Home Colunas Lista | Mulheres Poderosas do Cinema

Lista | Mulheres Poderosas do Cinema

por Ritter Fan
157 views (a partir de agosto de 2020)

O Plano Crítico, infelizmente, é um site com 100% de seus membros do sexo masculino. Esperamos, um dia, mudar isso. Mas, enquanto não surgem as oportunidades para tanto, fazemos o que podemos e, nesse sentido, não poderíamos deixar o Dia Internacional da Mulher passar em branco completamente. Matutamos e matutamos e, apesar de nossas listas serem publicadas religiosamente nas segundas, resolvemos abrir uma honrosa exceção para listar as mulheres que, de uma maneira ou de outra, tiveram e/ou têm papéis importantes no cinema. Não estamos falando apenas de atrizes, mas, também, diretoras, produtoras e outras profissionais do ramo. Sem elas, o cinema não seria a mesma coisa.

Parabéns às nossas leitoras e à todas as mulheres!

Vamos à lista. Limitamos aos 10 nomes que mais chamaram nossa atenção, tentando ser o mais eclético possível, mas reconhecemos que há muitas outras que deveriam estar aqui. Agradecemos se os leitores nos ajudarem, nos comentários, a lembrar de mais mulheres desse naipe.

.

Mary Pickford (1892 – 1979)

W mary pickford

É impossível listar a quantidade de coisas cinematograficamente importantes que essa bela atriz fez pela indústria de filmes de Hollywood. Uma amostra? Então vamos lá: além de ter se tornado literalmente uma das primeiras musas do meio, com papéis em filmes como CoquetteThe Poor Little Rich Girl, ela fundou a United Artists junto com D.W. Griffith, Douglas Fairbanks e Charles Chaplin e foi um dos 36 fundadores da Academia (a instituição que organiza a entrega do Oscar). Depois de aposentada da carreira de atriz, em 1933, passou a produzir filmes. Não parou quieta até seu falecimento em 1979 e, com isso, literalmente delineou o futuro do cinema.

.

Kathleen Kennedy (1953 –    )

W kathleen kennedy

Quem é Kathleen Kennedy? Bom, ela é uma famosa e extremamente influente super-mega-produtora de Hollywood, que fundou a Amblin Entertainment com Steven Spielberg e Frank Marshall (com quem acabou casando) e, literalmente, quase que sozinha, fez da década de 80 a maravilha que ela foi. Vejam só exemplos do que ela produziu nos anos 80: E.T. O Extraterrestre, Poltergeist, Caçadores da Arca Perdida, Indiana Jones e o Templo da Perdição, De Volta Para o Futuro I e II, Gremlins, Uma Cilada Para Roger Rabbit e A Cor Púrpura, entre outros. Querem mais? Bom, na década de 90 ela produziu A Lista de Schindler, Jurassic Park I e II, As Pontes de Madison, Cabo do Medo, De Volta para o Futuro III e Twister. Na primeira década dos anos 00, veio com Jurassic Park III, Sinais, A.I. Inteligência Artificial, Munique, Guerra dos Mundos, Persepolis e O Curioso Caso de Benjamin Button.

E, não satisfeita, agora é a presidente da Lucasfilm e uma das grandes responsáveis pela aquisição da empresa pela Disney e pela vindoura renovação da franquia Star Wars. Não tem como não tirar o chapéu para a moça.

.

Sophia Loren (1934 –    )

Sophia Loren Wallpapers @ go4celebrity.com

Sophia Loren, talvez junto com Elizabeth Taylor (ela está por aqui, pode deixar) personifica a profissão de atriz em sua essência. Linda, extravagante, boa atriz, ela participou de obras inesquecíveis do cinema moderno como Duas Mulheres, de Vittorio de Sica e El Cid, de Anthony Mann. Foi reconhecida com diversos prêmios, incluindo o Oscar de Melhor Atriz (a primeira atriz de língua não-inglesa a conseguir isso depois da era dos filmes mudos).

Sempre radiante, Loren é puro glamour, puro fetiche, pura paixão.

.

Ingrid Bergman (1915-1982)

W IngridBergman

Bela e uma das melhores atrizes que já viveu, a sueca Ingrid Bergman é mais conhecida por seus papéis em Casablanca, de Michael Curtiz e Interlúdio, de Alfred Hitchcock. Nada mal, não é mesmo? Só que sua ilustre carreira também inclui Intermezzo: Uma História de AmorO Médico e o MonstroPor Quem os Sinos Dobram e outras obras inesquecíveis.

Ganhadora de três Oscar, dois Emmy e um Tony, Bergman não poderia estar de fora de nossa lista.

.

Sofia Coppola (1971 –    )

W virgin-suicides-1999-tou-01-g

Filha do ilustre Francis Ford Coppola, Sofia conseguiu desvencilhar-se dessa inevitável conexão com o pai, que a colocou no mundo do cinema em papéis nos três filmes da trilogia O Poderoso Chefão. Mas não foi sua atuação que a destacou no mundo do cinema, mas sim sua coragem na direção, exatamente a mesma profissão do pai. Difícil, não é mesmo? Especialmente se pararmos para pensar e notar que há muito poucas diretoras no mundo do cinema.

E o melhor de tudo é que ela não tentou o caminho fácil, de filmes mais palatáveis pelo amplo público de cinema. Seu primeiro longa-metragem, As Virgens Suicidas, é de difícil assimilação e pesado. Mas foi mesmo o melancólico e genial Encontros e Desencontros que a alçou ao estrelato. Tenho certeza que sua ainda curta carreira fará muitos leitores torcerem o nariz para essa minha escolha, mas Sofia desbravou e ainda desbrava uma densa floresta que poucas mulheres conseguiram sequer adentrar. Com isso, ela ganha muitos pontos em meu livro!

.

Jodie Foster (1962 –   )

W jodie foster

Foster é uma das mulheres mais completas do cinema mundial. Começou na publicidade, como modelo mirim de três anos para os anúncios da Coppertone (aquela menina com o bumbum sendo mordido por um cachorro é ela!) e, daí, partiu para o estrelato como atriz, ganhando o Oscar por sua atuações em Acusados, em que faz uma vítima de estupro e O Silêncio dos Inocentes, em que personifica Clarice Starling, a agente do FBI que enfrenta o terrível e fascinante Hannibal Lecter.

Mas, não satisfeita com o estrelato, ela partiu para a direção em 1991, com Mentes Que Brilham e, mais recentemente, Um Novo Despertar. E, não satisfeita com a direção, passou a ser produtora também.

.

Elizabeth Taylor (1932-2011)

W elizabeth taylor

Liz Taylor é a epítome da atriz. Linda, feroz, cheia de vontades, ela foi moldada por Hollywood na mesma proporção que moldou Hollywood. Começou criança, desenvolveu-se na adolescência e, adulta, tomou o cinema de assalto sem dar chance para ninguém. Tornou-se, muito rapidamente, a mais importante atriz do mundo em determinada época e a mais bem paga. Seus desejos eram ordens para todos os estúdios. Aliás, seus caprichos junto com a má administração da produção de Cleópatra, quase levaram a Fox à falência nos anos 60. Mas Dame Taylor é muito mais do que a soma de seus sucessos. Ela já fez muito marmanjo suspirar por ela. Afinal, ela ajudou e muito na revolução sexual dos anos 60 e na afirmação dos direitos iguais das mulheres.

No alto de seu charme e personalidade forte, comandou (sim, comandou mesmo) oito casamentos (dois deles com Richard Burton!) e atuou, atuou, atuou. Quem não se lembra de seus papéis em Assim Caminha a HumanidadeQuem Tem Medo de Virginia WoolfGata em Teto de Zinco QuenteA Megera Domada e outras dezenas de filmes?

.

Fernanda Montenegro (1929 –      )

W Fernanda_Montenegro

Eu poderia ter incluído Sonia Braga facilmente nessa lista, mas, no quesito atuação, Fernanda Montenegro desbanca Braga e mais essa penca de mulheres que vemos todos os dias nas novelas de nosso país. Fernanda Montenegro talvez seja nossa maior atriz ainda viva, com uma carreira de cair o queixo, que começou com atriz de teatro juntamente com Fernando Torres, que viria a ser seu marido até 2008, quando ele faleceu (aliás, os dois, juntos, formavam um casal fenomenal).

Fazendo escola no teatro atuando em peças de Pirandello, Beckett, Tchekhov, Nelson Rodrigues e Millor Fernandes, Fernanda Montenegro fez o salto para o cinema em 1965 e não parou mais, chegando talvez em seu ápice de reconhecimento mundial quando concorreu ao Oscar, Globo de Ouro e BAFTA de melhor atriz por Central do Brasil.

.

Kathryn Bigelow (1951 –     )

W kathryn bigelow

Bigelow ganhou seu merecido estrelato por sua direção de Guerra ao Terror, que lhe valeu o Oscar de melhor filme. E, provavelmente, é por esse filme que a maior dos leitores lembrarão dela. No entanto, Bigelow tem estado em meu radar desde quando assisti, no longínquo ano de 1987, o que ainda hoje é o melhor filme de vampiro que já vi: Quando Chega a Escuridão. Sim, isso mesmo. Essa obra desbanca qualquer coisa que veio depois (pois perde para o primeiro Nosferatu, claro) e merece muito ser conhecida. Além disso, pouca gente se lembra que ela também dirigiu o bem-sucedido Caçadores de Emoção, com Patrick Swayze e Keanu Reeves.

De toda forma, Bigelow, a segunda e última diretora dessa lista, fez e continua fazendo história como seu recente A Hora Mais Escura prova. Precisamos, definitivamente, de mais mulheres na direção.

.

Sally Menke (1953-2010)

W sally_menke_reference

Tarantino pode até ser Tarantino, mas ele certamente não seria O Tarantino sem a saudosa Sally Menke por trás da montagem de suas obras desde Cães de Aluguel.  Longe dos holofotes, pouco lembrada e discreta, Menke é a proverbial “grande mulher” atrás de um “grande homem”. Sua falta já foi sentida em Django Livre e, tenho certeza, Tarantino sabe muito bem disso.

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais