Home TVEpisódio Crítica | The Flash – 7X04: Central City Strong

Crítica | The Flash – 7X04: Central City Strong

por Luiz Santiago
3743 views (a partir de agosto de 2020)

  • Há SPOILERS deste episódio e da série. Leia aqui as críticas dos outros episódios.

Quem te viu, quem te vê, hein, The Flash? Após o horrível e deslocado fechamento da 6ª Temporada no episódio Mother, o ânimo em relação ao encadeamento da presente temporada ficou em estado de pleno alerta. Uma das dúvidas repousava justamente no caminho que os roteiristas dariam para a reconstrução da cidade e do time Flash, como um todo. A Mestra dos Espelhos fez um estrago psicológico muito grande em Central City, então os questionamentos em torno desse aspecto eram imensos, concentrando parte de nossos maiores temores. Mas é aquela história: milagres acontecem!

Central City Strong é um ótimo título de episódio para elencar o problema da reconstrução da cidade, tanto física quanto emocionalmente. Como sempre, esses problemas externos acabam afetado de forma direta o time Flash, e o que temos de mais notável nesse lado é Iris lutando contra o trauma de ter ficado três meses pesa no mundo do espelho e, por outro lado, Barry tentando compensar a esposa por algo que ele não fez, mas que se sente moral e sentimentalmente culpado — um dos primeiros conflitos internos do personagem que eu acho que funcionou em sua totalidade, inclusive a própria demonstração desse sentimento de culpa, com Barry seguindo mais ou menos a linha de raciocínio: “eu sou um herói, eu já enfrentei todo tipo de vilão, como eu não pude perceber que aquela não era a Iris de verdade?“. Simples, mas honesto e compreensível. Ponto para a equipe de roteiristas!

A abertura do episódio já me chamou a atenção por trazer uma cena romântica que, vejam só, é bem dirigida e mostra performances convincentes e até bem fofinhas de Grant Gustin e Candice Patton. A relação dos dois e os diálogos que compartilham nesse episódio estão todos dentro de uma linha admirável de representação, o que mais uma vez cria um contraste colossal entre a horrorosa exposição da mesma situação no capítulo anterior e esta que temos aqui. Bem alinhada a isso também vemos a relação com toda a equipe, temperada com um humor gostoso e que nos lembra o quão bom é assistir a um episódio de The Flash com um roteiro bem escrito.

E para sacudir as estruturas, temos o retorno de Abra Kadabra (David Dastmalchian), numa apresentação um tantinho desajeitada, mas que se organiza até que bem no decorrer do episódio, ganhando um final surpreendente, mostrando um vilão cientista sendo convidado a pensar e… vejam só, quem diria… realmente fazendo isso! Sem contar que tira um pouco aquela maldição que é a tônica de praticamente a totalidade das produções de super-heróis, com todo mundo sendo ou genuinamente bonzinho ou genuinamente bandidão, sem tons de cinza no meio do caminho. Por isso gostei da resolução do arco com Kadabra e cheguei até a lamentar sua morte, no final.

A grande surpresa, porém — e me parece que este será o foco real da 7ª Temporada — é o aparecimento de uma criatura que eu não consegui identificar quem é. Dá umas aparências com a Karen Lou Faulkner (Rampage), só que alterada. E tem também aquela vilã recente do Flash, a Alexa Antigone (Fuerza), que também pode ter sido super brutalizada nessa versão do Arrowverse. Vamos ver. Agora que já temos um vilão/vilã forte para a temporada, é aguardar e aproveitar o desenvolvimento da jornada. Este é o episódio que verdadeiramente começaria a 7ª Temporada. E olha… que bom começo, viu, com direito a Caitlin/Frost em corpos separados e tudo! Mais alguém aqui ficou “oi?” quando viu a última cena?

The Flash – 7X04: Central City Strong — EUA, 23 de março de 2021
Direção: Jeff Byrd
Roteiro: Joshua V. Gilbert, Jeff Hersh, Kristen Kim
Elenco: Grant Gustin, Candice Patton, Danielle Panabaker, Carlos Valdes, Danielle Nicolet, Kayla Compton, Brandon McKnight, Jesse L. Martin, David Dastmalchian, Brad Abramenko, Jessica Hayles, Kunal Jaggi, Frances Leigh, Donny Lucas, Connor Parnall
Duração: 43 min.

Você Também pode curtir

17 comentários

Guilherme Gomes 27 de março de 2021 - 21:37

Também gostei bastante do episódio, talvez aqui as partes emocionais funcionaram bem mais do que nas temporadas passadas, por exemplo. Iris não sendo a mesma depois do universo espelhado faz todo sentido, se analisarmos e essa parte do episódio é muito bem feita, ao me ver. Talvez Barry se sentido culpado por não ter reconhecido que a Iris espelhada não era Iris me soou um pouco forçado, talvez, apesar de fazer sentido, se pensarmos bem. De qualquer forma essas cenas trabalhando o lado mais “psicológico” das personagens foram muito boas, .
O Abra Kadabra teve seu papel de destaque nesse episódio, esse sim é um vilão da semana que eles souberam trabalhar. Talvez o discurso do Barry no final tenha sido um pouco forçado ( assim como as explicações tecnico-científicicas- quanticas)entretanto, tiveram um papel importante para a construção do “drama” do Kadabra, Apesar disso, ainda acho essa fórmula batida demais :
Vilão quase destruindo Central City + Barry faz um discurso para ele= Vilão desiste.
Mas tenho que concordar que pelo menos nesse episódio, a fórmula funcionou bastante, afinal “casa” muito bem com o restante do episódio relacionada a trama de Iris. Só achei que a morte do Kadabra talvez tenha sido precipitada demais, achei que ele teria um papel importante a desempenhar, Falando nisso, aquele Hulk Cwano foi muito aleatório, ao meu ver. Tipo, precisava mesmo dele aqui? Não poderiam fazer a introdução dele nos próximos episódios? (Considerando que ele será o vilão principal ou um vilão bem importante) Talvez essa foi a parte que mais me incomodou no episódio.
Como você disse, a dinâmica entre Chester e Cisco tava bem divertida, outro destaque do episódio. Bem, tenho que concordar que esse episódio tenha sido meio que “Um filler que deu certo”, mas realmente o episódio foi “bom de se ver”, ao contrário do tenebroso episódio passado. E que venham mais episódios como esse!
Ps1: Nevasca e Caitlin separadas era algo que ninguém esperava! Quero ver onde isso vai dar, certeza que vai ter um episódio só sobre isso.
Ps2: Vocês viram que o Abra Kadabra citou um nome em uma porte do episódio? Que era melhor Barry morrer por suas mãos do que morrer na mãos do sujeito ( esqueci o nome). Talvez tenha alguma relação com aquele monstro lá, mas não acho que seja ele pois Kadabra não o reconheceu. No entanto, é só uma teoria, não é mesmo? Agora é esperar pra ver.
Att,
Guilherme Gomes.

Responder
Luiz Santiago 27 de março de 2021 - 23:21

Esse ponto que você levanta sobre a fala do Kadabra é verdade. Ele realmente cita e pela forma como o novo vilão é apresentado no final do episódio, parece que vai mesmo dar muita dor de cabeça e até possivelmente trazer mais uma “morte” pro Flash. Será que teremos uma outra quebra espaço-tempo? Bagunçando o que a Crise criou? hahahahahahhaha

Responder
Barry, o Lanterna 25 de março de 2021 - 09:30

Pra mim, a pior parte desse ep foi mesmo o Cisco e o Chester. Parece que os roteiristas não sabem o que fazer com eles e então de cada vez que falam dizem coisas muito vergonhs alheia. Apesar de até agora não gostar muito do Chester, espero que mudem isso.

Responder
Luiz Santiago 26 de março de 2021 - 00:10

Caraca, eu me diverti tanto nas cenas com os dois!

Responder
Brayan 25 de março de 2021 - 03:52

Como pode ninguém falar da morte do abracadabra, que roteiristas mais preguiçosos, o flash nao pode derrotar mas a força da caneta do roteiro pode, ridículo a maneira que foi derrotado, e como sempre o vilão que pode derrotar o flash vai embora pq um barulhinho chamou. Como vcs podem não comentar que essa série parece ser feita por crianças, daqui a uns 10 anos vão olhar essa série é dizer meu Deus como alguém olhava ela, não sou hater, eu amo a série, apenas fico triste por ver a maneira que ela está sendo conduzida e todo mundo achar normal. Um velocista que não aparenta ter velocidade, a cidade inteira trabalhando nesse episódio, mas só vi pessoal que trabalha na starlabs e um figurante, tá caro manter essa série né. Com todos aparelhos que o cisco tem, nenhum poderia ter descoberto que tinha anti matéria ali que, aliás não era nem pra existir, acho que confundiram anti matéria com matéria escura pq uma nao pode estar no mesmo lugar que a outra. Enfim, triste isso, ver o que vc tanto ama na mão de amadores, tenho certeza que a netflix faria melhor

Responder
Luiz Santiago 25 de março de 2021 - 05:54

Era uma vez
Um gato chinês
Que morava em Xangai
Sem mãe e sem pai

Que sorria amarelo
Para o Rio Amarelo
Com seus olhos puxados
Um pra cada lado

Era um gato mais preto
Que tinta nanquim
De bigodes compridos
Feito um mandarim
Que quando espirrava
Só fazia chin!

Era um gato esquisito
Comia com palitos
E quando tinha fome
Miava ming-au!

Mas lambia o mingau
Com sua língua de pau
Não era um bicho mau

Esse gato chinês
Era até legal

Quer que eu conte outra vez?

Responder
Vitor Guerra 25 de março de 2021 - 02:30

Tambem gostei muito do episodio, sempre curti muito o Abra Kadabra, desde que apareceu pela primeira vez, até pq ele é todo construido em torno da Lei de Clarke que é meu conceito favorito da ficção cientifica:
“Qualquer tecnologia suficientemente avançada é indistinguível da magia”
So fiquei triste que morreu(se bem que como o personagem é um viagante do tempo nada impede que uma outra versão dele apareça)
Assim como você o episodio surpreendentemente acerta no emocional, coisa rara nessa serie, eu genuinamente me emocionei com o discurso da Iris no final.

Responder
Luiz Santiago 25 de março de 2021 - 03:33

Pois é cara, o lado emocional aqui foi mesmo muito bem escrito, eu fiquei super impressionado. Dá pra contar nos dedos os momentos em que enredos emocionais funcionaram na série. Seria demais sonhar que seja assim até o final do show? HAAHHAHAHAHAHAHHAHHAHAHAh

Responder
Josué de Morais 25 de março de 2021 - 00:13

Eu comecei algo nessa temporada que eu não tinha costume, e é de não ver nada de informações nem as previas kk Até agora tive surpresas boas com isso e ta sendo legal teorizar sem saber o que vem pela frente.
Mas vamos ao episódio, acho que eu gostei muito desse episodio pq minha regua foi fiquei interessado e não dormi durante ele, algo que aconteceu no 1, no 2. (No terceiro não aconteceu porque fiquei sem entender o que tava acontecendo durante boa parte do episodio, então me prendeu kk).
As coisas foram ocorrendo de forma organica, o discurso não foi algo ruim nem batido, o drama para derrotar o abra kadabra foi legal combinou com a situação, com os personagens, novamente fizeram um link com a mitologia da série (algo que tou amando profundamente até agora).
E o estranho é que meu maior ponto negativo é justamente na personagem que eu tenho mais gostado nos últimos tempos a Iris, o desenvolvimento no episodio foi muito legal, mas o discurso final eu achei bem ruinzinho, a serie ja fala muito de esperança e tudo mais e acho que quando ela subiu para falar ali poderiam ter puxado um pouco mais para a dor dela, ela sofreu, ela teve um desespero, ela pode estar com estresse pós traumatico. Eu não senti a necessidade dela naquele momento falar tanto sobre esperança saca? Acho que perderam uma chance de adicionar mais camadas a personagem, mas no geral a situação foi feita de forma bem legal e gostei muito.
A separação da caitlyn e da killer frost eu me perdi kk, eu assisti a mesma cena 4 vezes pq minha reação foi muito “QUÉ QUE TA ACONTECENDO?”.
AHHH, e o Cisco com a roupa alá mecha vibe, só digo algo: Meu filho se voce queria continuar sendo heroi, não tomasse a cura metahumana né….
E sobre o vilão, eu acho que volto para a minha teoria das forças, acho que o vilão foi afetado por alguma das forças que eu não sei exatamente quais são kk, mas acho que é para isso que estão se encaminhando, mas posso estar completamente errado .

Responder
Luiz Santiago 25 de março de 2021 - 03:22

As forças relacionadas à Força de Aceleração, você diz, né? As que escaparam?

Responder
Josué de Morais 25 de março de 2021 - 10:18

Sim, essas daí.
Se não me engano são 3, e durante o episódio 3 saíram, 4 raios.
3 cores diferentes, e uma com a cor da força da aceleração do barry.

Responder
Gabriel Filipe 24 de março de 2021 - 22:04

Bom, se q temporada seguir essa linha até o final, amarei. Dps de Mother q eu nn achei esse desastre td e do ep 2, esse ss, q eu odiei, mas sou ínfima maioria, chegamos ao q sem dúvidas é o mlr ep até aq da temporada. Acho q pela primeira vez nessa empreitada sua pela sétima temporada de Flash eu concordei integramente com o texto, até com a nota. Tava com um medo de como iriam desenvolver o Abra Kadabra, pq no início eu nn tava gostando nd dele, mas ele genuinamente me surpreendeu com o bom desenvolvimento. Tirando uns vícios do tom de novela da Cw (a próxima vez q falarem algo relacionado ao Barry citando amor, ou coração eu vou surtar kkkkkkkk), o epsódio foi ótimo. Mais uma vez o senhor Erick Wallace me fzd me interessar pela Iris, qm diria, viu, acho q ela tá se tornando uma das personagens mais interessantes da série e até a Candice tá mt mais a vontade agr tem roteiros minimamente descentes pra trabalhar com. Qual a do Wallace com coisas super inesperadas envolvendo a Nevasca? Primeiro a Nevasca velocista (q foi mt bom) e agr isso (????) Kkkkkkkk. Eu achei q ia ser um caminho totalmente diferente o seguido pela série, eu achei q iam fundir a Catilin e a Nevasca em uma única cosciência, mas na vdd separaram ela kkkkkkkkkkkkkk, vms ver nq vai dar né, pd ser algo interessante, afinal, a Nevasca foi outra personagem q ganhou mais destaque nas mãos do atual Showrunner, mas a Catlin havia fica escanteada. Vamos ver…

É Cw, ent 1000 pés atrás…

Responder
Gabriel Filipe 24 de março de 2021 - 22:11

Oq eu nn entendi até: pq diabos a CW jogou os últimos eps da sexta temporada pra sétima? Isso nn faz sentido nenehum

Responder
Luiz Santiago 24 de março de 2021 - 22:53

COVID.

Responder
Gabriel Filipe 25 de março de 2021 - 00:22

N, eu sei q o Covid interrompeu a termporada, oq eu falo é da questão numérica msm. Pq ao invés de considerar aqls eps como da sexta, eles consideraram da 7. Isso q nn entra na minha cabeça kkkkkk

Responder
Luiz Santiago 25 de março de 2021 - 00:49

Então, cara. O COVID. A emissora precisou rever a logística de exibição de toda a sua programação. Uma delas foi encerrar a sexta temporada num capítulo não previsto e iniciar a sétima temporada com episódios originalmente destinados à sexta. Estratégia de exibição gerada pela COVID.

Luiz Santiago 24 de março de 2021 - 22:45

HAUHAUAHUAHAUAUHAUHAAU eu fiquei com a maior cara de “ué!” do mundo! E tava igualzinho a você, jurava que iriam fundir as personagens, mas acabaram foi separando! Tendi nada! HAUAHUAHAUHAUAHUAHAUA

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais