Home Colunas Lista | The Walking Dead: World Beyond – 1ª Temporada: Os Episódios Ranqueados

Lista | The Walking Dead: World Beyond – 1ª Temporada: Os Episódios Ranqueados

por Iann Jeliel
772 views (a partir de agosto de 2020)

Nota da Temporada
(não é uma média):

A primeira temporada de World Beyond foi cheia de altos e baixos, ou seja, foi bem correspondente ao que o título The Walking Dead carrega nos últimos anos. A proposta até apresentou boas ideias para se desvincular um pouco desse rótulo que hoje tem a marca, que virou sinônimo de pobreza de conteúdo e entrega dele apenas em momentos chave que dependiam exclusivamente do apelo gráfico que o universo zumbi proporcionava.

Com personagens adolescentes e narrativa entrelaçada em flashbacks, World Beyond buscava um novo público que enxergasse o potencial dramático da série também em sentimentos humanos palpáveis, potencializados pelo contexto de fim do mundo, ao mesmo tempo em que sustentava seu anterior com o mistério e a expansão do universo para além de Alexandria, e o grupo de Rick que tem em seu paradeiro uma ligação direta com o contexto explorado aqui. Fui aberto à ideia, ela por si só nunca foi uma baixa automática para a série, mas sua execução, que por muitas vezes não tinha controle da melosidade de seu tom ou continha substância suficiente para construir personagens carismáticos e dinâmicas em grupo que nos fariam comprar a história deles como um grupo.

Isso foi mudando, a série foi melhorando bastante do meio para o fim, principalmente por pensar essa nova identidade numa mescla transicional e híbrida com as características ainda boas de The Walking Dead enquanto série principal, especialmente nos personagens de Huck e Felix, os mais interessantes até o momento. Pena que a parte de expansão e motivação da jornada acabou sendo deixada muito para o final, o que acarretou num desfecho que ainda não confirmou a série em sua própria e nova identidade, tampouco ofereceu conteúdo suficiente para convencer quem a acompanhou por motivos terceiros sobre o porquê de tê-la começado. De qualquer forma, a série demonstrou carisma em vários momentos isolados, bons o suficiente para ainda acreditar em seu potencial.

Como de costume, faremos aqui o ranking tradicional de episódios ao final da nossa cobertura de temporada, ordenando os seus episódios do pior ao melhor com links das críticas de cada episódio em separado para conferirem. Comentem aí qual seria sua ordem e o que vocês acharam desta primeira temporada do segundo spin-off de The Walking Dead. Pretendem continuar assistindo? Concordam com o ranking? Não deixem de colocar sua opinião!
.

10º Lugar: The Tyger and the Lamb

1X03

Fica evidente depois desses três episódios que os flashbacks não têm uma coesão comum na narrativa ou na montagem, indo de acordo com o que supostamente combina no momento, o que nesse caso não combinou. Do quarteto principal, Silas parecia ser o mais interessante, mas só parecia mesmo. Além de seu flashback não ser muito claro sobre o direcionamento da traumática do personagem, a orquestração do drama é manipulada pela trilha sonora melosa, de modo a querer puxar um sentimento de pena pelo personagem, por sua fisionomia e personalidade caladona. Assim, toda a sua reluta no presente de querer desistir da missão fica com cara de uma imensa vitimização que trava inutilmente o episódio em vários momentos, porque não é preciso ser inteligente o suficiente para pensar que ele não vai morrer, nem mesmo desistir, então pra que ficar fazendo tanta picuinha com seu passado?

.

9º Lugar: Brave

1X01

Não que as personagens sejam chatas por serem jovens, mas elas são chatas porque são desinteressantes, falta química e energia em suas interações, algo que vale para os outros dois secundários, que surgem ali só por surgir, não conquistam presença e formam naturalmente um time por qual iremos torcer para conseguir cumprir a missão. Até se tenta fazer isso, mas sem sucesso por enquanto. Num cenário ainda neutro de zumbis, soa artificial. E não tem jeito, não há série no mundo que se sustente sem bons personagens, ao menos não temos a sensação de condená-los pela PÉSSIMA iniciativa de sair em caminhada de quase 2000 km, sem experiência, no mundo em que já conhecemos bem.

.

8º Lugar: The Deepest Cut

1X09

O grande pecado do episódio é não ter focado em Huck também, porque se era para deixar claro seu envolvimento nos conflitos até o momento – como o forjar de Silas como culpado da morte do mágico, ou a própria do episódio em ter cortado a perna de Felix –, teria que haver uma aproximação à personagem para deixar claro que essas atitudes em sua mente estariam divididas, tal como o flashback dela estabeleceu. Ao invés disso, a série prefere ficar de misteriozinho que infla o capítulo, pois fica bem claro desde a investida consciente da personagem para furar o pneu até o momento que não mostra Felix se cortando no arame, passando para o momento que revela que Percy levou um tiro e Huck foi a responsável geral sobre tudo.

.

7º Lugar: Shadow Puppets

1X06

Até os desdobramentos finais, estava gostando demais do episódio, mas as coisas inevitavelmente se concluem da forma mais anticlimática possível. Falo inevitavelmente porque já era de se esperar que a série não correria riscos, mas é broxante porque a construção vendeu minimamente um potencial a mais do que podia… E o pior é que não é nem incoerente o episódio não ter dado, porque em seu início implanta essa ludicidade benevolente na inocência do teatrinho de sombras contando o fim do mundo, fora as conversas meio bregas de Iris e Percy sobre “ter o que salvar” antes da treta começar que mais pareciam um implante de um novo romance, mas que era pra ser o motivador de Percy voltar e salvar o pessoal, que convenhamos, nem precisariam ser salvos ali, daria para fugir tranquilamente dos zumbis.

.

6º Lugar: In This Life

1X10

“É sobre o futuro…”, como dizem várias vezes os personagens ao longo do episódio. Realmente, a série em si parece pensar tanto neles que se esquece de traçar uma linha coerente com seus movimentos presentes, resolvendo e abrindo tantas portas que se esquece de fechar as anteriores por completo. Para que fazer mistério com o fato de o pai delas estar bem ou não com aquela doutora? Por que não deixar essas cenas para quando isso fosse realmente importante? Essas entregas de respostas em cima da hora, junto de ganchos para um futuro na prática um tanto distantes, vão inflando o episódio a ponto de passar a sensação de dependência de fatos que ainda vão acontecer, em vez dos que já aconteceram e precisavam ser valorizados em desfecho.

.

5º Lugar: Wrong End of a Telescope

1X04

Nesse conforto, surge o  mérito deste episódio que, como dito, fica nas interações em separado, especialmente Felix e Elton que têm seus momentos. Gosto de como é implementado um mini conflito ali no personagem para acontecimentos próximos, essa de ajudar ou não Felix a convencer o pessoal a voltar. Ele assume a dianteira inclusive de personagem mais interessante até o momento, é o que teve o flashback mais assertivo, logo, sua comunicação com Elton sobre inseguranças cria uma química improvável bastante funcional.

.

4º Lugar: The Sky Is a Graveyard

1X08

Ver o que realmente aconteceu no momento em que Silas matou seu pai honestamente não faz muita diferença ao episódio em termos de história, a condução ali está mais como auxílio à dramática presente, então para que ficar fazendo vários “mistérios” sobre o que vai acontecer a cada próxima cena da sequência? É um equívoco bem específico, porque no geral a montagem é o que faz o capítulo conseguir dosar os demais conflitos entre os personagens e os organizar de forma cirúrgica para criar o efeito de separação do grupo em vários níveis. São divisões que vão das mais urgentes, como acreditar ou não na palavra de Silas, até as mais complexas, como a conclusão de Elton para o conflito plantado com Hope, sobre a morte de sua mãe. Essa inclusive é minha cena favorita do episódio…

.

3º Lugar: Blaze of Gory

1X02

Passado esse primeiro momento, este segundo capítulo tem muito mais espaço para desenvolver essas motivações fora de gatilhos genéricos e mostrar que o buraco é mais em baixo, sem necessariamente apostar em artimanhas expositivas de roteiro para demonstrar isso. Elas fluem naturalmente por meio de diálogos verdadeiros nas interações entre eles, que vão começando a se conhecer melhor através dos primeiros desafios que o mundo morto os oferece. Percebe-se uma gradação bem interessante na introdução desses desafios em conjunto ao descascamento dos personagens.

.

2º Lugar: Madman Across the Water

1X05

Ao mesmo tempo em que é bem-conduzido e singelo, por esse lado sentimental, em contraponto à figura fragilizada comprável de Elton sob pressão de estar no meio de um conflito entre o grupo, implanta um novo extremamente promissor, num twist tão bem-programado que não culpo a necessidade de ter sido ditado pela montagem na última cena. Falo do fato de Hope ter matado a mãe de Elton e percebido isso logo depois de tê-lo consolado por sua história, dando-lhe uma falsa esperança de que a mãe e a irmã poderiam estar vivas ainda. Confesso que foi uma cena que me pegou bem desprevenido, até peguei a reprise para tentar perceber o processo, e de fato, o twist estava lá desde o momento em que a mãe dele aparece, mas só é perceptível depois do reforço porque o caminho conjuga sua construção emocional também como um desvio de atenção.

;

1º Lugar: Truth or Dare

1X07

Na resolução espelhada, Huck o mata mesmo prometendo sua salvação, em contrapartida vemos que ela no passado não matou os civis, e sim seus companheiros militares. Ou seja, a casca criada em tese por uma boa atitude a levou à frieza de ser uma sobrevivente. Mas ela relembra isso através da cicatriz no rosto, do lado inverso à cicatriz no rosto daquele seu amigo no bar, a quem – fica implícito – ela amava. Sem precisar dizer nada, apenas com a sugestão das imagens, o episódio consegue transmitir perfeitamente a densidade dramática da personagem, dentro da intenção da série em não precisar confirmar dramas com apelo gráfico. Michael Cudlitz até mostra-a dando o tiro, mas não mostra quem está levando, porque a dor está em quem é mostrado. Escolha perfeita do diretor, que demonstrou com esses dois últimos capítulos ser o nome de melhor calibre para conduzir a série.

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais