Crítica | Sense8 – 2X01: Who Am I?

sense8-2x01-plano-critico

estrelas 4,5

  • Contém spoilers. Leiam, aqui, as outras críticas de Sense8.

Depois de uma longa espera de quase dois anos, com apenas um especial de natal no meio para apaziguar a ansiedade dos fãs, Sense8 retorna para sua segunda temporada. Considerando a proposta da série, que exige uma produção mais demorada em virtude dos diversos locais retratados, era apenas natural que o hiato entre uma temporada e outra fosse um pouco maior que o habitual. Esse tempo ainda serviu para que as Wachowski e J. Michael Straczynski, criadores da série, ouvissem as críticas ao primeiro ano, que basicamente falavam de foco maior nos dramas pessoais do que no elemento sci-fi em si. Who am Ipremière desse segundo ano já demonstra um maior equilíbrio desses lados do seriado.

O capítulo tem início com Will Gorski (Brian J. Smith) “visitando” uma instalação da BPO, onde ele vê Whispers (Terrence Mann) controlando um indivíduo, o fazendo cortar o pescoço de outro. Esse trecho inicial imediatamente nos lembra da ameaça desse vilão, já resgatando a situação na qual vimos Will por último no especial de Natal. Sabemos, desde já, que sua atual condição não pode ser mantida por muito tempo e, com isso, uma corrida contra o tempo é iniciada, colocando como objetivo central dos sensates descobrir qualquer coisa que possa levá-los a Whispers.

Dessa forma, o lado ficção científica do seriado é trabalhado através de Will, Riley (Tuppence Middleton), Nomi (Jamie Clayton) e Amanita (Freema Agyeman), essas duas últimas buscando informações sobre o antagonista através de pessoas que tiveram algum contato com ele no passado. Desde já, o roteiro de Lana Wachowski e J. Michael Straczynski começa a explorar a possível origem dos sensates, falando sobre a evolução do ser humano e como o homo sapiens extinguiu aqueles à sua volta. O texto sabiamente insere essas teorias na narrativa, mas, sabiamente, não oferece qualquer resposta conclusiva, não exigindo, portanto, muito de nossa suspensão de descrença, tornando tudo muito fácil de aceitar.

Evidente que a maior parte do suspense e tensão é proveniente justamente dessa parcela do episódio, especialmente nos jogos psicológicos empregados por Whispers, que tenta, ao máximo, fazer Will quebrar. É criada uma grande sensação de instabilidade, visto que não sabemos, ao certo, o quanto mais Gorski pode aguentar de tudo isso. Aos poucos, contudo, o roteiro nos mostra que a caça vai se tornando o caçador, primeiro com Riley e Will enganando o vilão, através de sons de gaivota e rótulos em islandês, depois descobrindo, enfim, a identidade do chefe de Whispers em uma sequência mais que satisfatória, que cria o imediato vínculo com o princípio do capítulo. No início vimos o antagonista em uma posição superior, provocando terror e, aqui, ele é desconstruído e, pela primeira vez, sentimos o seu medo.

Mas se aprendemos algo com Sense8 é que seu lado dramático pode ser tão envolvente quanto aquele ligado a essa luta do bem contra o mal. De fato, um dos melhores trechos do capítulo foca justamente nos dramas pessoais de dois personagens, Lito (Miguel Ángel Silvestre) e Capheus (Toby Onwumere), ambos tendo de lidar com repórteres com todas as intenções menos a de ouvir o que eles dizem. Wachowski e Straczynski mostram, então, a força do discurso inerente à série, defendendo a diversidade e a aceitação, a quebra de preconceitos.

Evidente como o texto poderia ter inserido essa necessidade dos dois personagens se defenderem de forma mais orgânica, mas, ainda assim, é gratificante enxergar como, desde a primeira temporada, o grupo se tornou mais próximo e em uma cena como essa podemos ver com clareza a cumplicidade deles todos. É preciso notar que os discursos de Lito e Capheus são iguais, mostrando como que duas pessoas que nasceram em locais completamente diferentes, tendo sido criados de formas distintas, podem abraçar os mesmos ideais, ter sonhos similares.

Por mais que não conte com nenhuma sequência de ação propriamente dita, Who Am I, através de seu dramático desfecho e outras emblemáticas sequências, inicia a segunda temporada de Sense8 à toda velocidade. Continuando de onde fomos deixados no especial de Natal, as Wachowski e Straczynski mais uma vez nos fazem mergulhar nesse universo de ficção científica, a tal ponto que fica difícil não assistir todos os capítulos de uma vez só.

Sense8 – 2X01: Who Am I? — EUA, 2017
Showrunner:
 Lana Wachowski,  J. Michael Straczynski
Direção: Lana Wachowski
Roteiro: Lana Wachowski, J. Michael Straczynski
Elenco: Doona Bae, Jamie Clayton, Tina Desai, Tuppence Middleton, Max Riemelt, Miguel Ángel Silvestre, Brian J. Smith, Toby Onwumere, Freema Agyeman, Terrence Mann, Naveen Andrews, Daryl Hannah
Duração: 51 min.

GUILHERME CORAL. . . .Refugiado de uma galáxia muito muito distante, caí neste planeta do setor 2814 por engano. Fui levado, graças à paixão por filmes ao ramo do Cinema e Audiovisual, onde atualmente me aventuro. Mas minha louca obsessão pelo entretenimento desta Terra não se limita à tela grande - literatura, séries, games são todos partes imprescindíveis do itinerário dessa longa viagem.