Home Colunas Lista | Falcão e o Soldado Invernal: Os Episódios Ranqueados

Lista | Falcão e o Soldado Invernal: Os Episódios Ranqueados

por Ritter Fan
1376 views (a partir de agosto de 2020)

Avaliação da temporada:
(não é uma média)

Falcão e o Soldado Invernal é a segunda série da Fase 4 do Universo Cinematográfico Marvel e, ao reunir os dois sidekicks do Capitão América em uma estrutura clássica de buddy cop, a obra teve como objetivo lidar com o legado de Steve Rogers que, pelo menos em tese, passou o escudo para Sam Wilson ao final de Ultimato. Inteligentemente, porém, no lugar de a Marvel Studios simplesmente seguir o caminho mais simples e empossar o Falcão como o novo Capitão, a série comandada por Malcolm Spellman criou uma trajetória tortuosa, de alta carga política, tendo como pano de fundo não somente a passagem de manto, mas também o que significa os EUA terem um Capitão América negro.

Começando de maneira claudicante, com uma tentativa não tão eficiente de abordar a vida pessoal de Sam e, por outro lado, lidando bem com os traumas psicológicos de Bucky, os dois heróis juntam-se para lutar contra um grupo autointitulado Apátridas, que deseja impedir a remoção de povos que se uniram a partir do desaparecimento de metade da população da Terra depois do retorno dela. É esse grupo que é, talvez, o maior ponto fraco da série, não só pela forma genérica que é apresentado, mas também por sua líder Karli Morgenthau por muitas vezes não parecer muito mais do que uma jovem revoltada que se injetou o soro do supersoldado.

Mas, se os Apátridas não tiveram função maior do que serem buchas de canhão, a determinação de que o soldado John Walker seria o novo Capitão América empossado pelo governo americano rendeu uma ótima história, mesmo começando mal, sem contextualizar de maneira satisfatória o personagem. No entanto, seu desenvolvimento como alguém que quer fazer o certo, mas sem saber exatamente como, mostrando-se truculento, violento e estourado, cria um ótimo anti-Capitão América que entra em oposição direta especialmente à postura pacífica de Sam Wilson, sempre tentando resolver as questões na conversa antes de partir para o braço (ou asas, claro).

Nessa mistura, Bucky liberta o Barão Zemo para que ela possa ajudá-los, o que imediatamente fez a série melhorar e muito na dinâmica entre os personagens graças ao carisma de Daniel Brühl, Madripoor, cidade fictícia dos quadrinhos Marvel é introduzida e Sharon Carter é reapresentada, desta vez como alguém muito claramente escondendo um segredo. Se Carter tem um desenvolvimento estranho ao longo da minissérie, pelo menos houve espaço para a apresentação de Isaiah Bradley, personagem afro-americano oriundo dos quadrinhos que, juntamente com diversas outras cobaias, recebeu o soro do supersoldado nos anos 50 e tornou-se o segundo Capitão América, ainda que sua existência tenha sido escondida pelos EUA. Essa conexão com o passado e as agruras passadas por Bradley refletindo a forma como os negros foram e ainda são tratados nos EUA e outros diversos países cria o impulso necessário para que Sam Wilson finalmente tome sua decisão sobre o escudo do Capitão América, ressignificando a simbologia.

Mas Falcão e o Soldado Invernal, apesar de ser uma série cheia de ótimas ideias e bandeiras, falha em sua execução, algo particularmente saliente no episódio de encerramento, e, mesmo demonstrando qualidade altíssima no antepenúltimo e penúltimo episódios, não consegue, em linhas gerais, sair de uma estrutura básica que faz bem a passagem do manto, mas não consegue lidar a contento com as questões que gravitam ao redor, seja o trabalho introdutório para a apresentação de John Walker, seja o uso de Sharon Carter ao longo da história e, claro, a criação de um grupo de vilões que realmente tivesse impacto maior. Com isso, a curta minissérie não desponta de verdade, fazendo com que seus melhores momentos pareçam desgarrados de um todo mais simples e burocrático, ainda que ainda seja boa e agradável de se assistir.

Como fazemos em séries que acompanhamos semanalmente, fiquem, agora, com o ranking dos seis episódios. Digam o que acharam, mandem os seus próprios rankings e vamos conversar!

6º Lugar:
New World Order

1X01

Mas esse é apenas o primeiro episódio que, claro, é normalmente usado para estabelecer as premissas e, por isso, carrega o ônus de ser abrangente e um pouco mais desfocado. Sem dúvida alguma, faz parte do jogo, mas a série inegavelmente passa a impressão de algo mais convencional, mais padrão, mais esperado vindo da Marvel Studios. Não é um problema, pois a produtora já mostrou repetidas vezes que é capaz de fazer muita coisa com sua fórmula mágica, pelo que é só esperar para a história dos sidekicks do Capitão América engrenar de verdade.

5º Lugar:
The Star-Spangled Man

1X02

A missão dos dois contra os Apátridas, grupo vilanesco que continua muito sem graça, é o ponto alto de ação do episódio, assim como o começo do anterior, algo que ganha ainda mais relevo por ser a primeira vez que vemos Walker e seu parceiro Lemar Hoskins, o Estrela Negra (Clé Bennett vivendo mais um personagem tirado lá do fundo do baú da Marvel Comics) arregaçando as mangas para exibir suas habilidades, com um surpreendente bom uso do icônico escudo. Tudo bem que os quatro acabam não sendo páreo para os oito super-soldados que os atacam, mas isso já era esperado. O que realmente interessa é o que segue daí, com Walker tentando insistentemente recrutar os ex-sidekicks da persona que adotou para não só facilitar seu trabalho, como para legitimar seu codinome e uniforme, exatamente o que precisávamos para detestar o personagem de uma vez. Será no mínimo interessante ver como a dinâmica agora de duas duplas rivais com um mesmo objetivo será tratada nos episódios seguintes, especialmente com a entrada de Helmut Zemo na jogada.

4º Lugar:
One World, One People

1X06

Partamos então pela escolha estética de se fazer com que as sequências de ação, que tomam 3/4 do episódio, aconteçam à noite. Não só isso reduziu substancialmente o impacto desses momentos, inclusive e especialmente as afirmações e reafirmações visuais de que Sam Wilson agora é mesmo o Capitão América, como a fotografia e a montagem não conseguiram elevar as sequências a mais do que tentativas de se reduzir a carga de CGI, no truque mais velho do livro de regras de Hollywood. Se é para carregar nas sequências noturnas, então que elas pelo menos sejam realmente bem executadas, e não uma sucessão de socos e chutes com cortes frenéticos ou de sequências aéreas ofuscadas pelo manto da noite. Se eu elogiei a ação inicial de New World Order, aqui eu não posso fazer o mesmo, infelizmente.

3º Lugar:
Power Broker

1X03

Mas a grande verdade é que a dinâmica entre Sam e Bucky melhorou muito com Zemo e Sharon partilhando do espaço quase exclusivo que eles tinham, tornando o episódio muito mais fluido e eficiente que os dois anteriores. Ajuda muito que Zemo continue sendo o mesmo sacana de sempre, com um roteiro levemente mais cômico que emprega bem os dotes dramáticos cínicos de Brühl como o cara que parece estar se divertido demais às custas dos super-heróis panacas ao lado dele, especialmente nos momentos em que ele “usa” Bucky como seu capanga. E isso sem contar que ele próprio também pode ser o Mercador do Poder, diga-se de passagem. Claro que o fan service rolou solto com o uso completamente aleatório da icônica máscara roxa da versão em quadrinhos do personagem, mas isso não atrapalhou muito a ação constante e literalmente explosiva que não perdeu tempo em localizar a origem do soro e estabelecer o caos completo.

2º Lugar:
The Whole World is Watching

1X04

No entanto, se descontarmos o problema da velocidade, que poderia ter sido evitado com menos enrolação no começo e mais foco em Walker, tudo o que ocorreu faz perfeito sentido lógico dentro da proposta da série que é justamente estudar quem faria jus ao escudo, quem poderia ser um símbolo do bem incorruptível como o próprio Barão Zemo reconhece que Steve Rogers sempre foi, sem jamais desviar-se desse caminho, mesmo tendo o soro do supersoldado correndo em suas veias, ou seja, um homem que escolheu ter poder, mas nunca sucumbiu a ele. A queda de John Walker, catalisada pelo assassinato de seu parceiro (mas que aconteceria mais cedo ou mais tarde mesmo sem isso, temos que concordar) que, no processo, literalmente mancha de sangue o símbolo maior do que é ser o Capitão América, foi muito bem trabalhado pela direção de Kari Skogland, com uma atuação bem convincente de Wyatt Russell como um homem descontrolado, mas que parece entender a gravidade do que fez mesmo aplicando uma moralidade que relativizará seus atos.

1º Lugar:
Truth

1X05

E o episódio trafega por esse caminho sem trabalhar obviedades. Sam recebeu o escudo de Steve, mas nunca se sentiu confortável com ele, decidindo entregá-lo a um museu. Bucky revelou a existência de Isaiah Bradley, o terceiro homem em que o soro do supersoldado funcionou e que, conforme aprendemos em detalhe agora, comeu o pão que o diabo amassou por ter sido um herói na Guerra da Coréia. Claro que eu teria preferido que a conversa entre ele e Sam, com o escudo permanentemente dentro de sua nada discreta sacola, fosse salpicada de flashbacks para os momentos que ele descreve – quem sabe um dia não teremos uma minissérie só sobre ele, passada nos anos 50? -, mas a grande verdade é que Carl Lumbly, ainda bem retornando para a série, teve uma atuação estupenda e densa que lidou com o gigantesco elefante na sala. As estrelas e listras da bandeira americana e, por tabela, do tão cobiçado escudo, nada significam para ele e, em sua concepção, o manto do Capitão América é impensável para qualquer negro americano que se respeite. Para Bradley, Sam não deve e não pode ser o Capitão, não porque Steve Rogers não era um homem digno, pois sabemos que era, mas sim em razão do que a bandeira que ornamenta o uniforme do super-herói significa para a história de seu povo.

Você Também pode curtir

20 comentários

Handerson Ornelas. 29 de abril de 2021 - 22:08

Ritter, vc que sabe tudo do mundo das HQs da Marvel, a personagem da Julia Louis-Dreyfus é alguém dos quadrinhos? E vc vê ela sendo utilizada em grandes filmes do MCU?

Responder
planocritico 30 de abril de 2021 - 02:30

Ela era uma espécie de sidekick (e amante) do Nick Fury original, mas, depois, tornou-se a Madame Hydra. Não sei se ela será a Madame Hydra efetivamente no futuro ou só mesmo a Condessa, mas creio que será algo nessa linha, talvez formando os Vingadores Sombrios ou os Thunderbolts.

Abs,
Ritter.

Responder
pabloREM 28 de abril de 2021 - 12:54

A série foi regular, basicamente como tudo que a Marvel faz, coisas legais mas também um monte de buracos. Nesse caso, o grande problema foram os “vilões”, os Apátridas e principalmente sua líder com cara de adolescente birrenta não assustaram ninguém. E o uniforme do Capitão Falcão foi uma das coisas mais horrorosas que eu já vi em algo relacionado aos super-heróis, seja no cinema ou na TV.

Responder
planocritico 28 de abril de 2021 - 13:36

“como tudo que a Marvel faz”

Discordo fortemente disso. Mas a série foi apenas boa sim. Diferente de WandaVision que foi sensacional.

Abs,
Ritter.

Responder
pabloREM 28 de abril de 2021 - 08:54

A série foi regular, basicamente como tudo que a Marvel faz, coisas legais mas também um monte de buracos. Nesse caso, o grande problema foram os “vilões”, os Apátridas e principalmente sua líder com cara de adolescente birrenta não assustaram ninguém. E o uniforme do Capitão Falcão foi uma das coisas mais horrorosas que eu já vi em algo relacionado aos super-heróis, seja no cinema ou na TV.

Responder
Gabriel Cabral 27 de abril de 2021 - 01:32

Eu colocaria 4 estrelas, um “Muito bom”. Não esperava que fosse falar tão diretamente sobre o racismo. Essa pegada mais adulta tanto aqui como no WandaVision, com a questão do luto, ficou bem interessante para mim.
O ranking para mim seria o mesmo.
Eu queria muito saber quem na Disney achou e convenceu todo mundo de lá que a atriz da Karli, a Erin Kellyman, convence como uma líder de um grupo rebelde. Primeiro foi lá em Han Solo como a Enfys Nest e agora aqui como a Karli. Isso que é ter um agente bom.

Agora, o uniforme de Capitão América ficou bonito hein. Ai ai, já quero um boneco kkk

Responder
planocritico 27 de abril de 2021 - 16:56

Não gostei do uniforme do Capitão Falcão não. Muito espalhafatoso demais. Mais ainda que o do Capitão original no primeiro Vingadores.

Sobre a Karli, infelizmente erraram com a personagem…

Abs,
Ritter.

Responder
Gabriel Cabral 28 de abril de 2021 - 17:43

Para, o primeiro uniforme do Capitão nos Vingadores é feio demais hahaha. Não só as cores como o caimento, ficou muito esquisito. Ficar pior que ele é difícil.
Mas eu imagino que esse uniforme ainda sofra modificações para o filme. Querendo ou não, a Marvel tem que vender boneco novo né haha

Responder
planocritico 28 de abril de 2021 - 21:47

Eu achei esse do Capitão Falcão bem mais espalhafatoso que o do Capitão América em Vingadores. Os dois são feios nas telas, mas eu ainda prefiro o de Vingadores.

Sobre modificações para o filme, COM CERTEZA elas acontecerão. Serão mínimas, provavelmente, mas será o suficiente para fabricar e vender muitos novos “bonequinhos”…

Abs,
Ritter.

Responder
Breno Carvalho 27 de abril de 2021 - 00:17

Ritter,
Acompanho sempre seus textos…e sempre excelentes!
Sobre a série…me decepcionou um pouco…o último episódio achei muito politizado e politicamente correto…o Capitão Falcão passando pito nos burocratas do GRC foi o fundo do poço, teve até dedo em riste, se não me engano…além da série toda ter várias referências globalistas, subliminares ou não…

Não entendi bem a função do GRC…repatriar as pessoas que retornaram do blip, ok??? Mas com o estalo do Hulk as pessoas retornaram aleatoriamente ao redor do mundo??? Em WandaVision a Mônica Rambeau, pelo que entendi, retornou para o exato lugar que tinha desaparecido, ao lado da mãe no hospital…

No final daria um regular para a série…com um ou dois episódios realmente muito bons!

Abs!

Responder
planocritico 27 de abril de 2021 - 17:10

Obrigado, @disqus_b9HAd00dUs:disqus !

Eu gostei mais da série que você, mas não muito. Considero-a boa, pois os episódios 4 e 5, para mim, foram muito bons. Mas, sem dúvida, há problemas sérios e um deles é justamente a forma deslocada como o discurso do último episódio aconteceu.

Sobre o GRC, pelo que entendi, ele foi fundado depois do “blip”, ou seja, do retorno da metade da população mundial ao final de Ultimato e tem como objetivo cuidar dessas pessoas que voltaram e não têm onde ficar. Pelo que vimos em WandaVision, em tese as pessoas voltaram para onde elas estavam cinco anos antes, mas, em escala de BILHÃO, imagina só a quantidade de gente que voltou para onde estava, mas que o lugar onde estava simplesmente não existe mais? Especialmente em países subdesenvolvidos e em desenvolvimento, claro. Isso gerou migrações em massa que criaram um problema mundial seríssimo. O GRC, em tese, vem para organizar a coisa toda.

Abs,
Ritter.

Responder
Breno Carvalho 27 de abril de 2021 - 20:44

Valeu!

Interessante a ideia do erro estatístico de bilhões de pessoas retornando a vida após anos…

Ah… também achei esquisito o uniforme do Falcão América… têm que melhorar isso aí!

Abs!

Responder
Caio Mater 25 de abril de 2021 - 22:26

Ótimas colocações! Eu apenas inverteria o primeiro e o segundo lugar, por conta da cena do escudo sendo manchado. Achei ela muito impactante, e visualmente bem trabalhada.

Sobre a série em si, a única coisa que absolutamente desgostei foi a presença da Sharon Carter. Completamente descartável… Espero que seja melhor trabalhada no futuro.

Responder
planocritico 26 de abril de 2021 - 17:11

Os dois primeiros lugares são quase equivalentes para mim e a cena do escudo foi realmente muito boa.

Eu gostei que a Sharon foi reintroduzida de maneira diferente no UCM e não como uma “cansada” agente trabalhando para uma organização de espionagem. Por outro lado, não gostei como a usaram ao longo da temporada.

O que eu não gostei mesmo foi dos Apátridas e da líder adolescente…

Abs,
Ritter.

Responder
Nellio Vinicius 25 de abril de 2021 - 14:59

Concordo com o ranqueamento, a série teve problemas pré-exibição, que foi a alta expectativa, geral esperava algo no estilo ação do soldado invernal e no mesmo nível, apesar da proposta de diferente, de Wandavision, os dois não ocorreram, e durante a exibição, os Apátridas não convenceram como vilões( a morte deles no final, que cena), a Karli parecia aquelas adolescentes que teve a mesada cortada e se revoltou, um acerto e meio foi o Agente Americano e a ideia de não descartar ele agora, é basicamente o que o Ritter já disse na crítica. E possivelmente vá ter problemas pós exibição, pelos pontos em aberto que deixou, Sharon Carter virou vilã? ou a invasão secreta já começou, qual vai ser o vilão do Capitão América 4? esgotaram os vilões mais conhecidos pelo menos, vai ter os Thunderbolts? Dependendo do que vão fazer depois, a série vai ser conhecida apenas como os episódios que passaram o manto pro Sam, o resto tanto faz.
Obs. : Enterro do Soldado Invernal, gostei muito, do Bucky terminando o livro e superando o passado controlado pela Hydra, eu até compreendo agora, ele tomar um baile no 1×1 com os apátridas, porque ali é o sargento Barnes, um bom combatente, diferente do Soldado Invernal, que é algo fora do normal, melhor até que o Steve Rogers em alguns quesitos.

Responder
planocritico 25 de abril de 2021 - 19:10

@nellio_vinicius:disqus , pessoalmente, eu gostaria MUITO que o vilão de Capitão 4 fosse o Caveira Vermelha. O personagem foi muito pouco usado e ele daria um baita vilão dos tempos modernos.

Sobre Thunderbolts, eu gostaria que eles aparecessem, não necessariamente no filme. Mas, pelo que dizem por aí, estão armando os Vingadores Sombrios. Não sei se amo essa ideia, mas veremos.

Abs,
Ritter.

Responder
Isaac 25 de abril de 2021 - 12:20

Ritter, como sempre é um deleite acompanhar suas criticas semanalmente. É uma excelente cia para aqueles que não tem com quem comentar, como eu!

Meu Ranking é exatamente o seu.
Mas, acho que daria meia ou uma estrela a mais que você!

Achei o saldo extremamente positivo.
Que venha Loki!

Abs
Isaac

Responder
planocritico 25 de abril de 2021 - 19:07

Obrigado, meu caro!

E que bom que gostou tanto assim da série!

E que venha Loki mesmo!

Abs,
Ritter.

Responder
Gabriel Filipe 25 de abril de 2021 - 11:40

Quase a mesma:
5
4
2
6
3
1

Responder
planocritico 25 de abril de 2021 - 19:07

Joia!

Abs,
Ritter.

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais