Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | Sem Novidade no Front (Nada de Novo no Front)

Crítica | Sem Novidade no Front (Nada de Novo no Front)

por Luiz Santiago
578 views (a partir de agosto de 2020)

Erich Maria Remarque lutou nas trincheiras da 1ª Guerra Mundial. Aos 18 anos, o jovem soldado já convivia com o dilema que o incomodaria parte da vida e que o inspirou a escrever Nada de Novo no Front (1929), obra que Lewis Milestone brilhantemente adaptou para o cinema em 1930.

Tanto o livro quanto o filme possuem uma mensagem crítica em relação à guerra envolvendo questões existenciais, psicológicas, filosóficas, sociológicas e ideológicas, passando sua mensagem antibelicista através de um questionamento para o evento da guerra em si, seu sentido para além do óbvio — em dado momento da fita um soldado pergunta algo mais ou menos assim: como um país ofende ao outro? Uma montanha consegue ofender uma planície? — e as consequências fora do campo estatístico e puramente factual.

Milestone consegue fazer algo que Asas, outro filme sobre a Primeira Guerra lançado três anos antes não fizera — e nem tinha a proposta de fazer — que é realizar o espetáculo, a emoção e a reflexão em diversos campos da razão humana. O público fica emocionado, enojado, feliz e questionador à medida que as cenas se passam, a guerra avança e as mortes acontecem. Sem se preocupar com a exploração da violência na grande tela e de criticar ferrenhamente os apaixonados envolvimentos patriotas, especialmente aqueles doutrinários, que pregam o valor e a honra de dar a vida por um Estado que sequer memória de sua existência lhe dará, Milestone toca em uma ferida seminal da humanidade, algo cuja resposta está na “aurora do homem” (lembrem-se da guerra entre primatas de 2001: Uma Odisseia no Espaço) e que provavelmente o acompanhará até a sua extinção: o desejo de conquistar a qualquer custo, de querer ter mais poder e ser reconhecido por isso.

Mas esta conclusão não está no filme. Ela vem como uma bola de neve a partir dos toques pessoais que vemos no longa, da passagem das tropas alemãs pela pequena cidade, do discurso apaixonado do professor incitando seus jovens alunos a se alistarem, até o desolador resultado ao qual esses meninos serão expostos desde o momento de seu treinamento. A cobrança social, o valor da ação individual em se engajar pela causa de sua Nação, as patentes como prêmios de sobrevivência, a importância ideológica do ato de ser soldado, tudo isso ganha espaço no filme e é pontualmente espicaçado à medida que os jovens amadurecem e se desgostam da vida, rejeitando a paz. Há uma bela sequência onde o personagem de Lew Ayres volta para casa e se dá conta de que aquele lugar não lhe pertence mais. Estar com a mãe, o pai e fora do campo de batalha era, para ele, um martírio. O seu lugar era nas trincheiras, de frente com a morte. Como se a ida para a guerra fosse uma maldição da qual o soldado jamais pudesse se livrar, a não ser que morresse.

Há um grande número de indicações da guerra como prisão ao longo do filme. A fotografia de Arthur Edeson e Karl Freund foi pensada justamente para dar essa impressão ao espectador e eles conseguem isso através de posições engenhosas da câmera dentro dos cenários e se beneficiam do irreparável desenho de produção que faz uma das mais notáveis reconstruções das trincheiras da Primeira Guerra que o cinema já viu. Glória Feita de Sangue também pode ser adicionado à esta lista, mas Sem Novidade no Front tem uma proposta diferente, o espetáculo da guerra é mais cru, mais mecânico e menos comportamental/institucional, se comparado ao esplendoroso exercício de Kubrick.

O espetáculo aqui é a guerra pela guerra e, a partir dela, as consequências da desconstrução do ser humano. O governo, as ordens, as instituições, tudo isso parece longe demais. Os valores aqui são “oficiosos”, “populares”. O peso e o medo da palavra “covarde” move os jovens a caminharem para a morte. Não é preciso ordem oficial. Temos em cena um forte idealismo e a sua desconstrução. Os personagens de Remarque/Milestone são/estão alienados. Eles sequer tem acesso ou ciência do caminho hierárquico que os levou para morrer.

As cenas de batalha que começam por volta dos 40 minutos e voltam constantemente no restante do filme são de tirar o fôlego. Os bombardeios, as mortes, as metáforas visuais, as belíssimas composições noturnas (grande destaque da fotografia, por sinal) e o final impiedoso e frio são os maiores exemplos de que Nada de Novo no Front é um filme tecnicamente à frente de seu tempo e de conteúdo muitíssimo corajoso. É espantoso que a Warner tenha permitido a necessária crueldade final ser oficialmente lançada.

Não há perdão, concessão, segundas chances (o elenco em perfeita atuação deixa isso claro através dos semblantes cansados, maquiagem pesada, desequilíbrio psicológico, etc). A mensagem do filme é clara e deveria servir de alerta: em uma guerra só existem perdedores. Todavia, seja no micro ou no macro campo de nossa civilização, a guerra (qualquer guerra!) parece ser parte da alma do homem. Uma condenação intrínseca à sua existência contra a qual poucos lutam e quase nenhum consegue vencer. É aí que entra a banalização da vida do outro e o egoísmo (lembrem-se das botas, do relógio).

E estamos tão acostumados com isso que nada mais parece nos abalar ou impressionar. Realmente, não existe nada de novo no front. Bem… quase nada. Lembram-se que comparamos a visão da guerra como uma maldição da qual só a morte livraria o homem? Pois é. Quando a única novidade aparece em meio a batalha (seja ela uma noite de prazer ou uma borboleta, aliás, duas belíssimas indicações poéticas do diretor ao metaforizar a vida e a liberdade), o tempo acaba (morre) ou a morte do corpo chega. Ou temos que sair/chegar cedo demais ou somos impedidos de continuar. Sem Novidade no Front não é apenas um filme antibelicista em seu sentido mais bruto, puro e crítico. Ele é também uma lancinante metáfora sobre a vida.

Sem Novidade no Front / Nada de Novo no Front (All Quiet on the Western Front) — EUA, 1930
Direção: Lewis Milestone
Roteiro: George Abbott, Del Andrews, C. Gardner Sullivan (baseado na obra de Erich Maria Remarque).
Elenco: Louis Wolheim, Lew Ayres, John Wray, Arnold Lucy, Ben Alexander, Scott Kolk, Owen Davis Jr., Walter Rogers, William Bakewell, Russell Gleason, Richard Alexander
Duração: 136 min.

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais