Home QuadrinhosArco Crítica | Os Fabulosos X-Men: O Inferno de Noturno

Crítica | Os Fabulosos X-Men: O Inferno de Noturno

por Luiz Santiago
152 views (a partir de agosto de 2020)

estrelas 4

Este anuário da X-Men Vol.1, lançado em novembro de 1980, marca uma fase bastante importante para o grupo mutante, tanto no andamento das histórias quanto no marketing. No primeiro ponto, temos as consequências imediatas após a Saga da Fênix Negra (edições #129 a 138), que foi a saída de Ciclope, a liderança entregue a Tempestade e a chegada de uma nova X-Men ao grupo, a adolescente Kitty Pryde (na época, Ninfa). O segundo ponto foi a forma como a Marvel passou a dar novas cores às histórias após a conclusão do arco Dias de um Futuro Esquecido (1981), uma forma de iniciar o ano com nova roupagem.

Entre esses dois momentos temos O Inferno de Noturno, história baseada em A Divina Comédia, de Dante Alighieri, e que conta a descida dos X-Men ao domínio do capiroto numa missão de resgate a Kurt Wagner, o Noturno, levado para lá por Margali, que queria vingar algo que Noturno fizera anos atrás com seu irmão de criação. Com a ajuda do Doutor Estranho, os X-Men chegam ao último círculo do inferno projetado por Margali e através do Olho de Agamoto, a verdade é então revelada.

A história possui três momentos. Na introdução, temos o aniversário de Noturno, onde há o “sequestro” de sua alma para o inferno. No desenvolvimento, a melhor parte de toda a história, temos a saga do grupo no inferno de Margali e a busca por respostas para o que estava acontecendo. No terceiro, a continuação da festa de aniversário após o fim dos problemas infernais do elfo, sendo esta, a parte mais fraca da aventura.

Chris Claremont consegue criar uma adaptação inacreditável para o clássico poema de Dante, destacando os principais seres demoníacos e os horrores de cada um dos círculos do inferno. Embora a passagem entre uma fase e outra seja bastante rápida, não podemos dizer que esse ponto do roteiro é algo negativo. A atuação do grupo com uma função principal (salvar Noturno) e o enfrentamento dos muitos perigos do lugar — no final das contas, todos ali estavam condenados — dão a cada momento a sua peculiaridade e recebe nos desenhos de John Romita Jr. e finalização de Bob McLeod uma angustiante e ao mesmo tempo grandiosa configuração, fazendo jus ao tema épico/teológico do texto original.

O início da história mostra a familiar e sempre afetiva relação entre os X-Men, mas é na jornada através dos círculos do inferno que vemos como essa relação pode ser ao mesmo tempo agressiva (especialmente da parte de Wolverine) e protetora, ressaltando as personalidades não humanas do grupo e mostrando como o domínio dessa parte pode fazer com que salvem uns aos outros. Talvez, se olharmos unicamente por esse ponto, o final da história não seja assim tão destoante. Todavia, fazendo a comparação com a ligação entre o início, a captura de Noturno e dos X-Men e o desfecho do Annual, vemos que o ponto romântico (Noturno e a [meia-]irmã Amanda Sefton) estraga sim o clima que se estabelecera até aquele momento. Não é algo terrível, mas destoa do todo.

O Inferno de Noturno é uma ótima história. Com uma arte incrível — destaque absoluto para toda a jornada no inferno — e um roteiro que não faz feio na ligação entre sua inspiração e o contexto dos mutantes (com direito a uma ou outra incursão de elementos sociais e conflitos familiares), a aventura representa bem esse momento de reestruturação dos X-Men, mostrado a insegurança de Tempestade e do Professor Xavier e o respeito e companheirismo dos outros membros do grupo para com essa nova direção. Ainda abalados pela morte de Jean Grey e o afastamento de Ciclope, a jornada no inferno serviu para reafirmar laços que pouco tempo depois seriam fortemente testados.

O Fabulosos X-Men: O Inferno de Noturno (Uncanny X-Men Annual#4: Nightcrawler’s Inferno) — EUA, novembro de 1980
Roteiro: Chris Claremont
Arte: John Romita Jr.
Arte-final: Bob McLeod
Cores: Glynis Wein
Lançamento no Brasil: parte do encadernado Dias de um Futuro Esquecido, editora Panini, 2014
40 páginas

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais