendo o Hitler Fan ser o ditador de todas as boas séries, enfim eu consegui pegar um pouco da nata! 😀

@disqus_MQyZmw7MOm:disqus, embora eu goste do ator, eu consigo entender a sua visão negativa sobre ele. Mas nem depois da revelação de quem ele é você conseguiu gostar?

Responder
Gabriel Bublitz 13 de abril de 2020 - 00:26

Eu tenho essa implicância com a Maeve. To revendo a série pra poder apreciar (entender) melhor a terceira temporada e, mesmo revendo, continuo achando a narrativa dela a mais fraca. Entendo a importância e os significados que a personagem traz pra série, mas sei lá, não me prende tanto quanto as outras narrativas.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 13 de abril de 2020 - 01:07

Normal. Ninguém gosta de tudo.

Responder
Cesar 27 de abril de 2018 - 20:47

Senhor Luiz Santiago com as duas séries mais cultuadas da atualidade, (Westworld e The Handmaid’s Tale) e na mesma season, e com reviews episódicas! Estamos bem servidos ou não?!

Rapaz, eu nao consigo simpatizar com o ator que faz o Bernard. E é um dos personagens mais complexos da trama, pra mim ele fica devendo um pouco.

Responder
DeadLogan 25 de abril de 2018 - 19:22

Uma crítica a este episódio
As músicas são exactamente as mesmas
Eu simplesmente adorei a composição sonora da primeira temporada e ouvi tantas vezes que perdi conta
E este episódio não notei nenhuma diferença
Espero que haja algo de novo, por muito que seja magnifica não podem continuar com o mesmo

Responder
Luiz Santiago 26 de abril de 2018 - 00:00

Os temas de personagens não vão mudar, só vão ganhar novos arranjos. Isso é padrão para toda série. Mas como temos uma nova temática, com certeza a trilha sonora ganhará novas peças e versões de clássicos…

Responder
Luiz Santiago 26 de abril de 2018 - 00:00

Os temas de personagens não vão mudar, só vão ganhar novos arranjos. Isso é padrão para toda série. Mas como temos uma nova temática, com certeza a trilha sonora ganhará novas peças e versões de clássicos…

Responder
Wfxavier Xavier 25 de abril de 2018 - 13:35

Adorei a primeira temporada e essa, a meu ver, começou muito bem. Uma coisa que achei legal foi que eu matei a minha curiosidade de como era o funcionamento dos robôs. Aquela parte dele abrindo a cabeça foi bem explicativa e, a meu ver, bem verossimil no universo da série. Um cerebro positronico inorganico em um corpo totalmente organico. Muito bem sacado, e a forma como foi apresentado ficou bem sutil e ao mesmo tempo explicativa. Excelente serie.

Responder
Luiz Santiago 25 de abril de 2018 - 13:41

Aquela extração do dispositivo do cérebro do anfitrião foi angustiante e ao mesmo tempo muito reveladora nesse sentido que você levanta, de ver a parte tecnológica perfeitamente integrada à parte orgânica.

Responder
Luiz Santiago 25 de abril de 2018 - 13:41

Aquela extração do dispositivo do cérebro do anfitrião foi angustiante e ao mesmo tempo muito reveladora nesse sentido que você levanta, de ver a parte tecnológica perfeitamente integrada à parte orgânica.

Responder
Wfxavier Xavier 25 de abril de 2018 - 13:35

Adorei a primeira temporada e essa, a meu ver, começou muito bem. Uma coisa que achei legal foi que eu matei a minha curiosidade de como era o funcionamento dos robôs. Aquela parte dele abrindo a cabeça foi bem explicativa e, a meu ver, bem verossimil no universo da série. Um cerebro positronico inorganico em um corpo totalmente organico. Muito bem sacado, e a forma como foi apresentado ficou bem sutil e ao mesmo tempo explicativa. Excelente serie.

Responder
otaviopilz 24 de abril de 2018 - 07:56

Faltou o Santoro ali no elenco….hehehe

Responder
Luiz Santiago 24 de abril de 2018 - 08:29

Faltou mesmo!
Já botei! Valeu pelo toque!

Responder
Luiz Santiago 24 de abril de 2018 - 08:29

Faltou mesmo!
Já botei! Valeu pelo toque!

Responder
otaviopilz 24 de abril de 2018 - 07:56

Faltou o Santoro ali no elenco….hehehe

Responder
Stella 24 de abril de 2018 - 01:41

Krl que episódio bem escrito. Essa segunda temporada promete ser devastadora, é tão bom assistir uma série de sci fi num nível destes. Eu ainda estou em duvida se Mave tem livre arbítrio mesmo ou se ela e a Dolores são as verdadeiras protagonistas. Tem horas que parece que só a Mave tem, e tem horas que só a Dolores realmente foi a que está num nível acima dos demais. Mas pelo na parte que ela diz que ve o passado, presente e futuro como um só entendi o que ela quis dizer. Dolores lembra de todas as suas vidas e consegue vislumbrar o futuro onde só as maquinas podem durar para sempre e os humanos irão perecer.

Excelente crítica!

Responder
Stella 24 de abril de 2018 - 01:41

Krl que episódio bem escrito. Essa segunda temporada promete ser devastadora, é tão bom assistir uma série de sci fi num nível destes. Eu ainda estou em duvida se Mave tem livre arbítrio mesmo ou se ela e a Dolores são as verdadeiras protagonistas. Tem horas que parece que só a Mave tem, e tem horas que só a Dolores realmente foi a que está num nível acima dos demais. Mas pelo na parte que ela diz que ve o passado, presente e futuro como um só entendi o que ela quis dizer. Dolores lembra de todas as suas vidas e consegue vislumbrar o futuro onde só as maquinas podem durar para sempre e os humanos irão perecer.

Excelente crítica!

Responder
Luiz Santiago 24 de abril de 2018 - 03:45

@disqus_9KZLz8G0wg:disqus você levantou um ponto excelente aqui. A questão do livre-arbítrio é realmente para deixar a gente com os olhos abertos e provavelmente será algo que vai fazer a gente mudar de opinião algumas vezes ao longo da temporada. Não podemos nos esquecer que Ford era um gênio e que ele já tinha escrito a cena de fuga de Maeve, então é algo pra ficarmos atento com certeza! E isso abre um montão de possibilidade não é?

Responder
Stella 24 de abril de 2018 - 15:10

Sim, abre grandes possibilidades até da Dolores e Maeve também não estarem realmente despertas em suas consciências. Já que existem no total 6 parques , são muitos já é impressionante o tamanho da versão velho oeste. Fico me perguntando se eles estão realmente na Terra ou pode ser Marte quem sabe, lá teria muito espaço para isto. Podemos estar em mais um jogo e as duas serem piões. Ou como citei uma das duas apenas estarem realmente acordando.

Responder
Luiz Santiago 24 de abril de 2018 - 20:08

Exato. É o tipo de coisa que a gente gosta ainda mais quando fica pensando e cogitando a respeito….

Responder
Luiz Santiago 24 de abril de 2018 - 20:08

Exato. É o tipo de coisa que a gente gosta ainda mais quando fica pensando e cogitando a respeito….

Responder
Wfxavier Xavier 25 de abril de 2018 - 13:40

Eu tambem cheguei a pensar isso na primeira temporada, mas a série não passa tão no futuro assim para tamanha tecnologia (marte ou outro planeta ficar igual a terra) , e vendo o episodio cheguei a conclusão que aquilo é uma ilha mesmo, mas uma senhora ilha. Outra coisa, tinha lido em algum lugar (não lembro onde) que um dos episodios dessa temporada se chamaria “welcome a Shogun world”, mas fui procurar e não achei nada. alguem mais leu isso??

Responder
Stella 25 de abril de 2018 - 17:04

Não faz sentido uma ilha, se não artificial,abrigar 6 parques! A série deve sim se passar bem distante no futuro ( os produtores não confirmaram ainda- não disseram que é logo ali), uma tecnologia dessa magnitude, não faria sentido ser apenas 30 anos após 2018, tem que ser muito mais. Marte é só uma especulação pode ser qualquer lugar do nosso sistema solar. Sem em 2030 já terá duas missões pra Marte na nossa realidade, não é nada fantasioso imaginar que Marte poderia estar servindo pra isto.
Sim terá este titulo nessa temporada mostrará o parque da era Shogun, e ainda terá mais 4 parques para serem apresentados. Westworld terá 5 temporadas.

Wfxavier Xavier 27 de abril de 2018 - 18:00

eu digo que a tecnologia deles é proxima a nossa baseado nos veiculos e armas que aparecem

Stella 27 de abril de 2018 - 23:33

Aqueles veículos são tipos espaciais , são simplórios. Típicos de parques aliás, fora dali deve ser totalmente diferentes. Isso engana sabia.

Stella 24 de abril de 2018 - 15:10

Sim, abre grandes possibilidades até da Dolores e Maeve também não estarem realmente despertas em suas consciências. Já que existem no total 6 parques , são muitos já é impressionante o tamanho da versão velho oeste. Fico me perguntando se eles estão realmente na Terra ou pode ser Marte quem sabe, lá teria muito espaço para isto. Podemos estar em mais um jogo e as duas serem piões. Ou como citei uma das duas apenas estarem realmente acordando.

Responder
bre.ribeiro 24 de abril de 2018 - 01:40

This doesn’t look like anything to me.

Responder
Luiz Santiago 24 de abril de 2018 - 03:42

Essa frase é maravilhosa!

Responder
Otacilio Neto 23 de abril de 2018 - 22:32

Cadê as criticas de Black Lightning? Amanhã sai o ultimo episódio da temporada e nada de crítica. 🙁

Responder
Luiz Santiago 23 de abril de 2018 - 22:39

@disqus_WsrhmRPkDz:disqus, eu optei por fazer a crítica dupla do arco final da temporada, por uma questão de coesão mesmo.

Responder
Patriotas 23 de abril de 2018 - 19:58

Muito boa a crítica como sempre. Posso deixar uma sugestão? Vi que possuem um podcast, o que acham de episódios (mesmo que pequenos) do podcast sobre os episódios de Westworld? Acho que é uma série que dá “pano pra manga” todas as vezes e merecia um papo em áudio sobre 🙂

Responder
Patriotas 23 de abril de 2018 - 19:58

Muito boa a crítica como sempre. Posso deixar uma sugestão? Vi que possuem um podcast, o que acham de episódios (mesmo que pequenos) do podcast sobre os episódios de Westworld? Acho que é uma série que dá “pano pra manga” todas as vezes e merecia um papo em áudio sobre 🙂

Responder
Luiz Santiago 23 de abril de 2018 - 21:47

@NEPatriotas:disqus você tem toda razão quanto ao podcast. O problema é que a gente tem rotina de trabalho bem loucas e fica difícil pra gente encontrar tempo pra editar os episódios. Como nós gostamos mesmo é de escrever e não queremos sacrificar o tempo de escrita para editar os episódios, estamos num dilema do cão, viu. Mas essa conversa é pauta do nosso Asilo Arkham há tempos…

Responder
Luiz Santiago 23 de abril de 2018 - 21:47

@NEPatriotas:disqus você tem toda razão quanto ao podcast. O problema é que a gente tem rotina de trabalho bem loucas e fica difícil pra gente encontrar tempo pra editar os episódios. Como nós gostamos mesmo é de escrever e não queremos sacrificar o tempo de escrita para editar os episódios, estamos num dilema do cão, viu. Mas essa conversa é pauta do nosso Asilo Arkham há tempos…

Responder
Léon 23 de abril de 2018 - 16:16

Sério, já cansei de ler as críticas do Luiz Santiago e amar todas elas (discordando de alguns pontos em algumas, mas isso é normal. Apenas opiniões distintas). Amei esta crítica aqui também.
Westworld foi uma série que me surpreendeu positivamente com sua primeira temporada, e através deste primeiro episódio da segunda, parece que ainda vai surpreender muito mais.
Amei a cena em que Dolores diz ter em si duas personalidades, mas que só representavam papéis que outros queriam que ela representassem, mas que agora ela tinha achado uma terceira personalidade que representará outro papel: o dela. (Não foi exatamente desta forma que ela disse, mas a mensagem é mais ou menos essa).
Não me julguem, mas a Maeve é a minha personagem favorita (e isso sem contar o fato de que gosto muito da atriz).
Eu também dei pausa quando focam no rosto do corpo submerso no mar e pensei: “Quem é este? Não sei, mas se tão focando é porque vai ter importância”. Na hora não achei parecido com o Teddy, mas agora que falaram aqui acho que lembra ele sim. Enfim, gosto da série, gostei do episódio e gostei da crítica do Luiz.

P.S: Luiz, pare de fazer críticas que eu amo e faça apenas umas que eu goste e nada mais. kkkkk. Brincadeira!

P.S.2: Alguém me diga que o Felix vai voltar nesta temporada. Preciso saber o que houve com o coitado. Nem que seja um figurante dizendo rápido: “Ele levou um tiro no meio da testa!”, porém necessito saber o que houve com, nas palavras de Maeve, o “péssimo ser humano” que ele é.

Responder
Luiz Santiago 23 de abril de 2018 - 21:45

Que honra, Léon! Muito obrigado! E o mais legal é que você ainda mantém firme e forte mesmo nas discordâncias. É uma qualidade cada vez mais rara em nossos tempos, né. Procurar diálogo mesmo quando discorda de uma opinião.

Maeve é uma personagem maravilhosa! Faz total sentido que você goste tanto dela assim. O despertar dela foi uma das coisas mais legais da temporada passada.

Será que é o Teddy? Eu fiquei igual a um besta, em frente à tela da TV, virando a cabeça pra ver se conseguia identificar o rosto ahahhahah. SOCORR

Aeeeeee, mais alguém que quer saber do Felix! Eu gostei tanto desse personagem! Quero vê-lo de novo!

Muito obrigado, mais uma vez!
Abração.

Responder
Léon 24 de abril de 2018 - 00:01

Com certeza. Infelizmente, hoje em dia está mais difícil se ter uma discussão saudável entre pessoas com opiniões diferentes. Acaba logo surgindo uma briga.

“O despertar dela foi uma das coisas mais legais da temporada passada.” Foi mesmo. Eu ficava contando os minutos em que iam revelar mais coisas da “outra vida” dela. E as frases de efeito dela, até as clichês, são sempre ótimas.

Passei o episódio todo me perguntando: “Certo, cadê o Felix?” Necessito que os roteiristas me respondam logo esta pergunta. Também gostei muito dele e achei que a relação que ele criou com Maeve foi bem orgânica e merece ser explorada mais um pouco.

Eu espero que aquele corpo não seja o Teddy porque, na temporada anterior, o coitado só fez morrer. Aí nessa ele vai continuar nesse status quo? Ele merece uns minutinhos de glória. KKKKKKKK

Responder
Luiz Santiago 24 de abril de 2018 - 00:35

Agora que a galera tá mudando e despertando, acho que ele deve viver um pouco mais. Mas pelo que percebi alguns ainda mantém resquícios do ciclo da narrativa anterior, o que faz sentido, narrativamente falando, até que isso seja completamente reescrito para eles.

Responder
Luiz Santiago 23 de abril de 2018 - 21:45

Que honra, Léon! Muito obrigado! E o mais legal é que você ainda mantém firme e forte mesmo nas discordâncias. É uma qualidade cada vez mais rara em nossos tempos, né. Procurar diálogo mesmo quando discorda de uma opinião.

Maeve é uma personagem maravilhosa! Faz total sentido que você goste tanto dela assim. O despertar dela foi uma das coisas mais legais da temporada passada.

Será que é o Teddy? Eu fiquei igual a um besta, em frente à tela da TV, virando a cabeça pra ver se conseguia identificar o rosto ahahhahah. SOCORR

Aeeeeee, mais alguém que quer saber do Felix! Eu gostei tanto desse personagem! Quero vê-lo de novo!

Muito obrigado, mais uma vez!
Abração.

Responder
ABC 23 de abril de 2018 - 15:50

Começou a matança do velho testamento depois do retiro de Deus?

Saudações.

Responder
Luiz Santiago 23 de abril de 2018 - 21:26

Exatamente! Tá lindo, isso!

Responder
Luiz Santiago 23 de abril de 2018 - 21:26

Exatamente! Tá lindo, isso!

Responder
Bruno Cavalcanti 23 de abril de 2018 - 15:40

Gosto tanto do Hopkins, que estou torcendo pra rolarem uns flashbacks bem ao estilo Jogos Mortais, onde ele já tenha deixado milhares de coisas programadas pra acontecerem em momentos específicos. rs

Inclusive torço para que nada seja acaso e tudo faça parte dos planos do Ford, pelo menos nesse início de temporada.

No mais, excelente crítica Luiz. Havia gostado um pouco menos do episódio, mas depois de ver seus pontos eu entendo que eles realmente acertaram na maior parte.

abs!

Responder
Luiz Santiago 23 de abril de 2018 - 15:44

Meu amigo, eu também to querendo mais do Hopkins. A primeira temporada foi sensacional com o personagem dele e com certeza ainda tem bastante coisa para acrescentar. Torcendo para que tenham esses flashbacks!

Responder
José Victor Batista 23 de abril de 2018 - 15:59

Pra mim o Dr. Ford vai ser o Ned Stark de Westworld: o personagem que morre na primeira temporada, mas que temporadas depois ainda vai me fazer falta (isso se o Hopkins não voltar mesmo).

Responder
Luiz Santiago 23 de abril de 2018 - 21:37

#gosto
#quero
#apoio

Responder
Luiz Santiago 23 de abril de 2018 - 21:37

#gosto
#quero
#apoio

Responder
Léon 24 de abril de 2018 - 00:03

Ele é um personagem incrível e que foi representado por um ator incrível. Também torço para que as coisas que estão ocorrendo, de certa forma, tenham sido previstas pelo Ford. Ele parece ser o tipo de personagem que, com o perdão da palavra, ainda vai nos assombrar bastante.

Responder
Léon 23 de abril de 2018 - 16:16

Sério, já cansei de ler as críticas do Luiz Santiago e amar todas elas (discordando de alguns pontos em algumas, mas isso é normal. Apenas opiniões distintas). Amei esta crítica aqui também.
Westworld foi uma série que me surpreendeu positivamente com sua primeira temporada, e através deste primeiro episódio da segunda, parece que ainda vai surpreender muito mais.
Amei a cena em que Dolores diz ter em si duas personalidades, mas que só representavam papéis que outros queriam que ela representassem, mas que agora ela tinha achado uma terceira personalidade que representará outro papel: o dela. (Não foi exatamente desta forma que ela disse, mas a mensagem é mais ou menos essa).
Não me julguem, mas a Maeve é a minha personagem favorita (e isso sem contar o fato de que gosto muito da atriz).
Eu também dei pausa quando focam no rosto do corpo submerso no mar e pensei: “Quem é este? Não sei, mas se tão focando é porque vai ter importância”. Na hora não achei parecido com o Teddy, mas agora que falaram aqui acho que lembra ele sim. Enfim, gosto da série, gostei do episódio e gostei da crítica do Luiz.

P.S: Luiz, pare de fazer críticas que eu amo e faça apenas umas que eu goste e nada mais. kkkkk. Brincadeira!

P.S.2: Alguém me diga que o Felix vai voltar nesta temporada. Preciso saber o que houve com o coitado. Nem que seja um figurante dizendo rápido: “Ele levou um tiro no meio da testa!”, porém necessito saber o que houve com, nas palavras de Maeve, o “péssimo ser humano” que ele é.

Responder
José 23 de abril de 2018 - 14:19

Quando o Bernard, no final, olha para aquele mar e foca em um corpo, este corpo é de algum personagem específico?

Responder
Luiz Felipe 23 de abril de 2018 - 15:06

Eu achei o personagem bem parecido com o Teddy.

Responder
Luiz Santiago 23 de abril de 2018 - 14:33

Pois é, eu até dei pausa pra ficar olhando pra cara da pessoa e não identifiquei quem era!

Responder
Luiz Santiago 23 de abril de 2018 - 14:33

Pois é, eu até dei pausa pra ficar olhando pra cara da pessoa e não identifiquei quem era!

Responder
José 23 de abril de 2018 - 14:34

Eu também!!

Responder
José 23 de abril de 2018 - 14:34

Eu também!!

Responder
Luiz Santiago 23 de abril de 2018 - 14:42

Mas como teve um destaque tão grande, acho que vai ser alguém mostrado nos episódios seguintes.

Responder
Luiz Felipe 23 de abril de 2018 - 15:06

Eu achei o personagem bem parecido com o Teddy.

Responder
Karina Carvalho 23 de abril de 2018 - 15:26

Eu enxerguei o Teddy também.

Responder
Wfxavier Xavier 25 de abril de 2018 - 13:59

não sei se porque já falaram, mas eu vi claramente o Teddy

Responder
Wfxavier Xavier 25 de abril de 2018 - 13:59

não sei se porque já falaram, mas eu vi claramente o Teddy

Responder
Luiz Santiago 25 de abril de 2018 - 14:26

Não conseguir identificar ele não. Nem um pouquinho.
Mas no próximo episódio já devem mostrar isso…

Responder
Luiz Santiago 25 de abril de 2018 - 14:26

Não conseguir identificar ele não. Nem um pouquinho.
Mas no próximo episódio já devem mostrar isso…

Responder
José 23 de abril de 2018 - 14:19

Quando o Bernard, no final, olha para aquele mar e foca em um corpo, este corpo é de algum personagem específico?

Responder
Junito Hartley 23 de abril de 2018 - 13:16

Episodio foda! Pelo primeiro episodio, a serie vai continuar com cenas no presente, passado e futuro, acho que a cena final desse 1 episodio foi o fim da rebelião dos anfitriões. Capa foda da critica, alias essa parte foi a melhor do episodio.

Responder
Luiz Santiago 23 de abril de 2018 - 13:19

Eu fiquei feliz PAKARALHO com a mudança de tom, para algo mais imediato. Adorei a primeira temporada, mas levaram tempo demais construindo coisas que não precisavam demorar tanto tempo. Essa estreia da 2ª Temporada já vem com soco no estômago e bota as peças no lugar. Tá lindo, tá lindo demais!

Responder
Luiz Santiago 23 de abril de 2018 - 13:19

Eu fiquei feliz PAKARALHO com a mudança de tom, para algo mais imediato. Adorei a primeira temporada, mas levaram tempo demais construindo coisas que não precisavam demorar tanto tempo. Essa estreia da 2ª Temporada já vem com soco no estômago e bota as peças no lugar. Tá lindo, tá lindo demais!

Responder
Wellington Rodrigo Quitério 23 de abril de 2018 - 13:56

Ótima crítica, Luiz Santiago. Vou ver novamente o episódio, é uma das raras vezes que uma série me causa tanto hype.
Agora as peças estão meio que colocadas, pelo menos os protagonistas, vai ser mais interessante ver como sobreviveram nesse caos todo, é realmente um jogo. As possibilidades são tantas que é impossível não se empolgar, desde que houve essa reviravolta eu tento teorizar de onde vem esses sentimentos “humanos” dos anfitriões, acho que foram pessoas numa época…, não sei, isso é o bacana dessa série, obra prima dessa safra.

Responder
Luiz Santiago 23 de abril de 2018 - 14:08

Obrigado, @disqus_ul5uEZeqpa:disqus!
E olha, tu chegou na mesma beirada de precipício que eu. Fiquei me perguntando o que era jogo e o que era acidente… que caminhos este ou aquele personagem tomaria… Foi um episódio de plena ação e com um turbilhão de coisas pra gente pensar!

Responder
Luiz Santiago 23 de abril de 2018 - 14:08

Obrigado, @disqus_ul5uEZeqpa:disqus!
E olha, tu chegou na mesma beirada de precipício que eu. Fiquei me perguntando o que era jogo e o que era acidente… que caminhos este ou aquele personagem tomaria… Foi um episódio de plena ação e com um turbilhão de coisas pra gente pensar!

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais