Entenda Melhor | Doctor Who: As Histórias Não Produzidas do 1º Doutor

hartnell-and-daleks plano critico historias não produzidas

Doctor Who sempre teve em torno de si um time grande de criadores. Ao longo de suas décadas de existência, roteiristas das mais diversas escolas e com as mais diversas experiências enviaram roteiros para a produção da BBC, caindo, geralmente, nas mãos dos Editores de Roteiro, responsáveis por revisar e aprovar a versão final de um texto e discutir com o produtor a escalação daquele texto na temporada (ou não). Neste Entenda Melhor, eu trago informações sobre essas ideias que deveriam virar episódios mas foram barradas pela produção. Algumas dessas tramas receberam, anos depois, adaptações pela Big Finish na série The Lost Stories. E para que vocês tenham uma noção de quem eram as pessoas ligadas à organização da série, segue abaixo a lista de produtores da Era do 1º Doutor, com a indicação dos arcos de início e final de sua permanência no cargo.

Como fontes de pesquisa para montar as listas e obter informações gerais sobre as histórias desse Entenda Melhor, eu consultei um número bem grande de publicações da série, além do ótimo portal de Shannon Sulivan a respeito. Vou deixar ao final de cada história as publicações onde vocês podem encontrar essas informações. E abaixo, a lista de editores de roteiro da era do 1º Doutor, com a indicação dos arcos de início e final de sua permanência no cargo.

.

Nothing At The End Of The Lane

Equipe: 1º Doutor, Biddy, Cliff, Lola (!!!)
Nº de Episódios: 1
Autor: CE Webber
Planejado para: 1ª Temporada (episódio de estreia da série!)

Biddy e seus professores conhecem um estranho senhor com amnésia e descobrem sua invisível máquina do tempo.

Notas de produção: Esta foi apenas uma ideia registrada por Weber quando a série ainda estava em desenvolvimento (estágio 3), para o que deveria ser o episódio de estreia do programa. A ideia foi submetida à produção em maio de 1963. Sydney Newman não gostou da ideia de a nave ser invisível. Fontes: Doctor Who Magazine #208; Doctor Who – The Handbook: The First Doctor.

plano critico estudio doctor who

A ideia original para o início de Doctor Who era bem diferente daquela que foi aprovada…

.
The Giants

Equipe: 1º Doutor, Sue, Cliff, Lola (!!!)
Nº de Episódios: 4
Autor: CE Webber
Planejado para: 1ª Temporada (arco de estreia da série!)

Sue e seus professores Cliff e Lola encontram um estranho homem em meio a névoa. Ele diz se chamar “Dr. Who” e o grupo descobre que ele vive em uma nave espacial em forma de Police Box, que é maior por dentro. Alguns botões são apertados de maneira errada e eles são transportados para o laboratório de Cliff, mas chegam lá miniaturizados. A aventura no laboratório envolvia uma lagarta, uma aranha, um compasso de um estudante e a lente de um microscópio. No final, eles conseguiam se comunicar com os estudantes e retornam para a nave.

Notas de produção: Escrita em maio de 1963, essa história não agradou ao criador de Doctor Who, Sydney Newman, que achou estranho começar a série com lagarta e aranha como “monstros”. O Lime Grove Studio, onde a série deveria ser filmada, também tinha limitações que tornava a realização praticamente impossível. Pouco tempo depois, Robert Gould fez uma adaptação do roteiro para os novos personagens da série, para a 3ª Temporada, mas a ideia também foi rejeitada. Em 1964, a ideia foi finalmente produzida, mas sob o tratamento de Louis Marks, gerando o arco Planet Of Giants. Fontes: Doctor Who Magazine #209; Doctor Who – The Handbook: The First Doctor.

“Os Gigantes” acabou sendo produzido, mas não como foi originalmente concebido.

.
Britain 408 AD

Equipe: 1º Doutor, Susan, Ian, Barbara
Nº de Episódios: 6
Autor: Malcolm Hulke (que escreveu para série os arcos: 35, 50, 52, 58, 62, 67 e 71)
Planejado para: 1ª e 3ª Temporadas

O enredo mostrava a partida dos romanos da Bretanha, no início do século V da nossa era, em um ambiente de disputas bélicas entre Celtas e Saxões. Ao final, o grupo voltava correndo para a TARDIS, saindo do lugar de maneira emergencial, muito semelhante ao que ocorreu na aventura Pré-Histórica que originou a série.

Notas de produção: A trama foi enviada para a produção em 2 de setembro de 1963. O editor de roteiros, David Whitaker, pediu para que Hulke revisasse o enredo, pois sentiu que a quantidade de facções representadas tornava a trama bastante complexa e porque o final lembrava muito An Unearthly Child. Esperava-se que Britain 408 AD ocupasse o 6º arco da 1ª Temporada de Doctor Who, com direção de Christopher Barry, mas em 23 de setembro a produção achou que a temporada não deveria ter outra aventura histórica e encostou o enredo de Hulke. Curiosamente o lugar foi ocupado por The Aztecs (mancada pouca é bobagem, não é mesmo?). Quase dois anos depois o autor submeteu o roteiro novamente à produção, mas foi rejeitado pelo novo editor de roteiros, Dennis Spooner, em 23 de abril de 1965, porque a civilização mostrada em Britain 408 AD já tinham aparecido em The Romans. Fontes: Doctor Who Magazine #310; DWM Special Edition #7; Doctor Who — The Handbook: The First Doctor.

.

The Dark Planet

 

Equipe: 1º Doutor, Vicki, Ian e Barbara
Nº de Episódios: 6
Autor: Brian Hayles (que escreveu para série os arcos: 24 (ideia inicial), 28, 39, 48, 61 e 73)
Planejado para: 3ª Temporada

Notas de produção: O enredo foi rejeitado no dia 26 de fevereiro de 1965 porque o editor de roteiros, Dennis Spooner, temia uma grande aproximação com o roteiro de Malcolm Hulke ainda em processo de escrita (The Hidden Planet, que também não seria produzido). Em setembro de 2013, a Big Finish lançaria a adaptação desse roteiro, feita por Matt Fitton. Leia a crítica aqui. Fontes: Doctor Who — The Handbook: The First Doctor; Doctor Who Magazine Special Edition #7; Nothing At The End Of The Lane #3.

A Big Finish produziu uma interessante versão para esta história do “Planta Negro”.

.
The Living Planet

Equipe: 1º Doutor, Suzanne, Ian, Barbara
Nº de Episódios: 4
Autor: Alan Wakeman
Planejado para: 1ª Temporada

A TARDIS chega a um planeta coberto por um padrão de pequenos hexágonos. A equipe é atacada por um peixe voador de metal, que também rondava a nava. Mais adiante, descobria-se que o peixe era parte do bizarro ecossistema do planeta, cuja composição trairia ainda mais surpresas, como o fato de que todos aqueles padrões de hexágonos e seus buracos eram como células de pele do planeta respirando, e toda a superfície era inteira um organismo vivo. A criatura-planeta tenta absorver a TARDIS, mas sua estrutura alien não é “digerida” e ele expele a nave, permitindo que os viajantes embarquem e fujam do lugar.

Notas de produção: Alan Wakeman fazia parte do primeiro time de escritores convidados pela BBC no começo de 1963, para fazer parte de Doctor Who, quando a série ainda estava em desenvolvimento. As anotações de “pilot” traz a especulação de que este seria, de fato, o arco de estreia da série (são tantos candidatos!), o que pode ser confirmado pelo nome da neta do Doutor, ainda marcado como Suzanne. Os nomes dos episódios seriam Airfish, What Eats What?, The Living Planet e Just In Time. O roteiro foi considerado “muito sofisticado para audiência jovem” e então abandonado. Em 2005, Wakeman ofereceu o roteiro para Russell T Davies, para a Nova Série, mas não foi aceito. Fontes: Doctor Who Magazine Summer Special 1994; DWM Special Edition #4; Doctor Who – The Handbook: The First Doctor; Nothing At The End Of The Lane #3.

the living planet doctor who histórias não produzidas

Uma ideia realmente sofisticada!

.
The Red Fort

Equipe: 1º Doutor, Susan, Ian, Barbara
Nº de Episódios: 7
Autor: Terry Nation (que escreveu para a série os arcos 2, 5, 10, 16, 19, 21, 68, 72, 78, 83 e 104)
Planejado para: 1ª Temporada

Os viajantes são envolvidos na Rebelião Indiana de 1857, quando tropas hindus se colocaram contra a British East India Company. A invasão do palácio Moghul em Nova Délhi (o Red Fort), em 11 de maio de 1857, provavelmente seria um dos ápices do arco.

Notas de produção: Nation enviou o roteiro para a produção em 24 de setembro de 1963. Ao que tudo indica, o autor não gostou exatamente de escrever The Daleks e depois de terminar o enredo de The Red Fort, parece ter se esquecido completamente dele. O fato é que após ser considerada para o terceiro arco da temporada, a trama foi adiada e finalmente abandonada em 21 de janeiro de 1964. A esta altura, Nation tinha sido solicitado para escrever o que se tornaria The Keys Of Marinus.

Sobre uma história ambientada nesse mesmo cenário, há uma curiosidade. Em fevereiro de 1963, meses antes de Nation, o escritor John Lucarotti (que escreveu Marco Polo, The Aztecs e The Massacre of St Bartholomew’s Eve) teve a ideia de uma história no período da tal Rebelião Indiana, mas não escreveu nada, apenas conversou com o editor de roteiros, Dennis Spooner. Fontes: Doctor Who Magazine #233Doctor Who Magazine #310; Doctor Who – The Handbook: The First Doctor.

the red fort plano critico

Seria legal uma história com o 1º Doutor na Rebelião Indiana de 1857!

.
The Fragile Yellow Arc Of Fragrance

Equipe: 1º Doutor, Susan, Ian e Barbara
Nº de Episódios: 1
Autor: Moris Farhi
Planejado para: 1ª Temporada

Notas de produção: Em 6 de janeiro de 1964 o editor de roteiros David Whitaker contatou Farhi para que escrevesse um roteiro para a série. O autor aceitou e enviou uma história de um episódio para ser produzida, mas ela foi considerada muito “forte” para Doctor Who, e engavetada. Em 2010, a Big Finish lançou a adaptação desse roteiro, feita por John Dorney. Leia a crítica para esta adaptação aqui. Fonte: Doctor Who Magazine Special Edition #7.

.
The Hidden Planet

Equipe: 1º Doutor, Susan, Ian e Barbara (primeira versão) e Susan, Ian e Vicki (segunda versão)
Nº de Episódios: 6 (primeira versão) e 5 (segunda versão)
Autor: Malcolm Hulke
Planejado para: 1ª, 2ª e 3ª Temporadas

A TARDIS chega ao “décimo planeta”, um mundo aparentemente idêntico à Terra, mas com uma órbita solar oposta à nossa. Outras diferenças se percebiam: abundância de trevos de quatro folhas, estranho reflexo nos espelhos e mulheres como sexo dominante, com os homens lutando por igualdade. A líder do planeta era uma versão de Barbara. A companheira do Doutor é sequestrada pelos rebeldes. Enquanto isso, o Doutor, Ian e Susan são metidos no meio do sufrágio masculino.

Notas de produção: Malcolm Hulke foi convidado para contribuir em Doctor Who em julho de 1963. Em 2 de setembro, ele enviou essa ideia para a produção e imediatamente começou a trabalhar em Britain 408 AD. Em 23 de setembro, foi pedido para que ele parasse com o roteiro dos romanos saindo da Bretanha e desenvolvesse o enredo de The Hidden Planet. Entre meados de outubro de 1963 e janeiro de 1964, o roteiro foi parcialmente escalado para posições diferentes dentro da temporada. A versão parcial, porém, assustou a produção pela temática e Hulke foi solicitado para que os reescrevesse. O autor argumentou, mas não teve jeito. Em março de 1964 ele aceitou reescrever. Em julho de 64, a história foi considerada para o meio da segunda temporada, mas não era possível adequá-la para a partida de Susan, além do fato de a “falta de monstros” na trama incomodar um pouco a produção. Em setembro, a história foi abandonada e em 20 de outubro de 1964 foi formalmente rejeitada. No ano seguinte, Hulke reapresentou a história, mas ela foi novamente rejeitada, em 2 de abril de 1965, porque apresentava Ian e Barbara… e a dupla já estava prestes a sair da série. Não havia tempo para mais uma “história de desenvolvimento” com eles. Fontes: Doctor Who Magazine #310; DWM Special Edition #7; Doctor Who – The Handbook: The First Doctor.

.
Farewell, Great Macedon

Equipe: 1º Doutor, Susan, Ian e Barbara
Nº de Episódios: 6
Autor: Moris Farhi
Planejado para: 1ª Temporada

Notas de produção: Mesmo tendo rejeitado outro roteiro de Moris Farhi para a 1ª Temporada (o excelente The Fragile Yellow Arc Of Fragrance), o editor de roteiros David Whitaker encorajou o autor a mandar outras ideias para serem avaliadas. Em 24 de janeiro de 1964, Whitaker sugeriu ao roteirista uma história sobre Barba-Ruiva, o almirante de esquadra – para muitos, “pirata” – otomano nascido na ilha grega de Lesbos, no século XV. Mas Farhi tinha grande apreço por mitologia greco-romana e suas respectivas histórias e sociedades, então ignorou o conselho do editor e escreveu uma trama sobre Alexandre, o Grande.

Na época, a produção da série procurava localizar os eventos históricos o mais longe possível de figuras e momentos muito conhecidos, pois a BBC estava recebendo muitas críticas das escolas, porque os alunos viam a série e discutiam com os professores que “não tinha sido daquele jeito”. Farhi relutou em fazer as edições necessárias e a ideia foi abandonada em 31 de julho de 1964. Em 2010, a Big Finish lançou a adaptação desse roteiro feita por John Dorney. Leia a crítica para esta adaptação aqui. Fonte: Doctor Who Magazine #294.

.
The New Armada

Equipe: 1º ou 2º Doutor, Susan, Ian, Barbara
Nº de Episódios: 6
Autor: David Whitaker (que escreveu para a série os arcos 3, 11, 14, 30, 36, 40, 43 e 53)
Planejado para: 1ª, 2ª e 3ª Temporadas

A aventura deveria se passar depois da Invencível Armada, a maior batalha da Guerra Anglo-Espanhola, que aconteceu em 29 de julho de 1588.

Notas de produção: Whitaker começou a escrever o roteiro no começo de fevereiro de 1964 e a aventura deveria ser dirigida por Gerald Blake (de The Abominable Snowmen e The Invasion of Time). A ideia foi adiada devido a alocação de histórias como The Reign Of Terror e The Dalek Invasion Of Earth. Whitaker submeteu a aventura para o novo escritório de produção de Doctor Who, mas sua ideia foi rejeitada em 17 de janeiro de 1966, porque o editor de roteiros, Gerry Davis, achou a história muito complexa, com muitos personagens e subtramas.

.
The Slide

Equipe: 1º Doutor, Susan, Ian Barbara
Nº de Episódios: ?
Autor: Victor Pemberton (que escreveu para a série o arco 42)
Planejado para: 2ª Temporada

Uma forma senciente de lama emerge de uma rachadura no solo e toma conta da população campesina na Inglaterra.

Notas de produção: História rejeitada em 24 de setembro de 1964, porque o editor de roteiros, David Whitaker achou que colocava novamente muitas ideias trabalhadas na 1ª Temporada, além de se parecer com algo de Nigel Kneale para a série Quatermass. O autor então enviou uma versão do roteiro para a BBC Radio em 17 de agosto de 1964 e a trama foi produzida como radiodrama no BBC Light Programme e exibida a partir de 13 de fevereiro de 1966. No ano seguinte, o autor adaptou o texto e reenviou para a BBC, e essa história viria a ser tornar Fury From The Deep. Fontes: Doctor Who Magazine #277; Doctor Who – The Handbook: The First Doctor.

Não foi como esperado, mas foi produzido!

.
The Masters Of Luxor (ou The Robots)

Equipe: 1º Doutor, Susan, Ian e Barbara
Nº de Episódios: 4 (primeira versão) e 6 (segunda versão)
Autor: Anthony Coburn (que escreveu para a série o arco 1)
Planejado para: 1ª e 2ª Temporadas

Notas de produção: Um roteiro de Anthony Coburn (100.000 BC ou An Unearthly Child) já tinha sido escolhido como estreia da série, substituindo The Giants, de CE Webber, e o autor foi solicitado para escrever o texto que substituiria o atual cotado para o Arco #2. No começo de junho ele enviou o primeiro tratamento de uma história chamada The Robots, mas precisou fazer ajustes e reenviar em 3 de julho, agora com 6 episódios. Inicialmente a trama se passava na Terra, no século XIII, mas depois foi alterada para um outro planeta. A produção estava cada vez menos contente com o rumo da história e substituiu o segundo arco da série por The Daleks, enquanto o autor fazia mudanças no roteiro, que logo passou a se chamar The Masters Of Luxor.

No início de 1964 a história foi realocada para ser o meio da 2ª Temporada da Série, mas os adiamentos foram se seguindo e, no final do ano, a produção abandonou definitivamente o enredo. Em agosto de 1992, a Titans Books publicou o texto, com edições de John McElroy. Em 2012, a Big Finish lançou a adaptação desse roteiro feita por Nigel Robinson. Leia a crítica para esta adaptação aqui. Também existe um fan filme que adapta essa história. Fontes: Doctor Who – The Scripts: The Masters Of Luxor; Doctor Who – The Handbook: The First Doctor; Doctor Who Magazine #331; DWM Special Edition #7.

Cena do filme que adapta The Masters of Luxor. Anthony Sarlo interpreta o 1º Doutor.

.
The Hounds Of Time

Equipe: 1º ou 2º Doutor, Ben e Polly
Nº de Episódios: 4
Autor: Brian Hayles (que escreveu para a série os arcos 24, 28, 39, 48, 61, 73)
Planejado para: 4ª Temporada

Um cientista chamado Melloris estava usando cães robóticos para caçar humanos e levá-los para seu laboratório, no planeta Terrin. Ben e Polly são capturados e o Doutor persegue os cães até Terrin e confronta o cientista Melloris. O Doutor descobre que o Senhor da Guerra desse planeta (Vartan) estava estudando a Terra e tentando estabelecer o melhor período para invadir e tornar o planeta parte de suas conquistas. Melloris acaba mudando de ideia, mas é morto. Ben e Polly se libertam e o Doutor engana o computador de ataque (marcado para 1970) com um paradoxo lógico, impedindo que a invasão fosse feita.

Notas de produção: Enviado por Hayles mais ou menos próximo à submissão de The Smugglers para a série. Nenhuma nota de produção foi encontrada. O enredo foi encontrado por Mark Hayles, nas coisas de seu falecido pai. Fonte: Nothing At The End Of The Lane #3 (fanzine).

.
Sem Título

Equipe: 1º Doutor, Susan, Ian, Barbara
Nº de Episódios: ?
Autor: Robert Gould
Planejado para: 1ª e 2ª Temporadas

A TARDIS chega em um planeta onde as plantas tratavam os animais (inteligentes ou não) igual os humanos tratam as plantas na Terra.

Notas de produção: A ideia foi inicialmente bem recebida, mas a produtora Verity Lambert apontou que haviam muitas semelhanças com o livro The Day Of The Triffids (1951), o que poderia trazer alguns problemas para a série. A ideia foi rejeitada em 9 de fevereiro de 1964. Em março, porém, o editor de roteiros David Whitaker precisou explicar e defender The Screaming Jungle, o episódio 3 de The Keys Of Marinus, que apresentava “plantas vs. humanos“. Havia uma não-formal acusação de plágio. No final, o chefe da série na BBC, Donald Wilson, entendeu que não houve plágio. Fontes: Doctor Who Magazine #310; Doctor Who — The Handbook: The First Doctor.

.

Histórias Com Poucas Informações

Diferente do bloco acima, temos aqui as histórias rejeitadas sobre as quais poucas informações sobraram. A maioria delas só são conhecidas devido a memorandos encontrados nos arquivos da BBC ou breves descrições ditas pelos próprios autores ou pelos editores de roteiros em entrevistas.

The Son Of Doctor Who: ideia original de William Hartnell (o 1º Doutor) para a 2ª ou 3ª Temporadas. O Doutor encontrava alguém muito semelhante a ele — Hartnell interpretaria os dois papéis –, um Time Lord maléfico, que seria revelado como seu filho. A ideia veio porque Hatnell queria variar sua participação na série, interpretar outros papéis (como fez com o Abade de Amboise em The Massacre of St Bartholomew’s Eve). A ideia parece não ter sido muito levada a sério pela produção. Fonte: Doctor Who Magazine #233.

The White Witch: escrito por Brian Hayles para a 3ª Temporada. Enviado para a produção em 16 de novembro de 1965. A ideia foi abandonada em 17 de janeiro de 1966 pelo editor de roteiros Donald Tosh, que estava de partida e não via a história se encaixar na visão da futura equipe de produção (uma desculpa esfarrapada, a meu ver). Fontes: Doctor Who Magazine #196; Doctor Who — The Handbook: The First Doctor.

The Face Of God: escrito por John Wiles, possivelmente para a 3ª Temporada. A trama apresentava uma enorme formação se materializando, em pleno espaço, em frente à TARDIS e alguém saindo de lá e dizendo ser Deus. Wiles teve essa ideia enquanto era produtor da série, em 1965. Fonte: Doctor Who: The Sixties.

The Hands Of Aten: escrito por Brian Hayles para a 3ª Temporada. Enviado para a produção em 16 de novembro de 1965 e abandonado em 17 de janeiro de 1966 porque o editor de roteiros Donald Tosh, que estava de partida, sentiu que o enredo não casava com a visão para a série que o próximo time de condução, Innes Lloyd (produtor) e Gerry Davis (editor de roteiros) tinham. Outra desculpa bizarra e esfarrapada. Fontes: Doctor Who Magazine #196; Doctor Who – The Handbook: The First Doctor.

The Clock: escrita por David Ellis (co-autor de The Faceless Ones) para a 4ª Temporada. Rejeitada pelo editor de roteiros em 4 de abril de 1966. Fonte: Doctor Who – The Handbook: The First Doctor.

The Evil Eye: escrito por Geoffrey Orme para a 4ª Temporada. Rejeitado pelo editor de roteiros de 4 de abril de 1966. Fonte: Doctor Who – The Handbook: The First Doctor.

The Ocean Liner: escrito por David Ellis para a 4ª Temporada. O enredo seria algo como um suspense de espionagem. A ideia foi rejeitada em 4 de abril de 1966. Fontes: Doctor Who – The Handbook: The First Doctor; Doctor Who Magazine Special Edition #7.

The Hearsay Machine e The Heavy Scent Of Violence: histórias escritas por George Kerr para a 4ª Temporada. Submetidas para a produção no começo de abril de 1966 e rejeitadas pelo editor de roteiros, Gerry Davis, em 15 de junho. Fontes: The Doctor Who Chronicles: Season Four; Doctor Who Magazine Special Edition #7.

The People Who Couldn’t Remember: roteiro completo escrito por David Ellis e Malcolm Hulke para a 4ª Temporada. Tratava-se de uma história satírica, enviada para a produção em abril de 1966 e rejeitada formalmente em 15 de junho de 1966, muito por conta da má recepção da “comédia musical” The Gunfighters. Fontes: Doctor Who Magazine #212; DWM Special Edition #7; Doctor Who – The Handbook: The First Doctor.

The Herdsmen Of Aquarius (ou The Herdsmen Of Venus): roteiro de 4 episódios escrito por Donald Cotton para a 4ª Temporada. A trama estabelecia que o Monstro do Lago Ness era um tipo de gado criado por fazendeiros de Aquarius ou Vênus. A história foi rejeitada em junho ou agosto de 1966 porque não foi bem-vista pelo produtor e editor de roteiros, que estavam buscando histórias “mais sérias”. A dupla de criadores também reclamaram que Cotton era alguém difícil de se contatar. Fontes: Doctor Who Magazine #221; Doctor Who: The Sixties.

The Man From The Met: escrito por George Kerr para a 4ª Temporada. A ideia foi enviada para o editor de roteiros, Gerry Davis, em abril de 1966 e rejeitada em 15 de junho. Fontes: The Doctor Who Chronicles: Season Four; Doctor Who Magazine Special Edition #7.

The Nazis: escrito por Brian Hayles para 4ª Temporada. O enredo foi enviado para a produção em 8 de maço de 1966. No mesmo período, sua escrita para o roteiro de The Smugglers foi classificada como “prioridade”. O roteiro com os nazistas foi abandonado definitivamente em 15 de junho, principalmente devido à proximidade dos eventos, o que poderia gerar alguns problemas para a produção. Fontes: Doctor Who Magazine #321; DWM Special Edition #7; Doctor Who – The Handbook: The First Doctor.

LUIZ SANTIAGO (Membro da OFCS) . . . . Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.