Home FilmesCríticasCatálogos Crítica | O Patriota (2000)

Crítica | O Patriota (2000)

por Fernando JG
583 views (a partir de agosto de 2020)

Com um elenco exorbitante, e produção volumosa, o filme de Roland Emmerich é um épico com vontade de ser grande entre os grandes e para isso tenta explorar os lugares mais comuns do gênero. Ao eleger um mito, construir uma intriga entre herói e vilão, mover grandes guerras, mostrar violência e trazer o fundo histórico para a narrativa, a direção intenta fazer um monumento nacional, uma epopeia norte-americana,  que, se não é tão grandiosa quanto a sua intenção, também fica longe de ser ruim. Apesar de pecar em verossimilhança histórica e construir uma vilania inglesa que carece de historicidade e verdade, é visível a tentativa da produção de afirmar o gênero épico ao construir um inimigo forte e robusto o bastante que, ao ser derrotado pelo herói que uma vez foi fraco e vencível, nos cause deleite pelo feito grandioso do protagonista, porque o bem venceu o mal. Essa é a premissa básica de O Patriota. Diria que é este o seu esqueleto. Dentro disso, temos o principal motor da trama: vingança e paixão. É através da vingança e da ira de um pai que teve a sua criança assassinada pelo comandante das tropas inglesas que se desenrola toda a ação, gerando um ódio nativista do colono em relação aos britânicos, eclodindo a Guerra de Independência. 

O argumento gira em torno de Benjamin Martin (Mel Gibson), um veterano de guerra, viúvo, que lutou contra a França e contra os nativos da terra, e entende os horrores de uma batalha. Traumatizado, Martin parece criar sua família dentro de valores universais antiguerra. Com uma família gigantesca para criar, e com filhos pequenos para dar atenção, Benjamin se coloca contra a abertura de um conflito armado com os britânicos, pela independência da nação, justamente para evitar mais uma tragédia. E os motivos do personagem são absolutamente factíveis. No entanto, a figura de seu filho mais velho, Gabriel (Heath Ledger), surge como um empecilho a uma vida mais pacífica. Gabriel Martin é patriota e quer lutar pela nação, indo contra as vontades do pai. E ele vai. Acontece que no meio do conflito ele precisa retornar, machucado. Neste retorno, os britânicos cercam a cidade onde mora Benjamin e sua família, e é aí então que os britânicos cometem barbaridades contra a sua família, matando, inclusive, um de seus filhos. A partir daí, impulsionado pelo sentimento de vingança, Benjamin abandona o pacifismo e se junta a Gabriel na tentativa de construir um exército forte o suficiente para destruir a presença britânica na colônia. 

A direção de Roland Emmerich deixa marcas de seu estilo, filmando, sempre quando propício, longos planos, com extensões do cenário, tentando mostrar uma totalidade, filmando tropas inteiras enfileiradas, grandes paisagens de fundo infinito, evidenciando sempre uma vastidão. Essa é uma característica do cineasta alemão, presente em muitos de seus filmes, e que, aqui, parece servir muito bem à temática e ao gênero. É prazeroso ver a grandiosidade, as batalhas, aspectos estes que são próprios do épico. A propósito, apesar do fundo histórico, o que move a narrativa são duas paixões violentas: a ira e a vingança. Benjamin monta toda uma estratégia para vingar a morte do filho, e com isso garante a vitória dos colonos. 

O filme demonstra a que veio logo no primeiro ato, com a morte do filho caçula do personagem de Mel Gibson. O que choca pelo realismo e pela maldade com uma criança. O que se segue adiante já é sabido. A direção não abusa da violência, mas utiliza-se de momentos estratégicos para utilizá-la, como nas grandes cenas de guerra, em que decepa-se cabeças e pernas dos personagens, mas com alguma cautela para que não se torne apenas sangue e carnificina. Algumas destas violências lembram mesmo Non’ ou a Vã Glória de Mandar (Manoel de Oliveira, 1990). Brutal na medida certa, o filme alimenta, durante duas horas e meia, um clímax potente, que é o momento em que Benjamin fica frente a frente com o algoz de seu filho, o coronel William Tavington (Jason Isaacs). A propósito, Jason Isaacs está insuportável neste filme, um carrasco de valor. 

O pressuposto histórico básico é o da independência das treze colônias do julgo dos britânicos, no século XVIII. A questão é enviesada, certamente. A cena da Igreja sendo incendiada pelos ingleses, com fiéis inocentes dentro, é de uma brutalidade ímpar, mas totalmente ficcional e sem conexão com a realidade. Apesar de existir uma centena de críticas quanto ao material histórico, o fato é que a produção utiliza-se da história da maneira que lhe convém, afinal, estamos falando de cinema. A função do cinema não é traduzir a realidade, mas sim interpretá-la, pensar o que poderia acontecer – e não o que aconteceu, de fato -, ficcionalizando a realidade para resultar no seu fim, que é provocar um dado sentimento no espectador. Assim é O Patriota, que em nada contém verdade histórica, apesar de ser inserido nela e dela utilizar-se para construir sua trama. A questão escravagista é tratada de maneira idealizada e até irresponsável pelos produtores, que parecem esconder um grande problema norte-americano durante o processo de Independência. 

A valentia do personagem de Mel Gibson é admirável e um prato cheio para quem aprecia filmes de guerra. Não que seja uma cópia de Coração Valente (Mel Gibson, 1995), mas a sua esperteza no campo de guerra garante boas cenas e bons momentos. A fotografia de Caleb Deschanel contribui demais para a ambientação e a trilha de John Williams, que foi indicado ao Oscar junto de Caleb, garante um tom solene para o filme, que não erra nos aspectos de imagem e som. 

Apesar de ser um bom filme e acertar nos pontos centrais da trama, ele não é excelente, pois tem falhas na formação do argumento – que tenta elevar demais os feitos de uma nação, ficando inverossímil em muitas das vezes – mas que não atrapalha o desenrolar da coisa. A atuação de Mel Gibson garante de modo inegável a vibração heroica do filme, atuando ora com galanteio, ora com violência. O Patriota é mais um épico que reafirma todas as suas características do gênero aplicadas à visão hollywoodiana da história do conflito entre as nações, mas que, por outro lado, entrega tudo aquilo que um filme de guerra precisa, e ganha por isso. 

O Patriota (The Patriot, EUA, 2000)
Direção: Roland Emmerich
Roteiro:  Robert Rodat
Elenco: Mel Gibson, Heath Ledger, Joely Richardson, Jason Isaacs, Chris Cooper, Burwell
Tchéky Karyo, Rene Auberjonois, Lisa Brenner, Tom Wilkinson, Donal Logue, Leon Rippy, Adam Baldwin, Jay Arlen Jones, Joey D. Vieira, Trevor Morgan, Logan Lerman
Duração:  175 min.

Você Também pode curtir

Escreva um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais