Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | Spartacus

Crítica | Spartacus

por Sidnei Cassal
766 views (a partir de agosto de 2020)

Hollywood sempre teve seus modismos temáticos em relação aos filmes que produz. Se hoje em dia está em voga os filmes sobre super-heróis e na década de ´70 a onda eram os chamados cine-catástrofes (Aeroporto, Terremoto, Inferno na Torre), na década de ´50 e ´60 eram os filmes históricos, principalmente aqueles que se passavam na Roma antiga, que consumiam as verbas maiores, mas costumavam ter uma excelente recepção por parte do público, e o mais importante, o esperado retorno financeiro.

Parece estranho hoje, que Kubrick tenha se aventurado a dirigir um desses filmes. Afinal, uma rápida olhada em sua carreira demonstra sua preferência por filmes centrados na atualidade. Mas nesta aparente estranheza há duas explicações. Primeira: Kubrick foi chamado por seu amigo roteirista Dalton Trumbo após o estúdio dispensar o diretor Anthony Mann, o que caracterizaria uma gentileza sua aceitar o convite. Segunda, e mais importante: um filme sobre escravos na Roma antiga é apenas superficialmente mais um épico filme de Hollywood. Qualquer outro filme que se passe na Roma antiga, produzido na mesma época, como Ben-Hur, O Manto Sagrado e Barrabás,  é invariavelmente apenas espetáculo e entretenimento. O material em que Spartacus se baseia, e o tratamento que teve pelo roteirista Trumbo tem uma inegável carga política e social, e uma bem disfarçada alusão a fatos recentes da história americana, como o macarthismo e os movimentos pelos direitos civis das minorias, que começavam a ganhar força no início da década de ´60.

Spartacus é daqueles filmes que para se fazer uma análise crítica pertinente invariavelmente é necessário situá-lo dentro do contexto histórico em que está inserido. Ora, o filme se passa na Roma antiga, é uma história sobre escravos, muitos dirão. Sim, é verdade, mas o que está escrito nas entrelinhas? Spartacus, o filme,  é baseado na obra de mesmo nome do escritor Howard Fast, que foi perseguido pelo macarthismo, e inclusive preso, ao se recusar a delatar seus companheiros cineastas, suspeitos de atividades comunistas. E foi na prisão que o livro foi escrito. Além disso, a adaptação ficou por conta de Donald Trumbo, outra vítima da perseguição do senador McCarthy. Sabendo disso, seria óbvio supor que os dois tratariam do assunto abordado no filme – uma rebelião de escravos na Roma antiga, liderada pelo personagem principal – como uma alegoria, uma metáfora dos tempos difíceis que ambos enfrentaram. E por certo foi este conteúdo, digamos assim, subversivo, que deve ter atraído Kubrick a fazer parte de sua produção.

Mas as referências do filme e a origem de seus autores (escritor e roteirista) não passaram despercebidas. Na época de seu lançamento, muitos cinemas que o exibiam sofreram verdadeiros piquetes por parte de entidades anti-comunistas, que desejavam impedir o público de ver o filme, pois acreditavam que o simples fato de assisti-lo, pagando o ingresso, o espectador estaria financiando e sendo exposto a ideias comunistas e rebeldes. O recentemente eleito presidente John Kennedy protagonizou um célebre episódio em que “furou” o piquete em frente a um cinema. A jornalista Hedda Hopper, personificada por Meryl Streep em um papel secundário no filme Júlia,  chegou a declarar: “… a história vem de um livro escrito por um comuna e o roteiro foi escrito por outro comuna, então, não vá assisti-lo!”

Mesmo com todo este alarde, o filme obteve grande sucesso junto ao público, recebendo inclusive 4 prêmios Oscar. Porque Spartacus não é apenas um filme com conteúdo, mas um belo espetáculo de cinema. Sua mais famosa cena, ao final do filme, quando os escravos são indagados para revelar a identidade de seu líder, momento em que um por um todos dão um passo a frente, dizendo “Eu sou Spartacus”, entrou para a antologia do cinema, sendo copiada e mesmo parodiada em outros filmes. Para espectadores atentos, o próprio Kubrick fez referência à cena em seu filme seguinte, Lolita. A cena serve hoje, para definitivamente corroborar a teoria sobre uma releitura histórica, afinal, ela é uma homenagem a todos os “bravos de Hollywood”, que se recusaram a delatar os colegas de profissão.

Para o público atual, admirador de Kubrick por seus trabalhos mais consagrados, como 2001 e Laranja Mecânica, Spartacus pode parecer um estranho no ninho em sua filmografia, um filme datado, semelhante a tantos outros filmes deste tipo que Hollywood adorou produzir há décadas atrás, e que hoje nos parecem bregas e difíceis de assistir. Mas o encantamento de Spartacus ainda está lá, em cenas bem produzidas, atuações convincentes e uma mensagem poderosa que resistiu ao tempo.

Spartacus (Spartacus, Estados Unidos, 1960)
Direção: Stanley Kubrick
Roteiro: Dalton Trumbo
Elenco: Kirk Douglas, Laurence Olivier, Jean Simmons, Charles Laughton, Peter Ustinov, John Gavin, Nina Foch, John Ireland, Herbert Lom, John Dall, Charles McGraw, Joanna Barnes
Duração: 184 minutos

Você Também pode curtir

6 comentários

cleverson magno 28 de agosto de 2018 - 16:59

Essa cena final que citou (“Eu sou Spartacus”) liguei muito com o final de V de Vingança dos irmãos Wachowski

Responder
cristian 24 de agosto de 2018 - 09:34

“um filme datado, semelhante a tantos outros filmes deste tipo que
Hollywood adorou produzir há décadas atrás, e que hoje nos parecem
bregas e difíceis de assistir.” Ahh discordo! adoro o filme, sua força narrativa, a entrega de Kirk Douglas e não acho que tenha ficado datado perto de outros do estilo como Gladiador. O estilo de Kubrick aqui não se impõe e isso nem é ruim, já que mistura de filme de estúdio com filme de diretor as vezes cai muito bem.

Responder
Luiz Santiago 22 de agosto de 2018 - 18:55

Por enquanto a crítica dessa série não está no nosso radar, mas no futuro, pode ser, com certeza!

Responder
Elton Miranda 22 de agosto de 2018 - 17:13

òtima critica, que tal trazer a critica da série Rome ? são só 2 temporadas

Responder
Dan Oliver 22 de agosto de 2018 - 17:04

Indico imensamente o livro homônimo de Howard Fast!!!! É uma das mais densas viagens que alguém pode fazer a roma antiga por meio da literatura!!!! Leiam!!!!!!!!!!!!!!

Responder
Danilo Lopes 21 de dezembro de 2013 - 15:36

Ótima crítica, realmente mudou minha visão sobre o filme! Assistirei novamente agora com um olhar diferente.

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais