Home TVEpisódio Crítica | Westworld – 3X08: Crisis Theory

Crítica | Westworld – 3X08: Crisis Theory

por Luiz Santiago
320 views (a partir de agosto de 2020)

  • Há SPOILERS do episódio e da série. Leia, aquias críticas dos outros episódios.

Ata. Tendi. Ahã.

Ata. Tendi. Ahã” foi a simpática reação que eu tive após o término de Crisis Theory, o chocho, enigmático, um tanto perdido e negativamente misterioso Finale da 3ª Temporada de Westworld. E isso vindo de mim, o maior passador de pano para esta temporada, significa muita coisa…

A reação, no entanto, tem um princípio objetivo. Se você me acompanha desde o começo da temporada ou de outras séries por aqui, sabe que eu sou ‘A Paciência’ encarnada quando se trata de esperar para ver o “plano geral” dos showrunners se concretizar. Evidente que o desenvolvimento pode ser problemático ou não funcionar a contento, mas em geral, se a questão principal é apenas “busca por resposta“, eu não me avexo. Eu espero. No presente caso, contudo, chego ao final de uma temporada e vejo que essa espera pode ser classificada em uma frase simples (preparados para o hate?): perda de tempo.

Ao contrário de uma parcela de vocês, eu não vi problema algum na mudança de perspectiva da série. A vinda para o “mundo dos humanos” foi um interessante anúncio no final da temporada passada e uma proposta curiosa para essa temporada. Pois bem, o que se espera de cada temporada de uma série, principalmente quando há mudança de perspectiva narrativa? Sentido. Como é o básico de qualquer roteiro para TV, o texto precisa fazer sentido em duas camadas: em si mesmo (no episódio, como unidade) e em conjunto (no escopo da temporada, como produto). Na primeira camada, perguntas sem resposta e mistérios são perfeitamente aceitos. Claro que ninguém é obrigado a gostar de tudo, mas esses mistérios são necessários para abastecer a temporada de possibilidades, através das quais vemos os personagens mudarem, talvez amadurecerem e trazerem surpresas para o espectador. Tudo isso para que, ao final da segunda camada, haja coerência em toda a jornada e a série então evolua.

E não, isso não significa “resposta para tudo“. Ficção que dá resposta para tudo é má ficção, daquelas que se querem espertas, mas veem em tão baixa conta os seus espectadores que entregam tudo mastigado. Caminhos dúbios, perguntas e mistérios são necessários até no encerramento de uma série. Agora, mudar de perspectiva, renovar toda uma estrutura de dramatização, afastar os personagens do seu habitat e criar uma realidade com uma promessa de revolução, para no final, não se chegar a lugar nenhum é de um desalinho gritante, não é mesmo? Dolores passou oito episódios estruturando uma jornada, rondando Caleb e colocando-se como opositora de Serac para que mesmo? Mais dúvidas desnecessárias sobre a motivação da personagem? Caros leitores, em que cenário é aceitável apresentar motivação justamente no final?

Aí também grita o duplo caminho de ações que basicamente brotam da “revolução do mundo livre” — uma revolução que já havíamos visto com Dolores revelando as projeções para todos os humanos. Sem contar o fim patético de Serac e a rebelião de Charlotte, que ensaiou ser algo interessante, apresentou um encerramento que chama a atenção mas que está aqui mal encaixada, parecendo não pertencer a esse ambiente, deslocada de propósito e sugerindo uma dominação que, ao menos por agora, dá a impressão de insistir no erro: a dominação do mundo e mais um plano que se pretende épico. Quanto ao duplo caminho, temos o bizarro mistério diante de Bernard (a surpresa sobre ele ter a chave foi muito boa, mas o que foi feito com isso — ou seja, nada — foi um desrespeito enorme para com os fãs); e a reticência anticlimática entre Maeve e Caleb caminhando e cantando e seguindo a canção

A apresentação de um novo Parque sem quê nem porquê (eu comecei a rir na hora em que aquilo apareceu na tela), repetição e sobreposição de conceitos referentes ao passado de Caleb e uma proposta de “vários recomeços” para a 4ª Temporada são baldes de água fria que fecham os ciclos dramáticos da temporada atual. Embora tenha tido capítulos excelentes em seu desenvolvimento (aquela primeira camada que comentei antes), o final não foi capaz de criar um produto com sentido e objetivo satisfatórios, simplesmente porque prometeu demais e entregou de menos. E isso inclusive nos faz questionar: se era para correr atrás do próprio rabo, por que sair de Westworld? Que essas revoluções pela liberdade de araque, então, fossem feitas de forma indireta, com montagem paralela e ações contrapostas! Depois da 2ª Temporada a gente sabe que isso era possível! Mas não… precisávamos contar com um ano do tipo “muito barulho por nada“.

Mesmo com um baita elenco, melhor luta entre Dolores e Maeve aqui, boa direção e ótimo exercício dos setores técnicos dos episódios, chegamos ao fim do 3º ano de Westworld como mortos na praia. E pelo menos eu, passo a temer pelo que vem a seguir. Era só o que faltava…

Westworld – 3X08: Crisis Theory (EUA, 3 de maio de 2020)
Direção: Jennifer Getzinger
Roteiro: Denise Thé, Jonathan Nolan
Elenco: Evan Rachel Wood, Thandie Newton, Jeffrey Wright, Tessa Thompson, Aaron Paul, Luke Hemsworth, Tao Okamoto, Ed Harris, Lena Waithe, Marshawn Lynch, Tyler Quinlan Abbott, Subhah Agarwal, Austin Bachlor, Maynard Bagang, Shay Bella
Duração: 62 min.

Você Também pode curtir

188 comentários

JC 12 de fevereiro de 2021 - 16:14

UHm…como sempre por isso gosto tanto do meu (Já posso chamar assim! :P) Plano Crítico.
Eu comecei a temporada achando uó..demorei séculos de assistir o restante. Depois que passou do terceiro, assisti tudo numa porrada só, adorando.
Aí veio esse episódio, fiquei meio assim assado sem entender muito bem o porquê achei apenas : “Ué…méh?!”

Não é ruim mas não é bom, não é bom, mas não é ruim…é meio…ué? Méh? Ué! Meh!

Briga briga, fica de bem , briga briga, fica de bem, aparece, some, aparece, mistério , some,aparece, briga, fica de bem. Esconde, mostra, muda, novidade.

Eu estarei maluco ou me parece que Bernad foi para um mundo dos sonhos onde tudo é perfeito, como se fosse um “Céu”? WestHeavenWorld, ou coisa que o valha.

Eu acabei gostando da temporada mas ficou parecendo o final como mid-season.

E finalmente entendi porque gastam tanto dinheiro nesse seriado:

TUDO PARA ALUGAR A MÚSICA DO PINK FLOYD!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Responder
Luiz Santiago 12 de fevereiro de 2021 - 16:14

HAHHAHAHAH É NÓIS!!! 😀

Ficou um clima estranho aqui. A sua sensação foi mesmo igual à minha: briga briga briga, um turbillhão de coisas, daí chega no final e… ahã.

Ri demais com essa tua constatação final sobre os gastos com a temporada!

Responder
JC 13 de fevereiro de 2021 - 14:54

Eu acho que esse episódio me ganhou por causa de Brain Damage, cara, eu sou tarado em PF.
😀

Responder
FINASTERIDO 25 de novembro de 2020 - 16:57

Muito do que se critica tem, obviamente, a ver com as expectativas. Westworld subiu o sarrafo nas temporadas anteriores, e isso gerou uma ansiedade por algo similar. Acho que seria mesmo difícil acontecer, porque o impacto das temporadas anteriores se dava pelo inusitado, pelos plot twists, etc. Mas, se deu também pelo fato de não conhecermos bem os personagens, seus potenciais e seus limites. Além disso, há o sempre presente interesse comercial no produto, por parte dos produtores, que querem mais episódios pelo único motivo de ser lucrativo, não importando muito a coerência, etc. Então, tivemos uma terceira temporada com personagens conhecidos (os novos não se mostraram interessantes), e com uma aposta que se mostrou igualmente equivocada, usar o mundo humano como cenário. O que, em última análise, se afasta até do título da série. Foi uma temporada irregular, e além dos erros apontados na sua crítica, houve também o recurso risível da fórmula de dominação global. Um clichê tão batido quanto absurdo e que sempre leva a caminhos que não dão certo.

Responder
Luiz Santiago 25 de novembro de 2020 - 17:09

Foi uma boa temporada, mas imensamente aquém das outras.

Responder
Felipe Augusto 25 de junho de 2020 - 01:37

Vinha gostando bastante dessa temporada e me recusava a acreditar q o finale seria ruim como já tinha lido, mas realmente decepcionou, foi bem brochante. Melhor coisa desse finale foi encerrar com a magnífica Brain Damage. Mas aguardemos a 4a, pode ser que essa 3a seja msm uma preparação no plano geral pro final. Por isso prefiro assistir séries já finalizadas, já emenda logo uma temporada na outra e resolvido o problema kkkk.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 25 de junho de 2020 - 10:57

hahahahahhahahahaa eu entendo teu incômodo e é bem por aí mesmo. Uma “temporada” ponte, se é que houve intenção em fazer isso, é estúpido na raiz. De todo modo, mesmo assim, esse final para mim foi “ok”. Mas entendo quem tenha odiado.

Responder
Helder Lucas 14 de junho de 2020 - 14:05

Espero que os showrunners efetivamente aprendam com a reação do público e tragam a qualidade narrativa das temporadas anteriores (porque a técnica ainda se mantém impecável — o que é muito triste, dado o contraste). É tanta gente tão talentosa envolvida, e tanto dinheiro circulando… Jamais vou conseguir entender como uma série desse tamanho pode perder tanto da inteligência e profundidade.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 14 de junho de 2020 - 16:23

Ele não vão aprender com a reação do público não. Eles não dão bola pra isso, nem a HBO. Mas como existe um plano para a série até a 5ª Temporada, vamos ver que diabos eles pensaram para o próximo ano. Eu só espero que volte mais a ter a cara geral da série…

Responder
Roger Jr 30 de maio de 2020 - 16:17

Tô achando que a próxima temporada vai ser a mesma coisa que esta. Mas com a Charlote no lugar da Dolores. Vai matar um monte de humanos, mas no final só queria libertar as pessoas.

E outra coisa que me deixou meio incomodado nesta série. Como os seguranças, soldados, policiais e qualquer outra pessoa treinada em combates, são tapados. Os caras vão pros tiroteios de peito aberto, como se fossem à prova de balas.

Responder
Salvador Rodrigues 25 de maio de 2020 - 23:43

Esta temporada acabou se rendendo ao genero tiroteio, onde ninguem mata e ninguem morre, exceto pelo eternos figurantes com a mesma falta de pontaria dos stormtroopers, que são exterminados como moscas sem a menor cerimonia e não se fala mais nisso.

Numa cena Dolores se depara com tres combatentes equipados com poderosos fuzis de repetição e fortemente protegidos por coletes e capacetes e ela simplesmente os elimina com tres disparos certeiros sem sequer olhar para eles, no melhor estilo Ronaldinho Gaucho, com aquela expressão de enfado.

Serac estava prestes a liquidar Caleb quando alguém da produção lhe lembra da quarta temporada e ele então se toca que Caleb é humano e não poderá ser reconstruido e passa o encargo de matá-lo ao estagiário incompetente que logicamente não dará conta do recado.

É evidente que Dolores retornará na quarta temporada, pois outra perola com o seu backup será encontrada e bastará fazer um upgrade e instalar no corpão ainda intacto.

Se o perfil de Dolores está quintuplicado não há razão para tanta dor e sofrimento por ocasião do apagamento das suas memórias na parte final do episódio, pois elas estão ainda presentes nos outros quatro perfis. É só pedir a eles para compartilharem por wi-fi, bluetooth ou pen drive. Ou não?

O estilo de interpretação atualmente em voga, tanto em séries como em longas implica que todas as falas inteligentes, sérias, profundas, dramáticas, decisivas e afins tenham que ser sussurradas ao invés de serem faladas numa impostação normal de voz. Essas falas sussurradas talvez queiram passar ao espectador a impressão que o ator está tendo uma atuação fenomenal, transmitindo intensa emoção. O fato é que se não fossem as legendas não daria para entender nada do que é dito: os caras mal mexem os labios e não se escuta nada, de tão baixo que falam.

Responder
Nathanael Pereira 13 de maio de 2020 - 10:42

Westworld é uma série tão boa com uma 1 e 2 temporada de deixar qualquer fã de ficção científica de boca aberta todos os conceitos trabalhados na série incríveis, mas essa 3 temporada realmente deixou a desejar para o nível que estamos acostumados, teve episódios incríveis principalmente os primeiros mas no fim até o conceito de livre arbítrio não foi bem discutido. O serac(ou Rehoboam) tinha potencial pra ser talvez um novo Ford todo o conhecimento do mundo ali gravado mas foi só outra coisa má aproveitada igual o Bernard que ficou andando de um lado pro outro a temporada toda enfim gosto tanto de Westworld que não consigo ficar desanimado quero 4 temporada.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 13 de maio de 2020 - 14:48

Eu também continuarei acompanhando. Também gosto muito da série. Mas a decepção com esse final foi grande.

Responder
JC 12 de fevereiro de 2021 - 16:14

Nossa, fiquei me perguntando “Daria pra cortar Bernand inteiro nessa temporada”

Responder
Léon 7 de maio de 2020 - 16:31

Eu já devo ter dito isso uma centena de vezes em centenas de outras críticas. E vou falar aqui novamente: eu gostei e não gostei do episódio. Não gostei mais do que gostei.

Como um episódio isolado – até mesmo como se fosse um simples filmes blockbuster de ação e ficção científica feito sem pretensão a não ser de arrecadar dinheiro e fazer o entretenimento do público – ele é ok. Dá para levar. Fui entretido até certo ponto.

Como um episódio final de temporada e ainda mais de WESTWORLD eu fiquei e ainda estou, pura e simplesmente PUTO. O que é que foi aquilo, senhor?

Se tem uma coisa que eu odeio é subaproveitamento de personagens e inchação do elenco para nada. Alguém me explica para que serviu aqueles brutamontes que se encontraram com Caleb no meio da cidade quando ele se separa da Dolores? Sério, porque levaram ele até a barricada da Insite e pronto. Ele podia ter ido com as próprias pernas porque eles não serviram de nada. Não protegeram ele de nada ou de ninguém. Eu sei que há personagens que surgem simplesmente para aumentar o número de cadáveres nas cenas de ação para não ter que matar os personagens principais, MAS NEM PARA ISSO AQUELES BRUTAMONTES SERVIRAM. E ainda me fazem o Caleb encontrar aqueles “amigos” duvidosos para exatamente a mesma coisa: NADA. Aquilo foi o quê? Para ele ter a chance de se despedir daqueles dois e responder a nós, expectadores, o que havia acontecido com eles. Desculpem-me, porém serei pretensioso, NÃO ESTOU NEM AÍ PARA AQUELES DOIS. Tantos personagens que tiveram importância nas temporadas anteriores e que apareceram aqui só para fanservice e não tivemos nenhuma resposta do destino deles ou do real motivo deles terem surgido. Mas não, os amiguinhos do Caleb a gente tem de se despedir deles. Ok, eles podem ter uma importância maior no próximo ano, mas neste ano eles não tiveram. Não precisava disso!!! Aí mataram um bocado de personagem que tiveram relevância nos anos anteriores, mas estes dois ficaram. O Lee se foi, o Hector se foi, o Musashi se foi, até a Dolores se foi! Cacete! (ainda achei linda a cena dela sozinha no Oeste, olhando para o horizonte ao lado daquela árvores macabra a lá Invocação do Mal)

Outra coisa: Bernard e o encontro com a esposa do Arnold foi outra despedida desnecessária para ele dizer que ainda se lembrava do filho ou tem alguma coisa ali por trás que só eu não consegui ver?

Em um episódio passado o Serac atira com as próprias mãos na cabeça de um cara aleatório lá e quando é para matar o Caleb, o cara que está ali para destruir o trabalho da vida dele, o bicho me delega a função? Nada contra delegar funções – se eu fosse um vilão, também faria isso – MAS JÁ TINHAM MOSTRADO QUE O SERAC NÃO TEM PROBLEMA ALGUM EM SUJAR AS PRÓPRIAS MÃOS. Ele já havia matado alguém atirando na cabeça da pessoa e ele mesmo matou o pai do Liam. Porém não, o gostoso do Caleb que carrega o destino do mundo e o fim dos planos dele, não pode matar. vai terceirizar o serviço…

O que fizeram com a Maeve foi inaceitável. Ela foi a temporada inteira o saco de pancadas da Dolores. Traz duas guerreiras femininas para ajudar ela – que somem do nada, obliteradas da narrativa – e continua sendo o saco de pancadas da Dolores. Não gostei de como usaram a Maeve nesta temporada.

Outra coisa: pode até ser que seja revelado mais para frente, porém a Dolores ter se infiltrado e ganhado o controle da Yakuza, até agora só serviu para gerar o fanservice do Musashi, da Clementine e da outra moça que esqueci o nome e estou com preguiça de pesquisar. Aparentemente há algo maior ali naquele núcleo da Yakuza. Já que na luta entre Maeve e Musahi-Dolores foi revelado que os barris continham aquele leite (vou chamar de leite) que mergulham os hosts para dar a camada de pele, mas por enquanto ficou um núcleo aleatório. Assim como o personagem do Caleb. Não gostei dele. Não gostei da história dele. Não gostei do objetivo dele. E concordo com o que disseram (Maeve até ressalta isso): Dolores apenas encontrou um novo William.

Acabei me arretando escrevendo isso aqui e agora não vou mais falar minhas outras reclamações sobre a temporada como um todo. Só mais uma coisa que agora que me liguei: no final do episódio 5 Dolores e Chatoleb embarcam em um avião para um destino desconhecido. Que depois é revelado – até onde se sabe pelo menos – ser no México (ou é no Novo México?) que é onde o Serac guarda os indesejáveis. Mas como a Dolores já pega aquele avião se ainda não tinha o endereço? Ela ainda aguardava a Charlotte reportar o que havia descoberto ao hackear o sangue do William (adorei este conceito), porém de alguma forma ela já sabia que tinha que pegar um avião para chegar aonde queria. Fico me perguntando se a Charlotte tivesse demorado mais para acessar a informação daquela localização a Dolores iria ficar rodando com o avião no ar? “Ah! Vamos ficar dando um tempo aqui em cima até eu saber para aonde ir. Vai gastando o combustível aí.”

Entendo a frustração da maioria com esta temporada. Ocorre o mesmo em mim. Contudo, ainda estou cheio de expectativas para a próximo, confiando na Lisa e no Jonathan. Porque agora que eles fizeram a merda, vão ter de limpar e voltar com a minha séria no patamar de antes e ainda encaixando esta temporada para ficar tudo bem bonitinho e deixar de lado esta sensação irritante de PERDA DE TEMPO que estou até agora.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 7 de maio de 2020 - 20:50

Compartilho de todo esse incômodo que você expôs. Esse episódio isoladamente pode ser visto de uma determinada forma, mas considerando-o como um Finale de Westworld é realmente frustrante e ressalta totalmente aquela impressão que a gente tem sobre perda de tempo. Terrivelmente decepcionante.

Responder
Willian Vieira 19 de maio de 2020 - 19:51

O que ficou confuso ,foi como Bernard chegou no William ? Parece a Charlotte ligando pra “alguém” que não dá pra entender quem seria . Aí aparece o bernard no novo México junto com a dolores 🤷

Responder
Besouro Ki-Suco 6 de maio de 2020 - 21:18

Eu na minha inocência achei que a bolota de ferro gigante iria ser o grande plot twist da temporada e fiquei esperando um fim do mundo maaaaais ou meeeenos assim:

https://uploads.disquscdn.com/images/1b5934cdfdd1ae4591e3ea8edcfb9320da99171bc69ee731263a4e9b7a68c696.jpg

Responder
Odimara 6 de maio de 2020 - 03:46

Crítica excelente Luiz. Foi um episódio chocho mesmo. Essa terceira temporada se tornou outra série, tudo indica que a tendência é só cair. Efeito lost, Dexter, Got.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 6 de maio de 2020 - 10:27

Ai, meu Deus, nem fala isso. Colocar a fase ruim dessas séries numa única frase mata umas 456 fadas instantaneamente!!! AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

Responder
Odimara 6 de maio de 2020 - 11:58

Kkkkk me dói tbm. Não vou colocar muitas expectativas na quarta temporada.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 6 de maio de 2020 - 12:06

Tô indo por esse caminho também.

Responder
Destruidora de mundos 6 de maio de 2020 - 01:25

Realmente foi triste a forma como conduziram os ultimos episódios, porem gostei da temporada. Acredito que a série tomara um novo rumo na 4 temporada, confio nos produtores e estou esperançosa por uma boa narrativa.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 6 de maio de 2020 - 10:31

Que sua fé traga boas vibrações para a série! Tá precisando, viu!

Responder
MayB 5 de maio de 2020 - 22:00

Foi uma temporada boa, mas não no nível de WW. Pra mim faltou a essência da série, nessa temporada. Parte técnica perfeita!!
A vinda da Dolores pro mundo real era o que todo mundo tava querendo ver e…
Não seria mais legal se a gente tivesse visto o plano da Dolores desde o começo e não termos ficado no escuro? Conversar conosco e não com os personagens, afinal de contas o Rehoboan tava de olho. Não teria sido mais profundo ela chegar no mundo real com a intenção de destruir a humanidade ou criar um lugar pros hosts, e se deparasse como Rehoboan e descobrisse que a humanidade era controlada igual a ela no parque? E então ela mudaria o plano e daria a liberdade à humanidade através do Caleb(???)? Não seria mais filosófico/profundo se o roteiro conseguisse nos mostrar isso? Pq afinal plano dela foi esse, não? O pq ela trazer só cópias dela mesma, de sacrificar-se e não os outros hosts? Mas foi raso demais. O discurso final da Dolores deveria permear toda a temporada. Deveria mostrar esse companheirismo de Caleb com o robô da construção pra dar mais profundidade na hora dele se aliar à Dolores, mostrar mais dele, pra gente sentir empatia pelo personagem, que ele escolhe fazer coisas boas, ao longo da temporada, não só no final.
Aquele parque 5, o Caleb ta em que época? pq o robô que ele viu é uma das versões antigas, a Dolores tava lá. Ou eles usavam esses robôs só pra treinamento e deixaram as versões mais modernas pros outros parques?
Afinal pra quê serviu o Musashi, a Clementine e a Hanaryo? Espero que tenham mais coisa pra fazer na próxima temporada. E o Bernard só serviu pra explicar as ações da Dolores, desperdício. Maeve perdida no rolê, até pq ela foi trazida sem nem pedir pra isso. MIB sem comentários. Ele é host MESMO, agora. Impressão minha ou esqueceram uma Charlotte perdida por aí? Team Dolores forever!!!!
Conclusão: + profundidade +SciFi – ação
Obs: Os fão chatos que reclamavam que a temporada anterior tava desnecessariamente confusa, foram os culpados pelo roteiro “simples” dessa?

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 5 de maio de 2020 - 23:22

Os fãs chatos que reclamaram não escreveram o roteiro dessa temporada. Não são showrunners, não são produtores ou produtores executivos dessa série. Não são chefões da HBO, uma rede que não dá e nunca deu bola para reclamação de audiência ou de fãs chatos que reclamam de alguma coisa. A culpa aqui tem unica e exclusivamente duas identidades: Lisa Joy e Jonathan Nolan.

Responder
TheDarkCartmanReturns 6 de maio de 2020 - 12:28

Eu cheguei a falar isso em outro site. Foi falha deles mesmo. Não tem nada a ver com querer direcionar a série pro povão pq o povão nem tá vendo essa série.

Responder
Mr.L 5 de maio de 2020 - 17:27

Que broxante,o começo do fim do mundo só teve um bando de gatos pingados fazendo um blackblock,eu tava passando um pano antes por ser as primeiras horas, mas não deu.Calleb no final só serviu pra reconstruir a dolores e levar um item(que ñ serviu ´pra nada),e outros plots foram bem méh.
Sabe,preferia que tudo que a Dolores fez fosse por obra do Rehoboam,que ele estivesse querendo exterminar os humanos pra ter um mundo ao seu bel prazer,uma consciência tão superior não ia servir umas criaturas inferiores pra sempre.
Espero que a próxima seja a ultima temp, a historia já ta ficando sem ter pra onde ir.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 5 de maio de 2020 - 20:26

Nessa altura do campeonato, única coisa que eu consigo pensar que queria é que o Finale dessa temporada tivesse colocado ordem na casa e dado uma continuidade boa, orgânica, interessante para a próxima temporada.

Responder
Jose Claudio Gomes Souza 5 de maio de 2020 - 17:09

Sem falar que só a Maeve acreditava que o Serac iria cumprir o prometido a ela. E uma, já anunciada, quarta temporada sem a presença de Dolores, pois os show runners garantem que ela morreu mesmo. Tomara que, pelo menos, arranjem um outro personagem para Evan Rachel Woods, por que ficar sem esse colírio para os olhos, aí já é demais!

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 5 de maio de 2020 - 17:32

Evan Rachel Wood tem que continuar!

Responder
David RoPin 5 de maio de 2020 - 14:57

Decepcionante é uma palavra adequada pra definir essa série. Cansativa também, a premissa do Rehoboam era boa, mas tive que justificar pra mim mesmo o porque de ainda estar acompanhando conforme a trama andava…E depois desse Season Finale fiquei sem justificativas plausíveis pra isso.
Acho que vou dropar mesmo.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 5 de maio de 2020 - 15:02

Não achei cansativa, mas me decepcionei tremendamente com o Finale.

Responder
RenanSP 5 de maio de 2020 - 13:57

Eu estava curtindo a série, mesmo enxergando problemas, mas pqp, a cena do embate final foi ridícula de clichê de filme de anos 90. Nem os vilões mais mocorongos eram tontos como o Serac (que parece nome de órgão do governo) o cara me tira a arma da cabeça do maluco e manda os capangas matar, se ele queria matar metia o balaço ali mesmo, que coisa mais conveniente, ultrapassada e tosca isso de “mate ele”.
Sim, eu tava curtindo a série aparentemente mais que outras pessoas e apenas uma cena me fez ter raiva dela toda kkk

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 5 de maio de 2020 - 14:18

Às vezes o ódio vem de onde a gente menos espera… A luta e as decisões frente aos personagens aqui não rolaram não.

Responder
Larissa 5 de maio de 2020 - 13:42

Luiz eu nunca pensei que leria uma review sua com tanto prazer kkkkkk. Suas colocações foram perfeitas, principalmente com o plot da Charlotte eu tive exatamente a mesma sensação.
A meu ver a facada nas costas que essa temporada me deu foi com a personagem Dolores. Talvez a ideia (ou sacadinha genial rsrs) tenha sido justamente mostrar que a senciência robótica é a maior utopia da humanidade, porém mesmo assim doeu ver toda a genialidade da mente bicameral da primeira temporada sendo completamente massacrada e reduzida à cinzas quando tudo o que motivou a Dolores à “escolher” o Caleb foi só porque ele não quis fazer uma rapidinha com o grupo que ela estava. Como a Dolores pode ser considerada uma robô senciênte (apresentar desenvolvimento cognitivo) sendo que o Caleb não passou de um segundo William? Sendo que a fala dela final é exatamente a mesma de seu roteiro escrito por Ford (ou Sisemor)? Pode até ser que na nossa sociedade não exista livre arbítrio para nós seres humanos, mas a meu ver essa terceira temporada deixou claro que pros anfitriões é certeza não existe.
Conclusão : Humans continua sendo a melhor série que abordou esse tema kkkkkk.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 5 de maio de 2020 - 14:18

Tá vendo só? A vida é uma caixinha de surpresas!

Se esse Final tivesse conseguido, sem didatismo e aproveitando com coerência o que se propôs no começo, haveria um cenário muito bom para discutir essas questões. Mas o ideal de liberdade esbarrou com a revolução que atropelou a troca de papeis que comeu os protagonistas, descaracterizando-os e aí já era…

Responder
Larissa 5 de maio de 2020 - 15:56

Sim eu concordo plenamente. E se tivessem seguido assim provavelmente eu estaria satisfeita mesmo com a antipatia que peguei do personagem Caleb. Me responda se quiser Luiz, o Caleb escolheu alguma coisa nesse rolê todo??? Tá, bom, lembrei, ele escolheu deletar o roboão (trocadilho pra robozão kkkkkk) mas dá pra questionar que ele foi induzido pela Dolores a tomar essa decisão. Bom não adianta tentar nos comentários tirar da tempodara algo que ela não nos deu né? Abs!

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 5 de maio de 2020 - 16:35

Caleb não teve escolha nenhuma! Até o negócio do roboão foi influência circunstancial e parcialmente forçada se você analisar bem! E Dolores estava errada! Livre-arbítrio, com essa camada quase santa que se coloca sobre ele, não existe!

Responder
Jadiel 5 de maio de 2020 - 12:24

https://uploads.disquscdn.com/images/dcaed1b649737ec7ca1f074447cf059c6d329e50cbf76daf44ee8a9dac56080f.gif

Nessa cena eu achei que a Dolores fosse começar a cantar “LET IT GOO!! LET IT GOOOOOOO!!!!”

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 5 de maio de 2020 - 12:34

HAUAHUAHAUHAUHUAHUAHUAHUAHAUHAUHAUHA

Melhor crossover!

Responder
giovanni.lautens 7 de maio de 2020 - 19:28

Puts, por mais que a série tenha pecado essa temporada, essa cena eu acho que condiz com a personagem, por mais que achavam que ela ia querer o fim da humanidade, ela tinha a licença poética que impedia, mas esse diálogo refere às tempradas passadas…

Responder
Thiago Savassi 5 de maio de 2020 - 10:17

Eu poderia estar aqui falando que esta temporada teve a densidade de uma seda, mas não vou…
Eu poderia estar aqui falando que a anfitriã mais poderosa foi resumida a uma ninja, que não sabe usar sua espada, mas não vou…
Eu poderia estar aqui falando que o anfitrião mais complexo foi resumido a um perdido, apertando um botãozinho, mas não vou…
Eu poderia estar aqui falando que a anfitriã mais perversa queria na verdade o bem da humanidade, estilo malhação dos anos 2000, mas não vou…
Eu poderia estar aqui falando que o ator mais conceituado da série não serviu pra absolutamente nada, mas não vou…
Vou só falar mesmo que o “Deus” da humanidade fica no hall do prédio, depois da porta de vidro.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 5 de maio de 2020 - 10:50

HAUHAUAHUAHAUHUAHUHAUAHUAHAUHAUAHUAHAUAHUAH

SOCORROOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO

Responder
Gabriel Bublitz 5 de maio de 2020 - 22:26

Hehehehe muito bom!

Responder
Ricardo Gelatti 5 de maio de 2020 - 09:22

Agora que é a hora de dizer : “Nós avisamos?” kkkk brincadeira

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 5 de maio de 2020 - 10:54

HUAHAUHUAHUAHAUHAUAAHUA MALDITO!

Responder
Claudio 5 de maio de 2020 - 07:33

Temporada beeem mais ou menos. Meu instinto masoquista e minha memória afetiva das duas primeiras temporadas me obrigarão a assistir a próxima ( que espero seja a de encerramento).
No final passamos 8 episódios assistindo a um filme de ficção B com orçamento de filme A transformado em mastodonde disforme de 8 horas, com a diferença que o filme B consegue explicar melhor as motivações dos personagens e costurar os mistérios de forma mais eficiente e em menos de 2h.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 5 de maio de 2020 - 10:54

JESUS CRISTO!

Responder
Vigilante da Gota 5 de maio de 2020 - 04:35

Embora tenha curtido e até defendido, como uma evolução natural do show, a mudança pra uma abordagem com mais ação do que “reflexão” na série, reconheço que os roteiristas ficaram meio perdidos sobre os rumos de alguns personagens, principalmente Maeve e Bernard. Não vou nem citar o Caleb porque esse foi só decepção.

Achei que a temporada prometeu de menos e entregou exatamente isso, sendo que havia possibilidade pra muito mais. A história foi entregue a conta gotas desnecessariamente, sendo que todas as “reviravoltas” do final já estavam bem claras ao público. Faltou mais conteúdo, diálogo, ousadia e alegria.

Ainda assim, não achei uma temporada ruim. Foi divertida e rendeu vários ótimos momentos, me prendeu, mas infelizmente ficou nisso. Aguardo a próxima temporada, que com certeza contará com diversas mudanças, visto que muita gente não curtiu o resultado dessa.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 5 de maio de 2020 - 10:58

Meu sentimento geral casa majoritariamente com o teu, especialmente em relação ao final e à visão geral da temporada, em termos de qualidade!

Responder
Matheus Jornalista 5 de maio de 2020 - 04:13

O Nolan e a Joy deram uma de Ryan Murphy e cagaram a temporada bem no final depois de um início maravilhoso. Estou mega decepcionado, parece que toda essa temporada foi pra encher linguiça. Matar p Homem de Preto real pra dar lugar ao host na cena pós créditos foi patético. A Charlores não serviu para nada e aquele bloco do Bernard com a esposa do Arnold estava totalmente deslocado. Seria uma pena se a Evan Rachel Wood não voltasse para a quarta temporada, a Dolores era a minha favorita.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 5 de maio de 2020 - 10:58

Ryan Murphy fazendo escola entre os grandes! CORRAM PARA AS COLINAS!!!

Responder
Jadiel 5 de maio de 2020 - 12:14

Sobre o William eu entendi assim: “não sabemos mais o que fazer com ele, logo o matamos”. Ou seja, não desgostei porque isso pode trazer ares novos para a próxima temporada além de possibilidades bem interessantes. Fiquei curioso. Só esperar pra que os roteiristas se livrem dessa síndrome de blockbuster que tiveram nessa temporada e bolem algo realmente interessante.

Responder
Gabriel Bublitz 5 de maio de 2020 - 02:03

HAHAHA o meu dia chegou: Que coração peludo, hein Luiz!

Brincadeiras a parte, esse último ep não me surpreendeu tanto. Até, pra mim, foi melhor que o anterior, mas me peguei no episódio pensando ‘sério que eles tão quase desenhando isso para eu entender? Eu já entendi o que o Serac fica repetindo toda hora,’ Maaaas, a cagada já tava sendo feita anteriormente, ao meu ver. Coisas que mostraram aqui (5º parque, Bernard sendo a chave, Dolores redentora), podiam ter dado uma outra construção para isso desde o início da temporada.

Enfim, não me decepcionei tanto pois estava com a expectativa mais baixa, mas ainda gosto da série ao ponto de dar uma chance para a 4ª temporada, que será pós-apocalíptica pelo final.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 5 de maio de 2020 - 02:03

Um dia é da caça, outro do caçador hahahhahahahahaahahahahaha

Eu também voltarei belíssimo para a próxima temporada, mas sem muito afã em torno da série. Manterei as expectativas bem baixas. Eu realmente não vou conseguir superar nem tão cedo a criação de uma temporada inteira para no final não dar em nada. Aff…

Responder
Mauro Oliveira 5 de maio de 2020 - 01:50

Achei excelente o ultimo episódio. Aliás, eu acho que desde a primeira temporada, um episódio supera o outros e atingiu o máximo até o momento neste final.
Creio que o SBT já esteja negociando a compra da série para usar como ‘ajuste de programação’, para substituir o ‘Chaves’, já que o legado de WW deve ser semelhante, pois deve ter mais 20 temporadas.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 5 de maio de 2020 - 02:03

L
O
L

Responder
Jadiel 5 de maio de 2020 - 01:50

Essa temporada, apesar de muito divertida, me pareceu mais um prelúdio do que está por vir na próxima temporada. Foi mais uma preparação de terreno para algo maior. Teve episódios espetaculares, mas quando pegamos o conjunto da obra, além de uma introdução de novos personagens e dinâmicas, não sobra muita coisa. Acho que podemos resumir essa 3ª temporada de Westworld como isso: uma bela, divertida e por vezes filosófica introdução de um novo mundo (ou um novo parque). Poderia ter lutas mais bem coreografadas, um maior foco nos personagens, ou mais esmero ao tratar de assuntos filosóficos, mas ainda assim foi bastante aceitável. Esse sentimento de desperdício de potencial ronda dentro mim agora. Ainda pretendo rever essa temporada daqui um tempo pra saber o quanto estar ciente do conjunto geral da temporada muda a experiência. Mas mesmo assim espero ansioso pela próxima parte desse Bambuluá-Tech.

Ps: quem não decepcionou em nada esse ano foi o Ramin Djawadi. O cara tá afiadíssimo na trilha sonora.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 5 de maio de 2020 - 02:07

O grande problema disso tudo é que uma temporada como prelúdio para “algo maior” é um horror de concepção em si só! Mas vai que dá certo! O que eu menos quero é repetir o desencanto no Finale como foi o caso aqui.

Responder
nuwgott 5 de maio de 2020 - 13:19

Mas se bem que a 2a temporada de Mr. Robot foi praticamente um prelúdio também, o que a série perdeu de audiência ali não foi brincadeira. A temporada parecia um sonho, cheio de névoa, e a gente só foi realmente entender o que aconteceu ali a partir da terceira.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 5 de maio de 2020 - 13:24

São coisas diferentes. Entra no que eu argumento na crítica. Fazer sentido para si e no quebra-cabeça geral. Mr. Robot fez. Westworld, nesta temporada, nem perto disso.

Responder
nuwgott 5 de maio de 2020 - 13:19

Mas claro, não tem nem como comparar o estilo de Westworld com Mr. Robot…

Responder
Ricardo Gelatti 5 de maio de 2020 - 09:41

O problema são as expectativas baseadas nas 2 primeiras temporadas(principalmente na primeira). Se fosse uma série qualquer estaríamos aqui elogiando com certeza.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 5 de maio de 2020 - 10:50

Eu, não. O julgamento aqui não é, sob nenhum aspecto, condicional ao comparativo entre temporadas. Isso é externo ao julgamento de qualidade. A temporada teve um final decepcionante. Ponto. Quanto a sua comparação com as outras temporadas, isso é outra história. Uma história que curiosamente termina em: essa temporada é inferior às outras. Heheheheheehehe

Responder
Ricardo Gelatti 5 de maio de 2020 - 11:16

Mas ali nos comentários abaixo, vc diz que baseado no final dessa temporada a outra temporada pode surpreender pois nao se espera mais tanto de Westworld.

Querendo ou não vc acaba leva isso em conta, principalmente nós meros mortais.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 5 de maio de 2020 - 11:39

Não, não. Eu não levo isso em cota. Vou explicar de forma detalhada, então você entenderá minha fala.

Quando eu usei, no comentário anterior, este exato termo: “CONDICIONAL AO COMPARATIVO“, minha intenção era deixar claro que nenhuma nota (julgamento de qualidade final) que eu atribuo vai depender — de forma obrigatória, condicional — da nota que eu dei para uma temporada/obra anterior. Tem um artigo meu falando exatamente o motivo pelo qual eu não faço — e inclusive condeno — esse caminho de atribuição de nota, de um valor final a uma obra tendo como condicional uma avaliação anterior. Aqui: Plano Polêmico #38 | Crítica Não é Aritmética da Estética!.

A comparação no sentido que escrevi e que você usa no exemplo (ou as inúmeras comparações de contexto que qualquer crítico tem a obrigação de fazer quando analisa uma obra em continuidade, seja série, seja franquia) é de expectativa / percepção / entretenimento / visão geral da obra como obra, não no sentido de julgar a qualidade dela como base no julgamento do projeto anterior. Eu posso fazer centenas de comparações de expectativa, de suposição, de apostas ou mesmo de tratamento narrativo/estético dado de um produto para outro. Mas o julgamento avaliativo final não é condicional a isto. A obra é analisada como ela mesma. A comparação é contextual, apenas.

Ricardo Gelatti 5 de maio de 2020 - 11:48

Sim, sim eu quis dizer sobre expectativas. Tb costumo dar nota pro episódiotemporada em si. Tanto que vi crítico por ai dando nota 2,3 pra episódios e acho isso extremamente exagerado.

Até pq pra mim a série continua superior a grande maioria das outras séries e todos os episodios desta temporada foram no minimo nota 3.5

Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 5 de maio de 2020 - 12:07

Definitivamente! Westworld é uma boa série. A gente fica puto quando tem que ficar, aponta problemas, mas apesar da frase forte “a série caiu de qualidade” isso significa cair de uma altura imensa. Ainda é uma baita série fantástica.

Ricardo Gelatti 5 de maio de 2020 - 12:14

Com certeza.

jeff page guitar 5 de maio de 2020 - 01:33

Confesso que fiquei um tanto decepcionado com os dois últimos episódios. Senti que algo meio que se perdeu dentro daquilo que eu mais gostava na série. Também achei o personagem Caleb muito fraco e perdido, sem a menor razão para estar ali. Não estou animado pra próxima temporada . . .

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 5 de maio de 2020 - 02:03

Pretende largar?

Responder
jeff page guitar 5 de maio de 2020 - 16:02

Amigo, sou difícil de largar o osso kkkkkk. Mas vamos ver se o pessoal acerta a mão na próxima temporada.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 5 de maio de 2020 - 16:35

Vamos que vamos!

Responder
Egalmoth 4 de maio de 2020 - 21:13

Gostei do desfecho e da sua crítica, gosto de ler críticas pras obras que eu mais gosto, principalmente quando não ficam apenas elogiando. É evidente que essa temporada teve problemas e ficou aquém das duas primeiras, mas o desfecho eu gostei e até me surpreendeu. Achei muito bonito o diálogo da Dolores com a Maeve.
Mas a impressão geral é que a HBO pediu algo mais simples pro Jonathan Nolan e Lisa Joy, devido as temporadas anteriores serem mais “confusas” e como você bem colocou: “ficção que explica tudo é má ficção”. Só nos resta torcer pelo retorno da Evan Rachel Wood, afinal isso não é nada impossível e que eles acertem a mão como nas duas primeiras temporadas.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 21:35

Eu torço para que voltem acertar a mão. Gosto demais dessa série e não gostaria que a decepção com o final dessa temporada seguisse para as outras…

Responder
Sussurrador 4 de maio de 2020 - 21:03

Faltou tão pouco pra mais uma temporada perfeita desde a primeira temporada mas no geral essa ainda foi muito boa!

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 21:35

Não fossem os dois últimos episódios, realmente, ‘faltava tão pouco’.

Responder
Jadiel 5 de maio de 2020 - 01:50

Essa temporada, apesar de muito divertida, me pareceu mais um prelúdio do que está por vir na próxima temporada. Foi mais uma preparação de terreno para algo maior. Teve episódios espetaculares, mas quando pegamos o conjunto da obra, além de uma introdução de novos personagens e dinâmicas, não sobra muita coisa. Acho que podemos resumir essa 3ª temporada de Westworld como isso: uma bela, divertida e por vezes filosófica introdução de um novo mundo (ou um novo parque). Poderia ter lutas mais bem coreografadas, um maior foco nos personagens, ou mais esmero ao tratar de assuntos filosóficos, mas ainda assim foi bastante aceitável. Esse sentimento de desperdício de potencial ronda dentro mim agora. Ainda pretendo rever essa temporada daqui um tempo pra saber o quanto estar ciente do conjunto geral da temporada muda a experiência. Mas mesmo assim espero ansioso pela próxima parte desse Bambuluá-Tech.

Ps: quem não decepcionou em nada esse ano foi o Ramin Djawadi. O cara tá afiadíssimo na trilha sonora.

Responder
Spidey 4 de maio de 2020 - 19:28

Ótimo texto Luis, acabei não aparecendo na crítica do episódio passado, mas tenho certeza que assim como essa, ela foi muito boa, por mais que nesse último episódio eu tenha discordâncias a respeito da sua visão, acho que daria de 4 a 5 estrelas, gostei muito do que foi apresentado, mesmo que seja necessário admitir que houve uma clara queda de qualidade e uma mudança drástica de estilo, se apegando mais à ação do que aos temas filosóficos e questionamentos que consagraram a série em suas temporadas anteriores, sendo assim, como os diretores falaram meses antes do começo da temporada, seria uma espécie de nova série.

Partindo dessa noção podemos dizer que essa temporada pecou na execução de seu novo status, a premissa da redução de episódios poderia ter enxugado as ideias e retido os pontos fortes, mas não foi isso que vimos, acabou que não desenvolveram a trama da melhor forma possível, caindo numa armadilha vinda com esse novo formato narrativo, história mastigada em certos sentidos, contudo nem tudo foi ruim, a concepção geral da série foi algo muito bom, os questionamentos a respeito da liberdade e suas consequências são de fato ótimas, assim como os fatores técnicos da série, que são incríveis. Dessa forma, espero que o próximo ano tenha uma retomada ao status original e que consiga suprir os defeitos, mantendo o que deu certo e trazendo um novo recomeço para essa ótima série.

PS: E essa Charlote maníaca no final de tudo, seria ela o fruto do pior lado da Dolores? E por sinal, nossa amada loira retornará? Nesse ponto fico com dúvidas, já que quem teve seu fim na série dificilmente volta, vide Ford, Emily e Teddy, mas em Westworld nada é o que parece.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 19:34

Que bom que você gostou e conseguiu arrancar algo para além da linha do aceitável para sua diversão. É um alento que isso aqui tenha funcionado pelo menos para alguns espectadores.

Como comentei com alguns leitores abaixo, não consigo imaginar a série sem Evan Rachel Wood. Diria que ela volta sim. Não vi entrevistas da atriz dizendo se teve contrato renovado ou não… Mas depois do Finale dessa temporada, eles podem até escalar Lucas Neto pra “atuar” no lugar dela que pra mim tanto faz. Vou sem expectativa nenhuma, para não me deparar com um tonel vazio como isso aqui. Bora ver onde isso vai dar.

Responder
Spidey 4 de maio de 2020 - 20:48

Acabou que no meio de todo o caos que nos rodeia, se divertir com uma boa série é sempre bom, fora que a mensagem de esperança em respeito a humanidade que a série explorou é algo útil.

Não ter expectativas é uma boa estratégia, tentei ir assim com o final de Got, mas não funcionou muito bem, me decepcionei, kkk. Espero que com Westworld não aconteça o mesmo.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 21:35

Eu tenho visto umas boas comédias esses dias para distrair a cabeça desse momento…

Responder
Spidey 4 de maio de 2020 - 22:03

Uma boa solução, tou aproveitando para tentar deixar em dia os filmes clássicos como Matrix, Poderoso Chefão e tantos outros…

Ps: Sou um pouco novo, de 2001 pra cima, kkkk.

Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 22:13

Nem existe isso que tu tá falando cara. Ninguém é “de 2001 pra cima”, isso é invenção da mídia!!! No máximo você nasceu em 1999!

Spidey 4 de maio de 2020 - 22:38

Kkkkkk, bom sou de 2001…

Mas me tira uma dúvida, vi recentemente que os responsáveis por Westworld possuem outra série com temática de ficção científica e drama, Person of Interest, com uma historia parecida com a trama do Roboão, me pergunto se ela influenciou de alguma forma essa terceira temporada?

Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 22:49

Nossa, mas COM CERTEZA teve influência! Aqui em WW o Nolan conseguiu expandir e polir essa ideia, focando bem mais nos aspectos de tecnologia futurista e trabalhando de modo mais sistemático com a questão do uso de dados. Mas a influência é clara e bem grande sim.

Spidey 5 de maio de 2020 - 07:23

Legal saber, após ler um pouco sobre a outra série vi essas similaridades, acho que vou tentar assistir nesses dias pra suprir a necessidade de novo ano de Westworld, que dessa vez se pareça com as temporadas anteriores, mas acho que deve ser, ao menos no que tange ao Bernard.

Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 5 de maio de 2020 - 10:54

Parece em essência. Tu vai gostar.

O Homem do QI200 4 de maio de 2020 - 17:35

Sabe o engraçado!? Estava vendo muitos defeitos nessa temporada, mais especificamente, desde o 5ª ep., porém gostei desse último episódio e creio que seja um bom episódio como entretenimento, visto que ganhou 3*. Mas, como disse, essa temporada é a mais fraca.

Procurei achar um pq disso, talvez por causa do set da série ter sido destruída pelas queimadas da Califórnia, prejudicando a temporada, encurtando-a e a deixando mais corrida (não sei), ou pela mudança de momentos mais cabeça para refletir durante a semana que eu tanto gostava por mais ação (nada contra a ação, até pq na 2ªtemp. já tem bastante, porém me envolvo mais com cenas com diálogos marcantes). No entanto, percebi que o que mais me desagradou nessa temp. foi o mal desenvolvimento da Maeve. De longe, ela é minha personagem preferida depois do Robert Ford, logo, por mais que eu goste de todos os núcleos e de quase todos os personagens, a Maeve era a personagem que me prendia a atenção e ao ver a má construção que fizeram com ela, tomando atitudes que não condiz com a personagem foi um grande fator para eu não ver com bons olhos essa temporada.

No mais, sim, tenho medo de que a qualidade dessa série venha a cair com o decorrer das temporada, mas ainda assim, estou ansioso para que volte logo, pois no geral, essa série me entregou um maravilhoso entretenimento.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 17:50

Meu caminho é inverso a este. Para mim a temporada veio sólida e em alta qualidade do início até o episódio passado, quando caiu consideravelmente. Neste último, debandou para o “ok” + um tsunami de decepção, roteiro mal escrito e desperdício de pelo menos metade dos dramas apresentados ao longo da temporada. Já joguei a toalha de qualquer expectativa em relação à próxima temporada. O que vier, se estiver acima da média, já é algum lucro. Ou seja, para Westworld, cuja linha de qualidade estava estirada nas alturas, isso é simplesmente a morte. Mas vai ver eles retomam a boa toada. Quem sabe? Só não estou pagando pra ver…

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 17:50

Meu caminho é inverso a este. Para mim a temporada veio sólida e em alta qualidade do início até o episódio passado, quando caiu consideravelmente. Neste último, debandou para o “ok” + um tsunami de decepção, roteiro mal escrito e desperdício de pelo menos metade dos dramas apresentados ao longo da temporada. Já joguei a toalha de qualquer expectativa em relação à próxima temporada. O que vier, se estiver acima da média, já é algum lucro. Ou seja, para Westworld, cuja linha de qualidade estava estirada nas alturas, isso é simplesmente a morte. Mas vai ver eles retomam a boa toada. Quem sabe? Só não estou pagando pra ver…

Responder
Wfxavier Xavier 4 de maio de 2020 - 15:33

Acho que eu comi mosca.. Onde foi a apresentação de um novo parque?? Quanto a temporada, reitero o que disse. Essa terceira temporada foi um Spin-off de Westworld. Será que a Dolores se foi?? Pq vcs sabem, que dados nunca são realmente deletados, então… vai saber. Pra quando tá prevista a proxima temporada? Pq o hype não tá muito grande não.
PS – triste fim de Serac. Começou como um grande antagonista da Dolores. Acabou como um lunatico egocentrico

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 16:47

Naquela cena em que ela “justifica” o motivo de ter escolhido Caleb. Aquela cena dos soldados que sugere que eles iriam estuprar as mulheres. Aí mostra Dolores entre elas. O Caleb tava lá no parque treinando. E a Dolores fala de “outras narrativas” e fala literalmente que era um parque.

Ah, e sobre ela, confesso que tenho dificuldade de imaginar a série sem a personagem. Acho que ela volta sim.

Responder
Vinícius O. Rocha 4 de maio de 2020 - 14:50

Curioso que minha opinião divirja tanto da sua, achei esse o melhor episódio da temporada. Os problemas que há nele são mais culpa da temporada como um todo, que mesmo sendo um reinício interessante para a série (e muito melhor que a desastrosa temporada passada) nem sequer se aproxima da ótima construção da primeira temporada. Por exemplo, a forma como personagens importantes como a Maeve e o William foram utilizados nesta temporada foi de dar vergonha – mas aqui pelo menos a primeira encontra um propósito. Já o segundo…

Também concordo que inserir mais uma motivação de sopetão em relação ao Caleb foi forçação de barra, mas defendo que a inserção do personagem foi uma das melhores coisas da temporada – mérito do Aaron Paul, como sempre. Já o Bernard era outro personagem que perigava ser mal-utilizado mas que ganhou um propósito e revelação interessantes (não me senti desrespeitado enquanto fã, e estou curioso pra ver o por quê de pensar assim, Luiz). Enfim, acho que no geral a temporada fica entre uma nota 6 e um 7. Um começo ótimo, mas se esfriou demais e com um todo que é aquém da soma das suas partes.

Por fim, queria ressaltar um aspecto que me incomodou muito nessa temporada: o caos social pintado a partir do quinto episódio simplesmente não convence em nenhum momento. Acho curioso como Mr. Robot, no seu icônico episódio do plano-sequência, consegue ser mais caótica e impactante com muito menos da metade do orçamento que Westworld tem. Esse futuro de Westworld é excelente, mas a série às vezes é “higiênica” demais.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 15:23

Sobre a parte do desrespeito, o motivo não é nada mais do que eu abordei na crítica.

Quanto ao restante: acontece. Uns gostam, outros desgostam, e assim voga o navio…

Responder
Ricardo Gelatti 5 de maio de 2020 - 09:37

Concordo com tudo, o problema foi o caminho não o final.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 5 de maio de 2020 - 10:50

O problema, na minha leitura, foi o final mesmo.

Responder
TheDarkCartmanReturns 4 de maio de 2020 - 13:59

Bem que falaram que Westworld era o novo GoT…

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 14:09

Digamos que a candidatura segue firme e forte! haahahhahahahhaahhaahahahahhhhahh

Responder
Léon 4 de maio de 2020 - 16:02

NÃÃÃÃÃÃÃÃÃOOOOOOO!!!!!

Responder
giovanni.lautens 4 de maio de 2020 - 13:41

Boa crítica, acabei mudando algumas opiniões por conta dela. Por amar a série e pelo fato de (também) esperar finalizar a temporada pra ter uma visão geral da coisa acaba por cegar um pouco, né?! Em relação ao parque novo eu achei interessante a ideia, pois traça um paralelo que já passou na cabeça de muitos que se há uma tecnologia nova, a princípio ela é usada pra guerra, assim como o computador, telefone, etc (ainda que uma evolução né), só achei mal executado com duas ou três cenas pra traçar a empatia do Caleb com a escolha que ele tinha. Pra mim não decepcionou tanto o que foi entregue, mas a próxima temporada preocupa ir com um hype muito grande.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 13:41

@giovannilautenschleger:disqus mas não te incomodou um parque ser apresentado assim, de supetão, sem nenhum tipo de abordagem mais caprichada e, acima de tudo, um OUTRO parque de guerra? O negócio foi tão rápido que eu fiquei “ué… é só isso?“.

Responder
giovanni.lautens 4 de maio de 2020 - 14:16

Sim, a execução da cena pecou. Apresentou o parque, ai ele fala que não é pra fazer nada com os “hosts”, mostrou a Dolores e ela concluindo que ele tinha um senso de escolha. Quanto a isso concordo, só que achei interessante a ideia desse parque, já que as tecnologias dão-se um jeito de serem voltadas pra guerra né, ali não foi diferente…

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 14:16

Ah, sim! Entendi teu ponto!

Responder
Wfxavier Xavier 4 de maio de 2020 - 16:12

Revi a cena agora. Fala em parque cinco mesmo. que estranho. Nem sei pq o parque chama westworld afinal.

Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 16:45

Triste realidade.

giovanni.lautens 5 de maio de 2020 - 14:02

Não entendi seu ponto. Um parque chama Westworld realmente, se dá o nome da série também por isso. Mas os outros parques tem outros nomes…

Wfxavier Xavier 4 de maio de 2020 - 15:37

Mas aquilo era um parque?? Achei que fosse só uma sessão de treinamento do exercito mais realista e tal, tipo um convenio da Delos com o exército. Até Pq aqueles acontecimentos não são recentes.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 16:47

Pior que era um parque sim… 🙁

giovanni.lautens 6 de maio de 2020 - 09:27

Sim, era um parque só que fechado ao público. Se entrar no site da Delos vai ter essa informação.

TheDarkCartmanReturns 6 de maio de 2020 - 12:31

Exato, era um parque de treinamento, não um parque pras pessoas irem lá descer no escorregador.

Massy Andrade 4 de maio de 2020 - 13:41

Só me diga que Dolores volta de alguma forma….

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 13:42

TEM QUE VOLTAR! Eu tenho lá minhas dúvidas que a HBO vai fazer uma temporada sem ela…

Responder
Thiago Brandi 4 de maio de 2020 - 13:34

Ótima crítica..assim como foi feita por toda temporada. Parabéns!
Eu entendi que não era bem um parque, mas um acordo com os militares para que eles treinassem as missões.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 13:41

Mas ela fala isso! “Outras narrativas” e fala de um parque!

Responder
giovanni.lautens 4 de maio de 2020 - 14:16

Entendi que era um parque, ela ainda diz que é o Park 5.

Responder
Fabrício Nunes 4 de maio de 2020 - 13:22

Ao meu ver tentaram correr muito pra mostrar a tal “revolução”, quando poderiam ter ido um pouco mais devagar e mostrando a Dolores se infiltrando no nosso mundo, nem que fosse no corpo da Charlote, e aos poucos descobrindo do que se tratava a Incite e o Rehoboam, e não essa Dolores super evoluída q foi nos oferecida goela a baixo. Sinceramente todas as revelações que essa temporada entregou não tiveram o mesmo peso da primeira temporada, nem da revelação final da segunda. Não tô dizendo que a temporada foi ruim por falta de plot twists apenas, mas esse ponto era forte nas temporadas anteriores e nem isso conseguiram manter. As coisas acontecem e a gente pensa: ahh, era isso? O que mais? Infelizmente o roteiro caiu muito.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 13:41

Eu entendo a tua visão sobre a correria, mas confesso que não vejo esse como o real problema aqui. Se os roteiros se afunilassem para um encerramento coerente, épico, relevante, a sensação de correria seria só uma nota mínima sobre o andamento da temporada.

Responder
planocritico 4 de maio de 2020 - 13:22

Ô jovenzinho transado e metido a modernoso, dá para explicar aos anciãos O QUE RAIOS É BAMBULUÁ? Ou foi algum devaneio de sua mente dodói?

Abs,
Ritter, the Ancient One.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 13:34

Eu vou ignorar todos vocês, sejam ninfetos ou matusaléns que estão me perseguindo por causa da minha referência a Bambuluá. Olha só isso, vindo de alguém do lado oposto da régua HAUAHUAHAUHAUAHUAHAUHAUAHUAHAUAHUAH:

https://uploads.disquscdn.com/images/8a76fa8b21df9e636d9b1fe6ed5d601ff39647a7af190c2b1de210d63f8f1589.png

Responder
planocritico 4 de maio de 2020 - 13:35

@luizsantiago:disqus , eu já falei para não relaxar a frequência de seus remedinhos… Basta parar um ou dois dias que vem essas coisas CLARAMENTE INVENTADAS em devaneios nesse seu quarto com paredes acolchoadas. Muito triste isso… Talvez seja o caso de voltar com a camisa de força e a mordaça…

Abs,
Ritter, the Worried One.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 13:41

Não vou aceitar essas declarações infames!
Escrevei uma nota de repúdio!!!

Responder
planocritico 4 de maio de 2020 - 13:42

Em forma de uma sinopse fictícia de uma série/filme fictício que você “copiou e colou” para o leitor acima? Tá pior que o Russel Crowe em Uma Mente Brilhante, hein? Até porque né, brilhante só se for pela purpurina ao te colocar na luz do sol…

Abs,
Ritter, the CIA Spy.

Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 13:50

EU NÃO SOU LOUCO!!! EU NÃO TÔ INVENTANDO NADA DISSO!!! ESTOU CONVOCANDO UMA REUNIÃO DE EMERGÊNCIA COM AS OUTRAS PERSONALIDADES PARA A GENTE TE MATAR!!!

https://uploads.disquscdn.com/images/397dbe77f0f68129f7a0369b14e1f1087649ce3e607bcb9f297767ed0d238020.jpg

giovanni.lautens 4 de maio de 2020 - 13:41

Foi mal, dei um google, mas não tracei com o que a crítica quis dizer hahahahaha

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 13:42

@giovannilautenschleger:disqus eu vou colocar aqui a sinopse estendida e você vai entender a referência ao conhecer o enredo geral:

Após ser cercada por uma gangue de motoqueiros na estrada, Angélica é salva por um grupo de sete crianças super-heroínas, conhecidas como os Cavaleiros do Futuro. Levada por eles para a cidade de Bambuluá, ela descobre que o local é repleto de magia, cercado por barreiras de proteção e guardado por um cristal mágico que impede os habitantes da cidade vizinha, a sombria Magush, de invadi-la. Embora todos na cidade conheçam suas identidades, as crianças heroínas vivem uma vida comum no dia-a-dia, indo a escola e tendo deverem a cumprir com seus familiares. Cada Cavaleiro corresponde a uma cor do arco-íris. Os mentores do grupo são o mago Tchilim e seu fiel escudeiro Dubem. No decorrer da luta contra o mal, os Cavaleiros chegam a evoluir, se tornando adolescentes. Seus principais inimigos são os Cavaleiros das Trevas, adolescentes da vizinha Magush liderados por Morcegão, que visam tomar a cidade e o Cristal. A gangue atua sob as ordens do perverso Dumal, que também possui como seguidor fiel o belo androide Bruck. Dumal possui como conselheira a misteriosa Mulher do Espelho.

Aos poucos Angélica descobre que não foi coincidência ir parar na cidade, mas sim destino, uma vez que cabe a ela guardar o talismã sagrado, que a protegerá. Além disso, ela se vê em meio a uma batalha entre o bem e o mal, e aos poucos vai aquecendo o coração frio de Bruck, com quem vive um romance proibido até ele mudar de lado definitivamente…

Responder
giovanni.lautens 4 de maio de 2020 - 14:16

hahahaha entendi a referência, dá até pra traçar um paralelo de aparência entre Dolores e Angelica…

Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 14:20

Tá vendo só, tá vendo só?
A mão de escrever fanfic chega a tremer!!!

planocritico 4 de maio de 2020 - 13:50

@giovannilautenschleger:disqus , não liga para esse louco não. Claramente ele inventou tudo, assim como ele acha que é professor de história e crítico de cinema e TV…

Abs,
Ritter, the Truthsayer.

Responder
giovanni.lautens 4 de maio de 2020 - 14:16

hahahahah

Adriana Santos 4 de maio de 2020 - 13:22

Pior do que “O que fizeram com Westworld” foi: O QUE FIZERAM COM A MAEVE?

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 13:34

#FATO

É de sentar e chorar mesmo. Especialmente nesse final. Descaracterização e subaproveitamento mortais da personagem!

Responder
Junito Hartley 4 de maio de 2020 - 13:10

3 temporada bem a baixo das outras duas, a 1 primeira ainda é a melhor. Bernad foi deixado de escanteio a temporada toda e só no último episódio teve algo relevante, gostei da morte do William, personagem dele também não tinha mais nada a acrescentar. E achei a reviravolta final previsível, só queria entender como a meave conseguiu quebrar o controle do serac, aquele controle não apagava ela completamente ou ela ficava paralisada mas online!?

PS: cenas pós crédito não me animou não, diferente das outras temporadas.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 13:35

Eu também não entendi o princípio de a Maeve quebrar aquele dispositivo. Porque se era só “se concentrar”, por que não fez antes? É bizarro.

E as cenas pós-créditos também não me animaram não!

Responder
Junito Hartley 4 de maio de 2020 - 13:41

Pois é, se era fácil daquele jeito porque não fez isso antes? Queria um emoticon revirando os olhos pra por aqui.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 13:41

É o tipo de coisa que duas linhas de diálogo poderiam resolver tranquilamente, sem deixar essa coisa estranha no ar.

Responder
bre.ribeiro 4 de maio de 2020 - 12:42

Pelo menos agora ninguém espera mais nada da quarta temporada e podemos ser surpreendidos novamente. 😬

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 12:44

Eis aí o consolo dos desesperados… E é mais triste porque é verdade.

Responder
giovanni.lautens 4 de maio de 2020 - 13:41

STONKS pra isso aí hahahahah

Responder
bre.ribeiro 4 de maio de 2020 - 12:39

Whaaaat? Que novo parque? Será que eu dormi?

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 12:42

Eita, pelo jeito sim!
O parque onde a Dolores conheceu o Caleb!

Responder
Ricardo Gelatti 5 de maio de 2020 - 09:31

Mas ali parecia um cenario do westworld , nao? So que usavam esse cenario para treinamento dos militares.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 5 de maio de 2020 - 10:54

Era um novo parque. Ela fala isso com todas as letras mesmo. Embora seja similar, porque a simulação dele, ao que me parece, era baseada no Oriente Médio.

Responder
Ricardo Gelatti 5 de maio de 2020 - 11:16

Hum, entendi. Nao me liguei nisso.

Felipe Lan'ster 4 de maio de 2020 - 12:27

E aí, Luiz. To triste Mano mataram o William aubahsuaahs. Achei que essa temporada foi inferior às duas anteriores, e mesmo assim foi uma ótima temporada. Senti falta de muita coisa, principalmente daquele clima do parque e daquelas trilhas sonoras do parque, dos diálogos filosóficos, e dos plot twist de cair o queixo.Foi muito corajoso da parte dos diretores mudar o fenótipo da série. Ficou estranho no início? Sim. Tinha tudo pra ser um desastre, mas não foi. Acho que eles conseguiram entregar uma boa história, que pode muito bem levantar discussões do tipo…”E se Rehoboam existisse na segunda guerra mundial? Será que Hitler seria Hitler?” Acho que foi um final ao nível desta temporada, mas não ao nível das duas anteriores, entende? Bom, é isso.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 12:42

Falaê, @felipelanster:disqus!
Véi, mataram o William, colocaram a Dolores numa encruzilhada bizarra, zuaram a Maeve no final, que ficou parecendo um bonequinho dançando ao vento… AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA que porra de Finale foi esse???

Eu entendo o que você colocou, embora eu tenha achado o desenvolvimento dessa temporada pelo menos umas 50 vezes melhor que o final.

Responder
Rodrigo Rocha Vaz 4 de maio de 2020 - 12:15

A premissa da série é a mesma desde seu inicio, a mudança de cenário em si não pode ser usada como desculpa para uma eventual queda de qualidade, e sim algumas das escolhas dos showrunners. Não gostei da solução para Serac, um personagem que desde sempre esteve sempre alguns passos a frente de todos. Idem para “Charlores”, com tantas possibilidades interessantes, escolheram a mais confortável. A escolha por focar na revolução de Dolores infelizmente eclipsou ótimos personagens, sendo outro ponto negativo da temporada. Uma pena. O alerta foi ligado.
ABS

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 12:42

Totalmente de acordo. Aliás, a mudança de cenário poderia ser uma excelente porta de renovação da série, é o mínimo que poderíamos esperar, não?

Responder
Pedro Augusto Amaral 4 de maio de 2020 - 11:39

Um sentimento apenas: decepção.
Sempre fui partidário de que Westworld, com o ajustes certos, terminaria perfeitamente na primeira temporada, aquele final aberto é maravilhoso.
Mas ai veio a segunda temporada e foi muito boa, então senti que era justificavél de fato continuar a série, talvez sempre fosse e meu medo de acabar ruim fosse o que me impedia de ver isso.
Mas acredito que meu medo pode se concretizar, porque apesar de começar bem demais, essa temporada despencou no final. A série pra mim pecou em 2 aspectos: não saber abrir mão de seus personagens e diminuir o número de episódios.
Parece um flashback de GOT, onde o elenco fazia sucesso e não podiam mais matar personagens, então eles ficavam lá enchendo a tela sem ter objetivo. Westworld fez isso o tempo todo, até com personagens icônicas como Maeve e Bernard, sendo que a primeira teve o arco fechado na temporada passada. Clementine e outros hosts que voltaram para uma cena de luta, Lawrence convenientemente só aparece pra ajudar o Bernard, pra que? William teve uns 3 finais dignos do personagem na temporada, mas ninguém quer abrir mão do Ed Harris não é mesmo?
Já o número de episódios, de novo GOT, enxugaram para melhor uso do orçamento e devido a reclamações de enrolação na temporada passada, mas ai eles escrevem uma temporada que necessita de desenvolvimento crescente e ficam sem espaço, tendo que jogar tudo no último episódio.
Outro problema mais evidente pra mim na temporada é a exposição na série. Sério mesmo que tem que ter flashback do Caleb a cada 5 minutos pra poder falar que ele é bom? Nem é uma revelação de peso, a gente viu a temporada toda que ele presa suas escolhas, porque esse joguinho o tempo todo? E a Maeve e o Serac explicando a cada 5 segundos o que está acontecendo em tela? Eu vi o computador ser hackeado, a cor mudou, a forma perfeita de mostrar ao espectador sem ter que falar, pra 5 segundos depois a Maeve contar e o Serac fingir surpresa. Parece o Matthew McConaughey no fim de Interstellar me contando o significado de tudo.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 12:42

E o pior é que os roteiros deram a entender, durante TODOS os episódios anteriores, um plano aparentemente sólido, fingindo que sabiam onde ia chegar. Daí a gente chega e fica… “WTF???”.

Responder
Marcelo 4 de maio de 2020 - 10:47

Westworld rumando para a ilha de Lost.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 10:56

HAUHAUAHUAHUAHAU SOCORROOOOOOOOOOOO

Responder
nuwgott 4 de maio de 2020 - 10:00

Adorei tua crítica, parabéns.

Mas, Luiz, não foi por falta de aviso… Rsrsrs
A temporada já estava se desenhando para algo assim desde o início, acredito. Uma pena, pois a série era incrível :/

O grande problema de Westworld, para mim, não foi a saída do parque. Já contávamos com esta saída desde a primeira temporada, quando Maeve tentou.

O grande problema é que a terceira temporada estabeleceu uma nova narrativa de forma abrupta, onde cada personagem já possuía um local, um motivo, um meio… Que não guardava qualquer relação com as temporadas anteriores.

Nós já encaramos uma Dolores não apenas bem infiltrada, como detentora de recursos, com capacidade de construir hosts, com um plano bem definido e que desde o início é muito bem executado, além de conhecer bem o mundo exterior. Logo no primeiro episódio da série me pergunto: mas como isso é possível?

Bernard não apenas renasceu, como renasceu em um ponto distante do mundo, onde mantém uma rotina e faz auto análise, perguntando a si mesmo coisas e usando um botão para trocar de “consciência”, retorna para westworld por meio de um barquinho (o parque não está abandonado), consegue acessar aquele ambiente restrito, onde encontra um antigo colega que descobrimos ser um host que não conseguiu se matar.

Temos a Maeve que não apenas está dentro de uma simulação, mas que consegue hackear um robô fora desta simulação, poxa véi, foi aqui que eu desisti da série… E ela conhece um tal de Serac que precisa dela para acabar com a Dolores….

Como se não fosse a coisa mais fácil do mundo, para o Serac, saber onde a Dolores estar e acabar com ela.

Foi isso que nos foi apresentado no início da temporada.

Em Westworld existe um aspecto fundamental que vimos nas temporadas anteriores: todas as ações dos hosts eram orientadas por uma narrativa pré-programada. Nem Dolores, nem ninguém fazia o que fazia por livre escolha.
Tudo eram consequências de um plano do Ford. Isto fazia sentido. Dolores fez o que fez por causa da narrativa do guerreiro apocalíptico inserida por Ford.

Nesta temporada de repente nós encontramos os hosts aparentemente verdadeiramente conscientes.

Enfim, a HBO quis começar uma nova série e conseguiu. Mas só esqueceu que o público que assiste Westworld não contava com isso.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 10:56

Eu discordo sobre o início. Como você sabe, a mudança de foco não descaracterizou ou sinalizou o “início de uma queda”, porque mesmo eu que não tenho plano nenhum para a temporada, consigo pensar pelo menos umas 10 formas de isso funcionar sob esse princípio. Na verdade, o aviso me pareceu notável no episódio passado, que tomei como uma ponte para a chocante revelação e na verdade foi uma ponte para a decepção hahahahahahahhahahahahahahahhahahahahahahhahahahaha. Eu to no chão com esse final. Puta merda…

Responder
Alison Cordeiro 4 de maio de 2020 - 09:33

Aguardei o final da temporada para emitir uma opinião sobre a série. Apesar da “estranheza” da estrutura este ano, que optou por planos mirabolantes de dominação e controle mundial que fugiram do que havíamos assistido até então, dei o benefício da dúvida para ver o que se pretendia. E me desapontei bastante.

Episódios recheados de fan service, referências e muitos personagens absolutamente avulsos na trama. Cenas de ação bem feitas, mas pouco críveis, com tiroteios a lá “anos 80”, com o protagonista da cena sendo metralhado várias vezes sem receber uma única bala e atirando com a precisão de um sniper. Profissionais de segurança “bem preparados” para serem abatidos por qualquer um dos personagens principais pela conveniência do momento. Um “season finale” inútil como a participação de Bernard na série.

Como ocorreu em GoT (impossível não comparar), a grandeza proposta às cenas de ação se sobrepõe à simplicidade dos questionamentos filosóficos tão bem explorados durante especialmente a primeira temporada. Sobretudo a falta de um personagem de peso como foi Hopkins deu a sensação de vazio.

Acabei no fim como o Caleb. “Que diabos aconteceu aqui? Onde foi parar o Sr. White”?

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 10:56

Exceto para o penúltimo e este último episódio, minha visão para o desenvolvimento da série é positiva. Mas em retrospecto, ela era apenas o ovo de uma serpente horrorosa que nasce aqui e se mostra que não veio a nada. A frustração é grande, porque o nível de desperdício de potencial é +8.000

Responder
Alison Cordeiro 4 de maio de 2020 - 11:17

Você foi mortalmente preciso quando escreveu que a série precisa de coerência para evoluir. Sou totalmente a favor de narrativas abertas e finais que mais provocam questionamentos do que dão respostas. Mas no fim restou apenas a frustração de um visual fantástico e ideias muito boas com desenvolvimento abaixo do esperado. Uma pena.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 12:39

Exato. Se uma mudança desse tamanho é feita, algo orgânico e claro, em termos de rumo para a série, precisa ser estabelecido. Senão não adianta de nada!

Responder
Gabriel Bublitz 5 de maio de 2020 - 00:23

Aham, vou neste caminho de pensamento também.
Senti muita falta do Ford.
Sobre o Caleb: HAHAHAH eu tava esperando um ‘yeah, science, bitch!’ depois da ‘revelação’ que a Meave faz pro Serac que a Dolores bugou o sistema.

Responder
Roberval Machado 4 de maio de 2020 - 08:47

É, chegou o dia em que fiquei decepcionado com Westworld…

Premissa excelente, alguns episódios sensacionais e um final pífio, muito distante das temporadas anteriores.

Bernard não fez nada a temporada inteira, só ficou andando de lá para cá.

Charlotte foi a personagem melhor trabalhada ao longo da temporada, mas terminou meio como uma Terminator.

Pela última cena pós-créditos, a próxima temporada vai ter um salto temporal. Aquilo era poeira de uns dois ou três anos.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 10:56

Sim, Bernard passou bastante tempo ali. Provavelmente acordou num mundo dominado pelos hosts da Charlotte… Ai meus sais…

Responder
Barry, o Lanterna 4 de maio de 2020 - 08:26

Francamente, esta temporada foi fantástica a todos os níveis técnicos e de atuação. A única coisa que falhou (principalmente a caminha do fim) foi o roteiro. Muitas das “revelações” do final já eram previsíveis faz muito tempo. Eu não me incomodei com a mudança de género nesta temporada, inclusive, gostei imenso e acho que apesar do título, a série não deveria estar confinada ao parque, se não tinha acabado na 1ª Temporada, mas a série perdeu um pouco do “mistério” e da filosofia que tinha nas temporadas anteriores.
Em parte, acho que é por causa dos fãs que tanto reclamavam que a série era “demasiado complicada” ou que tinha “demasiadas linhas do tempo”, mas não havia necessidade do roteiro acabar assim

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 10:41

Não sei se uma gigante como a HBO dá muita bola para reclamações de fãs não. Na verdade, chego até a duvidar. Os planos de uma mudança de paradigma estavam nos planos dos criadores bem antes dessas reclamações. Mas isso agora nem tem importância, porque eles conseguiram deslocar o foco narrativo pra absolutamente NADA!!! Eu concordo contigo sobre a parte técnica. Realmente é um projeto impecável nesse sentido, sem contar que a gente tem um elenco digno de aplausos. Mas o roteiro, especialmente do penúltimo episódio para esse… mano do céu…

Responder
Barry, o Lanterna 4 de maio de 2020 - 11:39

Vamos ver como vai ser a 4ª Temporada. Com o cliffhanger que tiveram parece que vai ser um pouco de Extreminador do Futuro ?? Só espero que Evan Rachel Wood volte. Ela esteve impecável esta temporada! Não sei se seria pedir demais, mas merecia um Emmy ou pelo menos uma nomiação

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 12:42

Eu também tive essa impressão, mas com o aparente salto temporal, é razoável imaginar que Maeve e Caleb também uniram forças para montar uma frente de resistência. Sem contar que tem Bernard, o Belo Adormecido, acordando pra cuspir.

Responder
Barry, o Lanterna 4 de maio de 2020 - 13:22

kkkkk achei bem zuado o Bernard ter ficado ali no motel a apanhar pó. Quer dizer que ninguém foi limpar o quarto nem nada? kkkkk Fora que o Stubbs provavelmente ficou na banheira cheia de gelo aquele tempo todo

Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 13:41

É aquele tipo de coisa que quanto mais a gente pensa, mais defeito a gente acha!

giovanni.lautens 4 de maio de 2020 - 13:42

Acredito também que a queda de qualidade da temporada principalmente com o roteiro foi por essa reclamação dos fãs ainda, mesmo sendo HBO. teve uma mudança drástica, como os caras pensaram isso desde a a temporada, não faz muito sentido ter caído tanto assim como alguns detalhes que nunca aconteceriam na a e a temporada. Em questões técnicas, eles só precisam melhorar nos tiroteios né, é muito fraco o que acontece que distoa muito da realidade (mesmo eu nunca tendo visto um tiroteio)…

Responder
Pedro Hennrique 4 de maio de 2020 - 08:21

O que fizeram com minha Westworld?
To começando a pensar que seria melhor ter acabado na segunda temporada, aquele final deixaria algumas coisas em aberto mas faria muito sentido, afinal não é um programa de perguntas e respostas.
Assim como você, eu estava curtindo essa temporada até os dois últimos episódios e principalmente até antes desse último. Que decepção essa season finale.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 10:38

Foi um balde gigantesco de água fria. Sabe o que é confiar totalmente no projeto dos showrunners e chega no final e ficar igual aquele meme do Travolta? AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

Responder
Pedro Hennrique 4 de maio de 2020 - 16:12

Bem desse jeito mesmo, era uma série que eu confiava de olhos fechados, até pelas notícias quando a série foi lançada, ainda na primeira temporada, que eles já tinham uma história fechada pra contar em 5 temporadas. Pensei ” É isso que essa série vai ser, genial, imagina 5 temporadas nesse nível da primeira”. Ai aconteceu isso, seria cômico se não fosse trágico kkkk

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 16:47

E parece que estavam pensando em avançar até a 6ª, menino! Imagina só!

Responder
Cahê Gündel 🇦🇹 4 de maio de 2020 - 08:16

Ótima crítica como sempre, Luiz, essas 3 estrelas foram um alento pra mim hehehe

Mesmo com um baita elenco, melhor luta entre Dolores e Maeve aqui, boa direção e ótimo exercício dos setores técnicos dos episódios, chegamos ao fim do 3º ano de Westworld como mortos na praia. E pelo menos eu, passo a temer pelo que vem a seguir. Era só o que faltava…

Isso resume o que penso. Provavelmente, não verei a quarta temporada. Uma pena, era a minha série preferida da atualidade; agora só me restou Dark e uma esperança de que Twin Peaks volte.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 10:38

@cahegundel:disqus calma aí, que ideia é essa sobre Twin Peaks? Tu tá sabendo de algo que eu não sei??? Diz aí, por favor!!! Pergunto meio em desespero por pura curiosidade mesmo, já que não sou fã da 3ª Temporada, que aliás teve a capacidade de tirar Twin Peaks da minha lista de séries favoritas de todos os tempos, como você deve ter listo na nossa lista por aqui. Ai ai…

Responder
Cahê Gündel 🇦🇹 4 de maio de 2020 - 11:34

Terceira temporada de Twin Peaks mais injustiçada que O Poderoso Chefão Parte III 😛
Não sei de nada, infelizmente, só lembro que ano passado tava rolando um boato de que poderia ter uma derradeira temporada, e como a esperança é a última que morre…

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 12:42

Misericórdia!
Só falta vir mais uma temporada da série e a Cahiers botar na lista de MELHORES FILMES do ano, caindo no ego de ácido do Lynch de achar que algo produzido, escrito, dirigido, sendo continuador e divulgado como série possa, magicamente ser considerado “filme” só porque o criador disse que “isso é tão complexo que tem que ser visto como um filme de 83479583759387594 horas“… Ai ai… Mas já to fugindo do assunto hahahahahahahahahahahahaha

Responder
Cahê Gündel 🇦🇹 4 de maio de 2020 - 15:42

Um filme de 16 horas, Lav Diaz who?

Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 16:47

HAUAHUAHUAHAUHAUAHAUHAUHAUAHUAHAUHAUHAUHA

Bem por aí mesmo, viu!

Léon 4 de maio de 2020 - 12:27

Aí, meu Deus! A terceira temporada de Twin Peaks é tão ruim assim? Ainda não assisti por medo disso: a série perder todo o encanto que ela tem para mim. Fiquei órfão com o final da segunda temporada cheio de perguntas para uma terceira temporada que só veio 25/26 anos depois e toda essa demora me deu medo de querer ver esta temporada… E agora, o que eu faço, senhor???

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 12:42

Então… Não é ruim. Aliás, tem uma porção de episódios que são absolutamente brilhantes, genuinamente obras-primas. Mas cara, o contexto geral dessa temporada e principalmente aquele episódio final. Puta que pariu. Sério, eu terminei a temporada com ódio do Lynch, um diretor que fora esse momento, amo de paixão. E como disse pro @cahegundel:disqus, eu fiquei tão decepcionado e desgostei tanto do final, que a 3ª Temporada acabou tirando Twin Peaks da minha lista de séries favoritas de todos os tempos! É foda.

Responder
Léon 4 de maio de 2020 - 16:06

Ai meu Deus. Ai meu Deus. Ai meu Deus. O que está acontecendo com esse povo que começa coisas brilhantes e do nada fazem tudo desandar????!!!!!!

Não sei se continuo me segurando para adiar ver a 3ª temporada de Twin Peaks ou se acabo logo com essa angústia e vejo de uma vez.

Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 16:47

Tira logo o peso e mergulha nesse mar de garmonbozia!!! HAUAHUAHAUAHUAHUAHAUAHAUAHAHUAHUHA

Ricardo Gelatti 5 de maio de 2020 - 09:22

Eu no geral tb não curti a temporada como um todo de Twin Peaks, mas gostei do final.

Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 5 de maio de 2020 - 10:54

O último episódio, para mim, traiu a temporada. Exploro isso com mais detalhes na minha crítica, mas foi um tombo do canhão!

Léon 4 de maio de 2020 - 05:12

Passado com essa nota do Luiz para uma finale de Westworld. Seria este mais um sinal do Fim dos Tempos?

Venho acompanhando esta temporada? Não. Parei no episódio 3. Esperando os episódios voltarem a ser dublados (sim, assisto dublado). Enquanto eles não vêm, eu espero. Mas a cada novo episódio vinha aqui conferir a nota dada pelo Luiz. Já fiquei assustado com a nota do penúltimo episódio, mas com essa… Chokaid!

Ele resumiu a temporada como uma perda de tempo!!!! Não é um sinal do Apocalipse, é o próprio tornando-se palpável. Não faz isso comigo, Luiz. Tenham piedade de mim, Jonathan e Lisa…

Westworld e Dark foram séries que trouxeram uma lufada de uma nova abordagem para ficção científica sem deixar de lado os seus pilares, mostrando que sim, dá para ser dramático, emotivo, filosófico e “mais cabeça” na ficção científica sem fazer ela perder as suas características principais. Não diz que Westworld vai se transformar na minha nova Heroes, POR FAVOR! (Sim, eu amava Heroes – mesmo com suas falhas gritantes, mas a época era outra – aí veio a quarta temporada e… A série foi cancelada. Não preciso dizer mais nada).

Dizei-me, Luiz. Dizei-me logo: ainda há esperanças para esta série na quarta temporada ou esta delícia violenta terá um final violento?

Vai, não poupa-me da verdade. Enfia no meu peito o punhal lancinante de tua opinião para o futuro da série. Crava no meu coração a lâmina fria que verterá o meu sangue para fora do corpo até o fim de minha breve vida. Retira de mim as esperanças de um Admirável Mundo Novo ou as renova, pois não há escuridão que a chama de uma vela não possa romper.

Responder
Luiz Santiago 🌮😈🐂½ 4 de maio de 2020 - 10:36

HUAHAUAHUAHAUHAUHAUAHAUHAUHAUHUAHAUAUHAUHAUA

Mermão, mermão mermão… é o tipo de episódio que você precisa que ele faça a proposta da temporada ter um sentido geral, mas isso não acontece. É tudo solto, quase jogado, e falta um sentido aqui. Eu to besta com isso. Confesso que não esperava, mesmo com toda a mudança e nova jornada proposta nos episódios de desenvolvimento.

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais