Home Música Crítica | De Volta para o Futuro (Trilha Sonora Original)

Crítica | De Volta para o Futuro (Trilha Sonora Original)

por Lucas Nascimento
249 views (a partir de agosto de 2020)

estrelas 5,0

Quando era apenas um jovem padawan no aprendizado do cinema, ia lentamente decorando os nomes de diretores, atores e compositores. Ao explicar a outro jovem colega sobre como John Williams era um dos mais brilhantes profissionais da área, citei seus trabalhos em Star Wars, Indiana Jones, E.T. – O Extraterrestre, De  Volta para o Futuro, Harry P… Eita, espera… John Williams compondo para a trilogia de Robert Zemeckis? Tem certeza? E foi naquele ledo engano quando criança, caros leitores, que aprendi o nome de Alan Silvestri.

Primeiramente, um esclarecimento: este texto é concentrado apenas na trilha instrumental de Silvestri para o filme, então não espantem a ausência de elogios a hits como The Power of Love, Back in Time ou o cover de Johnny Be Good desempenhado por Michael J. Fox.

Então voltemos à Silvestri. Muitos tendem a comparar o trabalho de Zemeckis com o de Steven Spielberg, e o fato de ambos terem compositores inseparáveis certamente confere mais gás à discussão. Ironicamente, foi o próprio Spielberg que sugeriu a Zemeckis que a trilha de Silvestri fosse de uma escala muito maior, tendo se decepcionado com a música deste para Tudo por uma Esmeralda, sua primeira colaboração com Zemeckis. Assim, Silvestri foi orientado para criar uma música que fosse maior do que o filme em si, ainda modesto e menor no primeiro capítulo de uma trilogia que ainda traria cidades futuristas e até mesmo o Velho Oeste americano.

https://www.youtube.com/watch?v=Z3Q1CNLYJXY

A suite principal de De Volta para o Futuro, que ouvimos pela primeira vez em ’85 Twin Pines Mall (durante a perseguição dos terroristas líbios) é algo tão magistral que imediatamente associamos ao estilo aventuresco de John Williams: uma grande orquestra que aposta pesado na força de instrumentos de sopro mais leves, acompanhados por uma bem colocada marcha – especialmente no início desta faixa, criando bem a antecipação de Doc Brown para sua primeira viagem e a subsequente chegada dos líbios.

Além da aventura, Silvestri é habilidoso ao traduzir sonoramente a divertida confusão e estranhamento de Marty McFly no ano de 1955. Peabody Barn e ’55 Town Square ambas se beneficiam de um agudo trompete que nos ajudam a entender a bagunça na cabeça de Marty, ao mesmo tempo em que delicados sinos passam a sensação de algo onírico, quase como um sonho. Cenas de ação inventivas como a fuga de Marty da gangue de Biff Tannen em um skate e o tenso clímax ganham força com Skateboard Chase (onde temos um dos únicos acordes sombrios da saga, quando temos a revelação do Rolls Royce do valentão) e Clocktower, respectivamente. Por fim, George to the rescue simboliza musicalmente com perfeição o arco dramático de George McFly, passando pela curiosidade, medo e eventual vitória.

Alan Silvestri mantém um padrão muito definido quanto aos acordes de De Volta para Futuro, padrão este que ele manteria com inteligência e disciplina nas duas continuações. E mesmo que traga uma clara inspiração em John Williams, ainda é uma das mais icônicas e empolgantes trilhas sonoras cinematográficas de todos os tempos.

Back to the Future: Original Motion Picture Score
Composto e conduzido por Alan Silvestri
País:
Estados Unidos
Ano: 2009
Gravadora: Intrada
Estilo: Música Clássica, Trilha Sonora

Você Também pode curtir

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumimos que esteja de acordo com a prática, mas você poderá eleger não permitir esse uso. Aceito Leia Mais