Home TVEpisódio Crítica | Agents of S.H.I.E.L.D. – 4X14: The Man Behind the Shield

Crítica | Agents of S.H.I.E.L.D. – 4X14: The Man Behind the Shield

por Ritter Fan
119 views (a partir de agosto de 2020)

estrelas 4

Aviso: Há SPOILERS do episódio e da série. Leia as críticas dos outros episódios aqui e de todo o Universo Cinematográfico Marvel aqui.

Deixe-me primeiro dizer algo que está entalado em minha garganta: a razão por trás da obsessão do Superior com Phil Coulson é para lá de idiota… Até engoliria vingança pura e simples, mas essa de ele achar que Coulson está por trás de tudo de ruim no mundo é algo que estou até agora coçando a cabeça para entender, mesmo considerando o divertido flashback com May e Coulson em uma missão na União Soviética durante a Guerra Fria e que explica, em um retcon, a atração que eles sentem um pelo outro.

Mas vamos pular e esquecer isso, pois só queria mesmo desopilar o fígado. Afinal de contas, The Man Behind the Shield põe o arco L.M.D. de volta nos trilhos, depois de dois episódios que, se não são exatamente fracos, desviaram demais do foco principal, perdendo-se no processo. Basicamente, o episódio é uma grande missão de resgate em que a S.H.I.E.L.D. corre atrás do Superior para salvar o diretor Mace e May, o que acaba gerando uma narrativa cheia de ação que não economiza em novos cenários e até no uso de alguns extras para encorpar cada um dos lados do conflito.

Certamente faltou uma grande cena de pancadaria, com as já famosas coreografias da série. Além disso, mais uma vez perderam a oportunidade de colocar Daisy de volta em forma, com pleno controle de seus poderes, usando-os de verdade e não de forma tímida e simplista. Afinal, chegou a ser doloroso vê-la se defendendo com golpes de caratê contra as faquinhas do Superior, quando ela poderia ter literalmente derrubado a instalação toda sobre a cabeça dele. Sim, sei que a missão era de resgate e ela não podia sair derrubando tudo, mas o uso inteligente de seus poderes poderia torná-la um exército de uma mulher só, emulando a Cavalaria em sua mítica missão no Bahrain. Ou pelo menos poderiam tê-la usado estrategicamente, nem que fosse para abrir aquele buraco na parede da base do Superior que Mack abre com uma bazuca. São coisas assim que não dão para entender sobre o (des)uso de Daisy depois de ela ter mostrado vastos poderes em temporadas anteriores.

Mesmo com essa grande falha, que nada mais é do que a reiteração do tratamento que tremor vem recebendo nessa temporada inteira até agora, o fato de o roteiro de Matt Owens (de Let Me Stand Next to Your Fire) não ter poupado Mace, fazendo-o passar por efetiva tortura gráfica (ok, de leve, mas vocês entenderam o espírito), já merece comenda, assim como o incisivo diálogo de Mack com Fitz que funciona bem para derrubar psicologicamente o jovem cientista. Além disso, a presença discreta, mas absolutamente ameaçadora de Aida 2.0 como uma espécie de mastermind do plano de Radcliffe promete um desfecho no mínimo tenso para a personagem, isso se ela for mesmo derrotada ao final do arco, já que só falta um episódio agora.

Outro aspecto bem pensado do roteiro é emular, ainda que de forma menos ostensiva do que em Broken Promises, a auto-consciência quase metalinguística de que as linhas narrativas usadas no arco são retiradas de outras fontes. É sempre uma brincadeira que funciona. Citações aos “camisas vermelhas” de Star Trek e a Matrix dão o colorido que esse lúgubre episódio precisava, brevemente quebrando seu lado sombrio e labiríntico.

E isso nos leva, então, ao grande momento da reviravolta, algo que de certa forma era esperado por vários espectadores, mas, muito provavelmente não desta forma e não com a substituição de basicamente todo o elenco principal por LMDs novinhos em folha. Aqui, a direção de Wendey Stanzler foi precisa. Quebrando a ação na base do Superior em pequenas sequências embaralhadas, ele cria o senso de desnorteamento necessário para que, quando Simmons pausa para raciocinar sobre o que aconteceu, nós também paramos e acompanhamos seu raciocínio. Havia mesmo alguma coisa errada ali e a montagem propositalmente estranha ajuda nessa impressão, algo amplificado pelo confinamento do lugar, com discretas alterações na iluminação banhando o local, além de uma câmera que procura impedir que compreendamos exatamente o layout da base. São elementos que só realmente fazem sentido em retrospecto quando Simmons funciona como nossa guia e a decisão de não usar flashback para “refazer o caminho” mostra que os showrunners não mais querem tratar seu público como bobo enchendo os episódios de didatismo.

Com todo mundo menos Fitz e Simmons convertido em LMDs, May ainda no Framework, Radcliffe e Aida 2.0 em local incerto e não sabido e apenas um episódio pela frente, Agents of S.H.I.E.L.D. terá que cortar um dobrado para fechar as pontas soltas do arco. Mas The Man Behind the Shield restaurou minha fé na série mesmo que o preço para isso seja um encerramento excessivamente corrido.

Agents of S.H.I.E.L.D. – 4X14: The Man Behind the Shield (EUA, 14 de fevereiro de 2017)
Showrunner: Jed Whedon, Maurissa Tancharoen, Jeffrey Bell
Direção: Wendey Stanzler
Roteiro: Matt Owens
Elenco: Clark Gregg, Chloe Bennet, Ming-Na Wein, Iain De Caestecker, Elizabeth Henstridge, Henry Simmons, John Hannah, Mallory Jansen, Natalia Cordova-Buckley, Jason O’Mara, Parminder Nagra, Patton Oswalt, Artemis Pebdani, John Pyper-Ferguson, Zach McGowan
Duração: 44 min.

Você Também pode curtir

56 comentários

Angelo Serravalle 20 de fevereiro de 2017 - 01:44

Excelente crítica, Ritter, como sempre. Parabéns. Esse episódio realmente recuperou bastante do que a série veio construindo ao longo do tempo (e as citações a outras obras deram um brilho especial, inclusive o brilho verde das letrinhas subindo no monitor de Fitz na cena da simulação no começo do episódio, fazendo-o parecer quase um Tank).
No episódio anterior, eu imaginei que a captura de Mace poderia ter sido facilitada por ele para executar alguma ação interna, confiando no resgate implacável por Coulson e equipe. Ledo engano. Traje removido, soro esgotado, surrinha aqui e ali, substituição por LMD, enfim… Se é para esperar alguma surpresa, talvez tenha sido substituído propositalmente e apresente alguma ligação obscura com qualquer coisa da vilania dessa trama. A tortura foi meia-boca, mas talvez o torturado já tenha sido o LMD, e o mísero corte no peito tenha sido só um modo de “fazer parecer tortura”, sem expor um esqueleto metálico.
Concordo com os comentários acima (ou abaixo, não sei bem onde estão os anteriores), sobre Daisy ter sido treinada pela cavalaria e pelo melhor vilão da série, além de ser uma agente de campo, antes de tudo – menos sobre ser hacker. Quando ela tirou a faca do ombro e se posicionou para combate corporal, fiquei feliz em ver que a luta não se resumiria a um “tiro” de tremor e pronto, mas fiquei um tanto decepcionado no final. Acho que criei muita expectativa em ver mais uma impecável coreografia, como tantas outras no histórico da série e da própria personagem.
Agora, o que me deixou com uma pulga atrás da orelha foi Coulson, Filho de Coul, ter sido substituído aparentemente sem problemas. Imagino que o fato de ele ter seu cérebro remodelado no “Haiti”, após sua morte por Loki, talvez pudesse atrapalhar o funcionamento do framework e até mesmo dar um bug durante o processo de transferência de memórias para o sistema.
Voltei a ficar ansioso pelo que vem por aí… Vamos lá.

Responder
Angelo Serravalle 20 de fevereiro de 2017 - 01:44

Excelente crítica, Ritter, como sempre. Parabéns. Esse episódio realmente recuperou bastante do que a série veio construindo ao longo do tempo (e as citações a outras obras deram um brilho especial, inclusive o brilho verde das letrinhas subindo no monitor de Fitz na cena da simulação no começo do episódio, fazendo-o parecer quase um Tank).
No episódio anterior, eu imaginei que a captura de Mace poderia ter sido facilitada por ele para executar alguma ação interna, confiando no resgate implacável por Coulson e equipe. Ledo engano. Traje removido, soro esgotado, surrinha aqui e ali, substituição por LMD, enfim… Se é para esperar alguma surpresa, talvez tenha sido substituído propositalmente e apresente alguma ligação obscura com qualquer coisa da vilania dessa trama. A tortura foi meia-boca, mas talvez o torturado já tenha sido o LMD, e o mísero corte no peito tenha sido só um modo de “fazer parecer tortura”, sem expor um esqueleto metálico.
Concordo com os comentários acima (ou abaixo, não sei bem onde estão os anteriores), sobre Daisy ter sido treinada pela cavalaria e pelo melhor vilão da série, além de ser uma agente de campo, antes de tudo – menos sobre ser hacker. Quando ela tirou a faca do ombro e se posicionou para combate corporal, fiquei feliz em ver que a luta não se resumiria a um “tiro” de tremor e pronto, mas fiquei um tanto decepcionado no final. Acho que criei muita expectativa em ver mais uma impecável coreografia, como tantas outras no histórico da série e da própria personagem.
Agora, o que me deixou com uma pulga atrás da orelha foi Coulson, Filho de Coul, ter sido substituído aparentemente sem problemas. Imagino que o fato de ele ter seu cérebro remodelado no “Haiti”, após sua morte por Loki, talvez pudesse atrapalhar o funcionamento do framework e até mesmo dar um bug durante o processo de transferência de memórias para o sistema.
Voltei a ficar ansioso pelo que vem por aí… Vamos lá.

Responder
planocritico 20 de fevereiro de 2017 - 15:57

@angeloserravalle:disqus , obrigado!

Acho que o Mace ali realmente já deveria ser o LMD. Mesmo assim gostei das cenas, por não esconder a tortura, ainda que “light”.

Sobre Daisy, cara, não sei o que está acontecendo. Essa “sabotagem” em cima da personagem está ficando muito chata. Ok que no primeiro arco ela estava depressiva e machucada, mas, agora, ela voltou ao seu normal e esse normal deveria ser destrutivo e não simplista assim.

Já no caso de Coulson, é possível que vejamos um pouco disso que você descreve quando espiarmos lá dentro do Framework. O problema é que um episódio só para isso é meio complicado e farejo correria desenfreada por aí. E o pior de tudo é que, depois, vem hiato mais uma vez…

Abs,
Ritter.

Responder
Josevando Sousa 16 de fevereiro de 2017 - 23:34

1° Sobre os poderes da Daisy sinto que estão “nerfando” de propósito, porque como vi uma certa vez o pessoal dos EUA vive pedindo ela nos Vingadores, afinal, ela é poderosa pra cacete, ajudaria muito mais que alguns dos integrantes atuais dos Vingadores. É um descaso, sim; mas até que faz bastante sentido. Uma observação: de vez em quando é melhor que a Daisy ao invés de ficar usando seus poderes pra tudo, partir pro “mano a mano” mesmo. Afinal ela foi treinada pelo Ward (FDP) e pela Cavalaria, né? Ela é agente de combate, antes de inumana, então acho válido…
2° Sobre resolverem tudo nesse último EP: duvido muito, aposto que o 3° arco terá vários plots ainda envolvendo o LMD, porque tem muita coisa pra resolver só em um EP.
3° Sobre o flashback pra justificar o “Philinda”: acho justo. Afinal, não me incomoda e talvez a May e Coulson mereçam enfim ficar juntos, eles combinam bastante, então que seja.
No mais, só nos resta aguardar o episódio da semana que vem e ver que futuro a série reserva pros nossos agentes. Valeu pela review, até…

Responder
Josevando Sousa 16 de fevereiro de 2017 - 23:34

1° Sobre os poderes da Daisy sinto que estão “nerfando” de propósito, porque como vi uma certa vez o pessoal dos EUA vive pedindo ela nos Vingadores, afinal, ela é poderosa pra cacete, ajudaria muito mais que alguns dos integrantes atuais dos Vingadores. É um descaso, sim; mas até que faz bastante sentido. Uma observação: de vez em quando é melhor que a Daisy ao invés de ficar usando seus poderes pra tudo, partir pro “mano a mano” mesmo. Afinal ela foi treinada pelo Ward (FDP) e pela Cavalaria, né? Ela é agente de combate, antes de inumana, então acho válido…
2° Sobre resolverem tudo nesse último EP: duvido muito, aposto que o 3° arco terá vários plots ainda envolvendo o LMD, porque tem muita coisa pra resolver só em um EP.
3° Sobre o flashback pra justificar o “Philinda”: acho justo. Afinal, não me incomoda e talvez a May e Coulson mereçam enfim ficar juntos, eles combinam bastante, então que seja.
No mais, só nos resta aguardar o episódio da semana que vem e ver que futuro a série reserva pros nossos agentes. Valeu pela review, até…

Responder
planocritico 17 de fevereiro de 2017 - 00:22

@josevandosousa:disqus , sobre seus pontos:

1. Sinceramente não vejo problema algum ela ser super-poderosa e permanecer só na série, mas…

2. É bem provável mesmo, mas espero que o Superior fique por aqui mesmo…

3. Também não tenho nada contra os dois juntos.

Abs,
Ritter.

Responder
Stella 17 de fevereiro de 2017 - 12:43

Ritter tenho uma péssima noticia para ti, sobre o Superior kkkkk A praga vai voltar no proximo episodio está na promo.

Responder
planocritico 17 de fevereiro de 2017 - 14:12

@disqus_9KZLz8G0wg:disqus , eles só podem estar de brincadeira insistindo com esse personagem de meia-tigela… Se eu não gostasse tanto de Zach McGowan em razão de Black Sails, ia xingar mais…

Abs,
Ritter.

Responder
Stella 17 de fevereiro de 2017 - 21:15

Pois é , eu fiquei de cara. Não tem sentido ele ter sobrevivido. Só uma pedra que caiu na cabeça dele teria causado traumatismo craniano no personagem. Que furo os roteiristas estão dando, vai voltar com o Superiorzinho sabe lá para que.

planocritico 17 de fevereiro de 2017 - 22:53

@disqus_9KZLz8G0wg:disqus , tomara que ele seja um mero peão de Aida 2.0 e Radcliffe…

Abs,
Ritter.

Josevando Sousa 18 de fevereiro de 2017 - 01:14

Acho que vai ser, pela promo parece que vai ser experimento da Aida

Stella 17 de fevereiro de 2017 - 21:15

Pois é , eu fiquei de cara. Não tem sentido ele ter sobrevivido. Só uma pedra que caiu na cabeça dele teria causado traumatismo craniano no personagem. Que furo os roteiristas estão dando, vai voltar com o Superiorzinho sabe lá para que.

Stella 17 de fevereiro de 2017 - 12:42

Nossa você notou o mesmo que eu sobre a Daisy, você deve ter lido no mesmo site que eu. Sei que ela é uma ótima lutadora, assim como nas HQs, mas existem cenas que ela precisa utilizar os seus poderes e não utiliza daí fica sem sentido. Fora que ela se cansa mais facilmente, no inicio da temporada até entendi porque ela estava machucada e tal. Mas agora não dá para comprar mais isto. Torço muito para que o terceiro arco ela volte ser o que era antes.

Responder
planocritico 17 de fevereiro de 2017 - 14:11

Daisy é o Ultraman da era moderna… Toma dois tapas e já precisa recarregar… Tá bem chato isso…

Abs,
Ritter.

Responder
Stella 17 de fevereiro de 2017 - 21:13

KKKKKKKKKKKKK sim está deste jeito. Uma vergonha para os roteiristas, isto é um baita furo.

Responder
Stella 17 de fevereiro de 2017 - 21:13

KKKKKKKKKKKKK sim está deste jeito. Uma vergonha para os roteiristas, isto é um baita furo.

Responder
Josevando Sousa 18 de fevereiro de 2017 - 01:16

É, também não compro. Lembro dela usando seus poderes pra manter o portal aberto pro planeta que a Simmons tava, fazendo avalanches, derrubando a base da SHIELD sob controle do Hive. Agora usa duas vezes os “tremores” e fica cansada? Mancada isso.

Responder
Josevando Sousa 18 de fevereiro de 2017 - 01:16

É, também não compro. Lembro dela usando seus poderes pra manter o portal aberto pro planeta que a Simmons tava, fazendo avalanches, derrubando a base da SHIELD sob controle do Hive. Agora usa duas vezes os “tremores” e fica cansada? Mancada isso.

Responder
Bruno 16 de fevereiro de 2017 - 23:13

Tô contigo! O Superior um personagem fraquíssimo, sem eira nem beira, me dá vergonha quando ele aprece porque seu plot é péssimo. Dito isso, todo o restante do episódio é muito bom! Tô ansioso pelo desfecho desse arco.

Responder
planocritico 17 de fevereiro de 2017 - 00:20

Tomara que o lance do Superior tenha acabado aqui, mas temo que ainda vá continuar…

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 17 de fevereiro de 2017 - 00:20

Tomara que o lance do Superior tenha acabado aqui, mas temo que ainda vá continuar…

Abs,
Ritter.

Responder
Bruno 17 de fevereiro de 2017 - 00:21

Affe! Tem que encerrar esse embuste logo!

Responder
Bruno 17 de fevereiro de 2017 - 00:21

Affe! Tem que encerrar esse embuste logo!

Responder
Daimon Hellstrom 16 de fevereiro de 2017 - 16:32

Ótima crítica!! Eu tenho gostado bastante desse arco, porém, pra mim o problema foi tirar muito o foco do LMD, para mostrar mais dos Watchdogs (Que já tiveram bastante destaque na primeira parte e possivelmente terá no próximo arco, que deve tratar sobre o irmão da senadora).

Esse líder deles pra mim foi uma decepção total, não que esperava grandes coisas, mas ele não fez NADA, até o cara que virou o Nitro fez mais coisas que ele.

Daisy teve seus poderes e participação reduzida, eu não gostei tanto disso. E ainda estou um pouco decepcionado de como a série tratou a morte da Nadeer até agora, foi muito repentino e nem deram importância direito, espero que com a volta do irmão dela toquem no assunto.

E fico preocupado também sobre eles terem que resolver tudo isso em apenas mais um episódio, acho que poderia estender a duração para conseguirem trabalhar melhor nessa mid-season finale. Mas tirando alguns pontos, eu gostei bastante do episódio.

Responder
Daimon Hellstrom 16 de fevereiro de 2017 - 16:32

Ótima crítica!! Eu tenho gostado bastante desse arco, porém, pra mim o problema foi tirar muito o foco do LMD, para mostrar mais dos Watchdogs (Que já tiveram bastante destaque na primeira parte e possivelmente terá no próximo arco, que deve tratar sobre o irmão da senadora).

Esse líder deles pra mim foi uma decepção total, não que esperava grandes coisas, mas ele não fez NADA, até o cara que virou o Nitro fez mais coisas que ele.

Daisy teve seus poderes e participação reduzida, eu não gostei tanto disso. E ainda estou um pouco decepcionado de como a série tratou a morte da Nadeer até agora, foi muito repentino e nem deram importância direito, espero que com a volta do irmão dela toquem no assunto.

E fico preocupado também sobre eles terem que resolver tudo isso em apenas mais um episódio, acho que poderia estender a duração para conseguirem trabalhar melhor nessa mid-season finale. Mas tirando alguns pontos, eu gostei bastante do episódio.

Responder
planocritico 16 de fevereiro de 2017 - 17:20

Grande @daimonhellstrom:disqus , Filho de Satã, obrigado pelo elogio! HAHAHAHAHHA

Cara, o arco estava indo maravilhosamente bem no começo. Quando enveredaram para o lado dos Watchdogs e Inumanos, eles se perderam. Esse episódio foi, porém, muito bem conduzido e a reviravolta foi ótima. Mas concordo com todos os seus pontos!

Abs,
Ritter.

Responder
Rafa Silveira 16 de fevereiro de 2017 - 14:02

Ah, pra ser sincero, esse arco dos Watchdogs eu sempre pensei que fosse ser fraco. Chupinharam na cara larga os Purificadores das histórias dos X-Men e modificam de um jeito que ele é raso desde que surgiu. N existe o viés religioso e só agora inseriram um toque militar colocando esse Superior como uma versão tosquíssima do Stryker,

Fora esses caras que são uma distração inconveniente pro arco dos LMD, o restante foi bem legal. Vai ser interessante FitzSimmons sozinhos lidando com toda a situação

Responder
Rafa Silveira 16 de fevereiro de 2017 - 14:02

Ah, pra ser sincero, esse arco dos Watchdogs eu sempre pensei que fosse ser fraco. Chupinharam na cara larga os Purificadores das histórias dos X-Men e modificam de um jeito que ele é raso desde que surgiu. N existe o viés religioso e só agora inseriram um toque militar colocando esse Superior como uma versão tosquíssima do Stryker,

Fora esses caras que são uma distração inconveniente pro arco dos LMD, o restante foi bem legal. Vai ser interessante FitzSimmons sozinhos lidando com toda a situação

Responder
planocritico 16 de fevereiro de 2017 - 14:29

Olha, confesso que o conceito em si dos Watchdogs eu gostava. Mas aí os roteiros meio que esqueceram deles no conceito original e começaram a complicar demais a coisa, apresentando esse Superior ridículo que de superior não tem nada, apesar de eu gostar muito do ator em razão de Black Sails…

Mas o arco está legal. O problema é que ele começou MUITO BEM. Agora está só ok…

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 16 de fevereiro de 2017 - 14:29

Olha, confesso que o conceito em si dos Watchdogs eu gostava. Mas aí os roteiros meio que esqueceram deles no conceito original e começaram a complicar demais a coisa, apresentando esse Superior ridículo que de superior não tem nada, apesar de eu gostar muito do ator em razão de Black Sails…

Mas o arco está legal. O problema é que ele começou MUITO BEM. Agora está só ok…

Abs,
Ritter.

Responder
brunoalves65 16 de fevereiro de 2017 - 10:21

PQP! Quando FitzSimmons começam a repassar o ocorrido falando que alguma coisa estava errada, quase pulo da cadeira! Achei que todos tinham sido capturados e estavam na matrix de Radcliffe! Mas a dupla de cientistas escapou e agora terá que fazer mágica (ou ciência) para resolver esse problemão! Agora, como vão fazer isso em apenas um episódio eu não faço a mínima ideia. Espero que não estraguem o final! AoS ainda é uma das melhores séries do gênero. Se, futuramente, for cancelada, que seja de uma forma digna que respeite a sua história!

Responder
planocritico 16 de fevereiro de 2017 - 14:19

@brunoalves65:disqus , por alguns segundos eu achei que o episódio quase inteiro se passava no Framework, mas essa reviravolta foi bacana.

Mas concordo que um episódio só para resolver esse imbróglio será complicado…

Abs,
Ritter.

Responder
Bruno 16 de fevereiro de 2017 - 23:14

Eu também pensei que eles estivessem todos na realidade virtual…

Responder
planocritico 16 de fevereiro de 2017 - 14:19

@brunoalves65:disqus , por alguns segundos eu achei que o episódio quase inteiro se passava no Framework, mas essa reviravolta foi bacana.

Mas concordo que um episódio só para resolver esse imbróglio será complicado…

Abs,
Ritter.

Responder
Stella 17 de fevereiro de 2017 - 12:46

Não se preocupe a presidente do canal ABC, se pronunciou que tem interesse em renovar Agents of SHIELD para quinta temporada. : )

Responder
planocritico 17 de fevereiro de 2017 - 14:41

Tenho cada vez mais esperanças mesmo que teremos pelo menos mais a 5ª temporada para a série chegar aos 100 episódios!

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 17 de fevereiro de 2017 - 14:41

Tenho cada vez mais esperanças mesmo que teremos pelo menos mais a 5ª temporada para a série chegar aos 100 episódios!

Abs,
Ritter.

Responder
Junito Hartley 16 de fevereiro de 2017 - 08:49

Cara o odio do Superior pelo Coulson é tao lixo que ate ele achou e tirou uma onda com a cara do superior heuaheuaheuah

Como o Fitz bem falou, nao é possivel que esse tempo todo a May dentro do Framework que ela nao tenha alguma sequela, pra mim vai ser muito forçado, tipo quando ela ficou morta alguns segundos a mais e voltou de boa.

O flashback so foi pra justificar essa aproximação amorosa repetina do Coulson mais May, ja que tem uma galera achando ruim.

Responder
Junito Hartley 16 de fevereiro de 2017 - 08:49

Cara o odio do Superior pelo Coulson é tao lixo que ate ele achou e tirou uma onda com a cara do superior heuaheuaheuah

Como o Fitz bem falou, nao é possivel que esse tempo todo a May dentro do Framework que ela nao tenha alguma sequela, pra mim vai ser muito forçado, tipo quando ela ficou morta alguns segundos a mais e voltou de boa.

O flashback so foi pra justificar essa aproximação amorosa repetina do Coulson mais May, ja que tem uma galera achando ruim.

Responder
planocritico 16 de fevereiro de 2017 - 14:18

A motivação do Superior é irritante de idiota…

Mas acho que May sairá ilesa do Framework. Afinal, é como entrar em uma realidade virtual apenas. Talvez ela tenha consequências psicológicas interessantes.

Sobre a aproximação dela com Coulson, não me incomoda nem um pouco. Faz parte.

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 16 de fevereiro de 2017 - 14:18

A motivação do Superior é irritante de idiota…

Mas acho que May sairá ilesa do Framework. Afinal, é como entrar em uma realidade virtual apenas. Talvez ela tenha consequências psicológicas interessantes.

Sobre a aproximação dela com Coulson, não me incomoda nem um pouco. Faz parte.

Abs,
Ritter.

Responder
Ricardo 16 de fevereiro de 2017 - 08:38

Acredito que o arco não se fechará por completo no último episódio, deixando várias pontas soltas para o último arco (que acredito eu, focará no irmão inumano da senadora). Mas uma coisa que me deixou decepcionado na luta da Tremor contra o Superior foi o fato dela ter tanto ódio pelo homem que caçava inumanos e foi muito boazinha com ele. Esperava que ela fizesse o mesmo que fez com Wolverine por muito menos nas HQs, explodindo seu coração de dentro pra fora!!!

Responder
Ricardo 16 de fevereiro de 2017 - 08:38

Acredito que o arco não se fechará por completo no último episódio, deixando várias pontas soltas para o último arco (que acredito eu, focará no irmão inumano da senadora). Mas uma coisa que me deixou decepcionado na luta da Tremor contra o Superior foi o fato dela ter tanto ódio pelo homem que caçava inumanos e foi muito boazinha com ele. Esperava que ela fizesse o mesmo que fez com Wolverine por muito menos nas HQs, explodindo seu coração de dentro pra fora!!!

Responder
planocritico 16 de fevereiro de 2017 - 12:06

Alguma coisa vai sobrar mesmo para começar o terceiro arco e o irmão da senadora é com certeza o ponto nevrálgico. Vamos ver!

E sobre a forma como Tremor tem sido usada, é patético…

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 16 de fevereiro de 2017 - 12:06

Alguma coisa vai sobrar mesmo para começar o terceiro arco e o irmão da senadora é com certeza o ponto nevrálgico. Vamos ver!

E sobre a forma como Tremor tem sido usada, é patético…

Abs,
Ritter.

Responder
Stella 16 de fevereiro de 2017 - 03:20

Excelente crítica Ritter. Apesar de ser um episodio fraco, ainda sim foi melhor que os outros dois anteriores. Restaurou também a minha fé da série voltar aos trilhos, estava preocupada. Esta forçação de barra de May e Coulson está me dando nos nervos,sempre achei linda a amizade deles, agora fazem este ”retcon” que para mim não faz sentido.

Sobre a Daisy/Tremor é aquilo que conversamos semana passada, está havendo um descaso com a personagem, ela demonstrou vastos poderes, e não a exploram como tal. Uma heroína poderosa, só deixei ”passar porque ela foi substituída também,me pegou de surpresa. Então a Daisy original pode voltar com tudo, já que a LMD não poderia ter os poderes do mesmo nível que a original. A esperança é a ultima que morre.

Sobre o vilão, nossa AoS nunca teve um vilão tão raso que até mesmo as cenas de “tortura” não tem ‘graça’’.Mace sofre o mínimo abuso psicológico e físico, e mesmo quando é ferido, não passa de um corte mínimo no peitoral. Até mesmo Aida, conseguiria fazer uma tortura mais aterrorizante que Ivanov. A morte dele foi tão meh quanto sua passagem na série kkkkkkk ainda bem que acabou, e que o arco LMD se encerra de forma satisfatória. Já estou querendo saber do próximo arco, to um pouco decepcionada com este.

Responder
planocritico 16 de fevereiro de 2017 - 12:05

Tremor está sendo reduzida a coadjuvante. E o pior é que eu tenho quase certeza que a luta dela com o Superior foi ANTES de ela ser trocada…

O vilão é patético, irritante e idiota. Infelizmente, o arco LMD que começou tão bem e ficou apenas ok com isso tudo…

Abs,
Ritter.

Responder
Angel 16 de fevereiro de 2017 - 20:33

Pelo que entendi , acho que a luta foi com a versão robótica. A Daisy pode ter sido trocada muito antes ,desde que voltou a ser Agente, já pensou?

Responder
planocritico 16 de fevereiro de 2017 - 21:03

Poder pode, mas acho improvável. Creio que os quatro tenham sido trocados durante a missão de resgate na base de submarinos, pois entendi que esse era exatamente o plano de Radcliffe e Aida 2.0.

Abs,
Ritter.

Responder
Stella 16 de fevereiro de 2017 - 20:38

Uma pena Ritter que ela vem sendo reduzida assim. Apenas para Coulson e May ganharem a gloria, não to engolindo este romance alguém pare os roteiristas kkkkkkkkk Espero que no ultimo arco ela tenha destaque.

Responder
planocritico 16 de fevereiro de 2017 - 21:04

Não me importo com o romance entre os dois. Mas o que estão fazendo com Tremor é palhaçada mesmo…

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 16 de fevereiro de 2017 - 21:04

Não me importo com o romance entre os dois. Mas o que estão fazendo com Tremor é palhaçada mesmo…

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 16 de fevereiro de 2017 - 12:05

Tremor está sendo reduzida a coadjuvante. E o pior é que eu tenho quase certeza que a luta dela com o Superior foi ANTES de ela ser trocada…

O vilão é patético, irritante e idiota. Infelizmente, o arco LMD que começou tão bem e ficou apenas ok com isso tudo…

Abs,
Ritter.

Responder
Rodrigo Patini 16 de fevereiro de 2017 - 13:37

Mataram o Mace? Como assim???? Arghhhhh, como é duro aguentar esse delay para conseguir ver os episodios!…. (efeito colateral de quem é viciado em spoilers…. kkkk)

Responder
planocritico 16 de fevereiro de 2017 - 14:22

Calma, calma! Veja o episódio! hahahhahahahha

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 16 de fevereiro de 2017 - 14:22

Calma, calma! Veja o episódio! hahahhahahahha

Abs,
Ritter.

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais