Fora de Plano #01 | Os Três Porquinhos em 2012

O The Guardian é um dos mais famosos jornais britânicos. Fundado no início do século 19, tem hoje um grande número de leitores, seja em sua distribuição impressa, seja na versão online. Com o propósito de divulgar o tipo de jornalismo que preza e executa, o jornal produziu um vídeo-propaganda que adapta a história dos Três Porquinhos para os dias de hoje. A versão bonitinha da Disney, lançada em 1933, é transformada em um caso de polícia, comunicação global, influência de redes sociais como o facebook e o twitter, manifestações populares, julgamento público, declarações policiais e massiva abordagem midiática.

Além da qualidade de produção do vídeo, temos muitos pontos abertos para discussão, o que torna realmente louvável a iniciativa do jornal, que informa, se promove e incita a discussão sobre um tema, muito diferente de algumas publicações que pensam deter a verdade sobre qualquer fato e se esquecem que algumas pessoas preferem pensar e escolher o seu próprio caminho a seguir uma única trilha apresentada por uma mídia qualquer. Da animação para uma propaganda com qualidade cinematográfica, Os Três Porquinhos voltam a ser assustados pelo Lobo Mau, mas dessa vez, com satélites, câmeras e computadores na páreo. Uma iniciativa genial!

LUIZ SANTIAGO (OFCS) . . . . Após recusar o ingresso em Hogwarts e ser portador do Incal, fui abduzido pela Presença. Fugi com a ajuda de Hari Seldon e me escondi primeiro em Twin Peaks, depois em Astro City. Acordei muitas manhãs com Dylan Dog e Druuna, almocei com Tom Strong e tive alguns jantares com Júlia Kendall. Em Edena, assisti aulas de Poirot e Holmes sobre técnicas de investigação. Conheci Constantine e Diana no mesmo período, e nos esbaldamos em Asgard. Trabalhei com o Dr. Manhattan e vi, no futuro, os horrores de Cthulhu. Hoje, costumo andar disfarçado de Mestre Jedi e traduzo línguas alienígenas para Torchwood e também para a Liga Extraordinária. Paralelamente, atuo como Sandman e, em anos bissextos, trabalho para a Agência Alfa. Nas horas vagas, espero a Enterprise abordar minha TARDIS, então poderei revelar a verdade a todos e fazer com que os humanos passem para o Arquivo da Felicidade, numa biblioteca de Westworld.