Home QuadrinhosArco Crítica | Deadly Hands of Kung Fu #1 a 3

Crítica | Deadly Hands of Kung Fu #1 a 3

por Luiz Santiago
163 views (a partir de agosto de 2020)

O presente compilado traz as 3 primeiras edições da revista Deadly Hands of Kung Fu, que foi originalmente publicada entre os anos de 1974 e 1977, ao longo de 33 edições. Nesta série, acompanhamos as aventuras de Shang Chi, Mestre do Kung Fu, que fizera a sua estreia naquele mesmo ano de 1974, nas páginas da Special Marvel Edition #15 e 16.

.

Shang Chi, Mestre do Kung Fu e Os Filhos do Tigre

The Testing of Shang-Chi / Origins of the Sons of the Tiger

Esta primeira edição de Deadly Hands of Kung conta com duas diferentes histórias. A primeira delas, escrita por Steve Englehart e Jim Starlin, volta ao passado de Shang-Chi, contando uma história de quando ele tinha 14 anos de idade e seu pai Fu Manchu contratou quatro assassinos para tentar matá-lo. Esse teste tinha por objetivo determinar se Shang-Chi possuía o “instinto assassino”. O texto não perde muito tempo com teorias sobre o comportamento ou o pensamento do protagonista, mas consegue inserir muitas dessas ideias no decorrer da trama, mostrando a fixação maluca de Fu Machu pela brutalidade, tentando fazer do filho um assassino, um veículo imparável de morte, sem perceber que essa brutalidade é quem afasta o menino dele. As lutas, a meditação e as escolhas de Shang-Chi mostram o nível de preparação do personagem e faz com que a gente o admire muitíssimo, sensação que cresce ainda mais quando o vemos se colocar contra o pai, que o manipula (ou pelo menos tenta) o tempo todo.

Já a segunda história, escrita por Gerry Conway, não tem a ver com Shang-Chi. Ela nos traz a origem dos Filhos do Tigre. Na trama, Lin Sun retorna ao seu dojo e encontra seu mestre morrendo, após se atacado por ninjas. Com seu último suspiro, o mestre dá a Lin os amuletos do Tigre de Jade. Junto com seus amigos Abe Brown e Bob Diamond, Lin forma os Filhos do Tigre para vingar o mestre, embora o roteiro trate toda a questão como uma “vitória parcial e amarga”, primeiro porque tem muita coisa ainda para explorar e depois porque o mestre que o trio tanto ama, está morto. Eles caçam o líder dos assassinos, Sui Ti Kama, e explodem o seu covil de ópio, mas esse é apenas o primeiro passo de uma grande jornada que o leitor já imagina que trabalhará com conspirações, desejo de dominar regiões para o tráfico ou, quem sabe, ambições muito maiores de controle de pessoas e coisas.

Deadly Hands of Kung Fu #1 (EUA, abril de 1974)
No Brasil:
Kung Fu n°1 (Ebal, 1974), Mestre do Kung Fu n°21 (Editora Bloch, 1977)
Roteiro: Steve Englehart, Jim Starlin (primeira história) e Gerry Conway (segunda história)
Arte: Jim Starlin (primeira história) e Dick Giordano (segunda história)
Arte-final: Al Milgrom (primeira história) e Dick Giordano (segunda história)
Letras: Dave Hunt
Editoria: Don McGregor (primeira história) e Roy Thomas (segunda história)
15 páginas (cada história)

.

As Monstruosidades de Fu Manchu

Shang-Chi: Master of Kung Fu

Algumas comparações quadrinísticas acabaram me vindo, sem querer, nessa segunda edição de Deadly Hands of Kung. A primeira delas tem a ver com Fu Manchu, que seguindo todos os seus problemas de composição como personagem (vindos da literatura, já que ele foi criado por Sax Rohmer, num conto publicado em 1912) incorpora todo o mal possível, manipulando e até mesmo modificando fisicamente indivíduos que deveriam ser seus servos. A comparação que me veio aqui, guardadas as devidas proporções, foi com Anton Arcane. Um grau de parentesco com seu inimigo, uma grande extensão de poder, uma ambição demoníaca e, agora, essas modificações físicas. Tudo isso acabou me trazendo o pensamento em Arcane assim que bati o olho nos inimigos que Shang-Chi enfrenta nessa história.

Já a outra comparação é mais uma impressão geral do que qualquer outra coisa. Quando entra no covil das “monstruosidades de Fu Manchu“, como diz o título brasileiro, Shang-Chi encontra-se com um personagem que me trouxe à memória ninguém menos que Jesus de Sade, de Preacher, também guardadas aí as devidas proporções. As lutas, mais uma vez, são o grande destaque da edição e o final chegou a me impressionar bastante. Quando o infame Fu Manchu perguntou a Ducharme se estava “tudo pronto” eu não fazia ideia do que ele queria dizer… até que a tragédia final acontecesse. Impossível não odiar cada vez mais esse vilão. Coitado de Shang-Chi.

Deadly Hands of Kung Fu #2 (EUA, junho de 1974)
No Brasil:
Kung Fu n°2 (Ebal, 1974), Mestre do Kung Fu n°16 (Editora Bloch, 1976)
Roteiro: Steve Englehart, Alan Weiss
Arte: Alan Weiss
Arte-final: Al Milgrom
Letras: Tom Orzechowski
Editoria: Roy Thomas
15 páginas

.

A Trama das Víboras Sangrentas

Web of Bleeding Vipers

Todos nós sabemos que a paz de espírito não é algo exatamente fácil de se encontrar. Nesta história escrita por Doug Moench, uma reflexão sobre esse assunto abre o enredo, colocando Shang-Chi em uma posição de questionamentos sobre a paz interior e as perturbações que o mundo exterior constantemente nos traz. É então que ele ouve passos e, ao se deparar com uma perseguição, tenta ajudar uma garota, Linda Fong, que está sendo perseguida por bandidos. Ela está em fuga de um indivíduo chamado Adder (na verdade, Robert Fong), que é quem está por trás do tráfico de drogas em Chinatown e no Harlem. O primeiro embate de Shang-Chi com os capangas desse bandido não é lá nada interessante e o mesmo se dá com as lutas que surgem depois, no covil do tal “Víbora”, mas a curiosidade é quem move a leitura como um todo.

Depois do grande enfrentamento no covil do bandido, Shang-Chi consegue libertar Linda de seus perseguidores (o “Víbora” é morto no processo), e aí surge a revelação melosa e nada inspirada no meio do enredo, com a garota lamentando, dizendo que Shang-Chi “não entendia nada“, porque “não sabe o que é ter um pai vilão“. Um flerte metalinguístico pobre dentro de uma história que começou bem, mas que foi encaminhada de maneira bem rasteira. Ao menos a arte é interessante.

Deadly Hands of Kung Fu #3 (EUA, agosto de 1974)
No Brasil:
Kung Fu n°3 (Ebal, 1974)
Roteiro: Doug Moench
Arte: Paul Gulacy
Arte-final: Al Milgrom
Letras: Charlotte Jetter
Editoria: Tony Isabella
15 páginas

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais