Especial | Mulher-Maravilha

Wonder Woman mulher maravilha plano critico

Diana de Themyscira, ou Diana Prince, a Mullher-Maravilha, um dos ícones mundiais da cultura pop e a mais importante heroína da história dos quadrinhos, apareceu pela primeira vez na revista All Star Comics #8, publicada em 1941. Criada por William Moulton Marston ou Charles Moulton (roteiro) e H. G. Peter (arte), a heroína faria imediato sucesso e logo em 1942 ganharia o seu próprio título, iniciando uma jornada ininterrupta de publicações — com variações, ao longo dos anos, entre bimestrais e mensais –, um feito e tanto para uma HQ com protagonista feminina.

Ao longo dos anos, sua origem foi recontada e suas relações com os deuses do Olimpo, sua mãe Hipólita e com outras Amazonas da Ilha Paraíso também foram temas de arcos e revelações inimagináveis. Todavia, mesmo com as revisões e modernizações exigidas pelo tempo, sua essência e valores permaneceram os mesmos. Muitos dos ideais feministas estiveram em pauta ao lado da personagem, embora uma parcela de suas histórias ou o tratamento dado a ela em determinadas fases, tenham sido alvo de críticas dentro e fora da indústria dos quadrinhos.

Em outubro de 2016, na esteira de comemorações dos 75 anos da personagem, a Organização das Nações Unidas nomeou a Mulher-Maravilha como Embaixadora Honorária para o Empoderamento das Mulheres e Meninas (veja no site da própria ONU aqui), estabelecendo o dia 21 de outubro como “Dia Internacional da Mulher-Maravilha”. Por algum motivo, foram feitas petições para que a entidade retirasse o título, visto que, segundo diziam essas críticas, “o ideal de corpo e comportamento das mulheres não eram representados por Diana, o que tornava a escolha patética“. Não bastasse a insanidade dessas “críticas”, a ONU cedeu, deu voz à loucura alheia e, um mês depois, retirou o título. Embora isso seja triste, não tem importância. A Mulher-Maravilha já representava esses valores há 75 anos e certamente os seguirá representando. Diana sempre será uma voz pela igualdade e pela verdade no mundo dos homens.

Este Especial reúne todas as publicações do Plano Crítico referentes à personagem, divididas em categorias-chave para que vocês possam acessar e então conferir as críticas e artigos de todo o material da Mulher-Maravilha por aqui. Desejamos a todos uma boa leitura e uma excelente viagem pelo Universo desta Amazona maravilhosa.
.

Filmes

mulher-maravilha-trilha-sonora-plano-critico

.

Quadrinhos

Wonder Woman - Spirit of Truth (2001) plano critico critica

.

Animações

mulher maravilha 2009 plano critico

.

Televisão

mulher_maravilha_2011_plano_critico

.

Artigos

mulher_maravilha_trailer_2_plano_critico.

LUIZ SANTIAGO (OFCS) . . . . Após recusar o ingresso em Hogwarts e ser portador do Incal, fui abduzido pela Presença. Fugi com a ajuda de Hari Seldon e me escondi primeiro em Twin Peaks, depois em Astro City. Acordei muitas manhãs com Dylan Dog e Druuna, almocei com Tom Strong e tive alguns jantares com Júlia Kendall. Em Edena, assisti aulas de Poirot e Holmes sobre técnicas de investigação. Conheci Constantine e Diana no mesmo período, e nos esbaldamos em Asgard. Trabalhei com o Dr. Manhattan e vi, no futuro, os horrores de Cthulhu. Hoje, costumo andar disfarçado de Mestre Jedi e traduzo línguas alienígenas para Torchwood e também para a Liga Extraordinária. Paralelamente, atuo como Sandman e, em anos bissextos, trabalho para a Agência Alfa. Nas horas vagas, espero a Enterprise abordar minha TARDIS, então poderei revelar a verdade a todos e fazer com que os humanos passem para o Arquivo da Felicidade, numa biblioteca de Westworld.