Home TVEpisódio Crítica | American Horror Stories – 1X04: The Naughty List

Crítica | American Horror Stories – 1X04: The Naughty List

por Kevin Rick
2440 views (a partir de agosto de 2020)

  • Há SPOILERS. Leia aqui as críticas dos outros episódios.

Vou parecer disco arranhado, mas vamos lá. O quarto episódio da sofrível American Horror Stories, é mais um misto de ideias tematicamente interessantes (crítica a influenciadores vazios) com o intrigante conceito para o horror do Papai Noel assassino, mas que novamente falha em sua execução. The Naughty List acompanha a história de 4 youtubers/influencers que decidem passar dos limites para ganhar visualizações, dentre elas a filmagem de um homem se suicidando, a tentativa de remediar sua imagem ruim fingindo serem “homeysexual” – se não viram o episódio, pesquisem para ficarem chocados com mais uma babaquice atual -, e por fim fazendo piadas machistas e obscenas em um evento natalino para crianças, resultando no intérprete do Papai Noel (Danny Trejo), que é na verdade um assassino, querendo se vingar do grupinho detestável por causa da pegadinha de mal-gosto.

Depois de mais um episódio semelhante em seus problemas, eu vejo a série como esta pseudo-crítica a diferentes temas, tentando criar uma análise/analogia com o horror para construir um discurso temático com tópicos atuais, como, aliás, a série original retrata (com seus altos e baixos), mas falhando, em um primeiro momento, na sua interpretação superficial e leviana das temáticas em exposição, e logo depois, como consequência da proposta que preza o conteúdo bobo e não a experiência unificada, perde-se na realização da sua proposta mais simples: o horror antológico de lendas urbanas.

O primeiro ato de The Naughty List representa este argumento na falta de cuidado do comentário social com o grupo de influencers. A ideia de querer criticar a cultura tóxica de redes sociais é tão jogada na cara do espectador, sem qualquer nível de sutileza, verossimilhança ou razoabilidade, que o próprio sentido de apontar dedo ao estúpido explode na cara de um roteiro completamente inexistente de substância para avaliação do tema que quer tão claramente questionar.

Se fosse uma paródia, era possível entender – não gostar, apenas para frisar – o quão ilógico são as ações destes personagens, mas a linguagem é de um drama repreendedor com a inserção do Killer Santa” e até tenta simpatizar os personagens com seu conflito de terem que criar conteúdo polêmico para manterem seu público, logo, quando estes jovens, cientes de backlash ou qualquer tipo de senso mesmo, decidem fazer essas coisas, e não apenas o vídeo de suicídio – que, aliás, provavelmente foi inspirado no evento do youtuber Logan Paul ter filmado um suicídio -, mas a sequência dos atos, suas reações caricatas e todo o desenrolar de uma experiência de vergonha alheia, mantém o julgamento no seu campo superficial –  a cena do menino comemorando os 5 milhões de inscritos frente a morte é puro constrangimento visual, e um exemplo puro de crítica fútil.

Até o ato final não faz muito sentido em relação a narrativa, pois aparenta tentar vender a imagem de que os personagens merecem morrer, retornando ao argumento que expus no primeiro episódio de como o show tem esse viés de defesa da violência quando cabe na agenda da equipe criativa. E o próprio horror do desfecho é mais uma colagem de terror sem graça, nulo de tensão ou sentimento, mesmo que seja ódio pelos atos dos personagens – eu fiquei mais na indiferença com todo o teor patético -, e, claro, o desnecessário gore espalhada na tela como tentativa de camuflar o quão raso é o enredo.

Eu vou acompanhar o restante da série por dever e responsabilidade, e pelo menos tentar me divertir escrevendo deste show de horrores, porque qualquer tiquinho de esperança qualitativa foi pro espaço após esta trinca de histórias. É tão difícil assim fazer uma história divertida de um Papai Noel assassino? Ainda por cima interpretado pelo carrancudo Danny Trejo! Mas não, Ryan Murphy e o restante da sua equipe criativa precisa carregar seu público para sua dissimulação de conteúdo crítico, sem horror, sem expressão, sem relevância. Puro constrangimento…

American Horror Stories – 1X04: The Naughty List | EUA, 29 de julho de 2021
Criação: 
Ryan Murphy, Brad Falchuk
Direção: Max Winkler
Roteiro: Manny Coto
Elenco: Kevin McHale, Nico Greetham, Dyllon Burnside, Charles Melton, Danny Trejo
Duração: 37 min.

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais