Lista | Top 10 – As Melhores Canções da Disney

Os sonhos de princesas, de príncipes, de heróis e heroínas, sereias e semi-deuses, animais e bonecos de madeira. Um mundo ideal em que, quando você deseja para uma estrela, você começa a acreditar muito mais do que em você, mas igualmente acreditar que elefantes podem voar, brinquedos podem tornar-se meninos de verdade, também acreditar em fadas ou que podemos meramente voar, para terras do nunca, para países das maravilhas, para reinos perdidos. As canções que nos fizeram comprar amores a primeira vista, a paixão entre belas e feras, sapos e sapas, as jornadas de garotas pelos mares e terras para depois das suas moradas, ansiando algo além, algo maior, serem quem são. As canções que nos apresentaram a mundos mágicos, universos tão próprios, até mesmo ciclo sem fins. Era uma vez nos sonhos… e nas tantas canções.

  • Observação: Apenas considerei os longas-metragens produzidos pela Disney como estúdio de animação, não como distribuidora ou estúdio derivado.
  • Outra observação: São muitas composições impressionantes e marcantes para apenas dez colocações, mas a brincadeira é justamente essa, então contarei com a minha mera subjetividade ao meu favor. Já você, não se preocupe, aponte as suas favoritas nos comentários e troque as experiências que quiser trocar comigo.

10. How Far I’ll Go
(Moana: Um Mar de Aventuras, 2016)

Os romances foram importantes para a empresa, os sonhos igualmente, porém, a Disney também foi conhecida pelos vários chamados a aventura sobre os seus personagens, ou seja, as canções de emancipação. “Let It Go”, de Frozen: Uma Aventura Congelante, foi um marco anterior, e “How Far I’ll Go” relembra rapidamente essa composição, que não aprecio tanto quanto outras pessoas. O momento ápice de Moana: Um Mar de Aventuras, contudo, é muito bem comandado, urgindo à aventura com suas idas e vindas que engrandecem cada retorno ao refrão principal, enquanto “Let It Go” acabava exaustando-se. Ainda é muito recente para sua grandiosidade como conquista temporal ser confirmada, o que a diferencia de outras citações dessa lista aqui, mais consolidadas, mas essa é uma música com potencial para durar por bastante tempo no imaginário das pessoas.

9. Part of Your World
(A Pequena Sereia, 1989)

Chega a ser complicado para nós, meros seres humanos e não criaturas do mar, acreditar que uma sereia ficaria fascinada pela vida na terra, com pés, enquanto, supostamente, o mundo marinho seria mil vezes mais fantástico. “Part of Your World” serve como consolidação dos sonhos de Ariel, em se ver num terreno completamente diferente daquele que enxerga atualmente, operando perfeitamente nesse seu objetivo em transformar o mundano um anseio mágico. Nada mais natural ao adolescente do que querer ir para além dos seus recifes, não é mesmo Moana?

8. Beauty and the Beast
(A Bela e a Fera, 1991)

A canção que separa um enredo sobre sequestro de um enredo sobre amor, “Beauty and the Beast”, na voz maravilhosa de Angela Lansbury, conseguiu um sucesso enorme para além das telas de cinema, em vista da versão de Celine Dion. A composição, duas décadas depois, retornou às paradas por causa da versão produzida para a refilmagem do clássico de animação. O auge de uma trilha sonora cheia de músicas extraordinárias, como “Be Our Guest“, “Belle” e “Gaston”. Se um pouco desgastada pelo tanto de versões posteriores a original, “Beauty and the Beast” permanece sendo a terceira melhor canção envolvendo um casal que está se apaixonando perdidamente um pelo outro. Ninguém consegue desmerecer o sorriso da Fera nessa linda cena.

7. Someday My Prince Will Come
(Branca de Neve e os Sete Anões, 1937)

O encantamento dos anões pela voz maravilhosa da Branca de Neve, ou seja, a voz maravilhosa de Adriana Caselotti, é justamente o encantamento do público de cinema ao ouvir essa composição magnífica pela primeiríssima vez. Não é como se “Someday My Prince Will Come” continuasse atual, o que é uma grande inverdade, visto que a canção está sim ultrapassada, com versos pouco associáveis, apesar de, em exceções, possíveis, porém, escutá-la novamente é de um anacronismo inacreditável, porque poucas pessoas conseguiram cantar assim – a maneira mais única que qualquer princesa da Disney já cantou. O canto de Adriana Caselotti era tão admirado que acabou sendo patenteado covardemente pela empresa, juntamente à voz da artista, que nunca mais conseguiria ser reconhecida por algo, senão pela Branca de Neve, embora eterna.

6. The Bare Necessities
(Mogli: O Menino Lobo, 1967)

Os Irmãos Sherman contribuíram em muitos projetos da Disney, e Mogli: O Menino Lobo deve ser a animação com as melhores composições da dupla. Com menção honrosa a “I Wanna Be Like You”, “The Bare Necessities”, no Brasil conhecida como “Somente o Necessário”, transmite certeiramente o sentimento de despreocupação que Balu explicitava ao garoto sob a sua proteção. “Hakuna Matata”, de O Rei Leão, seria uma espécie de sucessor espiritual, que conseguiu alcançar um sucesso parecido, senão superior, mas “The Bare Necessities” é uma conclusão perfeita para a carreira de Walt Disney, seu último filme antes de sua morte, nos musicais que sempre amou tanto.

5. Once Upon a Dream
(A Bela Adormecida, 1959)

Como conseguir fazer um casal que nunca havia se visto antes se apaixonar perdidamente e o acontecimento em questão não tornar-se um verdadeiro motivo de piada em decorrência disso, mas um passo ao crédito no amor a primeira vista, tão utópico quanto, para os sonhadores, possível? A Bela Adormecida não conta apenas com uma das animações, senão a animação mais bonita que os estúdios Disney já produziram tecnicamente, isso em 1959, como também conta com uma das composições mais graciosas, mesmo que consideravelmente simples nos termos de sua inocente letra. O clipe acima, que conta com a respectiva passagem do longa-metragem, provavelmente ajuda a posição a se elevar. Um dos grandes primeiros encontros do cinema.

4. Under the Sea
(A Pequena Sereia, 1989)

“Under the Sea”, também tornando A Pequena Sereia, de 1989, a única animação com mais de uma música nesse Top 10, é a canção mais empolgante que a Disney já esteve qualquer envolvimento na composição, impressionante tanto na parte da letra, cheia de brincadeiras com o mar, quanto na parte melódica, que incentiva o espectador a perder o controle de seus sentidos. Uma cena que busca um mero convencimento, por parte de Sebastião, de que a vida no fundo do mar é muito melhor que a vida na terra, se transforma em um esquizofrênico concerto marinho.

3. A Whole New World
(Aladdin, 1992)

A Disney acabaria adotando, como parte de alguns dos seus temas, a melodia de “A Whole New World” como essencial para incentivar o seu público a acreditar no fantástico tornando-se verdadeiro, juntamente a outros clássicos que seriam misturados conjuntamente. “A Whole New World” possui o gostinho da empresa em seu intrínseco. A sequência, por exemplo, é muito mágica: Aladdin leva Jasmine para reconhecer o seu mundo sobre um tapete mágico, então transformando-o em um mundo ideal. O universo apresentado não é realmente extraordinário, um tanto quanto pautado na realidade, mas é a maneira como o enxergamos, o ângulo em questão, que muda a percepção do público. Um convite a reeducarmos nossa visão pelo mágico da coisa.

2. Circle of Life
(O Rei Leão, 1994)

Nenhuma animação conseguiu, provavelmente, iniciar-se com uma introdução tão magnífica e majestosa quanto a de “Circle of Life”, composta por Elton John, com letra de Tim Rice. Um guia de como incentivar o espectador a aventura, a um novo universo que é disposto na tela. O Rei Leão possui uma trilha sonora impecável, contendo apenas canções que podem ser escutadas com quase o mesmo grau de emoção, sem um desnível acentuado, como acontece em outros casos. Os primeiros clássicos do Renascimento Disney, na verdade, possuíam mesmo essa característica, mantendo uma intensidade musical por todo a duração desses longas-animados.

1. When You Wish Upon a Star
(Pinóquio, 1940)

O primeiro lugar não poderia ser outro: “When You Wish Upon a Star” exprime tudo o que a Disney significa e significará para gerações, se essas ainda forem permitidas sonhar, acreditar nas possibilidades mais impossíveis possíveis. Pinóquio, para muitos, é a magnus opus de Walt Disney. Já “When You Wish Upon a Star” é tão icônica que é usada, até hoje, como tema para o logo da empresa, não apenas para o estúdio de animação, que atualmente abre com o assobio de Steamboat Willie, mas para todos os filmes que envolvem o nome Disney na produção. Um marco.

Hors Concors

Trilha Sonora de Mary Poppins

Como a lista contou apenas com animações, Mary Poppins estaria de fora, ao menos tecnicamente, contudo, acabei decidindo por abrir uma merecida exceção para esse clássico imensurável e que, de uma forma ou de outra, também conta com uma quantidade considerável de mistura entre live-action e animação, em poucas mas excelentes sequências, inesquecíveis para o cinema. As canções, ao mesmo tempo, são extraordinárias, o melhor trabalho da ótima carreira dos Irmãos Sherman. No vídeo disponível, a composição que encerra a obra: “Let’s Go Fly a Kite”. Como está fora de competição, ou seja, regras não são aplicadas, não me senti obrigado em escolher apenas uma música, mas o conjunto. Mesmo assim, vale as seguintes menções às maravilhosas e icônicas “A Spoonful of Sugar”, “Supercalifragilisticexpialidocious” e “Chim Chim Cher-ee”.

GABRIEL CARVALHO . . . Sem saber se essa é a vida real ou é uma fantasia, desafiei as leis da gravidade, movido por uma pequena loucura chamada amor. Os anos de carinho e lealdade nada foram além de fingimento. Já paguei as minhas contas e entre guerras de mundos e invasões de Marte, decidi que quero tudo. Agora está um lindo dia e eu tive um sonho. Um sonho de uma doce ilusão. Nunca soube o que era bom ou o que era ruim, mas eu conhecia a vida já antes de sair da enfermaria. É estranho, mas é verdade. Eu me libertei das mentiras e tenho de aproveitar qualquer coisa que esse mundo possa me dar. Apesar de ter estado sobre pressão em momentos de grande desgraça, o resto da minha vida tem sido um show. E o show deve continuar.