Home Colunas Fora de Plano #76 | Cassiano: Um Gênio Que Merecia Mais

Fora de Plano #76 | Cassiano: Um Gênio Que Merecia Mais

por Handerson Ornelas
981 views (a partir de agosto de 2020)

O meio musical é cercado de injustiças, as histórias de Cassiano e tantos outros que fizeram (e fazem) soul music no Brasil são exemplos disso. Morreu nessa sexta-feira o compositor e cantor Genival Cassiano, um dos maiores nomes da música brasileira, autor de canções como Primavera, Eu Amo Você e A Lua e eu. A questão mais assustadora é que, mesmo com sua influência enorme na música nacional, para a maior parte da população e até mesmo adeptos de música, seu nome é relativamente desconhecido. Então começo esse texto já com um pedido: por favor, procure seus excelentes álbuns, nunca é tarde pra ouvir tais preciosidades – muito pelo contrário, deveria ser uma obrigação fazer parte dessa reparação histórica.

Sempre me foi de uma revolta enorme saber como o movimento do soul brasileiro sempre foi colocado de escanteio. Cassiano, Hyldon, Gerson King Combo, Toni Tornado, Banda Black Rio e tantos outros são nomes mais do que ofuscados na história da música brasileira. E aqui eu não culpo somente a grande mídia e o mercado fonográfico que nunca quis dar espaço para essa turma, mas até a mídia musical especializada. Ao longo do tempo, sempre houve espaço pra falar incessantemente de movimentos como a Tropicália, Jovem Guarda e Bossa Nova, falar dos maiores clássicos de Chico Buarque, Tom Jobim e Caetano Veloso, enquanto obras da mais alta qualidade do soul & funk brasileiro sempre foram relegados ao segundo plano.

Até mesmo para aqueles que conseguiram com muito suor furar a bolha do mainstream, como Tim Maia e Simonal, isso veio a troco de um preço alto a pagar. No caso de Tim, sua popularidade veio só depois de um trabalho hercúleo em busca de reconhecimento, mesmo sendo dono de uma das maiores vozes que esse país já viu. Já Simonal foi vítima de uma das maiores injustiças e preconceitos da história musical desse país, abandonado pelos amigos músicos e apedrejado pela imprensa. Mas aqui já divago de meu foco principal, o ponto é que Cassiano foi vítima desse próprio sistema racista e injusto.

O artista natural de Campina Grande (Paraíba) mudou-se para o Rio de Janeiro nos anos 1960 em busca da carreira musical. Mesmo com uma curta discografia, os trabalhos do compositor são de uma qualidade imensurável. É impossível compreender a razão de seu álbum de estreia, Imagem e Som, ser esquecido das listas de maiores álbuns brasileiros da história, tamanho o capricho de seus arranjos de extrema harmonia e sua performance encharcada de emoção. Apresentando Nosso Cassiano e Cuban Soul: 18 Kilates são outras obras de importância gigantesca, inserindo mais experimentação e psicodelia no soul brasileiro. Em 1978, sua carreira foi imensamente prejudicada ao precisar remover um pulmão em decorrência de turbeculose. Sua carreira ainda contou com passagem no grupo Os Diagonais, outro capítulo essencial da black music no Brasil.

Apesar de ignorado pela mídia, Cassiano sempre foi referencial para grandes músicos de sua geração e de gerações seguintes. Provavelmente uma das referências mais famosas é sua menção feita por Mano Brown em Vida loka pt. 2, dos Racionais (De teto solar/ O luar representa/ Ouvindo Cassiano, há/ Os gambé não guenta). Apenas alguns meses atrás, Diomedes Chinaski também o homenageava em seu single novo, Young Lucky Luciano (Mano, eu serei uma lenda tipo Cassiano/ Se esses manos rimam bem eu sou um marciano). Isso sem contar as várias vezes que suas músicas foram usadas como samples por produtores e regravadas por artistas como Tim Maia, Marisa Monte e Djavan.

Admito que lágrimas correram pelo meu rosto enquanto escrevia esse texto e pelos meus fones de ouvido ecoavam sua belíssima canção Não Fique Triste. Mais um gênio da nossa cultura foi levado; segundo algumas fontes, mais uma vítima desse vírus desgraçado. Inúmeras homenagens já foram feitas por artistas após o anúncio dessa sexta-feira, homenagens essas que Cassiano nunca terá oportunidade de ver. Durante sua vida, Cassiano merecia mais. Muito mais.

Agora somos deuses
Amor é nosso lema

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais