Crítica | Legends of Tomorrow – 3X17: Guest Starring John Noble

Há SPOILERS do episódio e da série. Leia, aquias críticas dos outros episódios.

Depois de todo o caminho percorrido para o encontro com Mallus, devo dizer que foi um pouco anticlimática a chegada que o Demônio e seu contato com as Lendas neste penúltimo episódio da 3ª Temporada de Legends of Tomorrow. Todos os esforços convergiram para este ponto e o grande plano levado por Damien e Nora Darhk, enfim, encontrou a sua conclusão. Ou pelo menos uma parte dela.

Como é de esperar, num episódio da série, um bom número de referências respeitáveis apareceram através do riso e da ponte familiar e pessoal dos personagens, tendo no roteiro de Keto Shimizu e James Eagan uma partida urgente demais, mas ainda assim, aceitável. A ligação do título com O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei (2003) — onde o ator John Noble interpreta Denethor –; a alusão de Mick ao episódio Welcome to the Jungle; a alusão de Ray ao episódio Freakshow ; e a inteligente frase “Make America Grodd Again” (boa mudança para a frase-tema da campanha de Ronald Regan, em 1980 e de sua adaptação para a campanha de Donald Trump, em 2016) são momentos interessantes do capítulo, que provam a unidade narrativa e integração interna do show, o que é ótimo, especialmente no final da temporada, dando para o espectador uma boa sensação de ciclo se fechando. Mas a história em si, muitas vezes, pareceu infértil.

Parte da minha reclamação em I, Ava ganhou corpo aqui, sendo, inclusive, o objeto-armadilha para a liberação de Mallus. Não vejo isso como um ponto exclusivamente negativo, mas me pareceu estranho que a produção, após atravessar momentos de composição de roteiros bem mais difíceis do que esta, conformou-se com o paradoxo temporal de Amaya e dividiu a atenção do público para um diálogo com Obama, algo totalmente fora do que a série precisava. E não, isso não tem absolutamente nada a ver com as ideias do jovem Barack e o que ele representaria para os Estados Unidos no futuro (ou seja, muita, muita coisa). Isso tem a ver com a coerência desse encontro na série. Claro, foi bom ver alguém com uma retórica tão boa como a de Obama aconselhando Sara, dando a ela um outro ponto de vista, a perspectiva menos danosa possível. Bem típico do personagem (que é bem escrito, por sinal). A questão é que ao colocar alguém tão importante, mesmo antes da carreira política, o roteiro abriu as portas para uma porção de pequenas missões que acabaram por dar a impressão de bagunça na montagem, mesmo que casa bloco, isoladamente, tenha ficado bom.

Mais uma vez, uma pergunta incômoda: por que Isis precisou ficar afastada tanto tempo? A esta altura já sabemos que ela pode ser perfeitamente posicionada no roteiro mesmo que em terceiro plano. Aqui, a nossa impressão é que ela está sobrando, assim como estivera antes dos bons ajustes feitos na construção de personagens nesta temporada. Depois, o “pé atrás” de Ava em conversar com Rip sobre quem ela realmente é não caiu bem. Eu entendo a deixa para o futuro, o peso do suspense e a revelação chamativa para o Finale. Mas sendo esta a intenção, que pelo menos tivéssemos um melhor uso para Rip, para Ava e para essa mesma questão no decorrer da história. Enquanto estava “trabalhando com as Lendas”, Ava me pareceu perfeitamente bem localizada, mas, saindo desse espaço, a sensação de “mal encaixe” foi a primeira coisa que me veio à mente.

Os efeitos especiais para Mallus foram bons até ele levantar voo e começar a bater as asas. O visual demoníaco, de um jeito bem peculiar (palmas para o desenho de produção), chamou bem a atenção no momento de transformação de Nora, mas depois pareceu apenas um bicho ridículo no céu de Zambesi. Ele bem que poderia ter ficado no chão e continuado “belo” e majestoso. Mas tudo já está feito e agora é o tudo ou nada. Mallus está livre e, além da jornada das Lendas para aprisioná-lo novamente, há uma boa quantidade de dramas particulares para serem resolvidos (Amaya sai ou fica no grupo?). Vamos ver como isto tudo se encaixa no tardio episódio western que encerrará a temporada.

Legends of Tomorrow – 3X17: Guest Starring John Noble (EUA, 2018)
Direção: Ralph Hemecker
Roteiro: Keto Shimizu, James Eagan
Elenco: Brandon Routh, Caity Lotz, Maisie Richardson-Sellers, Amy Louise Pemberton, Tala Ashe, Keiynan Lonsdale, Nick Zano, Dominic Purcell, Neal McDonough, Arthur Darvill, John Noble, Courtney Ford, Jes Macallan, David Sobolov, Erica Tazel
Duração: 43 min.

LUIZ SANTIAGO (Membro da OFCS) . . . . Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.