Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | Elysium

Crítica | Elysium

por Ritter Fan
314 views (a partir de agosto de 2020)

estrelas 3

De certa forma, Elysium é o que Distrito 9, longa anterior do mesmo diretor, seria se tivesse sido bancado por um grande estúdio. Ao passo que Distrito 9 é um filme inovador, desafiador e, sim, perturbador, Elysium é uma versão mais cara, mais bonita, mas mais aguada, diluída, do mesmo filme. Mas é claro: um custou 30 milhões, o outro 115. O controle mais rígido do estúdio para criar algo mais palatável para as massas era inevitável e compreensível.

Mas isso faz de Elysium um filme ruim?

A resposta é um enfático não.

Elysium tem visuais deslumbrantes, com efeitos de computação gráfica de fazer o queixo cair que são jogados na tela para deleite do espectador logo nos primeiros segundos de projeção, quando aprendemos que a Terra de 2154 é uma gigantesca favela, com superpopulação e extrema pobreza e que os mais abastados construíram (ou mandaram construir, claro) uma estação espacial onde vivem em órbita. Lá, não há doenças nem mortes devido à alta tecnologia, além de todo mundo viver em conforto total, com mansões, piscinas e gramados verdejantes. Blomkamp nos conta toda essa história e também a do protagonista, Max (Matt Damon), cujo único desejo é um dia conhecer Elysium, de forma muito orgânica, bem inserida na projeção que nos mesmeriza com a dicotomia entre o Inferno na Terra e o Paraíso no céu sem que as comparações bíblicas nos sejam empurradas goela abaixo como em Homem de Aço.

Elysium é comandada com mão de ferro pela Ministra de Defesa Delacourt, vivida com vilania por Jodie Foster, que tem como uma de suas principais funções evitar que imigrantes ilegais invadam a estação espacial. Esses imigrantes desesperados são enviados por Spider (Wagner Moura) que vive disso, em sua fortaleza improvisada. Alice Braga é Frey, enfermeira e amiga de infância de Max e Sharlto Copley faz o capanga de Delacourt na Terra, um maníaco assassino biônico chamado Kruger (que outro nome poderia ser, não é mesmo?).

Os papéis de Wagner Moura e Alice Braga no filme são essenciais, peças-chave no filme, não apenas pontas glorificadas (Santoro, estou olhando para você!) e os dois estão muito bem, convincentes em seus respectivos personagens. Arriscaria dizer que Wagner Moura consegue, em todos os momentos que divide a tela com Damon, ser muito superior ao já estabelecido ator de ação, mas isso talvez se deva muito mais ao papel limitado que foi dado a Damon do que qualquer outra coisa.

E é aí que os problemas de Elysium, seu alto orçamento e maior controle do estúdio começam a ser verdadeiramente sentidos. Passado o primeiro terço da fita e estabelecida a premissa, o espectador, já acostumado com o – repito – deslumbrante visual, passa a procurar algo mais, inevitavelmente esperando um “novo Distrito 9“. No entanto, o que se vê desenrolando na tela é muito mais um filme de ação e pancadaria do que uma ficção científica madura. Blomkamp, que também escreveu o roteiro, meio que como uma versão maior e mais ousada de seu filme anterior, foi obrigado a emburrecer conceitos, a rarear os lampejos de brilhantismo. Sai a crítica social pesada, entram os exoesqueletos para intensificar a briga. Saem as possibilidades infinitas de ultrapassar as barreiras da convenção do sci-fi básico, entram a amor de infância, a criança doente, a cama milagrosa e vilões unidimensionais.

Sim, é muito interessante ver a intensidade da atuação de Copley como o Homem de 6 Milhões de Dólares do futuro, mas ele é só “mau como o pica-pau”, sem nuances. O mesmo vale para Jodie Foster e, principalmente para William Fichtner, que vive John Carlyle, um magnata que explora a mão de obra barata na Terra e tem laços estreitos com Delacourt.

Além disso, tudo é muito explicado no roteiro de Blomkamp, tornando-o, por vezes, risivelmente didático, certamente porque o estúdio deve ter achado Distrito 9 um filme hermético e difícil demais (se não conseguem perceber, estou revirando meus olhos nesse momento). Sai a sutileza, entra o pé na porta.

Mas é possível ver além dos problemas e vislumbrar o potencial de Elysium. É verdade que, em muitos aspectos, a trama de segregação lembra Distrito 9, mas em outros, ele vai além, tratando da superpopulação, da vida eterna, de sacrifícios e outros aspectos que estão lá presentes, mas que não são explorados como talvez alguns esperassem. Blomkamp tenta compensar os problemas com um excelente controle de câmera com tomadas de tirar o fôlego como a queda de uma nave em Elysium e parte da luta final (digo parte, pois ela é longa demais para o meu gosto), mas o resultado final não chega a impressionar de verdade, apesar do começo promissor.

O potencial está lá, ou estava. Mesmo assim, Elysium é um bom exemplar de ficção científica que só precisava um pouco mais de ousadia e menos didatismo.

Elysium (Idem – EUA, 2013)
Direção: Neill Blomkamp
Roteiro: Neill Blomkamp
Elenco: Matt Damon, Jodie Foster, Charlto Copley, Alice Braga, Diego Luna, Wagner Moura, William Fichtner, Brandon Auret, Josh Blacker, Emma Tremblay
Duração: 109 min.

Você Também pode curtir

8 comentários

Beatriz Lynch 25 de maio de 2020 - 15:15

Achei legal, mas ainda fico com Distrito 9.

Responder
planocritico 26 de maio de 2020 - 15:04

Também!

Abs,
Ritter.

Responder
Rosiane 8 de janeiro de 2015 - 20:41

Olá, Ritter
Elysium nem de longe é um filme ruim, pelos motivos que você descreveu acima. Os atores estão ótimos, visual lindo, história boa, mas por algum motivo não deu liga, simplesmente passável. Talvez, o fato de que eu já tinha visto algo semelhante e muito, muito superior em Distrito 9, Elysium me pareceu um cópia barata deste último.
Elysium é o tipo de filme que você assiste e daqui a trinta minutos nem lembra que assistiu, ao contrário de Distrito 9, um filme bárbaro, perturbador e chocante, tanto nas cenas, quanto na temática que abre um leque reflexões, sem dúvidas este filme passará pelo teste do tempo, daqui trinta anos a gente vai assistir e dizer: uau! Que filme!
P.s.: Não encontrei nada no site sobre Distrito 9, não tem mesmo ou não procurei direito?
Valeu!

Responder
planocritico 9 de janeiro de 2015 - 14:14

Não temos Distrito 9, @rosianecumam:disqus. Mas prometo que faremos a crítica em antecipação da estreia de Chappie, do diretor, ainda esse ano!

Abs, Ritter.

Responder
Brenno Bezerra 2 de outubro de 2013 - 15:59

Um dos piores filmes de 2013. Uma desastrosa ficção científica, onde Neill Blomkamp só mostrou ser o cineasta que ele sempre aparentou ser. Nem Wagner Moura me agradou.

Responder
Ritter Fan 7 de outubro de 2013 - 12:42

Brenno, ok, mas desastrosa porque?

Responder
Anderson Ribeiro 9 de outubro de 2013 - 10:11

Wagner Moura está impecável no filme e teve o melhor papel… e segurou muito bem a pressão.

Elysium podia ser melhor… mas nem de longe é um filme “desastroso”.

Responder
planocritico 9 de outubro de 2013 - 15:51

Sim, o filme poderia ter sido melhor, como eu mencionei, mas daí a desastroso ou um dos piores do ano, achei exagerado. O filme tem visuais incríveis e uma história que te prende. E concordo com você: Wagner Moura está show nesse filme! – Ritter Fan

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais