Crítica | The Night Of 1X05: The Season of the Witch

The_Night_Of_the-season-of-the-witch-plano-critico

estrelas 5,0

spoilers! Confira as críticas para os outros episódios da série aqui.

Quando eu vi pela primeira vez o título desse episódio, a primeira coisa que me veio à mente foi a canção homônima de Donovan, para o álbum Sunshine Superman (1966). E mesmo que esta canção não esteja na trilha de The Season of the Witch, existem certas semelhanças temáticas que facilmente ligam uma coisa a outra e as principais delas são: a surpresa causada pela mudança (de pessoas e de situações); a conjunção de ameaças e semi-tragédias, todas para o mesmo grupo de pessoas e em um curto espaço de tempo; e, por fim, a necessidade de fazer com que tudo se acerte e o mundo volte a ser normal novamente.

Richard Price e Steven Zaillian entregam o segundo melhor episódio da série até agora (o primeiro foi o Piloto, The Beach) e se libertam de uma certa manutenção dramática na mesma linha de investigação. Aqui, o texto é magnífico em aspectos que sutilmente se constroem, sutileza esta que nos deixam apreensivos pelas implicações expostas — a mudança física de Naz, que claramente já se reflete em seu comportamento, é a principal dessas marcas — e no que isso pode interferir no resultado final da história, quando o julgamento terminar.

Aqui, The Night Of se expande. A câmera sai da prisão e dos espaços fechados e ganha uma liberdade que se assemelha bastante àquela vista no episódio de estreia do show. Com isso, vemos ações investigativas impulsionadas por diferentes motivações ganharem a nossa atenção, acrescentando medo, suspeitas e sugestões de culpa que até então não tínhamos visto. Sob este status, é necessário destacar o trabalho aplaudível de Riz Ahmed interpretando Naz, que passou de um jovem acusado cujo comportamento arredio e tímido fazia-nos crer que fosse um “good boy“, mas a mudança, a raiva guardada vindo à tona e os jogos de poder a que ele se entrega e executa com grande perícia (já havíamos tido uma prévia disso quando a série trouxe A Arte da Guerra) acabam por nos fazer vê-lo sob outro foco. Afinal de contas, ele tinha, como a maioria das pessoas “comportamentos à margem”, em segredo. Isso torna o personagem ainda mais interessante.

Menos claustrofóbico e abrindo mais portas e possibilidades de resolução, The Season of the Witch começa a juntar as migalhas espalhadas em um único lugar. Não que as apresentações ou novas informações tenham cessado. Mas a apenas 3 capítulos do final, é hora de fazer conexões, estender as redes de contato e avançar nas mudanças pessoais, que vão de Naz com maior adesão ao fato de ser um presidiário, até seu pai, acuado pelos amigos sobre o táxi, e Stone, buscando satisfação pessoal e assumindo a defesa em parceria com Chandra. John Turturro segue rompendo todas as barreiras de elogios em seu papel, e aqui mostra que pode ser muito mais do que um “advogado de quinta” com uma alergia crônica nos pés e faro para clientes de grupos minoritários ou à margem da sociedade. O ponto final do capítulo é intenso, deixa no ar a possibilidade de um ataque e traz ação, algo que, imagino eu, ninguém esperava.

Não há cenários confortáveis na ‘temporada da bruxa’. Através da eficiente edição de Nick Houy, repassamos os momentos do dia do assassinato e, juntamente com Box, iniciamos uma investigação que preza suspeita mas entra em contradição consigo mesma à medida que consideramos as peças que temos até agora. Por outro lado, tentamos entender como alguém pode mudar tão rápido e refletimos sobre a clara crítica feita pelos autores ao fato de que sem uma limpeza de pessoal dentro do sistema penitenciário e um verdadeiro programa de reabilitação para os que lá estão, é fato que ficam pior do que entraram. O contrário, como todos sabemos, é a exceção, infelizmente.

Finalizo com destaque especial para o trabalho de som deste episódio, primeiro da edição e mixagem, com destaque para as cenas externas, depois para a trilha sonora, que é precisa e responsável por criar uma gama de atmosferas dramáticas que vão do confortável ambiente jazzístico, popular/étnico ou lounge de alguns bares e ruas de Nova York até a densidade da prisão, da Corte e espaços particulares como casas e escritórios. Até as pequenas entradas de humor do episódio entram nessa jogada e possuem um elemento sacana de crueldade.

Menos em relação ao gato, o nosso mascote.

Está difícil criar uma opinião sólida sobre o caso. Que ótimo desafio nós temos aqui.

The Night Of 1X05: The Season of the Witch (EUA, 7 de agosto de 2016)
Direção: Steven Zaillian
Roteiro: Richard Price, Steven Zaillian
Elenco: Riz Ahmed, John Turturro, Bill Camp, Peyman Moaadi, Poorna Jagannathan, Jeannie Berlin, Chandra Kapoor, Michael Kenneth Williams, Joe Egender, Charlie Hudson III, Peyman Moaadi, Amara Karan
Duração: 60 min.

LUIZ SANTIAGO. . . .Depois de recusar o ingresso em Hogwarts, fui abduzido pelo Universo Ultimate. Lá, tive ajuda do pessoal do Greendale Community College para desenvolver técnicas avançadas de um monte de coisas. No mesmo período, conheci o Dr. Manhattan e vi, no futuro, Ozymandias ser difamado com a publicação do diário de Rorschach. Hoje costumo andar disfarçado de professor, mas na verdade sou um agente de Torchwood, esperando a TARDIS chegar na minha sala de operações a qualquer momento.