Home Colunas Fora de Plano #75 | Um Novelão Chamado Star Wars

Fora de Plano #75 | Um Novelão Chamado Star Wars

por Luiz Santiago
903 views (a partir de agosto de 2020)

Há muito tempo, num planeta muito, muito distante, um famoso MC chegava aos seus últimos suspiros de vida. Olhando ao redor, para os representantes Venusianos que o cercavam, ele estendeu o braço repleto de feridas viscosas e purulentas, e apontou para o Orbe-Memória à sua frente. Xizt3, o Sumo Sacerdote Venusiano que acompanhava o famoso MC em seu leito de morte, entendeu que era chegada a hora da grande revelação. E naquele momento, todos souberam que o destino da Galáxia estava para mudar completamente.

Quer Vinho?” foi um dos maiores MCs-representantes do NOV [EL]: A, um gênero matesical (união quântico-espiritual entre música e matemática, desenvolvida por São Tiago no século XXXVI) responsável pelo Primeiro Grande Cisma, a separação intelectual entre os CABLPDC do planeta Terra naquele momento. Isolado, “Quer Vinho?” foi levado a julgamento e condenado a um exílio de 56 anos nas Lepro-Minas de Vênus. Foi durante o cumprimento de sua pena que ele se converteu à Lok-Ura, uma religião local praticada por teóricos polêmicos e condenados por tribunais terrestres.

Ao longo de muitos anos, milhares de mercadores das guildas comerciais próximas à Via Láctea, principalmente da Anã Elíptica de Sagitário e da Grande Nuvem de Magalhães, narravam, em suas naves, que existia um Orbe-Memória contendo todos os manuscritos daquilo que fez com que o famoso MC fosse condenado. Apesar de chamar muito a atenção de todos os que ouviam essas narrativas, tais falas foram progressivamente entendidas como mitos, inclusive incentivados pelo moribundo MC, a fim de aumentar a curiosidade em torno de si, então consumido por feridas do tamanho de pires e tido como uma espécie de mentor pelos seguidores da Lok-Ura. Apenas o Sumo Sacerdote Venusiano e alguns de seus auxiliares sabiam que toda aquela narrativa era a mais pura verdade.

O tempo passou, e a hora, enfim, chegou. “Quer Vinho?” sentida que sua vida, finalmente, chegava ao fim. Quando estendeu a mão, seu velho amigo Xizt3 soube que as Galáxias então conheceriam a verdade. Seria publicada a história que esteve guardada por muitos e muitos anos e que a pedido do próprio MC, deveria ser divulgada a todos quando sua mão se estendesse para o Orbe-Memória, nos momentos finais de sua vida.

A morte chegou silenciosa para “Quer Vinho?“. Vítima da fatal e horrenda doença das Lepro-Minas, o famoso MC não pode viver para ver o impacto que sua grande revelação causou na Via Láctea e suas proximidades. Chegou a todos os lugares a sua épica jornada, o relato de uma sociedade que o MC registrou após ter contato com um antigo documento terráqueo, onde um escriba perguntava sobre o assassino de uma mulher chamada Sara, durante a primeira temporada de algum tipo de exibição. Hoje, tantas décadas depois, temos o privilégio de ler este épico histórico e constatar o medo que milhões de articulistas preconceituosos tinham do gênero NOV [EL]: A, posição que causou dor, sofrimento e inúmeras injustiças na vida de milhões de intelectuais pelo Espaço afora. Se pudesse, nesses meus anos de maturidade, ter um desejo a ser realizado, seria entrar em contato com algum Pirata do Tempo e fazer com que essa obra-prima do gênero fosse deslocada de sua timeline e publicada muito antes, causando uma ruptura histórica sem precedentes. E é assim que finalizo o meu registro de hoje, Orbe-Memória. Favor gravar os arquivos. Desligar.

Arquivo de Sumo Sacerdote Sã Ti Ago, século XXXVIII. Catálogo confidencial. Histórico de pesquisa revelado adiante. Posicione-se diante da luz azul para reconhecimento de DNA e início de uma nova pesquisa.

.

Guerra Usurpadora nas Estrelas da Maria do Bairro

Um manuscrito de “Quer Vinho?“, o MC. Texto baseado na narrativa de KR, escriba terráqueo do século XXI.

CANTO I

Brogodó está
em grande tumulto. João Coragem
segue na disputa
pelas rotas comerciais
da Terra Nostra exterior.

Na esperança de resolver o
assunto com um bloqueio de
implacáveis naves de guerra,
o ganancioso Odorico Paraguaçu
interrompe todos os
carregamentos para a
pequena Saramandaia.

Enquanto Sinhozinho Malta debate
incessantemente esta
alarmante cadeia de
acontecimentos, Odete Roitman
manda secretamente
Nazaré Tedesco e Sassá Mutema,
os guardiões da paz e da justiça,
até o Morro da Macaca, para resolver o conflito…
.

CANTO II

Uma inquietação toma conta de
Tabacópolis. Milhares
de cidadãos declararam
suas intenções em deixar Brogodó.

Esse movimento separatista,
sob a liderança de Félix, tem criado
dificuldades para o limitado
número de Tedescotes e Mutemotes
manter a paz e a ordem no Morro.

Senadora Carminha, a antiga
rainha de Saramandaia, está
retornando a Tabacópolis
para a votação
da proposta de criação
do Exército de Brogodó,
para auxiliar Nazaré e Sassá…
.

CANTO III

Guerra! Brogodó está
desmoronando sob o ataque do
impiedoso Roque Santeiro.
Há heróis de ambos os
lados. O Mal está por toda a parte.

Em uma manobra surpreendente,
o diabólico líder Perpétuo,
Tatuapú Guapurú, invadiu a
capital de Brogodó e
sequestrou Odete Roitman,
líder de Tabacópolis.

Enquanto o Exército Separatista
de Perpétuos tenta escapar da
capital sitiada com sua
valiosa refém, Nazaré e Sassá
lideram uma missão
desesperada para resgatar Odete…
.

CANTO IV

É um período de guerra civil.
Partindo de uma base secreta,
naves Mocotós atacam e
conquistam sua primeira
vitória contra a perversa
Viúva Porcina.

Durante a batalha, espiões
Mocotós conseguem roubar
os planos secretos da arma
decisiva da Viúva, o
Avião de Zazá, uma
máquina blindada
com poder suficiente para
destruir um planeta inteiro.

Perseguida pelos sinistros
agentes da Viúva Porcina,
Tieta apressa-se em voltar
para casa, a bordo de sua
nave Mocotó, protegendo
os planos roubados que
podem salvar seu povo e
restaurar a liberdade no
Morro da Macaca…
.

CANTO V

É um período crítico para as
Forças Mocotós. Embora o
Avião de Zazá tenha sido
destruído, as Tropas da Viúva Porcina
conseguem expulsar os
Mocotós de sua base
secreta e os perseguem por
todo o Morro da Macaca.

Fugindo da terrível Frota, um grupo de
Mocotós chefiados por Santo Iago,
estabelece uma
nova base secreta no remoto
mundo gelado de Passaperto.

O senhor do mal, Lorde RiFa,
obcecado pela ideia de
encontrar o jovem Santo,
envia milhares de sondas
remotas para os pontos mais
longínquos do Morro…
.

CANTO VI

Santo Iago voltou ao
seu planeta natal, Sucupira,
na tentativa de salvar seu
amigo Quevedo Rico das garras
do desprezível bandido
Pé de Pêra.

Santo ainda não sabe que a
Viúva Porcina iniciou
secretamente a construção
de uma nova máquina, mais
poderosa que o primeiro
e temido Avião de Zazá.

Quando estiver pronta, esta
arma definitiva certamente
significará o fim do pequeno
grupo de Mocotós que luta
para devolver a liberdade
ao Morro da Macaca…
.

CANTO VII

Santo Iago desapareceu.
Em sua ausência, a tenebrosa
Bia Falcão ascendeu das
cinzas da Viúva Porcina e não
descansará até que Santo seja destruído.

Com o apoio de Brogodó,
Tieta lidera a corajosa Rutinha.
Ela está desesperada para
encontrar seu irmão Santo e
receber a ajuda dele para
restaurar a paz e manter
a justiça no Morro.

Tieta enviou seu mais
experiente piloto em uma
missão secreta para Tubiacanga,
onde um antigo aliado
descobriu uma pista sobre
o paradeiro de Santo….
.

CANTO VIII

Bia Falcão reina.
Tendo dizimado a pacífica Brogodó,
José Alfredo agora envia
suas implacáveis legiões para assumir
o controle militar do Morro da Macaca.

Somente os guerreiros de Rutinha, sob comando de Tieta
se colocam contra a tirania crescente,
certos de que Santo Iago vai retornar
e devolver uma fagulha de esperança à luta.

Mas Rutinha foi exposta.
Enquanto Bia Falcão se direciona para a Base Mocotó,
os valentes heróis preparam uma fuga desesperada…
.

CANTO IX

Os mortos falam!
O Morro da Macaca ouviu uma
transmissão misteriosa,
uma ameaça de vingança na voz sinistra
da falecida Odete Roitman.

Tieta envia agentes secretos
para reunir informações, enquanto Heleninha,
a última esperança de Nazaré e Sassá,
treina para a batalha contra a diabólica Bia Falcão.

Enquanto isso, o líder supremo, Carlão,
se enfurece em busca do fantasma de Odete,
determinado a destruir
qualquer ameaça ao seu poder.

Não foram encontradas mais memórias desse épico. Um documento em anexo diz que arqueólogos digitais ainda procuram por vestígios dessa relíquia pelo mais recônditos cantos da UniverNet. Nenhum sinal de que possam encontrar algo foi recebido até o presente momento. Alguns, porém, ainda mantêm a esperança…

Você Também pode curtir

18 comentários

Luiz Lima 24 de abril de 2021 - 20:44

Sou lerdo, li duas vezes pra entender por que juntou o lé com cré. Mas essa foi boa.

Tem a aprovação da família wookiee.

https://media0.giphy.com/media/SVG9XrxqIVod2/giphy.gif

Responder
Davi Lima 24 de abril de 2021 - 18:15

Esse texto é a prova de alguém que entende George Lucas e de quem entende Novela. Um fã quase perfeito de space opera. https://media0.giphy.com/media/YfCuW2maPixri/giphy.gif

Responder
Starr-Lord 24 de abril de 2021 - 13:06

Eu tô morrendo de rir aqui. Admiro a dedicação de vocês com uma piada porque tenho isso também, mas vou ter que concordar que Star Wars é a maior novela do cinema. O “I don’t like sand” só não é o maior exemplo porque tem a revelação do Darth Vader e o Kylo como o adolescente revoltado que tem em toda novela. Abracem os seus lados noveleiros, meus caros, não tem problema. Inclusive, se quiserem continuar nas novelas em sigilo, recomendo Tudo Sobre Minha Mãe para a dobradinha de novelas em que a figura paterna é um dos principais focos narrativos.

Responder
Kevin Rick 24 de abril de 2021 - 03:54

“Texto baseado na narrativa de KR, escriba terráqueo do século XXI.”

Como todos sabem, o material fonte é sempre melhor que a adaptação. Eis um pequeno trecho da genialidade do descrito escriba terráqueo KR sobre NOV [EL]: A, em um manuscrito cibernético chamado: “A superioridade artística da Opera Matusálea para Jagunços”. Uma parábola poética de um ser metafísico encontrando dois energúmenos para falar sobre Iálica, a Arte da Imagem Subjetiva, a qual NOV [EL]: A não havia sido descoberta:

Frente minha onisciência inabalável
Estava acima dos seres comedores de caca
Assistir de longe sua ignorância era inconsolável
Digo que Boi em terra alheia é vaca
Mas ainda assim me deixei ser manipulável

Desci do meu pedestal áureo
E vaguei em busca de entender o Saco-aéreo
Sim, esse era o nome da espécie dos Jagunços
Apelido dado aos irmãos Gado-San e Ri-Bundunço

Conversando sobre a Iálica, notei que nada sabiam
Consideravam os membros da Estatueta o padrão intelectual
Tentam me explicar, mas só balbuciam
Então versei sobre o Mexicano Factual

A premissa do superior matesical
No qual NOV [EL]: A ensina o estilo tropical
De como suprimir o drama radical
Em uma experiência completamente angelical

Deslumbrados, os Jagunços babavam
Diante da verdadeira sabedoria, me cultuavam
Perguntaram meu nome, e fingi ser o escriba KR
E assim passei a ensinar

Foi diante dessas situações no período 120 AOX (Antes do Orixá), que o ser metafísico sem nome agraciou dois jagunços sobre os primeiros ensinamentos da NOV [EL]: A.

Responder
Luiz Santiago 24 de abril de 2021 - 04:07

Ah, pronto, agora vou ter que continuar essa saga, seu salafrário de meia tigela, noveleiro profissional!

Responder
Kevin Rick 24 de abril de 2021 - 00:08

HAHAHAHAHAHAHA

O melhor de tudo é que eu nem assisto novela. HAHAHAHA

Responder
Vitor Guerra 24 de abril de 2021 - 03:52

Aceitem que doi menos, Kevinho falou apenas fatos: Star Wars é uma grande novela, vocês se apaixonaram por uma novela.
E não tem nada de errado com isso, abracem seus lados noveleiros.

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais