Home TVEpisódio Crítica | Game of Thrones – 8X04: The Last of the Starks

Crítica | Game of Thrones – 8X04: The Last of the Starks

por Ritter Fan
179 views (a partir de agosto de 2020)

Ela é abominável. E eu também.
– Lannister, Jaime

  • Há spoilers. Acessem, aqui, todo o nosso material de Game of Thrones.

Depois de um desapontador intervalo em que os showrunners se livraram de qualquer jeito da subtrama dos zumbis, Game of Thrones volta à sua programação normal em um episódio exemplar que balanceia muito bem despedidas e decisões em um novo rearranjo de tabuleiro de um lado e ação do tipo que efetivamente impulsiona a trama de outro. Temos, em The Last of the Starks, um belo e respeitoso epílogo para a Batalha de Winterfell e o efetivo começo do fim, com as forças da Mãe dos Dragões em oposição às de Cersei no que promete ser um embate inesquecível.

Mas, começando pelo começo, David Nutter, responsável tanto por Winterfell quanto por A Knight of the Seven Kingdoms, tira o melhor do roteiro da dupla David Benioff e D. B. Weiss para lidar com as consequências e o preço da guerra contra o Rei da Noite. As baixas da “longa noite” são relembradas em momentos solenes, com Jorah Mormont e Theon Greyjoy ganhando as lágrimas de Daenerys e Sansa respectivamente, Beric Dondarrion recebendo o respeito de Arya e Eddison Tollett a lembrança de Sam, sobrando até tempo para um olhar de pesar de Jon em relação à valente Lyanna Mormont e para Melisandre ganhar uma menção ambivalente de Sor Davos. Um poético fechamento para o derramamento de sangue no mais completo escuro.

E, do lado dos sobreviventes, Arya ganha o reconhecimento que merece, mas que não quer; Gendry ganha o título de nobreza que nem sabia que merecia, e que certamente queria e todos banqueteiam como se não houvesse amanhã. Essa sequência toda, que inclui momentos inesquecíveis como o jogo de adivinhações entre Brienne, Podrick, Tyrion e Jaime, com direito a um Tormund investindo na recém-Cavaleira somente para ver seu último traço de esperança estilhaçado, além de um choque entre os tipos de alianças que Daenerys e Jon suscitam, é, possivelmente, o último momento de alegria e felicidade na série. Ou talvez fosse melhor dizer que esse foi um dos poucos que realmente tivemos, em uma escolha inteligente do roteiro para levar o espectador a uma sensação inquieta de alívio, como se o pior já tivesse passado, valendo até mesmo duas codas da festa, a primeira com Bronn, no dia seguinte, chantageando os irmãos Lannister em um momento que magistralmente reuniu algum grau de tensão com comicidade e a segunda uma terna sequência em que Arya reune-se ao Cão a caminho de Porto Real para ambos acertarem suas contas por lá.

Mas o pior não é e, convenhamos, nunca foi, o Rei do Norte e sua horda de zumbis. Por mais que eles tenham ganhado essa aura de final boss de videogame, Game of Thrones não é, ainda bem, um videogame, já que o confronto entre humanos, entre pares, é sempre mais interessante, cruel e doloroso. Sou o primeiro a reconhecer que a forma como os desmortos foram despachados, em apenas uma noite depois de oito anos de construção narrativa, foi frustrante, mas, como mencionei na abertura da presente crítica, o que passou passou. Viremos a página e sigamos para o que realmente interessa.

Benioff e Weiss, imediatamente, mergulham de cabeça no conflito entre Daenerys e Jon. O segredo da ascendência do ex-bastardo é o fiel da balança do poder durante toda a narrativa, primeiro entre o casal – agora de tia e sobrinho – e, depois, como elemento principal para uma longa e série conversa entre Varys e Tyrion. O roteiro exagera um pouco no didatismo, na exposição e na repetição temática nesse aspecto ao longo de todo o episódio, mas o assunto tabu talvez precisasse ser mesmo martelado. Daenerys dá seu aviso sobre como a paz entre eles dois seria possível, aviso esse que Jon decide ignorar, espalhando a história para Sansa e Arya. Como Varys depois nos lembra, não há mais segredo depois de tanta gente saber e a legitimidade de Jon, digo Aegon Targaryen ao trono é inegável (ainda que, em termos de matéria de prova, falte muita coisa). O conflito interno futuro é inevitável.

E esse conflito começa a ser cozinhado aqui, justamente na conversa de coxia entre Varys e Tyrion, com o primeiro abertamente advogando pela posição mais equilibrada e traidora, claro, que coloca a questão de maneira bem simples: independente de qualquer coisa, quem seria o melhor governante? E essa pergunta não precisa de resposta. Nós sabemos qual é. E Tyrion também sabe, mas ele permanece ao lado da Mãe dos Dragões por um misto perfeitamente compreensível de admiração, lealdade e medo, com esse seu momento finalmente trazendo de volta a latitude dramática que Peter Dinklage sempre demonstrou ter, mas que já há muito tempo não tinha oportunidade de mostrar. Vemos sua dúvida, sua tristeza em concluir – mas sem verbalizar – contra sua Rainha e mesmo assim mantendo sua lealdade. Sensacionais momentos de intriga e costura de alianças podem sair desse alongado diálogo entre dois dos mais interessantes personagens de toda a série (Mindinho era o terceiro, mas ele se foi tão cedo…).

No lado da ação, The Last of the Starks foi econômico. Não era mesmo necessário momentos grandiosos e alongados depois da Batalha de Winterfell e tudo se resume à destruição da frota de navios de Daenerys com as poderosas balestras de Cersei manejadas pelo louco varrido do Euron Greyjoy depois que mais um inútil dragão é eliminado da equação. Não há muito tempo para pensar na cena, mas ela é muito bem conduzida por Nutter, que trabalha breves  e eficientes planos-sequência, notadamente o de Tyrion perdido no convés do navio, além de esplendorosas tomadas abertas que escancaram logo de início que Team Daenerys sofrerá perdas. Particularmente não gosto do famoso recurso do “teletransporte”, pois a navegação para Porto Real durou o equivalente a um estalar de dedos, mas não há mais tempo para preciosismos como esse, ainda que uma montagem mais eficiente tivesse resolvido a questão.

No entanto, cansa um pouco a completa ausência de um mínimo de estratégia. Tudo bem que as balestras eram mesmo um elemento surpresa daqueles inadivinháveis pelas forças “do bem” (como faz falta um espião nessas horas…), mas mesmo com um dragão a menos, se Daenerys tivesse parado para respirar, ela poderia ter simplesmente voado ao redor da frota inimiga para queimá-la a partir das popas dos navios que, até onde pude notar, não contavam com as malditas balestras. Arriscado? Talvez, mas muito mais sensato do que simplesmente fugir e deixar todo mundo à mercê do rolo compressor de Euron.

É claro, porém, que sem o espetáculo da breve batalha marítima, não teríamos o fechamento destruidor do capítulo, com a captura e subsequente assassinato de Missandei pela espada do Montanha, ao término da tentativa de Tyrion de obter a rendição da rainha-que-vale. Mesmo com o momento sendo telegrafado desde que a jovem desaparece, a tensão é palpável, assim como o prazer inenarrável de Cersei em oferecer aquele show de horrores para sua plateia que ainda consegue ficar incrédula com o que ela é capaz de fazer. Mas é isso que eu defendo: o verdadeiro horror está no que os humanos são capazes de perpetrar, e não em criaturas misteriosas geladas que transformam mortos em zumbis. Lena Headey, que desde o começo da série incorporou incrivelmente seu papel, tem, assim como Dinklage, seu momento para brilhar na temporada e isso sem precisar dizer mais do que uma ou duas frases.

The Last of the Starks é Game of Thrones raiz, como se diz por aí. É o que a série sempre ofereceu de melhor. O jogo de tronos está de volta a todo vapor e não me parece que sobrará muita gente para sentar nele…

Game of Thrones – 8X04: The Last of the Starks (Idem, EUA – 05 de maio de 2019)
Showrunners: David Benioff, D.B. Weiss
Direção: David Nutter
Roteiro: David Benioff, D. B. Weiss
Elenco: Peter Dinklage, Nikolaj Coster-Waldau, Lena Headey, Emilia Clarke, Kit Harington, Sophie Turner, Maisie Williams, Liam Cunningham, Alfie Allen, Nathalie Emmanuel, Gwendoline Christie, John Bradley, Isaac Hempstead, Rory McCann, Conleth Hill, Carice van Houten, Kristofer Hivju, Hannah Murray, Jerome Flynn, Joe Dempsie, Iain Glen, Pilou Asbæk, Richard Dormer, Ben Crompton, Hafþór Júlíus Björnsson, Jacob Anderson, Daniel Portman, Anton Lesser, Tobias Menzies, Bella Ramsey, Staz Nair, Lino Facioli, Rupert Vansittart, Gemma Whelan, Vladimir Furdik, Marc Rissmann
Duração: 78 min.

Você Também pode curtir

288 comentários

Brontops 17 de maio de 2019 - 18:57

Desgostei desse episódio.

Ok, houve mais diálogos e intrigas palacianas, mas tudo a toque de caixa, desesperadamente. Eu até entendo.

A morte do Dragão nesse momento também não me convenceu. Faria mais sentido o bicho ter morrido em Winterfell. Ficaria melhor ter ferido o Dragão de Daenerys… seria um fator a mais para justificar os fatos do próximo episódio.

Responder
planocritico 18 de maio de 2019 - 11:09

O dragão que morreu estava todo machucado justamente por causa da Batalha de Winterfell. Eu também preferiria que ele tivesse morrido lá, mas funcionou também nesse episódio.

Abs,
Ritter.

Responder
Robson Luz 9 de maio de 2019 - 08:56

Voltei aqui só pra mostrar pro Ritter a prova definitiva de que esse roteiro é preguiçoso vindo da boca dos próprios produtores kkkkkkk
https://www.youtube.com/watch?v=ahoHDU0T44I

Responder
planocritico 9 de maio de 2019 - 12:03

Mas aí não vale! O sujeito está falando justamente da parte do episódio que é ruim! HAHAHAAHAHAHHAHAHAH

Abs,
Ritter.

Responder
márcio xavier 8 de maio de 2019 - 11:21

quando eu li o livro 4 (ainda em inglês, pq n havia chegado aqui), meu amigo que me apresentou os livros beeem antes da série me disse que havia achado chato e parado. Eu achei maravilhoso, pois pra mim GoT nunca foi sobre batalhas, dragões e guerras, foi sobre as pessoas e suas dualidades. Esse episódio representou exatamente isso, a essência de GoT. GoT raiz foi a melhor definição.

Pra mim um dos melhores de toda a série (top 3, com certeza)

Responder
planocritico 8 de maio de 2019 - 16:41

Apesar de eu não ter conseguido passar do livro 3, concordo sobre o que é a essência de GoT e que esse episódio trouxe justamente isso de volta.

Abs,
Ritter.

Responder
Flavio Batista 7 de maio de 2019 - 15:18

Caramba, so pude ver o episodio hj. Vi comentarios de amigos, num grupo q temos sobre GOT, reclamando q foi parado e chato.
Pelos Sete! Devem ter visto outro programa, pq esse episodio foi GoT purinho! Num salao, todo mundo se divertindo e milhoes de coisas e historias se desenrolando.
Depois conversinhas de cama e tramoias!

Responder
planocritico 7 de maio de 2019 - 15:45

Tramoias!!!

Nossa, mas há muito tempo eu não lia essa palavra. Adorei!!!

Mas estamos juntos sobre o episódio. GoT purinho MESMO!

Abs,
Ritter.

Responder
Flavio Batista 7 de maio de 2019 - 16:41

sou da velha guarda, Sor

Responder
planocritico 7 de maio de 2019 - 18:10

Somos dois!

Abs,
Ritter.

Responder
Lucas Andrade 7 de maio de 2019 - 13:52

Eu discordo da sua crítica, as últimas temporadas tiveram muitos problemas e embora o episódio 2 tivesse sido bom o terceiro foi uma decepção com vários problemas, mas o quarto foi ainda pior, aqui está o por que:

– O modo como Euron atacou a frota de Danny e matou os eu dragão foi horrível: como ela voando não viu uma frota inteira, eles estavam “escondidos” atrás apenas de uma pedras que nem eram tão grande assim, ela tinha que ter visto eles, mas o pior foi as suas bestas gigantes, ele mirou e acertou vários tiros no dragão no ar enquanto ele voava rápido com precisão mortal o que é impossível e não apenas isso elas atiravam igual a uma metralhadora moderna, cada tiro explodia um barco quando acertava e elas recarregavam em alguns segundos!!! Se eles poderiam fazer essas armas como elas nunca apareceram antes e foram usadas, elas quebram toda lógica interna da série e do mundo real, sendo melhores que canhões Além do que se um dragão fosse tão fácil assim de matar Aegon nuca teria conquistado Westeros, o único dragão que foi morto durante a conquista levou um tiro certeiro de sorte no olho em Dorne por que as suas escamas foram descritas como quase indestrutíveis.

– A cena em frente de Porto Real também foi ruim, a cidade parecia que ficava no meio do deserto em Essos (era parecido ao cenário de Qarth, sendo que vimos o lado de fora em outras temporadas e não era assim). A conversa com Cersei também foi burra, ela mandou um assassino para matar Tyrion e quer matar Daenerys então por que ela não usou as suas Bestas Gigantes Automáticas para matar eles na hora já a conversa foi filmada super perto, ela podia ter matado eles.

– A cena de Bronn também foi ruim (o que parece ser um tema comum nesse episódio), ele conseguiu se infiltrar em Winterfell sem ninguém ver com uma besta gigante teve a sorte de encontrar Tyrion e Jaime sozinhos numa casa em que ele entrou pela porta da frente, onde ele ameaçou eles para ganhar Jardim de Cima e depois foi embora de novo pela porta da frente sem ser capturado. Por que eles deveriam manter esse acordo feito sob coerção? Eles deveriam depois ter mandado guardas para ele ser capturado. E sobre Jardim de Cima, os Lordes da Campina nunca irão obedecer a uma mercenário plebeu, em pouco tempo ele seria assassinado.

– Na conversa de Sansa com Sandor , ela citou aquele o tropo machista em que uma mulher ao ser estuprada sobreviveu e se fez com que ficasse mais forte. Estupro não é uma ferramenta para fazer uma personagem mais forte. Uma mulher não precisa ser vitimizada a sua força veio dela mesma e somente dela.

– Tyrion e Varys estão tendo problemas sobre Dany atacar uma cidade apenas que é governada por uma rainha terrorista que está explodindo partes dela sozinha para ganhar uma guerra inteira pelo trono. Qualquer um teria sorte de ter isso como o único número de mortos. Esta é uma guerra em um mundo medieval brutal. Tywin saqueou Porto Real desnecessariamente. Aerys iria queimar a cidade apenas por despeito depois que ele já tinha perdido. Cersei explodiu o maior Septo da cidade, um líder sagrado, uma rainha amada e popular, bem como centenas, senão milhares de inocentes. E devemos comprar a Dany porque ela quer usar sua força superior para acabar com a guerra de uma só vez? Com exceção dos Tarly que estavam em rebelião aberta e eles foram dados a opção de se unirem à patrulha da Noite ou serem mortos a mesma que Ned, Robb e Jon já fizeram na série, inclusive Jon executou uma criança, Dany não foi nada além de contida e ouviu seus conselheiros a cada passo do caminho. Ela perdoou Jaime, recompensou o filho de Robert, se aliou com os Starks, Arryns e Baratheons depois que eles foram os que derrubaram sua família. Ela seguiu todos os planos de Tyrion para tentar evitar derramamento de sangue. Ela se recusou a tomar o caminho da vingança e da violência sempre que possível. Mas agora, quando ela é empurrada para o seu ponto de ruptura e pronta para tomar uma cidade por agressão em um ato de guerra completamente normal, ela “enlouqueceu”. Dany está sendo mantido em um padrão que ninguém mais tem sido no show. Ela é implacável, mas sempre de maneira racional. Ela não está “enlouquecendo”, ela é compreensivelmente louca por todos os seus amigos mais próximos estarem morrendo. É como se de repente não estivéssemos mais em Westeros. De onde vieram todas essas sensibilidades modernas? Qualquer um consideraria uma guerra que você pode ganhar apenas capturando uma cidade relativamente sem sangue. E Tyrion e varys já fizeram atos bem piores que isso durante a série, eles foram os autores da Batalha da Água Negra, onde aniquilaram as forças de Stannis com um incêndio causado por Fogovivo, claro que “eles fizeram isso FOR THE REALM ™” porque Joffrey era tão querido pelo povo e Stannis era basicamente a “maldade personificada”. E Varys serviu Joffrey e Aerys que eram reis loucos e malignos e nunca traiu eles, durante a primeira temporada ele planejava trazer os Dothrakis liderados por Viserys para Westeros o que só causaria mais morte e massacre, mas isso é por que eles mudaram o objetivo e personalidade de Varys na série já que eles cortaram uma trama inteira do livro fazendo com que ele se tornasse um personagem em que suas ações não tem lógica na série. Sim, vamos agir como a verdadeira rainha louca Cersei é um gênio e Dany que não tem sido nada além de contida que é louca. Na última vez em que as emoções de Jon foram verdadeiramente testadas com a morte de Rickon na frente dele,e então ele sozinho atacou o exército adversário e abandonou seus planos de batalha. Por causa de suas emoções, ele praticamente teria perdido o Norte para Ramsey, se não fosse por Sansa e os cavaleiros do Vale virem em seu socorro mas Deus proíba que Dany queira demitir uma cidade, mesmo depois que seu conselheiro de confiança Missandei (e sua melhor amiga) diz a ela isso com seu último suspiro e também teve a perda do seu “filho”, inclusive ela demonstrou uma resposta justa, pois estava disposta a dar uma chance a Cersei de se render. Mas ela é a louca? Vamos imaginar que Sam morreu salvando a vida de Jon e ele ainda se recuperando dessa perda, assiste Ghost ser brutalmente morto bem na frente dele. Então, alguns dias depois, Arya é executada por Cersei enquanto ele tem que assistir, mas ela diz a ele para matar todos eles antes que ela morra. As pessoas chamariam Jon de louco por querer fazer isso? Não. Este é o homem que quase matou todo o seu exército porque ele não conseguiu controlar sua dor pelo irmão. Honestamente, Daenerys está mostrando uma restrição impressionante. E por que eles querem Jon como líder até agora sempre quando ele foi um líder ele tomou péssimas decisões e terminou morto ou quase morto, parece que eles só querem ele para poder manipulá-lo. Inclusive quando Danny falou para Jon não contar a verdade para as suas irmãs, pois as pessoas iriam querer trai-la e transformá-lo em Rei mesmo ele não queira, a cena foi enquadrada como se ela estivesse errada ma o episódio só mostrou que ela estava certa, pois logo depois a primeira reação de todo mundo (Sana e Varys) foi querer trair ela mesmo que ela não tivesse feito nada ainda. Inclusive quando chegou em Westeros a primeira ação que ela queria era voar até a Fortaleza Vermelha quando eles estavam praticamente sem exércitos e sem as suas Bestas Anti-Dragões e matar Cersei e conquistar o trono, mas Tyrion e Varys a aconselharam a não fazer isso por causa dos possíveis danos colaterais e eles agem como se isso fosse uma atrocidade e o que também confunde o por que todos supunham que queimar toda a cidade é necessário. Por que não apenas queimar a Fortaleza Vermelha? Ela não estava propondo queimar inocentes na cidade, apenas seus inimigos que estão de fato na Fortaleza Vermelha. Tyrion diz sobre como isso faria dela um tirano, mas Aegon era um tirano? Não, ele era um conquistador. Então é Dany. Mas nas duas últimas temporadas, Dany parece esquecer que toas as suas vitórias que ela teve no passado aconteceu porque ela fez o que achava certo. Não o que homens como Tyrion lhe disseram para fazer. E também quando ela recebeu a notícia sobre o exército de mortos vivos no Norte ela foi ajudar sem receber nada em troca, onde ela perdeu um “filho” e metade dos seus exércitos, a série faz parecer que Cersei que foi a inteligente por não querer ajudar pois eles “resolveriam isso sozinho”, e embora a cena foi filmada como se ela era a vilã e estava errada, mas eles realmente fizeram isso ! Ela só está nessa posição por obedecer várias vezes aos conselhos deles nas últimas temporadas, tudo isso faz parecer que eles querem se livrar dela por serem uns fracassados e quererem esconder os seus próprios erros.

Responder
planocritico 7 de maio de 2019 - 16:06

@disqus_0dN4VhRfhd:disqus , discordar é saudável. Deixe-me brevemente comentar seus pontos:

– As balestras de GoT foram introduzidas recentemente, como armas novas e “modernas”. Dentro da lógica da série, elas funcionam assim e você tem que considerar que não foi necessariamente só Euron que acertou os tiros no dragão. Podem ter sido três navios atirando quase que simultaneamente na mesma direção. Sobre os dragões serem ou não fáceis de matar, na série (esqueça livros e outras fontes, pois eles não podem contar aqui) as balestras são mortais para eles. De toda forma, a sequência da batalha (que tem mesmo problemas, como eu apontei na crítica, aliás) não foi o ponto do episódio e pode ser glosada pelo bem maior, o exato oposto do episódio anterior.

– Reclamar da geografia de Westeros não faz muito sentido. Porque uma parte da fortaleza não poderia se estender até uma parte mais desértica da região? Fomos apresentados a cada detalhe da muralha que cerca Porto Real? E a negociação fez todo sentido. Cersei matar Daenerys e Tyrion não mudaria ABSOLUTAMENTE NADA na vida dela. A guerra continuaria e, pior, agora com raiva pelo que ela teria feito e liderada por Jon, que inspira lealdade nos homens. Ou seja, é uma estratégia de vingança furadíssima.

– A cena de Bronn foi para dar um ar cômico e leve. Precisava existir? Não. Atrapalhou? Também não.

– Você realmente acha que os terríveis traumas pelos quais ela passou não moldaram Sansa? Você acha que as pessoas são produtos apenas de sua própria força mental?

– Daenerys não enlouqueceu agora. Na verdade, enlouquecer é uma palavra genérica demais. Ela é obsessiva, sempre foi e é uma lógica interna dado seu passado familiar que ela trafegue pelo mesmo caminho. É artifício narrativo. Aliás, ninguém está inventando nada agora, do nada, da cartola dos showrunners. Ficou mais saliente agora? Possivelmente. Mas não tem muito jeito, já que as temporadas anteriores foram marasmo atrás de marasmo, com pouco desenvolvimento de personagens.

Abs,
Ritter.

Responder
Léon 7 de maio de 2019 - 19:42

Vou colocar esse comentário aqui porque não sei onde colocar já que concordo com os pontos apresentados tanto pelo @disqus_0dN4VhRfhd:disqus quanto pelo Ritter. (O povo vai me apedrejar e dizer: “Sai de cima do muro, rapaz!).

Estou chokaid com esse comentário do Lucas!

“mas Deus proíba que Dany queira demitir uma cidade,” ri demais com essa parte. Muito boa, mesmo!

Concordo em muito com vários dos pontos que você apresentou aqui, Lucas, principalmente em relação a Daenerys.

Devo admitir que quando “realmente” comecei a “acompanhar” GoT (antes de chegar a conhecer a Olenna) Cersei era a minha personagem favorita (nunca esquecerei de “Poder é poder”. Geralmente amo mais os vilões porque são eles que seguem uma lógica mais verossímil para o tipo de personagens que são). Sim, ela sempre foi vilã, mas para mim era a personagem mais verossímil de toda a série, pois – mesmo egoístas e perversas – suas ações seguiam uma lógica e uma unidade e não ficavam oscilando ao Deus dará porque seria conveniente ao roteiro como aconteceu e acontece com muitos personagens. Com o tempo a vilania dela foi se tornando tão banal (tendo exceções e as devidas proporções) quanto as do Joffrey.

Dany nunca foi uma das minhas personagens favoritas, mas também é uma das mais verossímeis na sua jornada. Concordo com o Ritter que, mesmo de formas mais atenuadas e discretas, ela sempre foi mostrada desde a primeira temporada como sendo obsessiva, orgulhosa, e extremista em suas atitudes. Um extremismo que trafega com a loucura, mesmo que em grau menor já que, em termos de contextos, a sua crueldade é justificável (se é que se pode dizer isso quando se fala de crueldade) como eram as de Cersei até certo ponto (e como algumas ainda são).

Vejo a Dany e a Cersei como personagens com mais semelhanças em suas histórias de “crescimento” do que divergências. Ambas são mulheres de famílias poderosíssimas criadas sobre o peso desse renome ancestral. Uma leoa e uma dragoa. As duas foram criadas à sombra de homens “fortes” e “viris” que carregam sob os ombros a tarefa de dar continuidade a linhagem de nome da família enquanto elas foram moldadas apenas como moedas de troca, mulheres que perderiam o nome original de suas famílias ao casarem com homens e que por isso serviriam apenas como formas de se criar alianças convenientes para as suas famílias, no caso, para os homens que carregam o nome de suas famílias. Cersei foi dada para Robert apenas para que o SEU PAI continuasse influente no reino e na roda de poder enquanto Dany foi dada a Drogo para que o SEU IRMÃO tivesse o exército necessário para a “ressurreição Targaryen”, que inicialmente tinha ele como foco para o trono e não ela. Com o tempo ambas foram percebendo a incompetência gritante dos homens que elas seguiam e que deveriam estar no poder e, acreditando serem elas as mais aptas a desempenhar o comando de suas famílias e do poder no geral (afinal, foi Cersei quem sempre ouviu pacientemente os longos e repetitivos ensinamentos do pai sobre dinheiro, alianças, força e coerção enquanto os irmãos faziam sei lá o quê; e a Dany que começou a ver que o irmão mal sabia direito sobre os dragões e a própria família, que não sabia ouvir para aprender e que não se importava com ninguém além dele e da coroa que queria ter na cabeça), que elas deram um jeitinho nada sutil neles paragalgarem seu caminho até o trono. Dentre outras semelhanças que se eu enumerar aqui vou acabar escrevendo um spin-off das “Crônicas de Gelo e Fogo”.

O que mais as diferencia – pelo menos até agora – está no contexto dos seus atos cruéis (onde, para mim, os de Danny são menos banais que os de Cersei) e no grau de influência que suas personalidades impulsivas exercem sobre as suas decisões. Como o Tyron mesmo disse para a Cersei na temporada anterior: Dany sabe desse seu lado impulsivo, tanto que acabou escolhendo conselheiros que ela acha que podem contê-lo o máximo possível. Já a Cersei agora se deixa levar completamente por essa impulsividade tresloucada e destrutiva, o que antes não era bem assim… Seu conselheiro serve apenas para lhe dar armas e venenos que ajudem nas suas vinganças e não a faz pensar realmente nas consequências dos seus atos.

Contudo, agora para Danny, as inúmeras perdas que ela vem tendo ao longo dos anos a estão empurrando ainda mais para essa impulsividade inconsequente, que se não for retida logo, poderá sim levá-la ao caminho da loucura propriamente dita já que o seu pai começou assim: aplicando a justiça aos injustos, depois aplicando o que ele achava ser justiça aos que achava ser injustos, para depois apenas ser cruel por diversão, atingindo a todos sem pudor algum. Acho que esse é o medo que o Varys tem, dela acabar se esquecendo da razão para se jogar por inteiro na loucura sem volta. Contudo, não acho que ela ainda está louca, apenas no caminho disso. Um caminho que ela já trilhou no anos anteriores, mas que conseguiu voltar todas as vezes. Também concordo que na atual situação – após essa última tentativa de diálogo com Cersei, que eu também achei, no mínimo ingênuo da parte do Tyron – não há mais o que se fazer além de cada lado se jogar com todas as forças, armas e estratégias na guerra sanguinolenta, que infelizmente, trará sim morte a muuuuitos inocentes. Mas a guerra é isso. Não é algo bom e totalmente justo que trará punição aos verdadeiros vilões e culpados. São os inocentes que mais morrem nas guerras e nem sempre é o “lado bonzinho” que vence… Se a pessoa está disposta a ir para guerra e não quer ver inocentes morrer, ou feche os olhos, ou nem saia de casa. Também não concordo com isso dos personagens já quererem, como o Varys, já quererem trair a Danny porque agora ela vai com tudo e vai querer tacar fogo na coisa toda. Ela se segurou até onde deu para fazer, mas a paciência de todos tem limites.

Como disse, entendo o medo que o Varys tem da Danny enlouquecer de vez, pois essa é uma possibilidade, mas também há a possibilidade disso não acontecer como foi das outras vezes. Ele deveria dar a ela no mínimo o benefício da dúvida e, claro, como um bom “Aranha” e “Mestre dos Sussurros” que ele foi antes, já ter um plano de contingência caso a “Não-Queimada” resolva abraçar a camisa de força de uma vez por todas. E este plano – na falta de um beeem melhor, convenhamos – seria o Jon por tudo o que o Varys disse antes pela legitimidade dele e do povo seguir ele naturalmente e aquele blablabla todo. Mas é isso, deveria ficar como um plano B e não da forma como, na minha interpretação, o episódio deixou parecendo que ele já ia fazer isso e pronto, foda-se a Danny. Desse jeito fica parecendo como você mesmo disse, ele não quer alguém bom e justo sentado no trono de ferro, mas alguém que ELE possa controlar, mesmo que indiretamente, apenas sussurrando…

Para fechar esse comentário que se estendeu demais e eu nem sei mais o que desejei passar com ele: independentemente dos meus personagens favoritos, vivos ou não, pensando somente nas três opções dadas atualmente para o trono e no que aparenta estar mais preparado para ser um regente que um regime monárquico “bom” pede, acho que a Danny é a melhor opção, pois para mim, ela seria severa, porém justa. Teria seus momentos impulsivos – quem não tem? – mas se não abraçar a loucura, ela saberá contê-los com a ajuda de bons conselheiros. Desculpem por todo o meu blablabla. A empolgação de escrever foi maior.

Responder
planocritico 7 de maio de 2019 - 20:01

Belíssima e ponderadíssima análise da construção das personalidades de Daenerys e Cersei. Concordo basicamente com tudo, menos com a Dragoa ser a melhor para o trono. Eu quero que ela seja morta pela Cersei, transformada em bolo de carne e servida para seu dragãozinho sobrevivente que, ato contínuo, será o bichinho de estimação da Cersei.

HAHAHHAHAHAAHAHAHAHHAAHAHAHHA

Abs,
Ritter.

Responder
Léon 7 de maio de 2019 - 20:20

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

Isso de dar a Danny para o dragão dela comer é tão Cersei mesmo! Meu Deus. Acabei de ver isso como um final possível para GoT. E ainda com a Cersei dizendo enquanto olha irônica e vitoriosa a Danny gritar virando torresmo; “Pelo visto ela se queima como qualquer um.” e depois bebe uma taça de vinho.

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

Ainda não esqueço o final que ela deu a Ellaria e a filha. Aquilo foi soberbo. Triste e cruel, claro, mas soberbo para a vilã. Poético, trágico e perverso na medida certa. O refinado toque de crueldade que ela deu para tudo aquilo foi deixar a distância entre mãe e filha quase ser possível de se tocarem, mas nunca sem sequer triscarem uma na outra… Fora as mordaças, que impediram que elas se despeçam.

Para, Ritter! Se for para ter um ato vilanesco tão soberbo desses no final, vou acabar mudando de lado para quem quero ver no trono.

planocritico 7 de maio de 2019 - 20:21

Vem para o #TeamCersei!!!

Abs,
Ritter.

Ruqui 7 de maio de 2019 - 22:43

Pago internet mensalmente pra vir neste site orgulhosamente ler comentários como este.

Responder
Teco Sodre 8 de maio de 2019 - 10:02

Existe um estigma de “loucura Targaryen” que tem sido debatido em todo canto e imputado pelos roteiristas à personagem. Eu acredito que ela está agindo e reagindo de uma maneira lógica e racional. Cersei matou inocentes pra caralho explodindo um septo e um pedaço de Porto Real e sim, ela é louca desde sempre – piromaníaca e cruel (vide o filho primogênito dela que pode ser também chamado de louco, tirano e psicopata). Agora, atribuir loucura à Daenerys, a essa altura do campeonato, depois de uma trajetória incrível, depois de tantas conquistas, vindo de onde veio, alguém que buscou conselheiros para ponderar sobre suas ações, eu acho muita forçação de barra DA SÉRIE. Determinação, obstinação, sede de poder, desejo de limpar o nome dos Targaryen, de ver a sua casa e a sua família retomar o que lhes foi tirado – isso é loucura? Não consigo associar isso à insensatez. Arya assassinou uma família inteira com requintes de crueldade e ninguém a chamou de louca, insana. Creio que quase 100% dos espectadores concordam que foi muito foda ver a Arya se vingar da casa Frey e vê-la cumprir sua lista de vingança. Não defendo aqui personagens, eu gosto da Daenerys como adoro a Cersei e a Arya e muitos outras personagens… O que estou questionando é a lógica narrativa, é uma sequência de acontecimentos com os personagens que tornam suas atitudes justificáveis e não há como desqualificar ou resumir nesse estigma a Daenerys pelas ações que vimos dela na série. E vou além: acho que é importante deixar o ranço que temos com esse ou aquele personagem quando fazemos uma crítica, porque isso de alguma forma pode comprometer a análise de uma série ou filme, e torna a crítica tendenciosa a focar em favoritismos, em detrimento de aspectos mais relevantes a serem apontados no texto. #pas

Responder
planocritico 8 de maio de 2019 - 10:52

Entendo seu ponto, que reflete o de vários leitores aqui do site, mas confesso que eu sempre, desde a morte de Khal Drogo, pelo menos, via esse como o único caminho narrativamente lógico para Daenerys. Diria que é como um pilar narrativo da série e os roteiros, ao longo das temporadas, na minha visão, sempre lidaram com isso com maior ou menor ênfase. Concordo que essa questão tornou-se mais saliente desde que ela fez a travessia para Westeros, mas é justamente a travessia que estabelece um marco divisório que tem sido explorado corretamente.

Em suma, eu nunca sequer imaginei que o destino de Daenerys passaria ao largo da herança maldita de sua família e vejo o que está acontecendo com a maior naturalidade possível. Ficaria espantado e desapontado se fosse o contrário. E com isso eu não quero dizer que outros personagens não sejam tão ou mais desequilibrados, mas estes sempre foram como são, como Cersei. Daenerys é quem ganhou uma construção lenta nessa direção inexorável que pode ou não ser completamente concretizada.

Abs,
Ritter.

O Homem do QI200 8 de maio de 2019 - 11:11

Se me permite dizer, seu comentário está lindo, parabéns!

Responder
El Imparcial ~ Jaktal 7 de maio de 2019 - 16:25

Concordo contigo em relação à Dany. Tá me incomodando muito o modo como estão forçando esta “loucura” dela.

Responder
Ricardo Gelatti 7 de maio de 2019 - 12:07

Pow Ritter, nas últimas temporadas discordamos de praticamente todos os episódios, mas até agora nessa temporada estou gostando e desgostando(8×03) dos mesmos episódios que vcs.

Esse episódio me lembrou muito das primeiras temporadas.

Responder
planocritico 7 de maio de 2019 - 16:06

Eu não fiz a análise por episódio de GoT. Só da primeira e da sétima temporadas como um todo!

Abs,
Ritter.

Responder
Ricardo Gelatti 7 de maio de 2019 - 21:40

Mas dava seus pitacos nos comentários.

Responder
planocritico 7 de maio de 2019 - 21:52

Ah, sim, é verdade! Pitacos em pitacos!!!

Abs,
Ritter.

Responder
Stella 7 de maio de 2019 - 11:57

ótima crítica Ritter. Porem achei o episodio horrível, a parte do Jon com Dany me deixa enjoada de tão brega e mal escrito. Eu sabia que isso iria acontecer, sem os livros como guia esses roteiristas ficam perdidos. Só gostei do final do episodio que foi impactante, porem a forma como fizeram não me emocionou, para mim deveria ser outro personagem ali para perder a cabeça.

Se fosse o jorah ali com a Sersi, nossa teria sido muito mais triste, por isso achei bem ruim a morte dele no episodio 3. Como essa temporada final ta mal executada, é o novo Lost, vai ser odiada pra sempre kkkk

Responder
planocritico 7 de maio de 2019 - 16:15

Obrigado, @disqus_9KZLz8G0wg:disqus !

He, he. Eu sou dos que detesta Lost. E já digo logo: nunca fui apaixonado por GoT…

Abs,
Ritter.

Responder
Stella 7 de maio de 2019 - 18:26

Os livros de GOT me deixam mais apaixonada, os roteiristas da série tao mais perdidos que galinhas em galinheiro.
Mudando de assunto olha como AoS season 6 promete, fotografia maravilhosa parece filme.
https://uploads.disquscdn.com/images/cf702f2db9537821e5bba0b6d1ba1b8e3a4c296fbf2023a2c1136f3cfbfb8a9c.png

Responder
planocritico 7 de maio de 2019 - 18:38

Tá bonito mesmo, hein?

Abs,
Ritter.

Responder
Stella 7 de maio de 2019 - 18:59

Eu te disse que iriam arrasar, ansiosa mais ainda. Que bom que estreia nessa sexta.
https://uploads.disquscdn.com/images/9a07d21ee5e2e366df9b59540933bd74e673148818b5a4996105cba7c5df00b5.gif

planocritico 7 de maio de 2019 - 19:09

Sim! Estou bem curioso para ver como vai ser!

Abs,
Ritter.

Alexandre Tessilla 7 de maio de 2019 - 10:45

Gostei mais desse episódio que dos anteriores, espero que seja uma melhora gradativa e feche os dois últimos episódios com maestria. Meu palpite fantasioso: Cersei vai ser traída e morta pelo seu novo crush (esqueci o nome), Daenerys fica louca e morre numa emboscada, Lanisters e Starks morrem em batalha, menos o Bran, que assume o trono e se mostra a reencarnação do Rei da Noite. Bom, isso é o que eu gostaria. Ps; John Snow finalmente luta de forma heróica e digna, numa batalha sangrenta, em meio a um sacrifício, digno de um rei, mas morre com a mão no trono que prometeu a Daenarys em seu leito de morte. (viajei)

Responder
planocritico 7 de maio de 2019 - 17:30

Bem melodramático seu final para o Jon, hein?

HAHAHAHAHAHHAHAHA

Abs,
Ritter.

Responder
Elton Rodrigues 7 de maio de 2019 - 10:10

Metade do episódio foi pura enrolação (tipo o que foi nos dois primeiros episódios desta temporada). Parece que todo mundo, menos Cersei, emburreceu de repente e ninguém mais pensa nas estratégias de batalha (jogaram lá uma cena deles brincando na maquete contabilizando os exércitos e só)… Onde está Tyrion com suas sacadas e estratégias mirabolantes? Tô quase torcendo pra Cersei, pq gente burra não merece ficar no trono.

E aquela batalha marítima completamente flopada…. COMO? Como ninguém viu (seja pelo mar ou pelo ar) ou pelo menos previu a aproximação de uma frota daquele tamanho? E depois de quase levar uma flechada (dessa mesma arma inclusive em fase beta na outra temporada) e outra lançada do Rei da Noite, já não era para Daenerys e seus dragões estarem mais espertos em seus vôos?

Resolvi assistir a série muito recentemente, e quando comecei assisti tudo em quase 1 mês. Me apaixonei pelas tramas muito bem construídas… mas essa última temporada está sendo ladeira abaixo. Só tá valendo assistir pra acompanhar o desfecho das histórias… O episódio anterior com a guerra no escuro com o Rei da Noite e Arya usando o teletransporte do Goku foi o menos pior até agora, mas longe de ser o melhor da série. Saudades dos joguetes políticos, traições, reviravoltas, gente trepando, nuzões frontais… bons tempos de GOT… hahahahah

E Daenerys Targaryen, finalmente tá mostrando a que veio a cada levantada de canto de boca e olhada de soslaio. A construção da personagem foi bem sutil levando ela a esse momento, mas as indicações estavam lá… realmente ela está com cara de que está a um passo de despirocar, ainda mais perdendo tudo e todos a sua volta agora…

Dracarys!

Responder
planocritico 7 de maio de 2019 - 17:30

Se você viu tudo de uma tacada só, com certeza foi capaz de verificar mais claramente (e dramaticamente) a queda da qualidade da série nas temporadas mais recentes. Para mim houve uma perda de direção que quase destruiu a série completamente. Começaram talvez de maneira ambiciosa demais e não souberam trabalhar essa ambição e aí tiveram que faze uma espécie de “downsizing”…

Mas gostei de saber que você é um dos que concorda que Daenerys teve seu caminho de “loucura” construído sutilmente ao longo da série. Também acho isso!

Abs,
Ritter.

Responder
Elton Rodrigues 7 de maio de 2019 - 22:20

Sim rolou um entropia sinistra. Mas como a coisa já tinha um fim determinado próximo me animei com o fato de “eles sabem a hora de parar” e não teríamos mais um Lost ou TWD a caminho.

A série cresceu em público, e por um tempo em qualidade. Os efeitos melhoraram muito (nunca foram ruins, mas se superaram sempre) mas as tramas que sempre foram o forte parece que vieram minguando ao final. É claro que as coisas se encaminham para as suas soluções e vai se afunilando as histórias, mas é nítida uma certa preguiça em elementos que sempre foram detalhados e o grande forte da série em outras temporadas, como as estratégias de batalhas e os meios para executa -las. Agora parece que entregaram tudo na mão de Michael Bay e tá tudo certo…

Sobre Daenerys…
Em diversos momentos ela foi contrariada e o circo quase pegou fogo. Ela estava felizmente bem aconselhada nesses momentos e em fase de Ascenção. Por cima da carniça no que tinha a sua volta. É relativamente fácil manter o controle quando as coisas estão seguindo os mandos dela. A rainha dos dragões apoiou toda sua visão e missão de vida no fato de ser a última da sua casa e a legítima herdeira do trono. Pra isso matou, queimou, tostou, assou e gratinou que fosse necessário, embora com certa moderação em função das pessoas que a orientavam hora ou outra. Da mesma forma, é possível perceber que quanto mais poder ela alcançava mais os seus ideias de justiça se reduziram em contra partida ao desejo de retomar o trono. A Daenerys, doce e inocente do início ja se perdeu a muito tempo entre batalhas, justiças e vingança. Por falar em início qual o peso emocional também dos abusos sofridos também podem influir tanto na personalidade atual quanto na possível Daeloca que pode vir a surgir. Digam que não, todo mundo teve uma construção e ela não foi diferente. Não vejo forçação de barra nenhuma o caldo azedar agora que a razão de viver dela até aqui foi jogada por terra.

Já imagino ela tocando fogo em tudo com aquela carinha de quem comeu, não gostou mas teve que engolir, e ao fundo tocando o refrão da musica “Na sua estante” da Pitty kkkkk

“Tô aproveitando cada segundo antes que isso aqui vire uma tragédia
E não adianta nem me procurar
Em outros timbres, outros risos
Eu estava aqui o tempo todo só você não viu…”

Hahahahaha

Responder
planocritico 8 de maio de 2019 - 18:39

Final perfeito para a série, hein? HAHAHHAHAHAAHAHAHAH

Abs,
Ritter.

Responder
Matheus Jornalista 7 de maio de 2019 - 09:52

A personagem Daenerys andou flertando com atos controversos desde a época de Meeren, mas aqui eles estão forçando legal a “loucura” dela pra puxar sardinha pro Jon Snow ser rei. Do nada, ela virou uma louca e deve ser parada, Varys sempre provando que é uma barata asquerosa. Não tenho nada contra a personagem se tornar mais sádica, o problema é a forma como está sendo feito, ela sempre foi alguém inteligente e ultimamente tem tomado decisões burras só porque o roteiro tem preguiça de criar boas maneiras dela perder o exército. Todo o romance com o Jon foi totalmente ridículo, mal conheceu o sujeito e já disse que o amava. Sinceramente, deprimente o nível da série aqui, não vou nem mencionar a questão da morte do dragão e os navios porque é insultar a inteligência.
PS: É sério mesmo que o Tyrion achava que aquele papo clichê do cacete iria fazer a Cersei mudar de ideia ?

Responder
planocritico 7 de maio de 2019 - 17:31

Não concordo. Ela foi construída gradativamente para chegar a esse ponto. Podem ter acelerado no final, mas sua “queda” é da essência do que foi mostrado na série em relação a ela.

Abs,
Ritter.

Responder
Junito Hartley 7 de maio de 2019 - 09:23

Esse episódio me lembrou os velhos tempos de got. Sobre a cena da morte do dragão, na hora eu fiquei me perguntando, do porque dela não ir por trás dos barcos e queimar geral, ou pelo menos alguns barcos, mas nem tudo é perfeito né!?

Responder
planocritico 7 de maio de 2019 - 17:31

Pois é. Ela teria resolvido tudo ali mesmo se tivesse tido a calma de dar a volta e pegar todo mundo por trás.

Abs,
Ritter.

Responder
MayB 7 de maio de 2019 - 02:07

1º vez que eu assisti não gostei, depois pela 2º entendi melhor o episódio.
Eu queria que a Dany tomasse o trono, gostava mais dela quando estava em Essos.(talvez pq era contra pessoas que a gente não gostava) Quando ela se juntou ao Tiryon e Varys e disse que, se ela perdesse o juízo, ela queria que eles a avisassem e daria ouvidos à eles. Achei que ela aprenderia com os próprios erros. Quando chegou a Westeros, eu pensei (aí a culpa é minha) que ela mudaria e conquistasse o povo com os discursos fodões dela, ou pelo menos depois do massacre contra o Rei do Norte eles a respeitariam, mas ela não abre a boca! Desde a 7º temporada, ela chegou prepotente (aí acho que mudaram ela um pouquinho). Rebaixaram ela pra ficar no nível do Jon, e agora obliteraram o exército pra poder combater de igual a Cersei. (conivência de roteiro?)
Essa “loucura” dela realmente estava sendo construída, mas como eu descrevi, pensei que ela mudaria. Apesar de achar ser mais desespero por estar sozinha e ter perdido tudo, ela tá sentindo que não pertence ali. Tá difícil torcer por ela. Assistindo o episódio eu só ficava falando, “não faz isso Dany, escuta a Sansa(!!!!)”, “isso é burrice!” “Vai acabar perdendo um dragão”. Tanto que qdo o Rahegal morre nem senti. Tava até achando que o povo dela iria se rebelar contra ela. Ela tá se transformando em alguma coisa que talvez não seja a Daenerys inicial que “todo mundo” enaltecia (myssa myssa) Ela está se afastando dela mesma.
Bem que a Olena avisou seja um Dragão e não um Leão!
O que mais me incomodou no episódio foi a burrice dela e do Tiryon (ele não conhece a irmã? Apelar pro coração? Sério!) e, como você disse, falta de estratégia. A Cersei já atirou no Drogon, como eles não se prepararam!!
E sem fazer nada o Jon é enaltecido, imagina se ele tivesse matado o Rei da Noite, a gente tava perdido!! A fala do Tordmund: que tipo de pessoa voa em um dragão pro Jon. Porra meu filho essa mulher pariu os dragões e voa nele desde sei lá quando, tá maluco!! (sim fiquei com raiva)
Ela fica martelando que quer acabar com a tirania, fazendo coisas de tirania?! E, se ela queimar o trono (objeto) e não ficar no poder (deu pra entender?)
Gostar de personagens não quer dizer que concordamos com o que eles fazem. Eu adoro a Cersei, o Tiryon e a Daenerys.
Cersei inteligentíssima!!! PQP!
Nem sei quem eu quero no poder agora. Mas acho que fica com a Sansa
Desculpa ae pelo textão!

Responder
planocritico 7 de maio de 2019 - 17:31

@disqus_AwIgCxCASD:disqus , concordo demais com sua análise sobre Daenerys. Não esperava que ela mudasse, porém, e sim que só piorasse, o que foi que acabou acontecendo até mesmo pelos fatores que você bem elencou em seu comentário.

Abs,
Ritter.

Responder
Felipe 6 de maio de 2019 - 23:39

Gostei muito do desenvolvimento do Bran ao longo de todos esses anos de GoT mas o que ele está fazendo no momento decisivo da série? Até a árvore tá sendo mais útil que ele hahahahaha
Em vários anos de GoT, vários momentos me deixaram em choque mas nenhum foi capaz de me deixar tão triste do que ver a queda de um dragão ou o abandono de um lobo, animais (mesmo os fictícios) são meu ponto fraco mesmo.

Responder
planocritico 7 de maio de 2019 - 17:44

@disqus_TaLyl114J1:disqus , o Bran realmente foi apagado. Virou uma espécie de vidente e parou de ganhar desenvolvimento. Uma pena…

Sobre o abandono do lobo, cara, aquilo foi realmente estranho demais…

Abs,
Ritter.

Responder
jeff page guitar 6 de maio de 2019 - 20:21

Pelo jeito, tudo está se desenhando para a morte de Cersei acontecer pelas mãos de Jaime. . . Ele é o único que tem a chance de chegar perto dela. Mais uma vez o destino dos sete reinos será definido pela espada do Regicida. Resta saber no colo de quem vai cair o Trono de Ferro. . . Alguém quer fazer um bolão? . . .rsrs

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 20:28

Acho que foi exatamente para isso que Jaime foi para Porto Real. O diálogo dúbio dele com Brienne me passou esse objetivo imediatamente.

Sobre o Trono, pelo visto vai ficar com quem sobrar… Meu candidato é o Varys. Fica ali na surdina, como quem não quer nada… HAHAAHHAAHAHAHAH

Abs,
Ritter.

Responder
jeff page guitar 6 de maio de 2019 - 20:35

Pois é. . . Kkkkkkkk
De repente, o Varys pode acabar no Trono. . Rs Se o Mindinho ainda estivesse vivo também seria um forte candidato rsrs

Responder
planocritico 7 de maio de 2019 - 17:44

Mindinho era meu candidato para ser Mão da Rainha, rainha essa que seria a Cersei, claro!

HAHAHHAHAHHAHAHA

Abs,
Ritter.

Responder
JC 6 de maio de 2019 - 22:14

Caraca…. perfeito. Totalmente dúbio.
Se eel foi escrito com Brienne ou se ele ainda continua no amor com a irmã.
Já que são dois £=£^÷£÷π~°^°£=!

Responder
Stella 7 de maio de 2019 - 11:58

Vai acabar sendo a Sansa, ja to vendo todos os principais candidatos morrendo e sobrando ela.

Responder
planocritico 7 de maio de 2019 - 17:44

Serve também!

Abs,
Ritter.

Responder
Felipe Martins 6 de maio de 2019 - 19:49

Boa crítica, Ritter.

Eu estava com expectativas baixas e fui surpreendido por um bom episódio, relativamente bem amarrado e com boas tramas políticas.

A única coisa que me incomodou no episódio é essa necessidade de equilibrar as forças pra guerra que teremos (possivelmente) no próximo episódio. Porque não mataram o Rhaegal no episódio anterior (sendo que muita gente pensou que ele tinha morrido mesmo)? Como que ninguém vê uma frota chegando em alto mar? Porque a Daenerys não deu a volta nos navios (todos voltados para a mesma direção, com balistas apenas na proa) e acabou com a frota do Euron que nem era tão grande?

Claro que temos várias desculpas, mas gente… por favor né? Se era pra fazer isso, gastasse uns 5 minutos e fizessem uma batalha naval. Daenerys só perde forças, o Norte só perde forças e absolutamente nada afeta a Cersei… pra quê fingir que ela tá com tudo se todos sabemos que ela será morta (porque eu duvido do fundo do coração que Benioff e Weiss vão encerrar a série com a Cersei no Trono de Ferro).

Fora isso, que venha o esperado final.

Abraços

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 20:05

Sobre a parte da batalha marítima, foi basicamente o que disse. Há problemas ali, sem dúvida alguma, mas como não era o foco do episódio, diferentemente do anterior, isso acabou não ficando tão sério.

Se Benioff e Weiss quiserem surpreender (e me fazer muito feliz), eles farão Cersei ganhar. Seria sensacional.

Abs,
Ritter.

Responder
Rafael 6 de maio de 2019 - 20:28

Se é pra surpreender, então bota o Rei Gendry…
Ou Sam Tarly.

Responder
Cristhian Lopes 6 de maio de 2019 - 21:59

Por toda imprevisibilidade que GoT mostrou durante toda série, espero sinceramente que a série não caia no criche de “e todos viveram felizes para sempre”, pois a série vai muito além de história novelesca.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 23:01

Ah, isso não! Tem que ser mais para algo como “pronto, o elenco todo morreu e só sobrou o bebê da Gilly com o Sam. Vai ser ele/ela que sentará no Trono!”.

Abs,
Ritter.

Responder
Rafael 6 de maio de 2019 - 19:00

Outro ponto que esqueci de comentar é o descuido da série com as outras regiões de Westeros que não sejam o Norte, Ilhas de Ferro e Porto Real. Parece que só esses três reinos estão em guerra, todo o resto foi esquecido. OK, não dá pra mostrar o resto, mas não daria pra tirar dois ou três minutos dos personagens namorando pra dar uma atualizada na situação dos outros reinos? Campina, Dorne, Terras Ocidentais, Vale, Terras Fluviais e Terras da Tempestade (6 dos 9), todas eles tiveram seus regentes mortos. Quem comanda cada um deles? Como estão alinhados? Não daria (ou deveria) pra tocar nesse ponto naquelas reuniões onde eles estudam os mapas e tropas?

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 19:08

Creio que não, pois não há personagens relevantes nesses lugares. Uma série ou um filme precisa ser regido pela narrativa dos personagens e, se eles não estão nesses lugares, como mostrá-los? Agora houve um completo afunilamento na série: ou é Porto Real ou é Winterfell. Não tem meio do caminho, não tem outros lugares que não sejam esses dois.

Abs,
Ritter.

Responder
Rafael 6 de maio de 2019 - 20:28

Foi o que eu disse, não sobraram personagens relevantes para mostrar lá. Justamente por isso sugeri que poderia ser citado no briefing de guerra. Fica parecendo que é esquecimento ou desleixo nem lembrar que existe, aliás minha maior crítica desses últimos anos é justamente uma falta maior de cuidado com os detalhes. Pode parecer pouco relevante, mas em três minutos seria facilmente resolvido e daria uma sensação mais forte de “veracidade” e dimensão ao conflito. Estamos chegando ao conflito final e boa parte das maiores forças militares parecem “não estar fazendo nada”, algumas delas há várias temporadas.

Responder
planocritico 7 de maio de 2019 - 17:44

Mas chega um ponto que o afunilamento é inevitável. Senão ficaria parecido com um documentário, com cenas na linha de “enquanto isso, lá em Dorne…”.

Abs,
Ritter.

Responder
Davi 6 de maio de 2019 - 16:54

Eu provavelmente não sou grande conhecedor das tramas que ocorrem nos livros, mas sobre a série, simplesmente não consigo entender o porque de afirmarem que a Daenerys é uma tirana/louca, sem ela ter feito grandes atrocidades, talvez por causa da sua família? por exemplo, ela tentou dialogar com a Cersei, em vez de seguir os conselhos da Olenna de queimar tudo na primeira chance – meu sonho – mas, até mesmo os conselheiros pensam nela como uma pessoa desequilibrada. Acredito que não só eu, como outras pessoas, não conseguem engolir o que a HBO tá tentando forçar, é meio sem nexo. Tipo eu amo a personagem Daenerys, e pude ver toda a construção dela sabe… nem ligo se ela morrer “kkkkkkk”, matando a Cersei, tá ótimo para mim. Amei a crítica, vou comprar um caixão para mim, próximo domingo eu com certeza vou morrer de desgosto. kkkkkkkkkkkk

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 17:05

Mas desgosto porque???

Sobre Daenerys, eu defendo que ela vem sendo preparada para ser “a louca” ou uma versão light disso desde o começo. Ela sempre foi obcecada e obsessiva. A pilha de atrocidades dela é bastante grande. Já crucificou escravagistas, quando Kahl Drogo morreu ela explicitamente disse que seus planos eram de dizimar inimigos como seu pai, suas reações para as maiores barbaridades são muito semelhantes às de Cersei e assim por diante. E isso sem contar sim com sua ascendência, o que inclui seu irmão que morreu com ouro derretido na cara.

Abs,
Ritter.

Responder
Jefferson Viana 6 de maio de 2019 - 17:35

A “maldade” dela nunca é gratuita, e bem diferente de por exemplo mandar matar todos os bastardos do baratheon, na minha opinião claro, ela é dura e impiedosa contra inimigos, principalmente aqueles diretamente responsáveis por alguma coisa que ela considera errada, a morte de oleanna tyrel, os escravos crucificados( detalhe, praticamente acabou com escravidão, e quando a cidade escravagista se revoltaram ela ficou entre 2 conselhos, de darioo e ser impiedosa ou de jorah e atacar as cidades preservando vidas). Eu não falo que ela não tome atitudes impensadas quando com raiva, mas nunca foi somente por maldade.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 17:43

Vamos entrar agora em gradações de maldade? Maldade com raiva é mais desculpável que a maldade sem raiva? O que quero dizer é que ela está em um caminho, e esse caminho não é de uma donzela que gostaria por favor de sentar no Trono de Ferro, e sim de uma mulher que fará qualquer coisa – QUALQUER COISA – para chegar lá. Isso por si só já a coloca no mínimo em um estado de observação, não?

Abs,
Ritter.

Responder
Davi 7 de maio de 2019 - 07:48

Possivelmente não vai acontecer algo tão inesperado, é GoT ;-;. Verdade, ela sempre fez atrocidades e coisas impensáveis, mas na correria dessa temporada, parece que foram realizadas com fim do trono, é como o cara falou, tinha um propósito além de conseguir aliados para ajudá-la, ela libertava uma galera aqui é ali. Certo, em nenhum momento suas atitudes não deixam de ser maldade, mas parece que apenas ela, nesse momento, é tirana, sendo que a Cersei fez merda do mesmo tanto

Responder
planocritico 7 de maio de 2019 - 17:44

@disqus_d7UebbabRO:disqus , não é que parece que ela é a única tirana. Os outros tiranos nós sabemos quem são e não precisamos de reiterações. Ela é o foco agora e está ganhando sua estirada final de desenvolvimento. É puro desenvolvimento de personagem.

Abs,
Ritter.

Responder
victor hugo klein de lima 6 de maio de 2019 - 16:24

eu gostei do episódio mas algumas coisas me incomodaram.

Primeiro a constante negação que fazem na série de o Jon é Targaryen, no episódio de ontem vimos ele abandonar o lobo que esta com ele desde o começo como se fosse nada, ali quiseram passar que ele não tem mais nada de Stark ou coisa parecida, quando é totalmente o contrário.

Daenerys e seu núcleo é algo que me incomodou, o problema não é o Raeghael morrer e sim a forma que isso acontece, nem era pra ele morrer pq na temporada passada o Drogon levou uma flechada daquela não necessariamente no peito, mas por ali entre pescoço e peito e nada aconteceu, ou seja, a morte foi apenas para chocar e pegar a grana e investir em outro lugar.

Sem falar na loucura de Dany repentina, ela sempre teve atitudes extremistas muitas vezes? sim, mas nada comparado ao que esta sendo feito com a personagem nessa temporada, tudo isso para nos dizer que o Jon é o herdeiro e temos que aceitar e acabou, enfim, um episódio mais ou menos para mim, justamente por essas questões, por mais que seja GOT raíz.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 16:34

A loucura dela não é repentina. Nem de longe. O desenvolvimento dela, nesse quesito, é um dos melhores da série. Sempre esteve lá e estou até surpreso que tanta gente não tenha visto.

Abs,
Ritter.

Responder
Cristhian Lopes 6 de maio de 2019 - 21:59

Amigo, loucura repentina aonde, ela cometeu varias atrocidades, em nenhum momento os roteiristas nos enganaram, só que não ver é por que não quer.

Responder
Marcelo K 6 de maio de 2019 - 16:04

Uau Ritter, você parece mesmo ler pensamentos! Eu estava pensando justamente em final boss de vídeo-game; por fim, na vida não existem regras, e o maior desafio não necessariamente será o último de todos. Ou não é nada disso: os WWs foram apenas um filler 😉

Como vimos, a série decaiu razoavelmente de qualidade depois que ultrapassou os livros. Eu e talvez outras pessoas só a continuem assistindo devido a todo o desenvolvimento de personagens e de história feito anteriormente. Mais ou menos como Vingadores Ultimato: nos importamos com os personagens no nível que nos importamos devido a todo um desenvolvimento bem feito ao longo de anos. Imagino como estaríamos curtindo GoT muito mais se ela tivesse mantido a qualidade anterior.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 16:24

Ah, mas sem dúvida que a série era melhor antes. Eu mesmo só continuei vendo porque foi anunciado desde lá atrás que haveria um final definitivo e breve para tudo. Se fosse uma daquelas séries eternas tipo TWD, eu teria largado…

Abs,
Ritter.

Responder
Fakeman 6 de maio de 2019 - 15:55

Danerys ter chegado primeiro que o jon, montada em um dragao voador , tudo bem, mas verme cinzento e cia terem chegado antes do stark é muita suspensão de crença
Mas gostei do jogo político ter voltado. Aquém do que foi com a velha das rosas e o mindinho, claro.
O inverno chegou, teve o ice, agora espero que o fire seja melhor

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 18:28

Mas o Verme não estava nos navios?

Abs,
Ritter.

Responder
yuri 6 de maio de 2019 - 15:44

Nem o criador desses personagens e dessa história está gostando dos rumos da série e dessa temporada e galera dando 4 estrelas e achando bom kkkkkkk o nível da emoção

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 16:15

Você tem conversado com o seu amigão Martin?

Abs,
Ritter.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 17:44

He, he. Zero de razões ECONÔMICAS por trás do que ele está dizendo, não é mesmo? Ars gratia ars passou longe da barba do sujeito…

Abs,
Ritter.

Responder
Handerson Ornelas. 8 de maio de 2019 - 18:01

Ritter, nem o elenco ta se contendo. Tem vídeo de entrevista tanto da Emilia Clark quanto do Kit Harington onde as expressões e falas deles deixam claro que nem eles ficaram satisfeitos com essa season finale.

planocritico 8 de maio de 2019 - 18:34

Que se exploda o elenco. Não são eles que têm que ficar satisfeitos. Fora o fato que ESSES DOIS são os piores atores da série inteira, então eles não podem falar muita coisa…

Abs,
Ritter.

Handerson Ornelas. 9 de maio de 2019 - 21:34

Mas nem o público ta satisfeito, ta geral reclamando hahahahaha No geral, concordo muito sobre os dois atores! Abraço!

planocritico 9 de maio de 2019 - 22:04

O público resolveu enlouquecer de raiva agora, depois de passar por duas temporadas inteiras que não foram muito melhores (se é que foram melhores) do que essa agora. Parece mais histeria coletiva do que algo minimamente racional. GoT é uma série cheia de problemas, mas não é nem de longe esse horror que estão pintando por aí…

Abs,
Ritter.

Camilo Mateus 6 de maio de 2019 - 15:07

aparentemente todo mundo upou stealth 99

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 16:24

O que isso significa?

Abs,
Ritter.

Responder
Alek Sander 6 de maio de 2019 - 22:14

É um termo de um jogo de RPG chamado Elder Scrolls. Stealth 99 é o máximo que se consegue pra jogar furtivamente, silenciosamente, desapercebido. E as pessoas nos últimos episódios (Arya por exemplo) tem se demonstrado assim.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 23:00

Ahhhhhhhhhhh! Jamais saberia. Valeu!

Abs,
Ritter.

Responder
Camilo Mateus 7 de maio de 2019 - 08:56

em alguns jogos eletrônicos de RPG, quando sua furtividade (stealth) está muito alta, você literalmente consegue andar na frente dos inimigos sem ser percebido.
aparentemente é o caso de Arya.
e Bronn.
e da frota de Euron.
e de Misandei.

Responder
planocritico 7 de maio de 2019 - 17:44

Obrigado!

Abs,
Ritter.

Responder
Guilherme 6 de maio de 2019 - 19:58

Sim. Neste episódio foi o Bronn.
Sendo que aquela conversa entre ele e os irmãos Lannister foi totalmente desnecessária.

Responder
Camilo Mateus 7 de maio de 2019 - 08:56

pra mim, a conversa foi um dos pontos altos do episódio. atuações e diálogos como não se via há um tempo.

Responder
planocritico 7 de maio de 2019 - 17:44

Foi divertida, mas não achei o ponto alto não.

Abs,
Ritter.

Responder
Jadiel 6 de maio de 2019 - 13:07

Gostei muito do ritmo desse episódio. Foi criando a tensão aos poucos, alcançando o clímax nos 10-15 minutos finais.

Diálogos muito bem escritos, além de atuações muito boas, dignas dos tempos áureos da série.

Todos os comentários que vejo sobre o episódio, quando não é reclamando que a Danny vai supostamente se tornar a Mad Queen (eu gostaria que isso acontecesse), é desejando a morte da Cersei, mas considero ela uma das melhores personagens da série como também uma das melhores vilãs, se não a melhor.

#teamCersei4ever

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 15:27

#teamCersei4ever

Estou com você!!!

Abs,
Ritter.

Responder
Anônimo 6 de maio de 2019 - 12:57
Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 15:27

Eu acho até natural que não haja grandes surpresas. Esse negócio de ficar tirando coelho da cartola é perigoso demais!

Abs,
Ritter.

Responder
GUSTAVO silva 6 de maio de 2019 - 12:57

Eu gostei do episódio, mas não curti algumas coisas.

A série faz de tudo para a Daenerys ficar com desvantagem. Ela perdeu mais da metade do exército dos dothrakis de uma maneira mto burra no episódio 3, matar o dragão… okay, mas não gostei da forma em que tudo foi conduzido. (Deveriam ter pensando que a cersei estaria pronta para matar os dragões, deveriam ter pensado mto melhor antes de levar eles). A série, a partir da sétima temporada, está colocando que a Daenerys pode ficar louca que nem o pai, sendo que desde a primeira temporada, ela não demonstrava essa arrogância e loucura. Está dando uma sensação de que tinha muita coisa para se resolver e eles estão fazendo de tudo para terminar da forma que os roteiristas querem. Ela ficar puta pela perda do Jorah, Rhaegal e missandei faz todo sentido, mas toda a burrice antes disso não tem muita desculpa. A sansa e a cersei são as únicas que tem cérebro, pelo que parece. A cersei está anos luz na frente dos “heróis”.

Quando a série está desenvolvendo personagens como o jaime, o cão, a arya, sansa, cersei,… eles fazem que nem GOT raiz, mas quando vai para estratégias de batalha… o negócio tá bem cagado.

Obs: eu gostei que ao longo do episódio a Daenerys foi ficando mais louca por causa das perdas, mas isso foi depois da perda do dragão. Porque a “loucura” antes disso não faz muito sentido. Tipo, os personagens estão tratando ela como louca sendo que ela nunca foi kkk daqui pra frente okay, mas temos que entender que ela passou por mta coisa nesses últimos episódios.

E a arrogância dela tá me irritando, ouve a sansa pelo amor de JESUS!!! A arrogância dela está sendo desenvolvida faz muito tempo, mas acho que a loucura, não.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 15:27

Eu vejo a construção da loucura da Daenerys desde a 1ª temporada. Vejo muita gente reclamando que a série “do nada” está levando ela até esse ponto, mas eu não poderia discordar mais!

Estratégia de batalha, como eu já disse em outro comentário, só a Cersei tem. O resto vai na orelhada!

Abs,
Ritter.

Responder
yuri 6 de maio de 2019 - 15:55

“Eu vejo a construção da loucura da Daenerys desde a 1ª temporada. Vejo muita gente reclamando que a série “do nada” está levando ela até esse ponto, mas eu não poderia discordar mais!”

Parabéns você viu o que ninguém mais viu.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 16:15

Eu tenho visão além do alcance…

Abs,
Ritter.

Responder
yuri 6 de maio de 2019 - 17:25

Deve ter mesmo

Daniel Silva Pereira 6 de maio de 2019 - 17:16

Eu também e não somos só nós dois não kkkkkk

E olha q eu sou meio míope kkkkkkkk

Responder
yuri 6 de maio de 2019 - 17:25

Parabéns

Ruqui 6 de maio de 2019 - 22:41

Ninguém da bolha daenerysfanclub.com viu mesmo

Responder
GUSTAVO silva 6 de maio de 2019 - 23:19

Ritter kkkk muito raramente discordo das suas críticas e suas opniões mas sobre a loucura da Danny eu tenho que discordar. Sempre vi ela mais como arrogante do que louca… mas cada um tem seu ponto de vista.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 23:29

Mas só arrogante? Essa é a característica mais simpática dela…

Abs,
Ritter.

Responder
IDRIS ELBA RAMALHO 6 de maio de 2019 - 12:44

Nossa, que episódio horroroso, de longe o mais fraco da temporada (na minha opnião)
Acho que o único personagem sensato é o Tyrion.
Concordo plenamente com ele, a Cersei é odiada pelo próprio povo e pelos governantes de todas as outras regiões. Se a série ainda seguisse a lógica dos livros, ela não durava 3 anos no poder. Como Tyrion falou, o povo mesmo dava cabo dela.

E pelo amor dos deuses, que diálogos horrorosoooooos… principalmente os do Jon com Daenerys, “Eu te amo! Nunca amei ninguém como você!”, “Ai mais eu te amo mais do que a coroa”. Se esse episódio tivesse saído umas semanas antes, era capaz da série ter concorrido ao Troféu Imprensa de Melhor novela (e perdido).

Essa trama da Cersei (que pra mim é a “subtrama”) tá cada vez mais forçada. A personagem sempre foi maléfica, mas eles exageraram e ela virou uma caricatura dela mesma. Não parece ter nenhum objetivo, ela é má e quer o trono por que SIM.
Não importa que o bebê, o Jaime, ou ela mesmo morra no processo. Transformaram uma personagem inteligente e cruel, numa psicótica quase suicida.
Fico só pensando… o que ela faria se quem chegasse lá fosse o Rei da Noite em vez da galerinha da Dany? As balestras gigantes não adiantariam de nada, muito menos a frota de navios.
Só faltou ela dar gargalhadas, coçar um bigodinho de vilão, e empurrar a Missandei de uma escada (pra ficar ainda mais novela).

E deu pra perceber que Winterfell tem os guardas mais relapsos do universo. O Bronn, mesmo sem nunca ter entrado na merda desse castelo, consegue entrar, vasculhar todo o castelo em busca dos irmãos Lannister, acertar uma porrada no Tyrion (a mão da grande Daenerys, praticamente ele é uma das pessoas mais importantes naquele castelo), sair de lá sorrindo e NINGUÉM percebe?
Sério mesmo? Na boa, se isso não é roteiro preguiçoso, eu não sei o que é.

Obs: Só agora que o Jaime percebeu que eles tem a intenção de matar a Cersei? Parabéns campeão

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 15:27

Eu não concordo com quase nada do que você disse sobre esse episódio, mas faz parte.

Sobre Jaime, cara, acho que aquele diálogo dele justificando a ida para Porto Real não era para salvar Cersei, e sim justamente o contrário. Mas veremos.

Abs,
Ritter.

Responder
IDRIS ELBA RAMALHO 6 de maio de 2019 - 18:43

Faz parte kkkkk
Aliás, essa última temporada tem dividido bastante a galera, isso sim.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 18:43

Bota divisão nisso! Está até engraçado!

Abs,
Ritter.

Responder
Flavio Batista 7 de maio de 2019 - 15:26

pra vc ver como cada pessoa pode ter uma visao. Eu achei esse episodio maravilhoso!
A Brienne chorando tem tudo a ver com a personagem sim. Sempre foi claro q tinha algo rolando entre ela e o Jamie. Tao dificil assim entender?
Ela nunca, nunca quis nada com ninguem, mas o Jamie de alguma maneira passou por essa barreira q ele criou. Ele decide se entregar pra ele, toma toda iniciativa. Se isso nao é ser mulherao da porra eu nao sei o q é. Queria ficar com o cara e ficou.
Depois, o cara vai embora e ela sofre com isso. Ponto.
É tao absurdo assim? chega a me dar nos nervos essa encheçao de saco.
Poxa, se ela dissesse algo do tipo: sou foda n preciso de homem nenhum e dane-se, aí tava tudo certo.
mas como n foi pela cartilha q esperavam, aí nossa, nada a ver a Brienne e bla bla bla. Povo chato

Responder
planocritico 7 de maio de 2019 - 15:45

É muito interessante mesmo como as visões variam. Uns reclamam de Brienne chorando, outros (como nós dois) acharam o momento perfeitamente lógico. Mas é aquilo: o que seria do verde se todo mundo gostasse do amarelo, não é mesmo?

Abs,
Ritter.

Responder
Flavio Batista 7 de maio de 2019 - 16:41

Eu acho um caminho possivel, mas do q tudo. Respeito os personagens como seres humanos, visto q tem essa profundidade.
Se ela escolhesse nao ficar com ele e nao chorar qdo ele fosse embora, eu tbm respeitaria, pq seria a decisao dela.
A personagem tem uma profundidade que dá ter entender qualquer movimento ou decisao q ela tome.
Complicado é qdo alguem faz algo do nada, que nao tem sentido nenhum.
Nao sei do q podem reclamar.

planocritico 7 de maio de 2019 - 17:44

Exato. O lado sentimental dela SEMPRE esteve presente. Perfeitamente lógico o que aconteceu.

Abs,
Ritter.

Flavio Batista 8 de maio de 2019 - 09:00

Sim, pode-se nao concordar com a atitude dela. Mas dizer q nao tinha nada a ver com a personagem, é bobagem.
Creio q ela se sente atraida pelo Jamie, pq ele a trata bem como mulher e como guerreira.
Ela se sente admirada por ele das duas formas. É dificil pra galera aceitar isso?

Handerson Ornelas. 6 de maio de 2019 - 16:24

Concordo, também achei o pior da temporada. Virou um verdadeiro novelão mexicano, com cenas vergonhosas como Brienne chorando por Jamie (MEUDEUS, QUE DIABOS OS ROTEIRISTAS FIZERAM COM A PERSONAGEM?) e Daenerys implorando Jon Snow (ela pode implorar pra ele, mas o argumento dos dois governarem juntos é descartado com um simples “ela é orgulhosa demais”).

Eu ainda tenho uma série de ressalvas (uma galera fofoqueira que parece ter saído de Malhação, a cena do Bronn negociando com os Lannister pareceu uma piada dos roteiristas, e a porra de uma mulher montada num dragão, com uma visão privilegiada, mas que não observa dezenas de embarcações se aproximando, enquanto eles, sim, a observam com precisão), mas não quero ficar enchendo o saco por aqui. Em suma, achei extremamente mal escrito, como você disse. Fora alguns ótimos momentos, os diálogos aqui são risíveis.

A sequência final de encontro a Cersei é excelente (e aqui que eu discordo de você, sobre a personagem). Aí sim, toda aquela parte é feita com maestria. Mas fora isso, não vi tensão alguma, nem com a porra da morte de um dragão os caras conseguem transmitir peso ou tensão. Fazem parecer que perderam um mero soldado.

Trágico, olha que nem sou esses haters que reclamam das temporadas recentes. Mas o caminho que os dois últimos episódios rumaram já me fez ligar o foda-se e esperar um final digno de novela da Globo.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 16:43

Ou seja, Brienne não pode ficar triste ou alegre? Ela tem que ser do jeito que ela era no começo da série e não mudar nunca? Ela é uma das personagens mais sensíveis da série e muito me espanta essa surpresa pelo choro dela.

E o governo em conjunto não foi descartado pelo orgulho de Daenerys, mas sim pela maior legitimidade de Jon ao trono, algo que ela não aceita e, principalmente, pela inveja que ela tem de ele ser o líder natural de Westeros, enquanto que ela tem que comprar fidelidade e mesmo assim pouco consegue.

– Ritter.

Responder
Gabriel Pereira 6 de maio de 2019 - 16:43

Ritter, galera esquece, a Brienne chorou e muito com a morte do Renly, se não fosse a Catelyn ela teria morrido ali. O Jaime é o novo Renly pra ela, perde-lo ali é uma dor enorme e remete o trauma que teve. Ela é um puto cavaleiro, mas tb tem sentimentos como qualquer um.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 16:43

Bem lembrado!

Abs,
Ritter.

Handerson Ornelas. 8 de maio de 2019 - 00:00

Bem, é aceitável se existe um arco de desenvolvimento decente da personagem para que soe coerente a mudança. Mas enfiar goela abaixo do público novelão dela com Jaime faz sentido nenhum (e ainda por cima, escrito tão bem quanto uma novela mexicana). Uma coisa é um personagem mostrar emoções (o segundo episódio faz isso com ela de forma perfeita), mas o que me foi mostrado nesse episódio pra mim é forçação de barra pra alimentar uma audiência novelística. Adeus coerência de personagens. Tudo bem, tem gosto pra tudo, concordemos em discordar.

Responder
IDRIS ELBA RAMALHO 6 de maio de 2019 - 19:00

Pois é, eu também. A galera tava descendo a porrada nessa temporada, mesmo antes dela estrear. Mas eu tava bem esperançoso…
Gostei principalmente dos dois primeiros episódios, tava voltando aos poucos aquela coisa de got dos diálogos mais bem escritos, a relação entre os personagens tava bem construída (tirando Jon e Daenerys). Achei sensacional alguns reencontros que a muito eu tava esperando, e minha cena preferida foi o Jaime declarando a Brienne como cavaleira. Que momento foda, Gwendoline Christie deu um show também!

O terceiro foi aquela coisa que todo mundo falou né… E esse quarto pra mim foi difícil. Os diálogos estão muito sofríveis, Jesus amado.

Mas pra não dizer que tudo foi ruim, eu gostei muito das cenas do Tyrion nesse episódio(menos a com o Bronn, mas é pela cena em si ser bem estúpida). As últimas duas temporadas não estavam sabendo aproveitar o personagem, e aqui ele está tendo seu espaço. A última cena dele com a Cersei foi muito boa, e afirmo que foi impactante mesmo pela atuação dos dois.

Responder
Stella 7 de maio de 2019 - 11:45

Concordo com tudo kkkkkkk

Responder
Fakeman 6 de maio de 2019 - 12:43

Se não tiver uma reviravolta na trama, a caracterização leva a crer que a rompe corrente morre louca, talvez com alguma redenção antes do suspiro final, snow vira rei (ou quem sabe ele fica muito triste com a morte da tia e entrega os sete reinos para o filho do Robert), sansa chefe do norte, e morrem a cersi, tyrion, arya e o eunuco, além da dani doida

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 15:27

Sim, também imagino algo por aí mesmo…

Abs,
Ritter.

Responder
O Homem do QI200 6 de maio de 2019 - 16:04

Cão vai morrer tbm nas mãos do Montanha, mas vai levá-lo junto.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 16:24

Serão mortes de peso!

HAAHHHAHAHAHAHAHAHA

Abs,
Ritter.

Responder
Marcelo K 6 de maio de 2019 - 16:05

Ou não morre mais nenhum personagem importante, já que isso tem sido bem difícil de acontecer. Já pensaram? Eu hein… Socorro…

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 16:24

Fala isso não nem brincando! Tem que morrer quase todo mundo!!!

Abs,
Ritter.

Responder
Flavio Batista 7 de maio de 2019 - 15:37

Nos preparamos pra isso, todos esses anos de personagens morrendo hahaha

Responder
planocritico 7 de maio de 2019 - 15:37

Exato. Morticínio geral sem dó nem piedade. Não quero ver nem cachorro vira-lata vivo perambulando pela pilha de corpos putrefatos!!!

HAHAAHAHAHAHAHAHAHAHAAH

Abs,
Ritter.

Gabriel Pereira 6 de maio de 2019 - 12:43

Excelente episódio, sim tem seus furos que irei falar, mas como um todo é isso, GOT realmente sempre foi isso. Sim, o último ep foi ruim, A longa Noite de uma noite só, e tudo o mais. Porém é isso, os diretores não construíram bem os Outros e o Rei da Noite, e isso foi virando uma bola de neve, precisavam acabar o quanto antes, mas infelizmente não acabaram tão bem. E sim, a vdd GRANDE GUERRA, é Homens x Homens, não em quantidade como o Rei da Noite tinha, mas em malícia, estratégias, traições, conflitos internos e externos. Começo do ep excelente, mostrando a felicidade de todos e dando encaminhamento para os personagens, e já mostrando o que tem tempos, SIM, tem tempo, a insatisfação da Daenerys vendo o Jon ser acolhido por todos e reverenciado como rei. Excelente tb, foi ela mostrar esse desespero para com o Jon ali no quarto, e sim, aquele é o ponto, era a lógica. Sobre o Jon contar pra Arya e Sansa…ele precisava, para as irmãs entenderem. Sobre a Sansa contar pro Tyrion? Não foi pq foi infantil ou “sonsa”, foi de propósito, ELA NÃO QUER a Daenerys. Bom, ep estava maravilhoso com essas intrigas e encaminhamentos dos personagens. Porém, o lado negativo veio com os dragões e Euron, a série precisava ter a Missandei como refém e a Daenerys mais nervoso e descontrolada, então fizeram o que a gente viu. O Rhaegar? Seria melhor ter morrido contra o Rei da Noite, e não ali daquela forma. Sim, entendo que foi ataque surpresa, como eu disse, homens tem estratégias. Porém, ao meu ver, seria mais interessante só o Drogo ali, e a Daenerys perceber que a frota estava ali, voltar para tentar avisar, mas nessa trajetória, os ataques teriam começado e ocorresse a destruição dos navios targaryens , mas durante o ataque, Daenerys e Drogo poderiam ter destruído alguns navios do Euron, ter atacado eles, não destruir tudo (pq o roteiro precisava perder a Missandei ali), mas ter feito algum dano contra. Bom, tirando essa parte, que foi mal construída. O arco seguinte é maravilhoso e cheio de tensão, proporcionado pela vdd “vilã” da série, a excelente Cersei. Sobre o Jaime, linda a cena com a brienne novamente, ele decide ir ao Sul quando sabe da notícia, era lógico tb, ele sabe que ele pode ser fundamental na derrota da cersei, fez tudo por ela, é abominável como ela, só alguém como a Cersei pode derrotar a Cersei, e esse alguém, que por sinal é GÊMEO, será o Jaime. A profecia já falava, e o Jaime irá cumprir. Episódio maravilhoso, digno de got, com exceções aqui e ali, mas é isso, a esperança ainda continua.
Abraço!

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 16:14

Concordo com tudo! E realmente o dragão poderia ter morrido na pancadaria no escuro. Seria mais justo com o bicho e mais lógico, acrescentando uma perda de peso.

Abs,
Ritter.

Responder
Nathanael Pereira 6 de maio de 2019 - 11:44

O episodio é interessante voltamos a guerra dos tronos, bem tudo caminha para Jon no trono de ferro infelizmente(o problema é pessoal não gosto do personagem rsrsrs), tentar forçar de forma tão apressada a loucura da Dany é a unica coisa que não tenho gostado muito, depois de todos os reis que nos foram apresentados, Varys coloca-la praticamente como a grande vilã maluca é bem sem noção, para mim as atitudes dela são bem justificáveis.
Que Cersei fique com o trono pelo menos é a única personagem bem desenvolvida dos três. E sim entre o Jon e a Dany prefiro ela rsrs. Não curto muito esses personagens certinhos sem ambição, desse tipo só Ned Stark me convenceu.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 12:15

Também não gosto de Jon. Estou com você sobre a Cersei!

Mas Daenerys vem sendo construída dessa maneira desde o primeiro minuto em que ela apareceu na série. Agora é que está mais saliente apenas.

Abs,
Ritter.

Responder
Rafael Davila 6 de maio de 2019 - 11:34

Gostei da crítica, achei com total certeza bem melhor que o anterior, dava um 3/5 pra ele, Cersei brilhando já é 4 pra cima né hauahauahuah
Ah, e ainda aposto no rei da noite voltando no próximo ep ainda, nosso rei não partiu assim.Posso está inventando de mais, porém no preview quando o euron olhou para o céu, certeza será o rei da night montado no rhaegal hahahaha

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 12:14

Se o Rei da Noite voltar, será o enterro da série, por não fazer o menor sentido.

Abs,
Ritter.

Responder
Pedrinho Rude Boy 6 de maio de 2019 - 15:08

Será o primeiro Drakarys do Drogon depois de Winterfell.

Responder
Matheus Carvalho 6 de maio de 2019 - 11:05

Acho que 4,5 estrelas foi exagerado, mas esse episódio tirou um pouco da amargo da semana passada.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 12:05

Achei o melhor episódio da temporada até agora.

Abs,
Ritter.

Responder
Robson Luz 6 de maio de 2019 - 10:28

Dumb&Dumber cagando toda a história e personagens de game of thrones com roteiro preguiçoso e decisões burras, 2,5 ainda seria muito

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 10:38

Roteiro preguiçoso foi o do episódio anterior. Aqui não.

Abs,
Ritter.

Responder
Robson Luz 6 de maio de 2019 - 11:05

Como não foi? O episódio já começa com Daenerys aleatoriamente fazendo Gendry um lord por puro fanservice. Tyrion confiando em Varys depois de todos esses anos sabendo que ele é uma víbora e ele imediatamente revelando ser um traidor?? Jon Snow mais uma vez sendo burro , realmente ele achou que o segredo ele não ia vazar? Treta forçada entre Sansa e daenerys, esse plot não faz muito sentido. Uma frota de navios que não só não é vista por ningúem a bordo como por daenerys que tá a varios metros de altura montada num dragão com visão periférica de todos os lados e por vários quilometros, conseguem matar um dragão em movimento com uma precisão absurda mas quando Drogon faz um ataque frontal nas embarcações nenhuma seta acerta(????), além de serem setas que são mais fortes que bolas de canhão pelo visto pra destruir embarcações daquele jeito. Missandei simplesmente some e é capturada mas não se dão o trabalho de matar ali mesmo o resto dos comandantes. No final uma tentativa patética de negocição, mostrando que Tyrion realmente ficou burro ao tentar negociar com Cersei mais uma vez depois dela ter quebrado mais uma promessa, o que seria uma oportunidade perfeita pra ela acabar com a guerra de uma vez por toda já que toda a cadeia de comando inimiga estava ali presente, não é como se ela respeitasse tréguas, ética ou regras, uma pessoa que apunhalou vários covardemente pelas costas, explodiu um simbolo relegioso com vários inocentes e queimou metade da cidade. E várias outros pequenos detalhes que não vale a pena ficar falando aqui

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 12:05

Vamos lá:

– Gendry: Não foi aleatório. Daenerys estava comprando lealdade dos nortenhos dando terras ao único ali que nada tinha, mas que contava com algum legitimidade para algo. Foi uma estratégia inserida no roteiro para contrastar com o tipo de lealdade que Jon inspira, mais natural, mais voltada ao respeito sem que nada seja pedido em troca.

– Jon Snow: Ele não foi burro, mas sim inocente. E ele é assim mesmo. Sempre foi. Não iria mudar agora.

– Sansa e Daenerys: Treta forçada? Forçado seria se não houve treta entre as duas. Sansa representa a vontade do norte por independência, algo marcado fortemente na série desde o 1º episódio da 1ª temporada. Ela não se curvaria à primeira rainha estrangeira que aparecesse. E a treta não vem de agora, claro.

– Frota de navios não ser vista e batalha no mar: É um problema, como eu mesmo apontei na crítica. Mas o episódio não é a batalha, assim como, por exemplo, Vingadores: Ultimato não é a viagem no tempo. Portanto, dá para aceitar com boa vontade.

– Tyrion confiando em Varys: Os dois sempre tiveram uma relação assim. Basta ver as temporadas anteriores. E ele não confia em Varys necessariamente, até porque ele próprio reconhece muito claramente que Varys está certo.

– Tyrion negociando: O objetivo ali era fazer qualquer coisa para evitar mais mortes. Nem sequer tentar negociar é que não fazia sentido.

– Cersei aproveitar a oportunidade: Para que? Para matar Tyrion e Daenerys. Não só era algo improvável considerando que o dragão estava ali a tiracolo da Mãe dos Dragoões, como não resolveria NEM DE LONGE o problema dela, já que ela entregaria o comando geral para Jon Snow que pode ser inocente, mas, como já foi muito bem colocado, inspira lealdade cega de seus seguidores, algo MUITO mais perigos do que a Daenerys desequilibrada e seus dragões.

Temos que separar o que é roteiro bom e ruim daquilo que não gostamos ou gostamos.

Abs,
Ritter.

Responder
Robson Luz 6 de maio de 2019 - 14:57

Cersei manda Bronn pra matar Tyrion, diz que já devia ter feito isso muito tempo atrás e quando tem ele em mãos deixa sair assim? Totalmente fora do personagem. Que ameaça o dragão faria ali? Já tinham mostrado como os dragões são vulneráveis e eles tinham uma muralha cheia de bestas pra atirar

planocritico 6 de maio de 2019 - 16:14

De novo, ela matar Tyrion ali não faria diferença prática alguma. O dragão não era ameaça à fortaleza, mas sim um escape imediato para a Rainha dos Dragões. Dificilmente qualquer ataque ali teria o sucesso pretendido.

Abs,
Ritter.

El Imparcial ~ Jaktal 6 de maio de 2019 - 15:35

“Temos que separar o que é roteiro bom e ruim daquilo que não gostamos ou gostamos.”

Resume tudo.

planocritico 6 de maio de 2019 - 16:14

Pois é…

Abs,
Ritter.

Sand Spider 7 de maio de 2019 - 09:37

Vamos lá:

– Gendry: Daenerys comprando lealdade dos nortenhos dando titulo pro GENDRY???? Meu, o Gendry não significa merda nenhuma pros nortenhos, no máximo pra Arya e olhe lá. Comprar lealdade dando títulos pra um bastardo de um rei que pouco significou para os nortenhos e nem sequer foi reconhecido pelo pai não tem sentido algum.

– Jon Snow: Nunca foi inocente, nunca. Jon sempre foi um cara esperto, calado e meio ressentido. Eles transformaram um personagem bem estruturado e com capacidade real de ser um bom líder em uma besta unidimensional burra.

– Sansa e Daenerys: Essa treta faz sentido, levando em consideração o que ambas se tornaram. Porém, os nortenhos não queriam independência desde o primeiro episodio da serie nunca, só você viu isso. A coroação de Robb tem muito da emoção do momento e da falta de reis que se alinhassem com o desejo Stark, sendo que Stannis – o legitimo – tinha pouco poder militar e estava fadado ao fracasso, e Renly, apesar de ter um exercito poderoso, não tinha direito algum ao trono de ferro, algo que Robb jamais apoiaria pelo senso de justiça que possuía.

– Frota de navios não ser vista e batalha no mar: Tem que ver isso com suspensão de descrença, chacota.

– Tyrion confiando em Varys: Uma quebra em tudo o que o personagem é e o modo como seu pensamento foi montado. Tyrion jamais confiaria em Varys daquela forma, pois ele sabe que o eunuco é traiçoeiro. Mais um personagem emburrecido de maneira tosca.

– Tyrion negociando: Suspensão da descrença aqui novamente, burrice TOTAL. Tyrion Lannister não confia em Cersei e dela não espera logica alguma. Se for seguir o modo que o personagem foi construído, verá que essa escolha dele não faz sentido.

“Temos que separar o que é roteiro bom e ruim daquilo que não gostamos ou gostamos.”

Aconselho que siga sua própria frase, pois essa série fede de ruim, até os fãs de fóruns fariam melhor.

planocritico 7 de maio de 2019 - 17:57

Vamos lá mais uma vez:

Gendry:

O porquê de ter sido ele: Era o único personagem de ascendência nobre, sem terras e que o espectador reconhece.

Função narrativa: Contrastar o tipo de aliança que Daenerys consegue fazer e o tipo de aliança que Jon naturalmente tem. Tornar possível o momento dele com Arya e a saída dela de Winterfell também como parte disso.

Jon Snow:

Sempre foi inocente. Inocente não é sinônimo de burro ou algo semelhante. Inocente é um cara puro. Ele sempre foi puro, sempre prezou por valores que ninguém mais preza ao redor dele. E sua inocência o leva a ficar apaixonado do jeito que ele está.

Sansa e Daenerys:

Estamos de acordo.

Mas o conceito do Rei no Norte foi plantado desde a primeira temporada. É mencionado que o Norte era independente antes. Isso está na série como um de seus alicerces.

Frota de navios:

Estamos essencialmente de acordo. Suspensão da descrença em graus variados é essencial para uma série como essa.

Tyrion e Varys:

Não quebrou absolutamente nada sobre o personagem. Tyrion é inteligente e sabe EXATAMENTE o que Varys é, mas Varys não é a víbora que Mindinho era. Ele é outra coisa completamente diferente, bem mais preocupado com sua noção de bem comum. E sobre a conversa em si, Tyrion simplesmente concorda com Varys. Fica evidente na expressão dele, mesmo ele não dando o braço a torcer.

Tyrion negociando:

A escolha dele faz TOTAL sentido. Ele quer evitar um massacre. Tentar falar com a irmã, mesmo contra todas as probabilidades de ele conseguir alguma coisa, é o mínimo que uma pessoa inteligente tentaria fazer.

É isso.

Abs,
Ritter.

Robson Luz 6 de maio de 2019 - 11:05

Got recentemente é um desafio a inteligência do telespectador, tem que assistir deixando o senso crítico de lado ou passar pano pras falhas de roteiro por ser fã.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 12:05

Depende do episódio e do quanto a pessoa está disposta a deixar o que quer e o que espera de lado um pouco.

Abs,
Ritter.

Responder
Jose Claudio Gomes Souza 6 de maio de 2019 - 10:19

Ritter, pensei a mesma coisa (e esperei que a Daenerys fosse fazer), sobre a possibilidade de atacar a frota por trás. Fora o fato de que as setas, ou pelo menos a grande maioria, poderiam​ ser pulverizadas pelo fogo do Drogon.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 10:38

Acho que pulverizar com as setas voando não ia dar muito certo. Mas flanquear e destroçar a frota com umas baforadas sim!

Abs,
Ritter.

Responder
vince 6 de maio de 2019 - 20:13

Aquela cena não tem nem lógica eu adoro armas medievais e uma balestra daquela levava no mínimo 5 até 10 minutos pra ser recarregada mas em tudo que é filme os caras disparam essas armas na velocidade de um arco e flecha normal, além do que é extremamente difícil acertar uma lança em um alvo em movimento mesmo grande como um dragão, já que elas só disparam em linha reta e perdem velocidade após serem lançadas, não é um rifle de precisão mas parecia. A única coisa certa foi a destruição dos barcos ali elas fizeram a função delas direitinho mas acertar um dragão voando daquela distância 3 vezes foi demais pra mim e como você disse era só circular a frota e destruir ela eles estavam em um estreito nunca conseguiriam manobrar para atingir o dragão.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 20:21

Não tenho dúvidas do que você diz, mas imagine como seria insuportavelmente chato um filme historicamente correto em que uma balestra levaria 5 a 10 minutos para ser recarregada e que ela, que na série foi desencavada para matar dragões, não acertasse dragões.

É como levar um tiro em filme. O cara leva um .38 no peito e é arremessado para trás como se tivesse levado uma martelada do Thor. Não acontece na vida real, mas é cinematograficamente lindo.

Mas, de fato, era só o bichão circular a frota e queimar os navios, he, he, he…

Abs,
Ritter.

Responder
vince 6 de maio de 2019 - 20:28

Sim, tem razão mas tem filmes que os caras se dão pelo menos ao trabalho de editar parecendo que se passou um tempo entre um disparo e outro, ali não passou 1 minuto kkk ams eu entendo que era a dinâmica da cena. Na vida real já vi cara tomar 7 tiros de glock .40 e ainda vir pra cima o cinema ilude muito as pessoas mas por isso é ficção.

planocritico 7 de maio de 2019 - 17:57

É tudo licença poética!

Abs,
Ritter.

Rafael 6 de maio de 2019 - 10:19

A impressão que me dá é que alguém escreve os roteiros e mantém eles escondidos em segredo sem ninguém ver até filmarem. São tantas coisas que se alguém der uma olhada vai dizer “como assim? tu não acha que isso não faz muito sentido por causa daquilo?”.

Já estou com um pouco de má-vontade, mas como que um dos poucos aliados da Cersei entra em Winterfell ARMADO com uma besta, alguém que não participou da batalha e vai pra indo (em tese) deveria ser seguro pra ameaçar os irmãos Lannister numa cena completamente solta. Se mostrasse algo dele se esgueirando pra passar desapercebido, ou matando guardar, ou subornando alguém. Mas não, as pessoas aparecem onde tem que estar, tipo a Arya na cara do Rei da Noite ou o Bronn na frente do Tyrion e do Jaime.

A cena da morte do dragão também foi dose, OK, mais um “uou”, o grande objetivo da temporada, muitos “uous”… Mas como a frota do Euron simplesmente apareceu ali. Os barcos dele aparecem do nada, já é recorrente, ninguém nunca vê ele chegando mesmo em mar aberto (e olha que a Danerys tá VOANDO, portanto tem ângulo diferenciado pra ver de maior distância). Aí como que num barco balançando, a graaaaande distância, dois tiros, dois acertos, nenhum erro, ATRAVESSANDO o pescoço do dragão (sendo que não vou rever pra me certificar, mas acho que a segunda seta me parece vir de uma DIREÇÃO diferente da primeira, ou seja não veio do mesmo lugar que a primeira). Vai ter mira assim lá em The Walking Dead… E as setas explosivas? Elas não perfuram os barcos, eles fazem eles explodirem!!! OK, posso “fazer de conta” que as leis da física não existem e aquele dispositivo gera uma força absurda, porém aí é demais, aquilo é uma lança, não pode fazer mais estrago que uma bola de canhão e não pode ser lançado com mais força de que um dispositivo à pólvora.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 10:38

O ponto do episódio não é a batalha marítima. Há um monte de problemas de lógica ali como você apontou e eu também. O objetivo era voltar ao jogo de tronos e nisso o capítulo foi bem.

Abs,
Ritter.

Responder
Rafael 6 de maio de 2019 - 12:15

De fato, a batalha marítima não é chave no episódio, mas novamente se usou de algo sem muita lógica pra “empatar um conflito”. Pelo menos pra mim já encheu a paciência ficar nessa de bom episódio a pesar de _______. Sempre tem algo ridículo e que numa reunião de cúpula criativa da série (chama-se administrativamente de tempestade de ideias) alguém deveria ter questionado e a ideia cairia fácil, fácil porque não tem lógica pra se sustentar. Mas parece que algumas coisas estão sendo feitas a toque de caixa e por isso passam batidas, tipo a Danerys com um copo de café do Starbucks… (vocês devem ter visto a imagem, né)

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 12:15

O copo de café representa algo extremamente comum nas mais caras e nas melhores produções de televisão e cinema da história de produções audiovisuais. Eu poderia fazer uma lista infinita disso e faz parte completamente do jogo.

E o “apesar de” é outra coisa que faz parte do jogo. Raramente – mas muito raramente mesmo – haverá um episódio ou um filme absolutamente perfeito.

Abs,
Ritter.

Responder
Rafael 6 de maio de 2019 - 12:15

Concordo. Porém a média de situações de “apesar de” e a gravidade delas me parece ter aumentado bastante.

planocritico 6 de maio de 2019 - 12:33

Isso é fato. De uns tempos para cá, a série vem visivelmente caindo em qualidade geral. É menos um problema de episódio para episódio e mais uma coisa de direção ampla.

Abs,
Ritter.

vince 6 de maio de 2019 - 20:51

A parte do dragão não faz sentido e nem queira rever, eu fui rever e é simplesmente bizonha a cena toda se for reparar tanto nas lanças como na mecânica da Balestra, agora em relação a destruição dos barcos faz todo sentido já que cada lança daquela deveria medir uns 8 metros e pesar uns 100 kg pelo menos, e lançada em uma média de 200 km isso dá 20 T de força no impacto, então faz todo o sentido o estrago que elas fazem nos navios. Agora eu me dei o trabalho de contar são 11 navios e somente 5 estão em posição de atirar sem se acertarem e são disparadas umas 30 flechas/lanças é o tipo de cena que tu desliga o cérebro e tenta curtir.

Responder
José Afonso 6 de maio de 2019 - 10:10

Eu ainda acho que em termos de roteiro, as estratégias escolhidas são infantis. Faltou jogar um Age of Empires pelo menos.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 10:10

Isso sem dúvida. Só quem sabe de estratégia nessa série são os conselheiros de Cersei.

Abs,
Ritter.

Responder
Bruno Cavalcanti 6 de maio de 2019 - 14:24

a estratégia do Jon Snow é aguardar Deus Ex Machinas. Sempre deu certo. Em time que está ganhando não se mexe.
Aposto que ele chega no trono assim.

vai vendo.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 15:35

HAHAHHAAHAHAHHAHAHAAHA

Boa. Nada de Senhor da Luz, o negócio é o Deus Na Máquina! AGORA eu entendi aquela abertura!!!

Abs,
Ritter.

Responder
Léon 6 de maio de 2019 - 17:35

Menino! Eu tinha toda uma explicação política, filosófica, cultural e social para aquela apresentação, mas agora tudo fez sentido para ela. E o povo perdendo tempo cultuando o deus afogado, o senhor da luz, o deus de muitas faces, os sete deuses… Jon SEM GRAÇA Snow é quem tá cultuando o deus certo esse tempo inteiro, só nas entocas.

P.S. Nada a Ver: Ainda não aceitei aquela morte da Melisandre, não vou mentir. As ponderações de Sor Davos com Tyron sobre o Senhor da Luz e o que danado ele realmente queria (ou ainda quer) me representam completamente.

planocritico 7 de maio de 2019 - 17:57

A morte da Melisandre foi algo como: “olha, chega de mágica na série, vamos nos livrar da velha de qualquer jeito agora”.

Abs,
Ritter.

Léon 6 de maio de 2019 - 17:35

É VERDADE!

Eu morri com esse comentário. Juro que nunca tinha percebido isso. Achava que a estratégia dele era ser só um bocó mesmo, mas olha aí, o bicho tem um plano bem desenvolvido.

“Aposto que ele chega no trono assim.

vai vendo.” AMEI!

Responder
Flavio Batista 7 de maio de 2019 - 15:57

“O acaso vai me proteger, enquanto eu andar distraído…”

Responder
wesley cardoso 6 de maio de 2019 - 10:02

Acertaram 3 seguidos no Rhaegal e nunca acertam um sequer na Daenerys, isso me lembrou do “Dança dos Dragoes” onde ela parecia imune as lanças. Convenientemente o Jon n estava montando o dragão, e então ele morreu, sinceramente achava melhor que ele tivesse sido levado na luta contra o Viserion de picolé no episódio anterior, assim a ameaça do rei da noite teria trazido um prejuízo muito maior e a derrota total da frota da Daenerys teria muito mais sentido estratégico, além de justificar o Jon ter ido de cavalo. Aliás a série forçou demais o Jon nesse episódio, ele n foi capaz de trair a patrulha da noite pela Ygriid, mas escolhe a Daenerys ao invés do Norte e a os próprios homens? Ele nunca foi assim, o personagem sempre foi trabalhado para ser honesto acima de tudo, um Ned Stark melhor e mais completo e simplesmente de uma hora pra hora toma atitudes idiotas por causa da Daenerys. Fora que antes meu personagem favorito ele perdeu todo meu respeito por abandonar o Fantasma daquele jeito, n fez nem um carinho no bixo, Jon Snow que eu conheço nunca mandaria homens feridos pra guerra antes da hora e abandonaria seu cachorro (deixou de ser lobo) e entregaria desse jeito, era mas fácil ter dado uma cena pro doguinho morrer salvando alguém na guerra, novamente dando uma sensação maior de prejuízo.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 10:10

Concordo que teria sido mais interessante o dragão ter morrido na Batalha de Winterfell, mas não concordo sobre Jon. Ele não está somente indo com Daenerys, mas sim liderando a infantaria para derrotar Cersei. É esse o objetivo maior que por acaso coincide com o da Dragoa. Tudo bem que ele parece mesmo apaixonado por ela, mas o movimento faz sentido, mais até do que o Tormund – esse sim – não ir para a luta final.

Sobre o Fantasma, concordo. O bicho merecia mais…

Abs,
Ritter.

Responder
wesley cardoso 6 de maio de 2019 - 10:19

Acho a pressa injustificada, a Cersei n iria para o norte nunca. Qual seria o problema de esperar uma semana antes de ir pra guerra? Pro pessoal se recuperar e até mesmo o dragão? Não questiono o Jon ir pra guerra contra a Cersei, mas ir despreparado n parece algo que o Jon faria. Sansa tá se tornando a única pessoa sensata da série além do Tyrion que, cada vez mais, torço pra que termina como líder de Westeros já que ainda creio na morte da Daenerys e n imagino o Jon aceitando o trono se ela morrer, ainda mais depois da conversa mais do que indicativa com o Tormund indicando uma ida dele pra muralha.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 10:29

Injustificada sem dúvida é, mas isso só reitera o desequilíbrio de Daenerys. Jon está apenas obedecendo ordens de sua rainha, como suas repetidas genuflexões deixam claro. Ele, nesse momento, não ficaria ao lado de Sanaa para arriscar a fúria da Rainha dos Dragões contra sua irmã.

Abs,
Ritter.

Responder
Ana Van Huertere 6 de maio de 2019 - 11:26

O Dragao que morreu não estava voando direito. Tem uma cena em que ele aparece voando “torto”, ele ainda tava machucado da batalha contra os WW. Por isso foi mais fácil atingir ele.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 12:05

Sim, sem dúvida. Eu só não entendo porque o Euron não mirou PRIMEIRO no dragão com a Daenerys. Dois coelhos com uma cajadada só…

Abs,
Ritter.

Responder
Fakeman 6 de maio de 2019 - 15:44

Como diz um amigo “aí o filme acabava”

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 16:15

He, he. Exato.

Abs,
Ritter.

Fakeman 6 de maio de 2019 - 15:44

Reparei mesmo que tinham uns furos estranhos nas asas.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 16:15

E no começo, ainda em Winterfell, ele estava cambaleante.

Abs,
Ritter.

Responder
Robson Luz 6 de maio de 2019 - 11:34

Fica a dica: não tente tirar alguma conclusão lógica de como pensam os personagens ou vai se decepcionar, até jogador de futebol tem dia de descanso antes do próximo jogo, quanto mais um exército que acabou de sair em frangalhos de uma guerra contra os mortos, teoricamente a maior de toda a história de westeros. Fica claro que os personagens tem que constatemente agir de maneira burra por conveniência de roteiro se não a história já teria acabado há muito tempo.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 12:14

Faz absoluto sentido a louca, obsessiva e irresponsável da Daenerys ordenar a marcha imediata. Seria incongruente o contrário.

Abs,
Ritter.

Responder
Anônimo 6 de maio de 2019 - 13:17
Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 15:27

He, he… Que isso, eu adoro aquela maluca e arrogante da Dragoa…

Abs,
Ritter.

Huckleberry Hound 6 de maio de 2019 - 09:52

Sério?No imdb esse episódio está com a nota mais baixa da série 7.6 e caindo

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 10:01

Eu nem olho o IMDb para isso…

Abs,
Ritter.

Responder
Gabriel Carvalho 6 de maio de 2019 - 11:27

O mesmo público que já deu nota alta para muita merda aí… Nem me importo. “Beyond the Wall” é um lixo ao meu ver e amam.

Responder
Bruno Cavalcanti 6 de maio de 2019 - 14:35

o episódio 3 teve nota 9.6 e o 4 ganhou 7.6.

Já assistiram um filme chamado Idiocracy?

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 16:14

He, he.

Peguei a referência!

Abs,
Ritter.

Responder
Gabriel Carvalho 6 de maio de 2019 - 21:00

Porque é público também. O pior quando isso vem de crítico… Esse episódio aqui irrita muita gente porque trama contra muita gente querida. Quem curte a Daenerys, por exemplo, vai ficar pê da vida. Ninguém pensa arco narrativo racionalmente.

Responder
Robson Luz 6 de maio de 2019 - 11:34

Nota muito alta ainda…

Responder
Francci Kelvin 6 de maio de 2019 - 11:44

Sinceramente? O IMDB pra mim vale menos que a opinião do Ritter. IMDB dá 8.5 pra aquele episódio 3 horroroso e cheio de falhas.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 12:15

Ufa, pelo menos isso!

HAHAAHHAHAHAHAHAHAHA

Abs,
Ritter.

Responder
Daniel Silva Pereira 6 de maio de 2019 - 12:24

Mas se ta mais baixa q a do ep anterior isso mostra mais ranço do povo kkkkkkkkk

Responder
Carlos Bruno 6 de maio de 2019 - 09:42

Hahahahaha Show da Cersei e a nota do Ritter vai pra 4 estrelas e meia, mas não há como discordar da nota, gostei bastante do episódio, muito melhor que o anterior por sinal.

O único ponto negativo que queria destacar é as conveniências no roteiro, tudo bem que a Dany é autoritária pra krlh, mas aquela cena com a Sansa e Arya foi completamente irracional, não deixar o próprio exército descansar? E ainda arrumar intriga com isso kkkkkkk foda de entender, no meu ver o arco narrativo da grande “mãe dos dragões” só caminha para sua própria morte, não deve fugir disso. O arco do Jaime também, pode ser chatice minha, mas tá começando a dar volta demais, foi bastante irracional a volta dele pra KL, mesmo com a justificativa do seu amor pela Cersei. E como tá no texto, não dá pra perder tempo com preciosismo, como o teletransporte da Missandei e os Fast Travel dos exércitos.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 09:52

Tenho para mim que Jaime não está voltando propriamente por um sentimento de amor. Há amor ali, mas creio que ele tenha já passado do amor a qualquer custo. Veremos!

Mas sim, show da Cersei é de 4 estrelas para cima!!! HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA

Abs,
Ritter.

Responder
Fabio Oliveira Bourdeaux 6 de maio de 2019 - 09:42

Nunca fui muito fã de GOT, sempre via o pessoal falar tanto, mas nunca tive curiosidade para assistir.

Minha namorada insistiu para assistir, e maratonei a série de Outubro/18 até o início desse ano.
Reconheço o marco que foi a série, mas tenho certeza agora do quanto foi superestimada ao longo dos anos.

E para mim, ela ficará naquela lista das ”séries que foram boas até a temporada X”.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 09:52

Acho uma conclusão possível sobre a série. Mas ela levou uma espécie de “patamar superior geral” para séries de fantasia e o efeito disso só pode ser bom.

Abs,
Ritter.

Responder
Fabio Oliveira Bourdeaux 6 de maio de 2019 - 09:52

Infelizmente, está caminhando para ser somente ”bom” mesmo. Uma pena, porque o potencial era enorme.

Responder
rog8 6 de maio de 2019 - 10:56

Bom… Vou dizer algo óbvio mas… Quando a série ultrapassou os livros os roteiristas ficaram perdidos. Sentiram, ao que parece, o peso colossal da série enquanto fenômeno de cultura de massa e, simplesmente, afinaram… Era muita responsabilidade, não? 🙂

De D para D: “E ae mano, o que fazemos agora?”

“Sujou, vamos terminar essa porra o mais rápido possível! ”

É claro que, em inglês, esse diálogo talvez soasse melhor e até fosse quase erudito em suas justificativas… Mas, como o Ritter citou por aí em algum feedback, questões como o “teletransporte” de personagens a partir da 6º temporada poderiam ser facilmente resolvidas com uma narrativa visual mais cuidadosa – e nem precisaria ser, necessariamente, inspirada. A ânsia de “terminar essa porra logo”, no entanto, foi mais forte.

Mas, vá lá, só faltam 2.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 11:05

Sim. Resumindo, esse é basicamente o problema da série como um todo.

Abs,
Ritter.

Léon 6 de maio de 2019 - 18:20

Mesmo com medo de ser crucificado, ou queimado vivo, ou morto por um exército de Imaculados, ou queimado vivo e depois estraçalhado por dragões (no caso, UM dragão…) vou comentar:

É mais ou menos isso o que sinto também. Logo quando a série estreou não me cativou em nada em termos de história, juro. Tanto que não passei dos dois primeiros episódios porque não tive paciência alguma. Claro, cenários, figurinos, penteados, fotografia, efeitos e outros pontos técnicos foram soberbos logo no começo, mas não me foram suficiente para querer acompanhar a série. Meus amigos ficavam comentando sobre a história e eu voando porque a única coisa que tinha ficado do que vi foi: “A Sarah Connor é rainha e pega o próprio irmão O_O”. Só vim acompanhar mesmo GoT (fora algumas cenas e episódios aleatórios que pegava enquanto meu pai assistia aficionado) esse ano quando a HBO começou a passar uma série de especiais e maratonas de todas as temporadas antes da estreia dessa última (e mesmo assim acho que não cheguei a ver todos os episódios. Até porque acho que a HBO não mostrou realmente todos eles…) e foi aí que comecei a gostar dela, mas um gostar do tipo: “A história é boa, tem suas inovações, a mistura do jogo político, do sobrenatural e da realidade é equilibrada (embora ainda me incomode um pouco a construção das “regras mágicas” do mundo de GoT) e os pontos técnicos continuam bons, porém não me cativou completamente.” Ela Não entra no meu Top 5 de séries. Talvez – ainda não parei para pensar nisso – com muito esforço, ela consiga entrar no Top 10 e olhe lá.

Admito que ela me entregou muitos personagens empolgantes e que foram eles que me fizeram continuar assistindo para conhecer mais de suas motivações e destinos, porém como a maioria dos meus preferidos ou foram mortos (Olenna, tamu juntus, miga! Tu não merecia aquilo, Margaery. Mindinho, seu canalha cínico, tu teve o que mereceu, porém queria te ver nessa última temporada… Melisandre, eu não gostava de tu, só das tuas mágicas KKKKKKK) ou vêm passando por transformações comportamentais que não gosto e que acho que algumas são forçadas demais, a série esfriou bastante para mim.

Esta temporada ainda não me deu nenhum episódio acima de 3 estrelas.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 18:21

Você ainda está sendo bonzinho. Eu gosto de GoT, mas ela não entra nem no meu Top 50 de séries… Talvez entre no Top 100…

Abs,
Ritter.

Responder
Léon 6 de maio de 2019 - 21:00

É isso mesmo, estou sendo bonzinho porque fiquei com medo de sérias represálias por dizer que não gosto muito de GoT, porém ela tá nesse patamar mesmo de chegar no Top 100 e olhe lá.

Lembro que uma vez quando disse isso sobre GoT a alguns colegas recebi de resposta que o problema era meu, que não conseguia entender o intenso e intricado jogo político que a série desenvolvia. Fui chamado de burro na cara dura. E eram colegas… KKKKKKKKKKKKKKKKKK

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 23:39

Não leva essa galera a sério não!

Abs,
Ritter.

Ruan Medeiros 6 de maio de 2019 - 08:04

Cara, sinceramente, Missandei foi parar lá como? Ela simplesmente sumiu. Meu amigo, que dragão de papelão, a mulher tem vantagem aérea, vê tudo, mas não percebe uma frota de navios, além de um exímio atirador que acertou três seguidas kkkk. Tô achando que esses ovos de dragões são da china.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 08:20

Esses dragões foram e continuam sendo muito mal trabalhados na série. Mais um elemento sobrenatural sendo descartado sem cerimônia pelos showrunners!

Abs,
Ritter.

Responder
Ruan Medeiros 6 de maio de 2019 - 08:28

To falando, aquele pilantra comprou os ovos no Aliexpress e deu de presente de casamento. Seria necessário 1000000 desses dragões pra arranhar um smaug.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 08:28

Smaug é dragão que fala e não morde…

Dragão que vale é o da Mulan!

HAHAHAHAHAHAHAHAHHAAHA

Abs,
Ritter.

Responder
Ruan Medeiros 6 de maio de 2019 - 08:36

Hahahahah, aquele é o rei.

Saulo Henrique 6 de maio de 2019 - 10:10

Fora uns dragões que já fiquei. .esse da série até que não tinha tanto bafo. Hahaha

Saulo Henrique 6 de maio de 2019 - 10:10

” compla dlagao comigo, um é 100, 3 e 10. “

Responder
Francci Kelvin 6 de maio de 2019 - 11:44

Foi um dragão inútil…

Responder
Gabriel Pereira 6 de maio de 2019 - 12:15

Concordo dms, mas não foi um atirador ali, foram vários. Não era só o Euron que estava com a besta. No mais, que cena horrível, mano, eles forçaram essa cena pra poder “capturar” a Missandei e ter aquele final. Poderia ter sido bem melhor construído esse arco ali. Infelizmente a série cagou pra essas coisas. Triste dms.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 12:34

Horrível ela não foi. Foi fraca, mas esteticamente muito boa.

Abs,
Ritter.

Responder
Fakeman 6 de maio de 2019 - 12:44

Também gostei da cena, mas a missandei no navio, e depois no palácio foi muito tosco. Ela estava do lado do verme cinzento. E depois estava no PALÁCIO! !!! rsrsrs

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 15:27

Teletransporte! É canônico!

Abs,
Ritter.

El Imparcial ~ Jaktal 7 de maio de 2019 - 18:25

Assim, ficou claro que rolou uma passagem de tempo ali. Mas eles deveriam ter mostrado o que aconteceu, pois ficou muito estranho. Só ela foi capturada??? O Verme Cinzento mandou ela sair para ficar segura e essa segurança só ferrou com ela??? Ao invés de capturar por exemplo o Tyrion que estava desacordado???

Questiono se seis episódios foi uma boa escolha para a última temporada….

planocritico 7 de maio de 2019 - 18:38

Ela claramente foi capturada ainda na água. Mostrar seria redundante já que houve a elipse temporal que você mencionou que “comeu” o tempo entre a primeira destruição dos navios e os sobreviventes chegando na praia.

Sobre a estrutura da temporada, o problema não é ela ter seis episódios longos, mas sim o que não foi feito nas temporadas anteriores. Agora, eles estão correndo atrás do tempo.

Abs,
Ritter.

El Imparcial ~ Jaktal 7 de maio de 2019 - 18:59

Tô ligado q ela foi capturada na água. Mas não teria sido mais fácil capturar o Tyrion que estava desacordado??? Isso que me incomoda, é conveniente demais… E olha que eu gostei bastante do episódio!

Sobre a estrutura. Este correndo atrás que está foda, é notável que o roteiro está apressado demais, o próprio Martin afirmou isso em entrevista.

planocritico 7 de maio de 2019 - 19:09

O Martin é o cara perfeito para reclamar de pressa. Ele sabe muito bem – MUITO BEM – o que é não ter pressa…

Abs,
Ritter.

El Imparcial ~ Jaktal 7 de maio de 2019 - 19:10

HAHAHAHAHAHHAHAAHAHAHAHHAHAHAHAHAH
Realmente, ele poderia dar aula disso!!

Ruqui 6 de maio de 2019 - 14:15

Boatos que há muito tempo a série tem nos enganado com wyverns no lugar de dragões. rsrs

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 16:14

Não faço ideia o que você quis dizer aqui. Desculpe minha ignorância!

Abs,
Ritter.

Responder
vince 6 de maio de 2019 - 21:09

Wyverns são parecidos com dragões mas tem só 2 patas e normalmente não tem poderes mágicos como cuspir fogo e são mais selvagens e menos inteligentes. Os dragões já tem 4 patas além das asas é inteligente e muitos falam e alguns curtem acumular riquezas como um certo dragão do Tolkien.

Responder
planocritico 7 de maio de 2019 - 17:57

Eita, não sabia de nada disso!

Valeu!

Abs,
Ritter.

Ruqui 6 de maio de 2019 - 23:00

Porque na literatura dragões são convencionados terem 4 patas e um par de asas enquanto wyverns, parentes distantes (nem tanto assim) dos dragões, tem duas patas e as dianteiras como asas de morcegos, como esses da série. No entanto, li por aí que Martin defende essa representação por ser bem próxima de criaturas voadoras reais ou que existiram.

Responder
vince 6 de maio de 2019 - 21:09

Mas eles são Wyverns eles só tem 2 patas são meio burros e não sabem falar logo não são dragões.

Responder
Bruno Linhares 6 de maio de 2019 - 07:46

Eu não gostei tanto do episódio.. claro, não é sem sentido Dany sucumbir a loucura, mas isso está sendo feito de forma muito apressada e preguiçosa para construir uma ascenção de Jon como Rei dos sete reinos. Acho que isso desrespeita toda a jornada e construção da personagem até aqui ( mesmo que nas últimas temporadas essa construção tenha sido meio desleixada ).
Sem mencionar o quanto a história está se tornando previsível. Agora que todas as peças estão organizadas nesse tabuleiro, ficou meio previsível o rumo que o seriado vai tomar.
E pelo visto a trama dos White Wakers foi mesmo completamente descartada, como se os showrunners tivessem decidido ligar a descarga para tirar a trama zumbi do caminho.
Game of thrones perdeu de vez a dubiedade, e duvido que daqui para frente consiga nos apresentar algo além de espetáculo visual e fan service.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 08:20

Sinceramente, acho que a jornada de Daenerys tem feito todo sentido. Há várias temporadas que eu percebo ela sendo trabalhada nessa direção e é mesmo o que faz sentido.

Sobre previsibilidade, não vejo muito problema nisso. Desde que haja lógica interna, claro. As cartas estão na mesa e não pode (ou pelo menos não deveria) surgir um ás escondido na manga de alguém.

Abs,
Ritter.

Responder
Carlos Bruno 6 de maio de 2019 - 09:43

Concordo Ritter, desde muito tempo a série vem trabalhando isso na personagem, a ganância por poder a qualquer custo, a reação dela ao saber de Jon é a mais fiel possível.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 10:01

Se essa atriz faz uma coisa bem é passar esse sentimento de ganância infantil doentia. Do tipo “a bola é minha e se não for para jogar do meu jeito eu vou embora e AINDA QUEIMO VOCÊS TODOS!!!”.

Abs,
Ritter.

Responder
Francci Kelvin 6 de maio de 2019 - 11:56

Por mais óbvio que isso pareça, é clichê “não ser clichê” quando a solução narrativa clichê é a que mais faz sentido.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 12:15

Exato. Clichê não é ruim sozinho. Ele pode ser mal utilizado, mas se for bem utilizado faz parte do jogo.

Abs,
Ritter.

Responder
wesley cardoso 6 de maio de 2019 - 10:10

Desde que TTyrion se juntou a Daenerys ela vem sendo questionado por suas atitudes exageradas, por um momento pareceu que a função dele seria manter ela sob controle, mas ele n conseguiu.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 10:10

Exato. E ele sabe bem disso.

Abs,
Ritter.

Responder
Francci Kelvin 6 de maio de 2019 - 11:56

Na 7ª temporada inteira é construída essa imagem da Dany.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 12:15

Bem antes disso até.

Abs,
Ritter.

Responder
Cesar 6 de maio de 2019 - 04:02

Salve Ritter! Review rápida, fazendo jus aos teletransportes que vimos nos episódios. Mas vc tem razão em falar que isso agora não tem um peso muito grande.

Falando em estratégias, sinto um tantinho de falta em saber como a Cersei sabia sobre os planos da Dany, indo pra DragonStone e tal… Mas gostei demais da sequencia de ação.

Arya e Clegane dispensando uns “momentos felizes” pra focar no que realmente importa. Que dupla legal!

E o Jaime em?? Desde que eu li o livro 3 ele virou o meu personagem favorito, e nada me tira da cabeça que vai encerrar sua jornada epicamente. Tomara!

E se eu tinha dúvida de como o a verdade sobre o Jon poderia vir a tona pra fazerem as pessoas acreditarem, o episódio deixou claro que vai ser belo “boca a boca”. Não sei bem o que pensar disso, hehe.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 07:23

As redes sociais de Westeros vão bombar com o boca a boca sobre Jon!

Abs,
Ritter.

Responder
Pedro Fernandes 6 de maio de 2019 - 03:40

Esse foi um episódio bom que mostra o que a série melhor consegue entregar, porém a resolução anti-climática que foi dada ao Rei da Noite destruiu para mim a série. O Jon é o personagem que mais foi salvo por Deus Ex-Machina e a história se encaminha, até o momento, para ele virar Rei? Acho que o erro dessa temporada foi a quantidade dos episódios, eu queria ter visto mais episodios como esse.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 07:23

Eu te entendo perfeitamente!

Abs,
Ritter.

Responder
Ex Cartman 6 de maio de 2019 - 03:19

Rip Fantasma. Motivo do óbito: falta de CGI!
Não tiveram nem dinheiro pra matar o bicho que agora vai virar cachorro de mendigo medieval.

Ainda sou Sansa na cadeira de aço, mas se a Daenerys virar a Rainha Louca que tá prometendo até torço pra ela.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 07:23

Realmente, esculhambação total com o bichinho…

Abs,
Ritter.

Responder
Ex Cartman 6 de maio de 2019 - 13:08

Cadê a Luísa Mel pra salvar esse bicho abandonado.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 16:14

Luísa Mel? Quem raios é essa pessoa?

Abs,
Ritter.

Responder
Ex Cartman 6 de maio de 2019 - 18:43

Kkkk gostei bastante desse episódio e pelo jeito vc tmb. Vi que outras críticas e boa parte do público tão massacrando. Poxa, esse foi o mais Game of Thrones da temporada toda e voltaram a usar o talento do Peter Dinklage.

planocritico 6 de maio de 2019 - 18:43

GoT é uma série tão gigante, que ela acaba criando essa enorme divisão de gostos, especialmente porque ela decaiu em qualidade ao longo do tempo.

Abs,
Ritter.

Ítalo Gabriel 6 de maio de 2019 - 02:54

Vai Cersei, come o c# de todo mundo! Dracarys é o meu ovo!
KKKKKKKKKKKKKKKK

(Perdão, momento de euforia)
Agora sim eu me lembrei da quarta temporada.

Ótima crítica, Ritter, super de acordo.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 07:23

HHAHAHAHAHAHAHAHAHHA

Cersei é demais!!!

Abs,
Ritter.

Responder
Saulo Henrique 6 de maio de 2019 - 10:19

https://youtu.be/XAFI3MvAiBU

Ative as legendas, e ria bastante.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 10:38

HAHAHAHAHAHHAHAAHHAHAH

O cara tá pau da vida!!!

Abs,
Ritter.

Responder
Ítalo Gabriel 6 de maio de 2019 - 23:00

Obrigado por esse vídeo! KKKKKKKKKKKKKKK

Responder
Ruqui 6 de maio de 2019 - 02:31

Gostei desse episódio. De reclamação mesmo só sobre o rage do fandom em cima das atitudes de algumas personagens. Não que a série esteja fazendo um trabalho impecável, mas a maioria dos argumentos sobre desenvolvimento de personagem parecem implicar na construção de um ideal, como se a trajetória do sujeito tivesse que levá-lo próximo ao ápice da bondade e serenidade, um Jesus, um Buda. Daenerys, por exemplo, por loucura ou não, desde temporadas atrás tivemos evidências que ela cede ao ódio devido a violência de seus inimigos. Reclamaram até da Brienne chorar pelo Jaime.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 07:23

Ih, relaxa. Sempre haverá gente reclamando de tudo!

Abs,
Ritter.

Responder
Jefferson Viana 6 de maio de 2019 - 01:26

Me irrita um pouco o que tyron e principalmente varys ficam falando sempre sobre medo de inocentes serem feridos, mas varys serviu muito anos com reis que derramaram sangue inocente e nesse quesito danerys apesar de implacável como qualquer monarca não costuma ser cruel, só citando um caso muito utilizado : quando ela matou os pai e o irmão do sam, ela fez isso por escolha deles, eles tiveram a chance de não morrer, Ned stark, no primeiro episodio prende um desertor da muralha que tinha acabado de ver os caminhantes brancos, e ele chama o bran para ver a “justiça” sendo feita de decapita a pessoa. Não devolve pra muralha, não se apieda dele, ele faz a sua “justiça”. Fora que eu acho que eles vão diminuindo o poder de danerys de forma muito burra, primeiro foi a forma idiota como dothraki foram usados, depois a forma como rahegar foi morto e a balestra super-metralhadoras que recarregam rápido, tudo pra tornar a batalha final ainda mais desesperadora. De resto, as discussões sobre o trono continua mas de uma forma um tanto estranham com jon afirmando e fazendo de tudo possível para não ser rei de coisa nenhuma, e outros querendo fazer o jogo por ele. Pra isso elevam um tanto o fator “transtornada” de danny.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 01:40

Confesso que sempre vi Daenerys como uma mulher bem problemática. Seu irmão era como um aviso do que ela poderia ser no futuro e ela não está fugindo desse molde plantado desde o começo.

Sobre a comparação que você fez entre Ned Stark e ela, são coisas diferentes. Ela matou prisioneiros de guerra já subjugados com fogo. Ned matou alguém que traiu suas ordens com decapitação. Daenerys não sente um pingo de remorso, Ned é o remorso encarnado.

Abs,
Ritter.

Responder
Jefferson Viana 6 de maio de 2019 - 02:31

Eu acho que pré-julgam daenerys com base na sua família temendo um futuro que talvez nunca venha,ela pode ser dura e implacável? sem duvida, mas depois do que ela passou ela não ser uma psicótica é um milagre. na serie ela se sentiu mal depois que soube que matou era a família de sam, mas ali na hora de matar eles depois de ter dado a escolha, ela estava matando as pessoas responsáveis por ter matado uma aliada poderosa que foi olenna tyrell,foi impiedoso? depende, comparado a quem? olenna tyrell foi quem deu o melhores conselhos pra ela:
“Como você pretende conquistar o Trono de Ferro? Pedindo com educação?”
“Ele é um homem inteligente. Conheço muitos homens inteligentes. Eu sobrevivi a todos eles. Você sabe porquê? Eu os ignorei. Os senhores de Westeros são ovelhas. Você é uma ovelha? Não. Você é um dragão. Seja um dragão”
Não é a toa que quando começou a ouvir os conselhos deles e ter se apaixonado por jon a coisa degringolou, ahhahahahahahaha.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 07:31

Pode ser. Mas os roteiros têm trabalhado o desequilíbrio dela!

Abs,
Ritter.

Responder
bruno knott 6 de maio de 2019 - 01:25

um dos melhores episódios em muito tempo. isso é o que Game ofThrones tem de melhor. esses 20 minutos finais foram extremamente intensos.

o rei da noite e os outros renderam bons episódios, mas concordo totalmente que o que importa no seriado é mesmo o jogo dos tronos.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 01:39

Foi um baita episódio mesmo, com tudo aquilo que faz GoT ser GoT!

Abs,
Ritter.

Responder
Lenin Pessoto 6 de maio de 2019 - 01:25

Isso sim foi um episódio digno de GoT.
Agora estou é com medo de criar expectativas e acontecer o que aconteceu no episódio anterior.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 01:25

Um passo de cada vez!

Abs,
Ritter.

Responder
Ramon Vitor 6 de maio de 2019 - 01:25

Ainda dá tempo essa temporada ser um sonho de Bran?

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 01:25

Dá tempo daquela mala sem alça ser revelado como um fantasma e ir assombrar para além do muro…

Abs,
Ritter.

Responder
Ex Cartman 6 de maio de 2019 - 03:30

Era melhor isso que o final que deram pra ele se virar um vegetativo. Vai ficar no passado? Que viagem kkkk

Responder
Lucas Rodrigues 6 de maio de 2019 - 01:16

nossa, achei o ep bem fraco. apesar das cenas de comemoração terem pojgos importantes, acho que poderiam ter reduzido elas. a morte do rhaegal foi totalmente anticlimatica e sem peso nenhum, ele morreu que nem um gato. não gosto de como fazem a sansa usar acontecimentos como o estupro pra exaltar o desenvolvimento da personagem (?). gostei das cenas do tyrion com o varys, mas não entendo o personagem ainda ter esperanças de encontrar uma cersei diferente. logo ele, que deveria ser o que mais conhece a mulher. vejo o povo reclamando dos rumos que a daenerys tá tomando, mas acho justificável, diante de toda a traição que ela sabe que está prestes a sofrer.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 01:25

Adorei o episódio. Era o que a temporada precisava depois daquela batalha no escuro.

Não acho que Tyrion realmente ache que a irmã vai mudar. Acho é que ele está sem alternativas para salvar Porto Real e achou genuinamente que valia tentar qualquer coisa.

Abs,
Ritter.

Responder
Will Grayson 6 de maio de 2019 - 01:16

Achei incrível como a serie fez com que o John fosse o melhor (menos pior) pra governar os sete reinos…

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 01:16

Mas incrível bom ou incrível ruim?

Abs,
Ritter.

Responder
Will Grayson 6 de maio de 2019 - 01:27

Considerando o que a Dany a Cersei e ele passaram talvez ele devesse morrer com o rei da noite, mas eu não gosto muito do personagem

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 01:40

Nem eu gosto, especialmente porque o ator é bem fraco. Mas ele foi construído para ser o “bonzinho” o “amado por todos”. Seu caminho até o trono é inexorável, mesmo que ele não acabe lá.

Abs,
Ritter.

Responder
Cahê Gündel 6 de maio de 2019 - 01:16

Vim mais rápido que a frota do dragão.

Gostei muito do episódio, principalmente dos diálogos, apesar do excesso de romance e dos aparecimentos repentinos – Bronn chegou em Winterfell do mesmo jeito que eu chego na casa da minha mãe. Danny confirmou o posto de pior mãe de pet – aliás, esses dragões e o Rei da Noite foram só pra encher o saco, já que não serviram pra nada. Falando em bicho, coitado do Fantasma. 🙁

Quanto ao final da série, espero estar enganado mas todo o roteiro está convergindo pra Jon aka Aegon sentar a bunda no Trono de Ferro, mesmo sem maiores provas nem nada: a Emilia Clarke já está até treinando a cara de louca pro próximo episódio. Nunca quis a Targaryen no poder, mas se ela pirar o cabeção justo agora e isso servir como pretexto pro ex-bastardo virar rei ficarei de cara.

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 01:16

Teletransporte virou regra na série. Melhor nem pensar muito nisso.

Sobre Jon no trono, é o que está pintando, mas eu ainda voto na Cersei!!! HAHAHAHAHAHHAAHAH

Abs,
Ritter.

Responder
O Homem do QI200 6 de maio de 2019 - 01:07

Que ep. sensacional, era isso que eu queria ver, foi a primeira coisa que postei no meu face: “Isso sim é um ep. raiz de GoT”.
The Mad Queens War tá chegando e meu hype voltou novamente. Aliás, uma frase do Cão me deixou empolgado demais: “Tenho conta pendente para ser resolvida.” – Meu sonho de ver o Cleganebowl ainda tá vivo.
E o Euron não percebeu através da fala do Tyrion não ou isso vai ser deixado pra abordar no prox. ep.?

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 01:07

Cleganebowl!!!

HAHAHAHAAHAHAHHAHAHAHAHA

E o Euron não percebeu o que?

Abs,
Ritter.

Responder
Lenin Pessoto 6 de maio de 2019 - 01:25

Que o Tyrion sabia da gravidez, ou seja, a moça tá grávida faz é tempo. (Mais uma passagem de tempo estranha, aliás, mas vamos relevar).

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 01:39

Ah!

Acho que, enquanto ela afirmar que o filho é dele, creio que Euron não se importará muito…

Abs,
Ritter.

Responder
Hugo Andrade 6 de maio de 2019 - 09:43

E quando Jaime “tão abominável quanto” chegar??? Triangulo Trono de Ferro?

planocritico 6 de maio de 2019 - 10:01

Minha impressão é que ele não está voltando pela Cersei. Pelo menos não por amor a ela…

Abs,
Ritter.

Fakeman 6 de maio de 2019 - 12:34

Você acha que ele está indo matá-la? Ou no idioma roteirístico “colocar um fim na maldade dela”?

planocritico 6 de maio de 2019 - 12:43

Sim, acho que o objetivo dele é esse, SE ele não conseguir – como não conseguirá – mudar a ideia dela.

Abs,
Ritter.

Karin Bahiense 6 de maio de 2019 - 07:22

TB percebi grávida a tempos e deu golpe barriga no louco, pensei que nessa o louca das águas ia perceber!

Responder
Fakeman 6 de maio de 2019 - 09:04

É o famoso corno elétrico. Os amigos avisam da traição e ele só sabe dizer: tô ligado, tô ligado…

planocritico 6 de maio de 2019 - 09:04

HAHAHHAHAHAHAHAH

– Ritter.

Fakeman 6 de maio de 2019 - 09:03

Também achei que o greyjoy ia se ligar que o boneco não era dele rsrsrsr

Responder
planocritico 6 de maio de 2019 - 09:04

Ele deve ter percebido.

Abs,
Ritter.

Responder

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais